Sinais de recente seleção positiva em amostra de populações humanas

terça-feira, março 31, 2009

Signals of recent positive selection in a worldwide sample of human populations

Joseph K. Pickrell1,13, Graham Coop1,1213, John Novembre1,2, Sridhar Kudaravalli1, Jun Z. Li3, Devin Absher4, Balaji S. Srinivasan5,6,7,8, Gregory S. Barsh9, Richard M. Myers4, Marcus W. Feldman10 and Jonathan K. Pritchard1,11,13
+Author Affiliations

1Department of Human Genetics, The University of Chicago, Chicago, Illinois 60637, USA;

2Department of Ecology and Evolutionary Biology, University of California, Los Angeles, Los Angeles, California 90095, USA;

3Department of Human Genetics, University of Michigan, Ann Arbor, Michigan 48109, USA;

4HudsonAlpha Institute for Biotechnology, Huntsville, Alabama 35806, USA;

5Stanford Genome Technology Center, Stanford University, Stanford, California 94305, USA;

6Program in Biomedical Informatics, Stanford University, Stanford, California 94305, USA;

7Department of Computer Science, Stanford University, Stanford, California 94305, USA;

8Department of Statistics, Stanford University, Stanford, California 94305, USA;

9Department of Genetics, Stanford University, Stanford, California 94305, USA;

10Department of Biological Sciences, Stanford University, Stanford, California 94305, USA;

11Howard Hughes Medical Institute, The University of Chicago, Chicago, Illinois 60637, USA.


Genome-wide scans for recent positive selection in humans have yielded insight into the mechanisms underlying the extensive phenotypic diversity in our species, but have focused on a limited number of populations. Here, we present an analysis of recent selection in a global sample of 53 populations, using genotype data from the Human Genome Diversity-CEPH Panel. We refine the geographic distributions of known selective sweeps, and find extensive overlap between these distributions for populations in the same continental region but limited overlap between populations outside these groupings. We present several examples of previously unrecognized candidate targets of selection, including signals at a number of genes in the NRG–ERBB4 developmental pathway in non-African populations. Analysis of recently identified genes involved in complex diseases suggests that there has been selection on loci involved in susceptibility to type II diabetes. Finally, we search for local adaptation between geographically close populations, and highlight several examples.


↵12 Present address: Section of Evolution and Ecology, University of California, Davis, California 95616, USA.
↵13 Corresponding authors.
↵E-mail; fax (773) 834-0508.
↵E-mail; fax (530) 752-1449.
↵E-mail; fax (773) 834-0505.

[Supplemental material is available online at The data from this study is publicly available at]

Article published online before print. Article and publication date are at

Received October 1, 2008.
Accepted January 13, 2009.
Freely available online through the Genome Research Open Access option.
Copyright © 2009 by Cold Spring Harbor Laboratory Press.

PDF do artigo gratuito aqui.

Artigos gratuitos em astrofísica e ciência espacial

Astrophysics and Space Science
An International Journal of Astronomy, Astrophysics and Space Science
Editor-in-Chief: Michael A. Dopita
ISSN: 0004-640X (print version)
ISSN: 1572-946X (electronic version)
Journal no. 10509
Springer Netherlands

PDF de artigos gratuitos até 30 de abril de 2009:

A milestone paper providing a magisterial summary of a complete subdiscipline in Astrophysics

M. Catelan
Horizontal branch stars: the interplay between observations and theory, and insights into the formation of the Galaxy

(1) Departamento de Astronomía y Astrofísica, Pontificia Universidad Católica de Chile, Av. Vicuña Mackenna 4860, 782-0436 Santiago, Chile
Received: 24 October 2008 Accepted: 19 January 2009 Published online: 12 February 2009


We review and discuss horizontal branch (HB) stars in a broad astrophysical context, including both variable and non-variable stars. A reassessment of the Oosterhoff dichotomy is presented, which provides unprecedented detail regarding its origin and systematics. We show that the Oosterhoff dichotomy and the distribution of globular clusters in the HB morphology-metallicity plane both exclude, with high statistical significance, the possibility that the Galactic halo may have formed from the accretion of dwarf galaxies resembling present-day Milky Way satellites such as Fornax, Sagittarius, and the LMC—an argument which, due to its strong reliance on the ancient RR Lyrae stars, is essentially independent of the chemical evolution of these systems after the very earliest epochs in the Galaxy’s history. Convenient analytical fits to isochrones in the HB type–[Fe/H] plane are also provided. In this sense, a rediscussion of the second-parameter problem is also presented, focusing on the cases of NGC 288/NGC 362, M13/M3, the extreme outer-halo globular clusters with predominantly red HBs, and the metal-rich globular clusters NGC 6388 and NGC 6441. The recently revived possibility that the helium abundance may play an important role as a second parameter is also addressed, and possible constraints on this scenario discussed. We critically discuss the possibility that the observed properties of HB stars in NGC 6388 and NGC 6441 might be accounted for if these clusters possess a relatively minor population of helium-enriched stars. A technique is proposed to estimate the HB types of extragalactic globular clusters on the basis of integrated far-UV photometry. The importance of bright type II Cepheids as tracers of faint blue HB stars in distant systems is also emphasized. The relationship between the absolute V magnitude of the HB at the RR Lyrae level and metallicity, as obtained on the basis of trigonometric parallax measurements for the star RR Lyr, is also revisited. Taking into due account the evolutionary status of RR Lyr, the derived relation implies a true distance modulus to the LMC of (m–M)0=18.44±0.11. Techniques providing discrepant slopes and zero points for the M V (RRL)–[Fe/H] relation are briefly discussed. We provide a convenient analytical fit to theoretical model predictions for the period change rates of RR Lyrae stars in globular clusters, and compare the model results with the available data. Finally, the conductive opacities used in evolutionary calculations of low-mass stars are also investigated.

Keywords Galaxies: Local Group - Galaxy: formation - Galaxy: globular cluster: general - Stars: evolution - Stars: Hertzsprung-Russell diagram - Stars: horizontal-branch - Stars: variables: other

M. Catelan is John Simon Guggenheim Memorial Foundation Fellow.

PDF gratuito aqui. [1.7 MB]


Laying out the observational evidence for the building blocks of life in space:
Sun Kwok
Organic matter in space: from star dust to the Solar System

(1) Faculty of Science, The University of Hong Kong, Hong Kong, China
Received: 30 November 2008 Accepted: 9 December 2008 Published online:19 December 2008


Organic compounds of high degree of complexity are now known to be widespread in the Universe, ranging from objects in our Solar System to distant galaxies. Through the techniques of millimeter-wave spectroscopy, over 140 molecules have been identified through their rotational transitions. Space infrared spectroscopy has detected the stretching and bending modes of compounds with aromatic and aliphatic structures. Analyses of samples of meteorites, comets, asteroids, and interplanetary dust also revealed a rich content of organic substances, some of which could be of extra-solar origin. We review the current state of understanding of the origin, evolution, nature, and distribution of organic matter in space. Also discussed are a number of unexplained astronomical phenomena whose origins could be traced to organic carriers.

Keywords Solar System - Stellar evolution - Infrared spectroscopy - Organic matter

PDF grauito aqui. [1.3 MB]


Examining the various prevailing hypotheses on how life arose on earth:
Ashwini Kumar Lal
Origin of Life

(1) Ministry of Statistics and Programme Implementation, Sardar Patel Bhawan, Parliament Street, New Delhi, 110001, India

Received: 16 April 2008 Accepted: 15 July 2008 Published online: 10 October 2008


The evolution of life has been a big enigma despite rapid advancements in the field of astrobiology, microbiology and genetics in recent years. The answer to this puzzle is as mindboggling as the riddle relating to evolution of the universe itself. Despite the fact that panspermia has gained considerable support as a viable explanation for origin of life on the earth and elsewhere in the universe, the issue, however, remains far from a tangible solution. This paper examines the various prevailing hypotheses regarding origin of life-like abiogenesis, RNA world, iron–sulphur world and panspermia, and concludes that delivery of life-bearing organic molecules by the comets in the early epoch of the earth alone possibly was not responsible for kick-starting the process of evolution of life on our planet.

Keywords Abiogenesis - Panspermia - LUCA - Microbes - Thermophiles - Extremophiles - Cyanobacteria - DNA - RNA - RNA world - Iron–sulphur world - Miller–Urey experiment – Comets

PDF gratuito aqui. [748.12 KB]


Probing stellar winds at Ultraviolet wavelengths:
A. Herrero 1, M. Garcia 2 and F. Najarro 3
Outflows from massive blue stars

(1) Departamento de Astrofísica, Avda Francisco Sánchez 2, 38206 La Laguna, Spain
(2) Instituto de Astrofísica de Canarias, C/ Vía Láctea s/n, 38200 La Laguna, Spain
(3) Departamento de Astrofísica Molecular e Infrarroja, Instituto de Estructura de la Materia, CSIC, C/ Serrano 117, 28000 Madrid, Spain

Received: 21 April 2008 Accepted: 23 December 2008 Published online: 4 February 2009


We present in this contribution a revision of the origin, main properties and open issues in the field of winds of massive blue stars, with a particular emphasis in the ultraviolet observations

Keywords Stars: massive - Stars: mass-loss - Stars: atmospheres - Stars: UV

PDF gratuito aqui. [1.1 MB]

A Folha de São Paulo não explica o dilema de Darwin: o registro fóssil

Em 1859 Darwin sabia: a inexistência de zilhões de elos transicionais no registro fóssil era um argumento poderoso contra as suas especulações transformistas através de um processo evolutivo lento e gradual.

Um século e meio depois da publicação de Origem das Espécies e dois séculos após o nascimento de seu autor, Charles Darwin (1809-82), a explicação tida como mais racional e objetiva do mundo não é corroborada pelas evidências encontradas no registro fóssil. Teriam sido inteiramente perdidos os 150 anos de teoria da evolução por seleção natural, a grande contribuição de Darwin para as ciências da vida e para o pensamento contemporâneo como indagou a Folha de São Paulo?

Desde 1859 um exército de dedicados e renomados paleontólogos e paleobiólogos foram à caça de tais evidências que corroborariam a teoria de Darwin. E o que eles encontraram? Eles ainda estão encontrando o mesmo dilema de Darwin: estase, inequívoca antítese da evolução — nenhuma evidência dessas mudanças lentas e graduais.

Para livrar a cara de Darwin no contexto de justificação teórica — Niles Eldredge e Stephen Jay Gould popularizaram a teoria do equilíbrio pontuado em 1972, e outros cientistas elaboraram numerosas razões “racionais” sobre por que o registro fóssil não mostra a evidência evolutiva predita e esperada por Darwin e discípulos.

Será que Marcelo Leite, colunista da Folha de S.Paulo, mostrou realmente neste livro como que a teoria darwiniana veio a tornar-se a melhor e mais resistente explicação para o fenômeno da vida tal como a conhecemos hoje? Vamos dar uma olhada retrospectiva nos livros e na literatura especializada sobre o que os paleontólogos disseram a respeito do registro fóssil.

Sorry, periferia, mas está em inglês:

“In all major lineages, the earliest known members had already achieved the basic body plan of their living descendants. They differed in details, but most can be readily allied with their modern descendants ... Few fossils are yet known of plausible intermediates between the invertebrate phyla, and there is no evidence for the gradual evolution of the major features by which the individual phyla or classes are characterized.”

Carroll, Robert in Patterns and Processes of Vertebrate Evolution. Cambridge University Press, (1997), p. 4.

“The introduction of a variety of organisms in the early Cambrian, including such complex forms of the arthropods as the trilobites, is surprising. ... The introduction of abundant organisms in the record would not be so surprising if they were simple. Why should such complex organic forms be in rocks about six hundred million years old and be absent or unrecognized in the records of the preceding two billion years? If organisms evolved, it should have taken a long time for them to have developed into forms such as arthropods. Many suggestions have been made. They may have had soft bodies, structures that were not resistant enough to be preserved as fossils. As we will see, remarkably well-preserved records of soft-bodied Cambrian organisms are known in Alberta-animals that otherwise are not known through the geological record because they have so rarely been preserved. ... If there has been evolution of life, the absence of the requisite fossils in the rocks older than the Cambrian is puzzling.”

Kay, Marshall, and Edwin H. Colbert in Stratigraphy and Life History. John Wiley & Sons, New York, London, Sydney, NY (1965), p. 102-103.

“One might suppose that Darwin, like his modern intellectual descendants, saw in the fossil record a confirmation of his theory — the literal documentation of life's evolution from the Cambrian to the present day. In fact, the two chapters devoted to geology in The Origin of Species are anything but celebratory. On the contrary, they constitute a carefully worded apology in which Darwin argues that evolution by natural selection is correct despite an evident lack of support from fossils.”

Knoll, Andrew H. in Life on a Young Planet. Princeton University Press, (2003), p. 11.

“Most paleontologists today give little thought to fossiliferous rocks older than the Cambrian, thus ignoring the most important missing link of all. Indeed the missing Pre-Cambrian record cannot properly be described as a link for it is in reality, about nine-tenths of the chain of life: the first nine-tenths.”

Ladd, H.S. in Geological Society of America Memoir, Vol II. (1967), p. 7.

“Since there is considerable question as to just when plants did come from water onto land-estimated dates varying from early Cambrian to Silurian times — it is clear that no one actually knows much about the actual events. There is no tangible evidence whatsoever in the fossil record. Supposedly somewhere within the group called algae lay the sources of the higher plants, the vascular groups. Whatever these ancestors may have been, they seem to have been irrevocably lost in the vastness of time.”

Olson, Everett C. in The Evolution of Life. The New American Library, New York and Toronto, (1965), p. 160,161.

“Ediacarian fossils provide the earliest evidence of metazoan life on Earth. All are impressions of soft-bodied organisms that lived in shallow seas over 600 million years ago, about 50 million years preceding the Cambrian. ... At any rate, they shed little light on the question of which phyla were ancestral to other phyla, or if, indeed, animals have a common ancestry.”

Pearse, V., J. Pearse, M. Bushsbaum, and R. Buchsbaum “Chapter Thirty: Animal Relationships” in Living Invertebrates. Blackwell Scientific Publications, Palo Alto, CA (1987), 2nd edition, p. 764.

“The known phyla of living animals...number well over 30, each with a characteristic body plan. ...There are few convincing intermediate species that might serve as bridges between the phyla.”

Pearse, V., J. Pearse, M. Bushsbaum, and R. Buchsbaum “Chapter Thirty: Animal Relationships” in Living Invertebrates. Blackwell Scientific Publications, Palo Alto, CA (1987), 2nd edition, p. 753.

“A record of pre-Cambrian animal life, it appears, simply does not exist. Why this lamentable blank? Various theories have been proposed; none is too satisfactory. It has been suggested, for example, that all the Pre-Cambrian sediments were deposited on continental areas, and the absence of fossils in them is due to the fact that all the older animals were sea-dwellers. But that all these older sediments were continental is a theory which opposes, without proof, everything we know of deposition in later times. Again, it is suggested that the Pre-Cambrian seas were poor in calcium carbonate, necessary for the production of preservable skeletons; but this is not supported by geochemical evidence. Yet again, it is argued that even though conditions were amenable to the formation of fossilizable skeletal parts, the various phyla only began to use these possibilities at the dawn of the Cambrian. But it is, a priori, hard to believe that the varied types present in the early Cambrian would all have, so to speak, decided to put on armour simultaneously. And, once again, it has been argued that the whole evolution of multicellular animals took place with great rapidity in late Pre-Cambrian times, so that a relatively short gap in rock deposition would account for the absence of any record of their rise. Perhaps; but the known evolutionary rate in most groups from the Cambrian on is a relatively leisurely one, and it is hard to convince oneself that a sudden major burst of evolutionary advance would be so promptly followed by a marked ‘slowdown’. All in all, there is no satisfactory answer to the Pre-Cambrian riddle.”

Romer, A.S. in The Procession of Life. The World Publishing Co, Cleveland, OH (1968), p.19-20.

“The models we consider are of three sorts: those that extrapolate processes of speciation to account for higher taxa via divergence, those that invoke selection among species, and those that emphasize that many higher taxa originated as novel lineages in their own right, not only as a consequence of species-level processes. It is in this latter class of model that we believe the record favors. ... many of the large populations should have been preserved, yet we simply do not find them. Small populations are called for, then, but there are difficulties here also. The populations must remain small (and undetected) and evolve steadily and consistently toward the body plan that comprises the basis of a new phylum (or class). This is asking a lot. Deleterious mutations would tend to accumulate in small populations to form genetic loads that selection might not be able to handle. Stable intermediate adaptive modes cannot be invoked as a regular feature, since we are then again faced with the problem of just where their remains are. We might imagine vast arrays of such small populations fanning continually and incessantly into adaptive space. Vast arrays should have produced at least some fossil remains also. Perhaps an even greater difficulty is the requirement that these arrays of lineages change along a rather straight and true course — morphological side trips or detours of any frequency should lengthen the time of origin of higher taxa beyond what appears to be available. Why should an opportunistic, tinkering process set on such a course and hold it for so long successfully among so many lineages?”

Valentine, J., and Erwin, D. “Interpreting Great Developmental Experiments: The Fossil Record” in Development as an Evolutionary Process, Raff, Rudolf A. and Elizabeth C. Raff, ed. Alan R. Liss, Inc., New York, NY (1985), p.71.

“We conclude that the extrapolation of microevolutionary rates to explain the origin of new body plans is possible, but does not accord with the primary evidence.”

Valentine, J., and Erwin, D. “Interpreting Great Developmental Experiments: The Fossil Record” in Development as an Evolutionary Process, Raff, Rudolf A. and Elizabeth C. Raff, ed. Alan R. Liss, Inc., New York, NY (1985), p.95.

“It is certain that the multicellular animals, like the two other multicellular kingdoms, the Fungi and Plantae are the descendants of the unicellular (or acellular) eukaryote protists. But there the certainty ceases. Most of the animal phyla that are represented in the fossil record first appear, fully formed, in the Cambrian some 550 million years ago...The fossil record is therefore of no help with respect to the origin and early diversification of the various animal phyla.”

Barnes, R.S.K., P. Calow, P.J.W. Olive, and D.W. Golding in The Invertebrates: A New Synthesis. University Press, Cambridge, (1993).

“We must still address the phylogenetic origin of the molluscs themselves. The excellent fossil record of molluscs extends back some 500 million years and indicates that the origin of this phylum lies hidden in Precambrian history, and we may never know with much certainty what the first mollusc was like.”

Brusca, Richard C. & Gary J. Brusca in Invertebrates. Academic Press, New York, NY (1990), p. 764.

“The origin of insect flight, like the origins of wings and flight in vertebrates, is a wonderful mystery yet to be completely solved. The basic problem is one of explaining the intermediate stages ... The earliest known insect fossils include both winged and wingless types — but no intermediates or partly winged fossil forms have yet been found... .”

Brusca, Richard C. & Gary J. Brusca in Invertebrates. Academic Press, New York, NY (1990), p. 562.

“The fossil record of amphibians in the Lower Carboniferous is very incomplete and little is known of the specific interrelationships of the numerous lineages.”

Carroll, Robert “Evolution” in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 188.

“The origin and relationships of salamanders and caecilian remain uncertain. The presence of pedicellate teeth in all three groups and the operculum-opercularis complex in frogs and salamanders suggest that the modern amphibian groups share a common ancestry from among the Paleozoic amphibians. However, no fossils are known that support this hypothesis, and all three groups may have evolved separately from distinct ancestral groups.”

Carroll, Robert “Evolution” in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 189.

“The early amniotes [birds, reptiles, mammals] are sufficiently distinct from all Paleozoic amphibians that their specific ancestry has not been established.”

Carroll, Robert “Evolution” in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 198.

“By the early Permian, pelycosaurs made up 70 per cent of the known amniote genera and had diversified into a number of distinct families. Unfortunately, remains from the Carboniferous, when these groups underwent initial differentiation, are still poorly known, and specific interrelationships of these families continue to be in dispute.”

Carroll, Robert in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 364.

“All birds that we know from the Cenozoic appear to share a common ancestry above the level of the toothed Hesperornithiformes and Ichthyornithiformes. The fossil record demonstrated that at least some of the modern orders had already differentiated by the end of the Mesozoic, but their remains are so incomplete that it is not possible to establish the common skeletal pattern from which they evolved or to establish their interrelationships (empahsis added).”

Carroll, Robert in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 364.

“Because of their great numbers and wide range of anatomical diversity, it is a monumental problem to establish phylogenetic relationships among the teleosts [ie, fish] ... No fossils are known of an immediate common ancestor that might have given rise to crossopterygians and Dipnoi...”

Carroll, Robert “Evolution” in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 113.

“Despite extensive study of exceptionally well-preserved fossils of sarcopterygian fish near the beginning of their radiation in the Devonian, considerable controvery remains regarding their relationships.”

Carroll, Robert “Evolution” in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 153.

“Olson (1962, 1974) described fossils from the early Upper Permian that have some features in common with therapsids, but their remains are too fragmentary to provide information regarding the transition between the two groups. “

Carroll, Robert “Evolution” in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 369.

“Unfortunately, the record of the immediate ancestors of mammals becomes less complete in the Upper Triassic. The trithelodonts provide only a tantalizing glimpse of small forms that may be derived from the chiniquodontids. The tritylodonts provide good evidence of the final stages in the evolution of the therapsids, but their highly specialized dentition indicates that they are not close to the ancestry of mammals.”

Carroll, Robert “Evolution” in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 392.

Sobre os Captorhinomorphs...

“Each of these derivative groups is already well differentiated when it first appears in the fossil record, and the specific times of their derivation has not been established.”

Carroll, Robert “Evolution” in Vertebrate Paleontology and Evolution. W.H. Freeman and Co., New York, NY (1988), p. 202.

“Every time I write a paper on the origin of life, I determine I will never write another one, because there is too much speculation running after too few facts.”

Crick, Francis in Life Itself: Its Origin and Nature. Touchstone Book, publicado por Simon & Schuster, New York, NY (1981), p. 153.

“Unfortunately evidence of the crucial steps leading to the origin of insects have not yet been found in the fossil record. Wings have contributed more to the success of insects than any other anatomical structures, yet the historical origin of wings remains largely a mystery. The earliest insect fossils that have been discovered, from the Pennsylvanian Period, were already winged...Thus the body structures that developed into wings, the steps in the evolution, and the ecological circumstances that favored wings are debatable.”

Daly, H.V., J.T. Doyen, and P.R. Ehrlich. in Introduction to Insect Biology and Diversity. McGraw Hill, New York, NY (1978), p. 274.

“Some scientists say, just throw energy at it and it will happen spontaneously. That is a little bit like saying: put a stick of dynamite under the pile of bricks, and bang, you've got a house! Of course you won't have a house, you'll just have a mess. The difficulty in trying to explain the origin of life is in accounting for how the elaborate organisational structure of these complex molecules came into existence spontaneously from a random input of energy. How did these very specific complex molecules assemble themselves.”

Davies, Paul C.W. and Adams, Philip in More Big Questions. ABC Books, Sydney, (1998), p. 53-54, 47-48.

“It is easier to understand the stages by which the reptiles evolved temporal fenestrae and other distinguishing skeletal characters than to imagine the steps that led to the development of the ‘land egg.’ Paleontologists continue to speculate upon the way in which the enclosure of the embryo came about, however, because the matter is central to the broad question of reptilian origins. Study of the eggs laid by living reptiles has provided little insight into the evolution of the extraembryonic structures which gave protoreptiles their first advantage over other tetrapods. Rather than recapitulating the process of its evolution, the ‘land egg’ develops in a specialized manner derived, no doubt, by abbreviation and reordering of an earlier procedure. ... All the extraembryonic membranes in the ‘land egg’ of a modern reptile must complete their formation normally if the embryo is to sustain itself. The yolk sac is of crucial importance, because nutritive materials from the yolk mass can enter the body only by passing through the vessels in its surface. The allantois also cannot fail: it serves as the respiratory organ for the embryo, since blood coursing through it loses carbon dioxide and receives oxygen by diffusion through the adjacent chorion and porous shell. In addition, its central cavity stores nitrogenous wastes produced by the actively metabolizing, embryonic cells. Blood reentering the embryo from the allantoic vessels restores to the body water that has been resorbed from the excreted waste and also adds some that passes into the egg from the environmental air. The exterior of the embryo is kept wet by a liquid that accumulates within the amnion. Unlike pond water, to which it is often compared, the amniotic fluid does not act as an oxygen-bearing medium for the embryo. It is an adaptation for protecting the developing, animal against shock and for preventing it from resting against the membranes in the shell and sticking to them. Despite the difficulty of explaining how the embryo might have been served while the ‘land egg’ was evolving to its present state, Szarski has suggested a series of steps by which the reptilian structure may have arisen.”

Stahl, Barbara J. “The Rise and Fall of the Reptiles” in Vertebrate History: Problems in Evolution. Dover, New York, NY (1985), 2nd edition, p. 269-270.

“Paleontologists are quite certain of the relationship between the rhipidistians and the amphibians even though they have not discovered the animals intermediate between the finned and limbed forms. The remains of the oldest tetrapods in their collections leave no doubt about the derivation of the axial skeleton from fishes of the rhipidistian group. Since the fossil material provides no evidence of other aspects of the transformation from fish to tetrapod, paleontologists have had to speculate how legs and aerial breathing evolved and why a group of fishes produced forms that habituated themselves little by little to life on land.”

Stahl, Barbara J. in Vertebrate History: Problems in Evolution. Dover, New York, NY (1985), 2nd edition, p. 194-195.

“The lack of fossil specimens intermediate between anurans or urodeles and the older amphibians has forced paleontologists and students of the living animals to base their speculations about the evolution of the group upon evidence from the anatomy and embryology of modern species. This approach has presented difficulties that have so far proved insurmountable . The structure of the existing amphibians is so specialized that the more generalized condition from which it derived is almost completely obscured.”

Stahl, Barbara J. in Vertebrate History: Problems in Evolution. Dover, New York, NY (1985), 2nd edition, p. 240-241.

“If sufficient fossil material were available, paleontologists think that the turtles would be traceable...almost directly to the early cotylosaurs. Because turtles enter the record in a nearly modern state in the Triassic period, the supposition rests on inferences from the anatomy of their skull rather than on evidence of known transitional forms.”

Stahl, Barbara J. in Vertebrate History: Problems in Evolution. Dover, New York, NY (1985), 2nd edition, p. 284-285.

“...frogs and toads...have been found as fossils, but known extinct forms are essentially modern in structure and give no hint of the older amphibians from which they have descended.”

Stahl, Barbara J. in Vertebrate History: Problems in Evolution. Dover, New York, NY (1985), 2nd edition, p. 240.

“The great diversity of these opinions reflects their largely subjective nature. Individual viewpoints often reveal idealogical, philosophical, or religious biases more than they express objective appraisals, for the simple reason that not enough elements are available for objective analysis.”

de Duve, Christian “Chance or Necessity” in Blueprint for a Cell: The Nature and Origin of Life. Neil Patterson Publishers, Burlington, NC (1991), 1st edition, p. 212.

“Paleontologists just were not seeing the expected changes in their fossils as they pursued them up through the rock record. ... That individual kinds of fossils remain recognizably the same throughout the length of their occurrence in the fossil record had been known to paleontologists long before Darwin published his Origin. Darwin himself, ... prophesied that future generations of paleontologists would fill in these gaps by diligent search ... One hundred and twenty years of paleontological research later, it has become abundantly clear that the fossil record will not confirm this part of Darwin's predictions. Nor is the problem a miserly fossil record. The fossil record simply shows that this prediction is wrong.
The observation that species are amazingly conservative and static entities throughout long periods of time has all the qualities of the emperor's new clothes: everyone knew it but preferred to ignore it. Paleontologists, faced with a recalcitrant record obstinately refusing to yield Darwin's predicted pattern, simply looked the other way.”

Eldredge, N. and Tattersall, I. (1982), The Myths of Human Evolution, Columbia University Press, p. 45-46

“The gaps in the fossil record are real, however. The absence of a record of any important branching is quite phenomenal. Species are usually static, or nearly so, for long periods; species seldom and genera never show evolution into new species or genera but replacement of one by another, and change is more or less abrupt.”

Wesson, R., Beyond Natural Selection, MIT Press, Cambridge, MA, 1991) p. 45.

Como que a teoria da evolução por seleção natural é “a melhor e mais resistente explicação para o fenômeno da vida tal como a conhecemos” se desde 1859 até hoje o registro fóssil continua dizendo um sonoro não para as especulações transformistas de Darwin?

A Folha de São Paulo não explicou, mas poderia explicar o verdadeiro status de robustez epistêmica da “melhor e mais resistente explicação” teórica se “ouvisse o outro lado” das evidências: no contexto de justificação teórica o livro “Darwin” é mais retórica ufanista. Com um agravante: desprovido das evidências que justifiquem o caráter heurístico proposto por Darwin – o de explicar a origem das espécies.

O registro fóssil corrobora as especulações transformistas de Darwin? As pedras clamam e dizem “Não”! O que é gritante é que os autores de livros didáticos de Biologia do ensino médio não abordam esta questão teórica fundamental, e os alunos tem sua cidadania violentada: acesso à informação científica objetiva e não distorcida. Alô MEC/SEMTEC/PNLEM, o nome disso é desonestidade acadêmica!

Marcelo Leite, está faltando mais Bacon na Folha: ir à natureza, fazer perguntas a ela e seguir as evidências aonde elas forem dar!

Este blog é lido até na Universidade Harvard


Centenas de pesquisas sobre a seleção natural podem estar erradas

Cientistas da Universidade Estadual da Pensilvânia e do Japão afirmam que centenas de pesquisas mostrando a seleção natural podem estar erradas. O PhysOrg [1] relatou que “diversos métodos estatísticos comumente utilizados por biólogos para detectar a seleção natural no nível molecular tendem a produzir resultados incorretos.”

A maioria das pesquisas sobre a evolução humana se apoiou nesses métodos passíveis de erros.

Se os métodos estão errados, nós não podemos confiar naquelas conclusões.

“É claro, nós nunca diríamos que a seleção natural não está acontecendo, mas nós estamos afirmando que estes métodos estatísticos podem induzir os cientistas a fazerem inferências errôneas,” disse Masatoshi Nei (Universidade Estadual da Pensilvânia), o líder do grupo desta pesquisa.

Fazer associação da seleção natural com mudanças genéticas resultando em um aminoácido sendo substituído por uma proteína é uma pressuposição dúbia. “Na verdade, a maioria das substituições de aminoácidos não resulta em mudanças funcionais, e a mudança adaptiva de uma proteína frequentemente ocorre através de uma substituição rara de aminoácido... Por esta razão, os métodos estatísticos podem dar conclusões erradas”, disse Nei.

O grupo de pesquisadores dirigidos por Nei reexaminou um artigo de 2007 por Yokoyama et al [2] que Austin Hughes [3] (Universidade da Carolina do Sul) tinha elogiado ano passado como representando a maneira correta de inferir seleção positiva. Naquele artigo, Hughes tinha excluído a validade da estatística para deduzir a seleção:

“Milhares de pesquisas são publicadas a cada ano afirmando a evidência de evolução adaptiva baseadas somente em análise computacional, sem nenhuma evidência sequer concernente aos efeitos fenotípicos das alegadas mutações adaptivas.” Hughes destacou que a pesquisa de Yokoyama et al como uma exceção — uma pesquisa “solidamente baseada na biologia.”

Bem, os cientistas dirgidos por Nei, aparentemente demonstraram que até aquele caso estava errado. Razão? Eles afirmaram que não havia nenhuma correlação entre os sítios de seleção preditos e aqueles determinados pelos experimentos.

QED: Yokoyama et al tinham encontrado falsos positivos.

O que seria necessário para se testar a seleção natural mais acuradamente? O grupo de pesquisadores comandados por Nei disse que os cientistas devem colocar lado a lado os dados estatísticos com os dados experimentais sempre que possível. Mas isso é difícil de ser feito e é muito caro: “Os cientistas geralmente não usam os dados experimentais porque tais experiências podem ser muito difíceis de serem conduzidas e porque elas gastam muito tempo.”

Fui, nem sei por que, pensando: o que fazer daqueles artigos e pesquisas sobre a evolução humana baseadas em estatísticas? Pior ainda: o que fazer dos mestrados e doutorados sobre a evolução humana obtidos em cima do erro estatístico?

Cruz, credo! Pereça tal pensamento! Argh! É quase como cometer um assassinato!


1. PhysOrg. March 30, 2009.

2. Elucidation of phenotypic adaptations: Molecular analyses of dim-light vision proteins in vertebrates Shozo Yokoyama*†, Takashi Tada*, Huan Zhang‡, and Lyle Britt§ *Department of Biology, Emory University, Atlanta, GA 30322; ‡Department of Marine Sciences, University of Connecticut, Groton, CT 06340;
and §Alaska Fisheries Science Center, National Marine Fisheries Service, National Oceanic and Atmospheric Administration, Seattle, WA 98195. Edited by Masatoshi Nei, Pennsylvania State University, University Park, PA, and approved July 14, 2008 (received for review March 12, 2008).

PDF do artigo gratuito aqui.

3. The origin of adaptive phenotypes, Austin L. Hughes* Department of Biological Sciences, University of South Carolina, Columbia, SC 29208.

PDF do artigo gratuito aqui.

A Folha de São Paulo finalmente explica Darwin

segunda-feira, março 30, 2009

Marcelo Leite
1ª. edição 2009


Um século e meio depois da publicação de Origem das Espécies e dois séculos após o nascimento de seu autor, Charles Darwin (1809-82), ainda são ensinadas ideias sobre o fenômeno da vida que esse livro célebre tanto fez para erradicar, em favor de uma explicação mais racional e objetiva do mundo. Terão sido inteiramente perdidos os 150 anos de teoria da evolução por seleção natural, a grande contribuição de Darwin para as ciências da vida e para o pensamento contemporâneo?

Marcelo Leite, colunista da Folha de S.Paulo, mostra como a teoria darwiniana veio a tornar-se a melhor e mais resistente explicação para o fenômeno da vida tal como a conhecemos hoje.


Título: Darwin
Autor: Marcelo Leite
Editora: Publifolha
Edição: 1a. edição, 2009
Idioma: Português
Número de páginas: 96 páginas
Formato: 11 cm x 18 cm (largura x altura)
Especificação: Offset 90g/m², 1x1 cor, Brochura
Peso: 9,8 gramas
ISBN-13: 978-85-7914-021-1
Área: Referência
Série: Folha Explica - Biologia
Para comprar pelo telefone ligue para 0800 140090



JC e-mail 3731, de 30 de Março de 2009

21. Livro expõe Charles Darwin em alto-relevo, resenha de Nelio Bizzo

Obra que retrata o legado do naturalista inglês, pai da teoria da evolução, é fruto sintético de uma pesquisa em boas fontes de informação

Nelio Bizzo é professor titular da USP, fellow do Institute of Biology (Londres) e pesquisador da obra de Charles Darwin com diversos livros e artigos sobre o tema. Resenha publicada na “Folha de SP”:

Neste ano em que comemoram 150 anos da publicação de "A Origem das Espécies" há grande demanda por informações que façam frente a desencontros e versões exóticas sobre a vida e a obra de Charles Darwin (1809-1882).

Para quem quer informação objetiva, fruto sintético de uma pesquisa em boas fontes de informação, sem dúvida "Darwin", de Marcelo Leite (Coleção Folha Explica, Publifolha), é uma das boas notícias deste ano.

Organizado originalmente em três partes, tomando por referência a famosa viagem do navio de pesquisas inglês HMS Beagle, Marcelo Leite nos fala dos antecedentes da viagem, logo após iniciar o livro lamentando os progressos dos criacionistas em nosso meio educacional. Sua introdução tem o sugestivo título "150 anos perdidos?", o que seria trágico se fosse de fato realidade.

Mesmo sem se aprofundar no assunto, ele nos mostra que cientistas religiosos, como Theodosius Dobshansky (1900-1975), de origem russa, naturalizado americano e cristão ortodoxo, conseguiram compatibilizar suas crenças religiosas com o conhecimento científico, incluindo a teoria da evolução e o respeito aos cânones de sua religião.

Afinal, nem todo evolucionista é ateu, como Richard Dawkins, e nem todo religioso é fundamentalista, como aqueles que acreditam que as palavras da Bíblia devem ser lidas literalmente.

Marcelo Leite prepara o leitor para seguir adiante no livro dizendo que ele não irá encontrar uma refutação cabal do criacionismo, mas que o fio condutor da obra será justamente a vida de Darwin e a robustez do pensamento darwiniano.

De fato, essa polêmica inicial se esvai ao longo do livro, que traz uma leitura muito agradável, sem a agrura de termos técnicos e com a elegância da boa escrita.

As explicações latitudinárias cedem espaço a leituras meridianas de autores consagrados, como Janet Browne, uma das referências da área de estudos darwinianos acadêmicos.

Esse fio condutor, no entanto, irá explicar a inserção tangencial de Alfred Russel Wallace em dois momentos do livro, reconhecido como formulador da teoria da evolução por seleção natural simultaneamente a Darwin.

Assim, se entende a razão de a imagem de Darwin ter destacado relevo, a começar pelo próprio título do livro. Caberia lembrar o título que Wallace escolheu para a obra na qual sintetizou sua compreensão sobre a teoria da evolução, "Darwinismo", publicado pouco depois da morte de Darwin.

Wallace não cunhou o termo, mas certamente ajudou a firmar uma expressão que dizia muito sobre a contribuição do amigo e de seu próprio reconhecimento a ela.

Os antecedentes da viagem do Beagle são narrados tendo a perspectiva pessoal como referência básica, montando um quadro psicológico de um observador atento, que faria entender o cientista minucioso e o relato "quase antropológico" dos lugares visitados. No entanto, Marcelo Leite não cai na tentação de apresentar Darwin como um sociólogo pioneiro dos trópicos, o que, de fato, ele não foi.

O método de Marcelo Leite poderia ser chamado de cauteloso, pois ele utiliza como lanterna teórica as palavras do próprio Darwin, em especial sua autobiografia, a iluminar seus escritos mais famosos, como a narrativa da viagem do Beagle e "A Origem das Espécies".

Isso pode conferir certo tom oficial ao relato, mas traz a compensação de uma leitura sóbria e sem sobressaltos, como convém a uma obra informativa básica. Seu capítulo final é verdadeiramente emocionante, pois se revela bastante original e nos brinda com a confluência de suas leituras sociais e biológicas.

Marcelo Leite reconhece que, em um livro breve como esse, ele não pode se alongar na discussão sobre as consequências da visão darwinista para as ciências sociais e econômicas. Pena! Seus leitores certamente esperarão que seu próximo livro não demore.

(Folha de SP, 30/3)

Nova edição do Boletim de História e Filosofia da Biologia

Boletim de História e Filosofia da Biologia
Volume 3, número 1 – março de 2009

Informamos o lançamento do novo número do “Boletim de História e Filosofia da Biologia”, uma publicação eletrônica trimestral da Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB).


1. Encontro de História e Filosofia da Biologia 2009
2. Eleições da Diretoria e do Conselho da ABFHiB
3. Ano de Darwin 2009
4. Publicações da ABFHiB
5. Uma fonte de estudo sobre a história dos fósseis
6. Obtenção de cópias de artigos

Todos os números deste Boletim estão disponíveis em formato PDF e HTML no seguinte endereço da Internet:

O próximo número do Boletim será lançado em Junho de 2009. Enviem-nos artigos, notícias, informações sobre eventos, livros, teses e dissertações, periódicos, etc.

Pedimos o favor de divulgar o Boletim, remetendo cópia desta mensagem para outros possíveis interessados.


Os Editores do Boletim de História e Filosofia da Biologia

Quase dois Maracanãs e meio de audiência

Gente, só agora eu me dei conta que com 202 mil visitantes este blog teve a audiência de quase 2 Maracanãs e meio!!!


E eu não sei por que a Grande Mídia não dá destaque para este blog tão insignificante...

O registro fóssil: o grande dilema de Darwin

O documentário “O Dilema de Darwin” examinará o que muitas pessoas consideram como sendo a mais poderosa refutação da evolução darwiniana — o registro fóssil do Cambriano. Charles Darwin mesmo concluiu no Origem das Espécies que a evidência do registro fóssil não apoiava sua teoria de desenvolvimento evolutivo gradual por etapas. Darwin disse ser isso um argumento poderoso que desmoronaria sua teoria, mas ele tinha esperança de que as futuras gerações de cientistas fariam as descobertas necessárias para validar suas ideias no contexto de justificação teórica.

Hoje, após mais de 150 anos de exploração fóssil, evidência de mudança biológica lenta e gradual ainda está por ser escavada. Em vez disso, nós encontramos um quadro de mudança rápida de organismos complexos plenamente desenvolvidos durante o início da era geológica do Cambriano. Organismos que incorporam quase todos os principais planos corporais de animais que existem hoje. Esta explosão de vida surpreendente é melhor explicada por design inteligente.

Vide pequeno trailer do Dilema de Darwin aqui.

Design inteligente em ação: vídeos virtuais de biologia molecular e celular

sábado, março 28, 2009

Cell Biol Educ 4(2): 169-179 2005
DOI: 10.1187/cbe.04-07-0047
© 2005 American Society for Cell Biology

Molecular and Cellular Biology Animations: Development and Impact on Student Learning
Phillip McClean*, Christina Johnson, Roxanne Rogers, Lisa Daniels, John Reber, Brian M. Slator||, Jeff Terpstra, and Alan White

* Department of Plant Sciences, Department of Biological Sciences School of Education Department of Statistics||Department of Computer Science North Dakota State University, Fargo, ND 58105

Submitted July 21, 2004; Revised November 19, 2004; Accepted December 14, 2004


Address correspondence to: Phillip McClean

Educators often struggle when teaching cellular and molecular processes because typically they have only two-dimensional tools to teach something that plays out in four dimensions. Learning research has demonstrated that visualizing processes in three dimensions aids learning, and animations are effective visualization tools for novice learners and aid with long-term memory retention. The World Wide Web Instructional Committee at North Dakota State University has used these research results as an inspiration to develop a suite of high-quality animations of molecular and cellular processes. Currently, these animations represent transcription, translation, bacterial gene expression, messenger RNA (mRNA) processing, mRNA splicing, protein transport into an organelle, the electron transport chain, and the use of a biological gradient to drive adenosine triphosphate synthesis. These animations are integrated with an educational module that consists of First Look and Advanced Look components that feature captioned stills from the animation representing the key steps in the processes at varying levels of complexity. These animation-based educational modules are available via the World Wide Web at An in-class research experiment demonstrated that student retention of content material was significantly better when students received a lecture coupled with the animations and then used the animation as an individual study activity.

Key Words: animations • student learning • biological processes • learning modules • undergraduate • secondary school • ANOVA


PDF gratuito do artigo aqui.

Módulos educacionais aqui.



Shema Israel

Logo mais será Pesach...

Yardena Arazi - Habaita 2006

Habaita é a minha canção preferida.

Yardena Arazi “Machar” (Amanhã)

Esta é uma das músicas cantadas por Yardena Arazi que eu gosto muito de ouvir.

A teoria da evolução de Darwin vai ser analisada e avaliada criticamente por alunos do Texas

sexta-feira, março 27, 2009

Grande vitória no Texas, pois o estado lidera agora a nação em exigir a análise crítica da evolução em aulas de ciência do ensino médio

Robert Crowther

Em uma grande vitória para aqueles que são a favor do ensino da evidência científica a favor e contra a evolução, hoje o Texas passou para a liderança da classe ao exigir que os estudantes “critiquem” e examinem “todos os lados da evidência” e exige especificamente que os estudantes “analisem e avaliem” a evidência dos principais conceitos evolutivos tais como a ancestralidade comum, a seleção natural, e as mutações.

“O Texas mandou uma mensagem bem clara que a evolução deve ser ensinada como uma teoria científica aberta ao escrutínio crítico, e não como um dogma sagrado que não pode ser questionado,” disse o Dr. John West, um Senior Fellow do Discovery Institute. “Ao contrário das afirmações do lobby evolucionista, absolutamente nada que o Conselho [Estadual de Educação] fez promove o ‘criacionismo’ ou a religião em sala de aula. Grupos que afirmam o contrário estão mentindo pura e simplesmente. Sob os novos parâmetros curriculares, espera-se que os estudantes analisem e avaliem a evidência científica da evolução, e não da religião. Ponto final.”

As novas exigências fazem parte dos parâmetros de ciência revisados e aprovados hoje [27/03/2009] pelo Texas State Board of Education [Conselho Estadual de Educação do Texas]. Os parâmetros de ciência incluem a linguagem exigindo que os estudantes “analisem avaliem e critiquem explicações científicas… inclusive examinando todos os lados da evidência científica… a fim de encorajar o pensamento crítico pelo estudante.” Igualmente importante, os parâmetros de biologia do ensino médio agora exigem que os estudantes “analisem e avaliem” a evidência científica das partes importantes da teoria da evolução, inclusive o ancestral comum, a seleção natural e as mutações.

O Discovery Institute há muito apoiou a ideia de que a evolução deve ser total e completamente apresentada aos estudantes, inclusive as suas questões não resolvida.

Postado por Robert Crowther às 1:31 PM | Permalink



Alô MEC/SEMTEC/PNLEM é um ensino assim da teoria da evolução que está faltando no Brasil. O que temos não é EDUCAÇÃO, mas DOUTRINAÇÃO IDEOLÓGICA.

Caí bem solicitar agora uma audiência pública à Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados para que o MEC/SEMTEC/PNLEM explique porque fraudes e evidências científicas distorcidas a favor do fato da evolução aparecem em nossos livros didáticos de Biologia do ensino médio, bem como o por que da manutenção do neodarwinismo como explicação científica da origem e evolução da vida quando esta teoria científica está epistemicamente morta há quatro décadas conforme a literatura especializada.

Uma resenha sobre o livro The Edge of Evolution de Michael Behe

Michael Behe.
The edge of evolution: the search for the limits of darwinism
New York: Free Press, 2007. 331p.

Gabriel da Costa Ávila*

Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 28, nº 56, p. 593-596 - 2008

A teoria da evolução a partir de um ancestral comum, através da seleção natural e da mutação aleatória, exposta por Charles Darwin n’A origem das espécies em 1859,1 formou um dos conjuntos de idéias mais influentes na história recente da ciência. O darwinismo atravessou as barreiras da academia e difundiu-se, bastante matizado, pela sociedade. Durante quase um século, o darwinismo dominou a explicação científica da origem da vida.

Com as novas descobertas ocorridas a partir de meados do século passado, especialmente do DNA, o nível de complexidade por trás dos processos celulares se mostrou maior do que o esperado pelos evolucionistas. Pôr o darwinismo à prova, à luz dessas descobertas, abre um enorme espaço para a refutação das idéias do naturalista inglês. Atualmente, o questionamento mais vigoroso a respeito da validade dos fundamentos teóricos do darwinismo parte das críticas de Michael Behe.

Michael J. Behe é um autor conhecido entre os estudiosos do darwinismo. Bioquímico e professor na Leigh University, na Pensilvânia, Estados Unidos, popularizou-se por defender o criacionismo — bastante camuflado — de forma bastante competente. Em 1996, com o lançamento de A caixa preta de Darwin,2 o autor tentava provar que algumas estruturas bioquímicas presentes em certas células são tão complexas que não podem ser explicadas pelo argumento da mutação aleatória, contrariando um dos pilares do darwinismo. A análise de Michael Behe fez o autor figurar entre os principais cientistas a advogarem em prol da teoria do design inteligente. Essa teoria defende que o darwinismo, mesmo sendo bastante coerente e verossímil, é insuficiente para a compreensão da vida e da evolução: a vida na Terra não alcançaria o estágio que alcançou baseada apenas em processos aleatórios. É necessário que haja um caminho a seguir, um projeto, um design funcional a ser alcançado.


* Mestrando em Ensino, Filosofia e História das Ciências — Universidade Estadual de Feira de Santana; FFCH — Depto. de História, Universidade Federal da Bahia (UFBA) — Estrada de São Lázaro, 197 — Federação. 40210-730 Salvador — BA — Brasil.

PDF da resenha gratuito aqui.



Mariana Zahar, publica o segundo livro do Behe. O primeiro está vendendo até hoje. Publica, vai!

Carl Zimmer sobre Darwin e além: como a evolução está evoluindo

Faltaram avisar: a Árvore da Vida agora é um gramado

Como que uma universidade como a The Open University de Londres deu uma mancada dessas sobre a Árvore da Vida como ilustração de como se deu a evolução das espécies? Como que um jornal do porte da Folha de São Paulo promove o erro científico? Hoje, a Árvore da Vida de Darwin está mais para gramado do que outra coisa.

Publico aqui para fins históricos.


11/02/2009 - 19h01
Idealizada por Darwin, Árvore da Vida mostra a evolução das espécies


Tributo especial a Darwin no Journal of Biology (Feb. 2009)


The light of evolution

Miranda Robertson

This month, Journal of Biology, like almost everyone else, has some specially commissioned articles to mark the 200th anniversary of Darwin’s birth, although it may not be immediately obvious where the Darwin articles end and our usual review
content begins. This is in part a reflection of the admirable strength of our sister BMC journals, from which the subject matter of our minireviews is largely drawn, in evolutionary biology and in genomics; but it is also in large part, of course, a tribute to the pervasiveness of what Paul Harvey [1] calls the Darwinian agenda.

Paul Harvey’s is one of the two specially commissioned articles that is about Darwin himself rather than his legacy. We asked him to write on what Darwin actually proved, a question that arises from time to time in the context of the Popperian definition of the scientific process but that Harvey has adroitly sidestepped in favour of a
selection of vivid examples of Darwin’s singular character as a thinker and an experimental biologist.


PDF completo da edição comemorativa do Journal of Biology (Feb. 2009) sobre Darwin aqui [14.62 MB].

No caso de extinção não saia de casa sem um genoma duplo

Plants with double genomes might have had a better chance to survive the Cretaceous–Tertiary extinction event

Jeffrey A. Fawcetta,b,1, Steven Maerea,b,1 and Yves Van de Peera,b,2

+Author Affiliations

aDepartment of Plant Systems Biology, Flanders Institute for Biotechnology, 9052 Gent, Belgium; and

bDepartment of Plant Biotechnology and Genetics, Ghent University, 9052 Gent, Belgium
↵1J.A.F. and S.M. contributed equally to this work.

Communicated by Marc C. E. Van Montagu, Ghent University, Ghent, Belgium, January 31, 2009 (received for review October 21, 2008)


Most flowering plants have been shown to be ancient polyploids that have undergone one or more whole genome duplications early in their evolution. Furthermore, many different plant lineages seem to have experienced an additional, more recent genome duplication. Starting from paralogous genes lying in duplicated segments or identified in large expressed sequence tag collections, we dated these youngest duplication events through penalized likelihood phylogenetic tree inference. We show that a majority of these independent genome duplications are clustered in time and seem to coincide with the Cretaceous–Tertiary (KT) boundary. The KT extinction event is the most recent mass extinction caused by one or more catastrophic events such as a massive asteroid impact and/or increased volcanic activity. These events are believed to have generated global wildfires and dust clouds that cut off sunlight during long periods of time resulting in the extinction of ≈60% of plant species, as well as a majority of animals, including dinosaurs. Recent studies suggest that polyploid species can have a higher adaptability and increased tolerance to different environmental conditions. We propose that polyploidization may have contributed to the survival and propagation of several plant lineages during or following the KT extinction event. Due to advantages such as altered gene expression leading to hybrid vigor and an increased set of genes and alleles available for selection, polyploid plants might have been better able to adapt to the drastically changed environment 65 million years ago.


angiosperms  eudicots  Cretaceous–Tertiary boundary penalized likelihood  polyploidy


2To whom correspondence should be addressed. E-mail:

Author contributions: S.M. and Y.V.d.P. designed research; J.A.F. and S.M. performed research; J.A.F. and S.M. analyzed data; and J.A.F., S.M., and Y.V.d.P. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.


PDF gratuito do artigo aqui

São Paulo ganha novo espaço de divulgação científica

Interativo e encantador

Agência FAPESP – São Paulo acaba de ganhar um novo espaço de divulgação científica, que reúne em 8 mil metros quadrados 250 instalações diferentes. O Catavento, espaço interativo de artes, ciência e conhecimento montado no antigo Palácio das Indústrias, foi inaugurado nesta quinta-feira (26/3) pelo governador José Serra.

Inspirado nos principais espaços dedicados à iniciação científica do mundo, o Catavento teve investimento total de R$ 20 milhões. Fruto de parceria entre as secretarias de Estado da Cultura e da Educação, será administrado pela Organização Social Catavento Cultural e Educacional, sob a supervisão da Secretaria da Cultura.

São Paulo ganha espaço de iniciação científica com muita interatividade em 250 instalações distribuídas em 8 mil m². Catavento, no antigo Palácio das Indústrias, será aberto à visitação nesta sexta-feira (27/3) (foto: Gilberto Marques/GSP)

“O Catavento é para fazer girar o ventos das ideias, do conhecimento, da curiosidade, para que as crianças aprendam mais e se preparem para a vida, para a tecnologia, para o trabalho e também para o lazer e divertimento”, disse o governador na cerimônia de inauguração.

No espaço, crianças, jovens e adultos podem tocar em um meteorito, conhecer o corpo humano por dentro, entender como funciona um gerador de energia ou descobrir que o Sol, visto de perto, não é tão redondo como parece.

Do átomo ao Sistema Solar, de minúsculos insetos aos maiores animais, das leis da física às transformações químicas, do ecossistema à questão da preservação ambiental, tudo é apresentado didaticamente e de maneira lúdica. Mostrando cuidado com os detalhes, as seções ganham iluminação e sons diferentes, contribuindo para criar uma atmosfera envolvente.

São quatro seções: Universo, Vida, Engenho e Sociedade. Em todas, vídeos, painéis e maquetes são utilizados como suporte didático, mas o destaque é a interatividade. Podem ser ideias simples, como pisar na Lua como se fosse o astronauta Neil Armstrong, o primeiro humano a andar pelo satélite terrestre. Ou apertar uma das estrelas que compõem a bandeira do Brasil e saber qual estado ela representa. Ou girar uma manivela e fazer uma pequena cidade inteira se iluminar, com o funcionamento de uma hidrelétrica em miniatura.

O Catavento reúne em aquários de água salgada anêmonas, corais, peixes carnívoros e venenosos, além de espaço com cerca de 700 borboletas amazônicas. Aranhas e escorpiões podem ser observados com lupas. Crianças podem observar simultaneamente, com auxílio de um monitor, as estruturas celulares em um microscópio com aumento de até mil vezes. Um prisma mostra a decomposição da luz branca.

Algumas das instalações interativas podem ser manipuladas sem ajuda – painéis explicam como fazê-lo. Outras necessitam de guias, educadores e monitores que interagem nas atividades: organizam jogos de perguntas e respostas, demonstram experimentos de química e explicam leis da física. No espaço dedicado à nanotecnologia, eles promovem uma gincana com as crianças.

“Existem muitos museus e espaços voltados para o ensino e a divulgação do conhecimento científico no mundo e na América Latina, e no Brasil, o Catavento pretende ser o nosso espaço de referência”, disse João Sayad, secretário da Cultura.

O espaço fará parte do programa “Cultura é Currículo”, da Secretaria da Educação, cujo objetivo é democratizar o acesso de professores e alunos da rede pública estadual a bens e produções culturais e diversificar situações de aprendizagem.

“O Catavento é um espaço social e cultural, rico em objetos e ambientes de aprendizagem interativos e informais. É uma verdadeira escola viva, que ajuda a compreender como as coisas funcionam, não só para as crianças, mas a todos que quiserem entender mais sobre o mundo da ciência”, disse Sergio Freitas, presidente do Conselho de Administração da OS Catavento Cultural e Educacional.

O Catavento contou com o apoio de várias instituições. O Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo (USP) forneceu materiais e apoio técnico para toda a área do “Universo”. A Fundação Faculdade de Medicina entrou com a didática para a explicação das maquetes da instalação “Homem Virtual”, além dos filmes projetados na mesma seção.

O Instituto Kaplan desenvolveu a instalação sobre gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis. A Escola Politécnica da USP criou o “Passeio Digital”, uma viagem em três dimensões pelas paisagens do Rio de Janeiro.


Local: Palácio das Indústrias – Parque Dom Pedro II, região central da capital paulista

Funcionamento: De terça a domingo, das 9h às 17h (bilheteria fecha às 16h)

Ingresso: R$ 6 e meia-entrada para estudantes e idosos

Idade mínima para visitação: recomendado para crianças a partir de 6 anos

Estacionamento: R$ 8 por até 3 horas. Capacidade para 200 carros.

Infraestrutura: acesso para pessoas com deficiência locomotiva

Mais informações.

Einstein, até que enfim lembraram de você...

JC e-mail 3729, de 26 de Março de 2009

19. Einstein chega a Nilópolis

Exposição "Einstein e a América Latina" entra em cartaz nesta quinta-feira, dia 26, de fica até 29 de maio em Nilópolis, RJ. Haverá também um ciclo de palestras sobre o tema durante este período

A exposição itinerante do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast), “Einstein e a América Latina”, inaugurada no Museu – em comemoração ao Ano Internacional da Física, em 2005 –, volta ao Rio de Janeiro, em montagem no Espaço Ciência Interativa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ - antigo Centro de Ciência e Cultura do Cefet de Química), no campus de Nilópolis.

A abertura acontece às 17h30, com a palestra “Teoria da Relatividade e a Transformação da Visão de Universo”, apresentada por Cláudio Maia Porto, doutor em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRRJ).

“Einstein e a América Latina”, que já passou por diversas capitais brasileiras, como Vitória, Curitiba e São Paulo, retrata, como o nome adianta, as relações de Einstein com a América Latina. São exibidos imagens, textos, objetos e documentos – dentre eles, os diários de viagem de Einstein –, que descrevem as expectativas e impressões do cientista em suas visitas à América do Sul (1925), Cuba e Panamá (1930), além de relatos de seus anfitriões.

Ciclo de palestras – Em paralelo à exposição sobre Einstein, acontece também um ciclo de palestras sobre a passagem do cientista pela América Latina e a sua Teoria da Relatividade.

As palestras acontecem a partir de 26/03, sempre às 17h30, no auditório do IFRJ. Confira a programação completa:

- 26 de março - Teoria da Relatividade e a Transformação da Visão de Universo, proferida por Cláudio Maia Porto, doutor em Física pela UFRJ e professor da UFRRJ;

- 02 de abril - Uma “viagem” no espaço tempo, proferida por Rodrigo Siqueira Batista, pós-doutor pelo Laboratório de Física Experimental de Altas Energias do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas e professor adjunto do IFRJ;

- 16 de abril – As dimensões espaço-temporais extras, por José Abdalla Helayel Neto, PhD em Física pela International School for Advanced Studies in Triente e pesquisador titular do CBPF;

- 30 de abril – Einstein no Brasil, por Rodrigo Siqueira Batista (IFRJ);

- 07 de maio – Relatividade, por Dario Tavares, doutor em física pela UFRJ e professor do IFRJ.

O Espaço Ciência Interativa do IFRJ (Rua Lucio Tavares, nº 1045, Centro - Nilópolis) abre de terça à sexta-feira, de 9h às 17h. A entrada é gratuita.
(Com informações da Assessoria de Comunicação do Mast)

O Brasil não deve receber a um genocida pósmoderno como se fosse estadista

Esteve hoje no Brasil, o chanceler do Irã, saudado com pompas pelo governo brasileiro para preparar a recepção do presidente Ahmadinejad a nossa nação e uma visita do presidente Lula a ditadura iraniana.

Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

I - independência nacional;
II - prevalência dos direitos humanos;
III - autodeterminação dos povos;
IV - não-intervenção;
V - igualdade entre os Estados;
VI - defesa da paz;
VII - solução pacífica dos conflitos;
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;
IX - cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;


Como pode então o Brasil legitimar um regime terrorista que prega a destruição de outro povo, que tem a tortura institucionalizada, que apóia financeiramente grupos terroristas e que persegue minorias?

Nem tudo vale pelas relações comerciais. O Brasil durante a guerra em Gaza, soube criticar duramente Israel, através das palavras do chanceler Celso Amorim, quando disse que a operação israelense era “deplorável”.

Saberá o Brasil agora apontar ao Irã seus defeitos, ou isso ficará somente em uma resposta para consumo interno da comunidade judaica e para o exterior estaremos legitimando um regime totalitário e assassino?

Na primeira resposta a comunidade judaica, após a visita do chanceler Amorim ao Irã ano passado, o vice-ministro das relações exteriores na ausência do titular, afirmou: “Não podemos julgar para não sermos julgados”.

No entanto, a constituição e as próprias ações de sua pasta durante o recente conflito desmentem isso. Você brasileiro, cidadão responsável, que vota, paga impostos e tem direito a opinião:


Petição em Andamento

Assine a petição do De Olho Na Mídia:

Genocídio e Revisionismo: Não Em Nosso Nome!

Encontro de História e Filosofia da Biologia 2009

quinta-feira, março 26, 2009


A Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB) realizará de 19 a 21 de agosto de 2009, com apoio do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, o Encontro de História e Filosofia da Biologia 2009. As sessões serão realizadas no Instituto de Biociências da USP.

O prazo para envio de trabalhos para o Encontro de História e Filosofia da Biologia 2009 é o dia 15 de abril de 2009.

Este Encontro terá simpósios especiais dedicados ao uso de História e Filosofia da Biologia no ensino.


As inscrições de trabalhos devem ser feitas mediante o envio do título da apresentação acompanhado de um resumo ampliado (aproximadamente 1.000 palavras, além da bibliografia utilizada) e de um resumo curto (entre 100 e 200 palavras) para a Comissão Organizadora do Encontro, no endereço:

Os resumos devem indicar claramente não apenas o assunto, mas também a questão histórica ou filosófica que é discutida no trabalho, bem como a conclusão histórica ou filosófica à qual a pesquisa chegou.

Os arquivos enviados com os dois resumos devem conter nome completo do(s) autor(es), título do trabalho, instituição a que pertence(m) e e-mail do(s) autor(es). No caso de estudantes de pós-graduação, indicar essa condição e informar também o nome e instituição do orientador.

Os nomes dos arquivos devem indicar o(s) nome(s) do(s) autores, como por exemplo: jose-silva-res-ampl.doc, ou maria-tavares_lucio-silveira_res-curto.doc.

No caso de não receber mensagem de recebimento da inscrição em até sete dias, favor contactar novamente o e-mail


Somente devem ser submetidos para apresentação no Encontro de História e Filosofia da Biologia 2009 trabalhos que apresentem resultado de pesquisa original e que não tenham sido apresentados em outros congressos ou já publicados pelo(s) autor(es). No entanto, consideramos adequada a submissão de trabalhos que apresentem resultados de dissertações de mestrado ou teses de doutorado, já que estas não são publicações, propriamente. Em princípio, o pesquisador apenas deve submeter para apresentação no Encontro um trabalho que poderia ser submetido para publicação em uma revista especializada em história e/ou filosofia da ciência.

Cada pesquisador pode submeter apenas um trabalho como autor único ou primeiro autor, embora possa participar, como co-autor, em mais de um trabalho. No entanto, a Comissão Organizadora do Encontro assume que o primeiro autor participará do evento e apresentará o trabalho.

O Encontro tem o objetivo de servir como oportunidade para discussão de pesquisas sobre história e/ou filosofia da biologia (podendo tratar de sua aplicação ao ensino). Infelizmente, não será possível aceitar trabalhos que apenas tangenciem tais assuntos. Solicitamos, assim, que não sejam submetidos trabalhos que constituam, por exemplo, uma simples divulgação de idéias de algum cientista ou filósofo; ou que tenham por objetivo discutir se determinada proposta científica atual deve ser aceita ou não. Trabalhos que discutam o papel da história e/ou da filosofia da biologia no ensino estão dentro do escopo do Encontro, mas trabalhos sobre ensino de biologia tout court ou sobre história da educação não são aceitáveis. Trabalhos gerais sobre história e/ou filosofia da ciência que não tenham como foco central a biologia também não devem ser submetidos (por exemplo, um trabalho discutindo genericamente as idéias de Lakatos).


O prazo para envio de trabalhos para o Encontro de História e Filosofia da Biologia 2009 é o dia 15 de abril de 2009.


Os resultados de julgamento dos resumos submetidos serão comunicados aos respectivos autores até o dia 15 de maio de 2009.


Como ocorreu nos Encontros de 2006 em diante, pretendemos publicar uma seleção de trabalhos apresentados no Encontro de História e Filosofia da Biologia 2009. Essa publicação será constituída por dois fascículos do periódico Filosofia e História da Biologia. Veja mais informações sobre as publicações da ABFHiB neste link. Um dos fascículos será publicado em 2009 e o outro em 2010.

Os autores que queiram submeter seus trabalhos para publicação no fascículo que será publicado em 2009 deverão enviar o texto completo dos seus artigos, utilizando o modelo da ABFHiB, até o dia 31 de julho de 2009.


Veja neste endereço o modo de inscrever-se no Encontro e fazer o pagamento da taxa de inscrição.


O Encontro de História e Filosofia da Biologia 2009 é promovido pela Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB), com apoio do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Todas as sessões serão realizadas no Instituto de Biociências da USP, na Cidade Universitária, São Paulo.


Lilian Al-Chueyr Pereira Martins (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)

Maria Elice Brzezinski Prestes (Universidade de São Paulo)

Roberto de Andrade Martins (Universidade Estadual de Campinas)


Aldo Mellender de Araújo (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Anna Carolina Krebs Pereira Regner (Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos)

Charbel Niño El-Hani (Universidade Federal da Bahia)

Gustavo Andrés Caponi (Universidade Federal de Santa Catarina)

Nelio M. V. Bizzo (Universidade de São Paulo)

Ricardo Waizbort (Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz)


Por que a evolução parece ser milagrosa???

The Concept of Co-option: Why Evolution Often Looks Miraculous
Deborah A. McLennan

Published online: 24 June 2008

# Springer Science + Business Media, LLC 2008


Darwin believed that evolution generally occurred through a series of small, gradual changes. This proposal was counter-intuitive to many people because it seemed likely that “transitional” forms would not survive. Darwin, and later Cuènot, recognized that this problem was easily solved if characters that had evolved for one reason changed their function at a later time with little to no concurrent structural modification, at least initially. In other words, traits that had evolved under one set of conditions were co-opted to serve a different function under a second set of conditions. This meant that organisms carried with them in the structures of their genes, proteins, morphological, physiological, and behavioral characters the potential for rapid evolutionary change, so rapid, indeed, that the process looked miraculous and Lamarckian. In this paper, I discuss some of the paradigm examples of co-option, from genes to behavior.

Keywords Co-option - Preadaptation - Exaptation - Evolution


PDF gratuito do artigo aqui.

Ano Darwin na Bahia

JC e-mail 3728, de 25 de Março de 2009

21. Ano Darwin, texto de Charbel Niño El-Hani

“É surpreendente como, diante deste rico legado, a passagem de Darwin pelo Brasil está pouco presente no ensino de Biologia em nosso país”

Charbel Niño El-Hani é professor do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia e coordenador científico do Ano Darwin na Bahia. Texto enviado pelo autor ao “JC e-mail”:

No ano de 2009, comemora-se 200 anos do nascimento de Charles Darwin (1809-1882) e 150 anos da publicação de A origem das espécies (1859). Este ano traz a oportunidade, então, de organizar eventos comemorativos que possam contribuir para a melhoria da educação científica, tanto formal quanto não-formal, no que diz respeito ao pensamento evolutivo.

Nosso país teve um papel importante na vida de Darwin, uma vez que o Beagle aqui aportou, por duas vezes, durante a circunavegação realizada nos anos de 1832 e 1836.

Assim, o ano Darwin tem um significado especial para o Brasil, que teve papel relevante no processo formativo deste naturalista de importância fundamental na história da humanidade. É surpreendente como, diante deste rico legado, a passagem de Darwin pelo Brasil está pouco presente no ensino de Biologia em nosso país. A organização de eventos de popularização da ciência oferece excelente oportunidade para mudar este estado de coisas.

No Estado da Bahia, onde Darwin esteve em suas duas passagens pelo Brasil, o ano Darwin está sendo comemorado por uma iniciativa conjunta do governo do estado, através da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), da Secretária do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto Anísio Teixeira (IAT), da Universidade Federal da Bahia, através dos Programas de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências (UFBA-UEFS) e em Ecologia e Biomonitoramento (UFBA), e da ONG Gérmen. A iniciativa é denominada “Darwin na Bahia”.

As diversas atividades programadas, além de uma série de textos e outros recursos, podem ser encontradas no site

As atividades incluem uma série de encontros e simpósios, com palestrantes brasileiros e estrangeiros, cuja organização está principalmente sob a responsabilidade da Fapesb, da Secti, do IAT e da UFBA.

Em maio, será realizado no Instituto Anísio Teixeira o Simpósio “Aplicações tecnológicas do pensamento evolutivo: computação bio-inspirada”. Em junho, ocorrerá o Simpósio “Integrando o conhecimento atual sobre evolução”, em local ainda a ser definido. Em outubro, em local a ser definido, ocorrerá o Encontro “Darwin na Bahia”, organizado em torno dos seguintes eixos temáticos: História do pensamento evolutivo; A recepção do Darwinismo no Brasil; O pensamento evolutivo hoje.

Em dezembro, o IAT receberá o Simpósio “O Olhar Estrangeiro sobre o Brasil”. Todos estes eventos estarão voltados para a popularização da ciência, sendo a expectativa dos organizadores que atinja o público escolar (professores e alunos) e geral do estado da Bahia.

Será também realizada uma Feira de Trabalhos Comemorativos do Ano Darwin, na qual equipes de alunos da educação básica, coordenador por seus professores, produzirão redações e projetos de exposição, para apresentação na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, em outubro. A iniciativa da feira está sendo coordenada pela Fapesb, Secti, IAT e Gérmen.

Planeja-se também a inauguração de monumentos alusivos à passagem do Beagle e de Darwin por Salvador. Um monumento deverá ser instalado na Praça Castro Alves, próximo ao local onde se localizava o Hotel do Universo, onde Darwin ficou hospedado. No Cemitério Britânico, onde estão enterrados dois marinheiros do Beagle, Charles Musters e Boy Jones, serão colocadas placas comemorativas.

O projeto “Darwin na Bahia e a Origem das Espécies” coordenado por mim e por Rejâne Maria Lira da Silva, também do Instituto de Biologia da UFBA, levará a Salvador e a uma série de cidades do interior do estado da Bahia exposições, jogos, peças de teatro e outras atividades sobre Darwin, a viagem do Beagle e o pensamento evolutivo. Estas atividades podem ser conferidas no site

Está sendo também planejado um encontro sobre biodiversidade e sua conservação, coordenado por William Wisden, associado à ONG Gérmen, e Eduardo Mendes da Silva, professor do Instituto de Biologia da UFBA.

Quatro atividades comemorativas do ano Darwin já foram realizadas dentro desta iniciativa. No dia 12 de fevereiro de 2009, uma cerimônia no Cemitério Britânico lançou a iniciativa Darwin na Bahia.

Este evento, idealizado por William Wisden e pela Secretaria do Meio Ambiente do estado da Bahia, incluiu a apresentação do site da iniciativa ( e o plantio de dois espécimes de árvores da Mata Atlântica ameaçadas de extinção, selecionadas com a ajuda do The Royal Botanical Gardens, Kew e de Jomar Jardim, da Ceplac.

Em 28 de fevereiro, o Farol da Barra recebeu uma série de jogos, atividades e pecas de teatro do projeto “Darwin na Bahia e a Origem das Espécies”. No dia 15 de março, a iniciativa retornou ao Farol da Barra, somando-se desta vez aos jogos, atividades e peças uma exposição sobre Beagle, incluindo uma maquete do famoso navio.

Em 14 de março, por iniciativa da Secretaria do Meio Ambiente e do Gérmen foi realizado um Cortejo Darwiniano, que percorreu as ruas de Salvador, entre o Campo Grande e o Porto da Barra, celebrando a vinda do Beagle e de Darwin a esta cidade e, em particular, o fato de que Darwin vivenciou o carnaval da Bahia.



El-Hani é meu amigo, mas eu vou reproduzir o páragrafo dele que o JC E-Mail destacou acima e fazer uma paráfrase e um comentário provocador [no sentido de 'provocar' a discussão que se faz necessária para o ensino de Biologia no Brasil]:

“É surpreendente como, diante deste rico legado, a passagem de Darwin pelo Brasil está pouco presente no ensino de Biologia em nosso país”.

“É surpreendente como, diante das muitas dificuldades encontradas pela teoria da evolução no contexto de justificação teórica desde 1859, o ensino objetivo da teoria de Darwin no Brasil está ausente completamente no ensino de Biologia em nosso país”.

A biologia do século 21 é uma biologia de informação complexa especificada e de complexidade irredutível. Ficarmos 'presos' a um personagem histórico da ciência e a uma teoria científica epistemicamente morta há quatro décadas (o neodarwinismo) em nada ajudará no processo educacional efetivo em Biologia de nossos alunos.

Nós precisamos que a atitude de Eugenie Scott de ensinar a evolução objetivamente incluindo as evidências a favor e contra encontre ressonância no MEC/SEMTEC/PNLEM.

A física no século 21

A física no século 21
Das teorias de Einstein à informação quântica, livro discute desafios da disciplina nos próximos anos

Além das inovações tecnológicas e conceituais, a física tem gerado também muitos desafios para os cientistas neste século. Algumas dessas questões, que incluem desde as teorias de Einstein até a informação quântica, são apresentadas e contextualizadas no livro Um olhar para o futuro: desafios da física para o século 21, editado e organizado por João dos Anjos, pesquisador e ex-diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), e Cássio Leite Vieira, jornalista do Instituto Ciência Hoje.

O livro reúne uma introdução a 11 temas que vão dar o que falar nos próximos anos, como nanotecnologia, cosmologia, biofísica e teoria das supercordas (modelo que tenta unificar as quatro forças físicas da natureza). O leitor também encontrará informações sobre raios cósmicos, sistemas complexos, neutrinos (partícula subatômica dificilmente detectada) e sobre o grande colisor de partículas LHC.

Cada capítulo do livro apresenta uma contextualização do tema – que inclui os conhecimentos atuais na área –, além das dúvidas que ainda pairam sobre ele e dos desafios dos pesquisadores daqui em diante. Para garantir o rigor e a correção na abordagem dos conceitos físicos, a obra conta com a colaboração de editores científicos especialistas nos assuntos tratados.

A complexidade dos temas abordados, no entanto, é suavizada por uma linguagem simples e por textos breves e objetivos. A diagramação arrojada e a profusão de cores e imagens também fazem com que os assuntos tratados se tornem mais atraentes para o público leigo.

Projeto que deu certo

Um olhar para o futuro nasceu da compilação de folhetos feitos para o projeto ‘Desafios da física’, iniciado em 2002 por João dos Anjos. O primeiro trabalho, que tratava de maneira geral de 12 questões importantes para a física no século 21, foi distribuído na reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e durante a Semana Internacional da Astronomia. A partir de então, foram feitos outros 11 folhetos, que constam do livro.

“A excelente receptividade do folheto por parte principalmente de professores do Ensino Médio e de alunos deu estímulo para que outros fossem feitos, originando a série que hoje integra o livro”, conta João dos Anjos. “Além da distribuição na reunião da SBPC e na Semana Internacional da Astronomia, passamos a receber centenas de pedidos por e-mail.”

Apesar do evidente sucesso do projeto, a ideia do livro foi vista com desconfiança a princípio. “Não sabíamos se as pessoas iriam comprá-lo”, afirma Anjos. “Mas, como há poucos livros de divulgação científica no Brasil, resolvemos apostar.” Segundo o pesquisador, o projeto deve ser retomado este ano. Temas como biomateriais, física nuclear e astronomia já estão cotados para novos folhetos. `

O lançamento do livro acontecerá hoje, terça-feira (24), às 18h, no hall do auditório do 6º andar do prédio do CBPF (Rua Dr. Xavier Sigaud, 150, Urca, Rio de Janeiro).

Um olhar para o futuro: desafios da física para o século 21
João dos Anjos e Cássio Leite Vieira (eds.)
Rio de Janeiro, 2008, Vieira & Lent
192 páginas – R$ 42,00
Tel.: (21) 2262-8314

Isabela Fraga
Ciência Hoje On-line



Nós precisamos de um livro assim em Biologia evolutiva.