Os argumentos cosmológicos teleológicos e de Kalam revisitados - PDF Grátis

domingo, maio 15, 2022


The Teleological and Kalam Cosmological Arguments Revisited

Authors: (view affiliations) Andrew Loke

This book is open access, which means that you have free and unlimited access

Devises an original deductive formulation of the Teleological Argument

Argues for design by exclusion

Combines the Teleological Argument with the Kalam Cosmological Argument

Part of the book series: Palgrave Frontiers in Philosophy of Religion (PFPR)

About this book

‘An innovative examination and defence of the cosmological and teleological arguments – accessible to the non-expert but pushing the debate into new territory with great originality and verve.’ 

- T. J. Mawson, Oxford University, UK

‘Andrew Loke's book provides an up-to-date assessment of the Teleological and Kalam Cosmological Arguments, including a thorough response to contemporary objections. It advances the discussion concerning the ultimate origin of the universe and makes a significant contribution to the field of philosophy of religion and the dialogue between science and religion.’

- William Lane Craig, Biola University, USA

‘This book provides an engaging guide to two important features of our universe – it seems to have had a beginning, and its ability to support life is remarkably rare – and their deeper implications. Up-to-date, wide-ranging and highly recommended.’

- Luke Barnes, Western Sydney University, Australia

FREE PDF GRATIS: Springer

Estrutura de proteína chave para divisão celular intriga pesquisadores: mero acaso, fortuita necessidade ou design inteligente?

Structure of the human inner kinetochore CCAN complex and its significance for human centromere organization

Marion E.Pesenti 1, 4 Tobias Raisch 2, 4 Duccio Conti 1, 5 Kai Walstein 1, 5 Ingrid Hoffmann 1 Dorothee Vogt 1 Daniel Prumbaum 2 Ingrid R.Vetter 1 Stefan Raunser 2 Andrea Musacchio 1, 3, 6

https://doi.org/10.1016/j.molcel.2022.04.027 

Under a Creative Commons license



Highlights

• A cryo-EM structure of the CCAN is reported

• The structure rationalizes relative positions and roles of the 16 CCAN subunits

• The CCAN core is shown to prefer naked DNA to CENP-A nucleosomes

• Several possible models of organization of centromeric chromatin are discussed

Summary

Centromeres are specialized chromosome loci that seed the kinetochore, a large protein complex that effects chromosome segregation. A 16-subunit complex, the constitutive centromere associated network (CCAN), connects between the specialized centromeric chromatin, marked by the histone H3 variant CENP-A, and the spindle-binding moiety of the kinetochore. Here, we report a cryo-electron microscopy structure of human CCAN. We highlight unique features such as the pseudo GTPase CENP-M and report how a crucial CENP-C motif binds the CENP-LN complex. The CCAN structure has implications for the mechanism of specific recognition of the CENP-A nucleosome. A model consistent with our structure depicts the CENP-C-bound nucleosome as connected to the CCAN through extended, flexible regions of CENP-C. An alternative model identifies both CENP-C and CENP-N as specificity determinants but requires CENP-N to bind CENP-A in a mode distinct from the classical nucleosome octamer.

FREE PDF GRATIS: Molecular Cell

Do que falamos quando falamos de “DNA lixo”? Spam???

 What We Talk About When We Talk About “Junk DNA” 

Nelson J.R. Fagundes, Rafael Bisso-Machado, Pedro I.C.C. Figueiredo, Maikel Varal, André L.S. Zani

Genome Biology and Evolution, Volume 14, Issue 5, May 2022, evac055, https://doi.org/10.1093/gbe/evac055

Published: 10 May 2022 Article history

Accepted: 16 April 2022

Published: 10 May 2022



Abstract

“Junk DNA” is a popular yet controversial concept that states that organisms carry in their genomes DNA that has no positive impact on their fitness. Nonetheless, biochemical functions have been identified for an increasing fraction of DNA elements traditionally seen as “Junk DNA”. These findings have been interpreted as fundamentally undermining the “Junk DNA” concept. Here, we reinforce previous arguments that this interpretation relies on an inadequate concept of biological function that does not consider the selected effect of a given genomic structure, which is central to the “Junk DNA” concept. Next, we suggest that another (though ignored) confounding factor is that the discussion about biological functions includes two different dimensions: a horizontal, ecological dimension that reflects how a given genomic element affects fitness in a specific time, and a vertical, temporal dimension that reflects how a given genomic element persisted along time. We suggest that “Junk DNA” should be used exclusively relative to the horizontal dimension, while for the vertical dimension, we propose a new term, “Spam DNA”, that reflects the fact that a given genomic element may persist in the genome even if not selected for on their origin. Importantly, these concepts are complementary. An element can be both “Spam DNA” and “Junk DNA”, and “Spam DNA” can also be recruited to perform evolved biological functions, as illustrated in processes of exaptation or constructive neutral evolution.

Keywords: spam DNA, genome evolution, biological function, exaptation, purifying selection, positive selection

FREE PDF GRATIS: Genome Biology and Evolution

Livro sobre filosofia da biologia do desenvolvimento (Cambridge University Press): PDF Grátis

Series: Elements in the Philosophy of Biology

Philosophy of Developmental Biology

Published online by Cambridge University Press:  16 March 2022

Marcel Weber - Affiliation: University of Geneva

Summary

The history of developmental biology is interwoven with debates as to whether mechanistic explanations of development are possible or whether alternative explanatory principles or even vital forces need to be assumed. In particular, the demonstrated ability of embryonic cells to tune their developmental fate precisely to their relative position and the overall size of the embryo was once thought to be inexplicable in mechanistic terms. Taking a causal perspective, this Element examines to what extent and how developmental biology, having turned molecular about four decades ago, has been able to meet the vitalist challenge. It focuses not only on the nature of explanations but also on the usefulness of causal knowledge – including the knowledge of classical experimental embryology – for further scientific discovery. It also shows how this causal perspective allows us to understand the nature and significance of some key concepts, including organizer, signal and morphogen. This title is also available as Open Access on Cambridge Core.

FREE PDF GRATIS: Cambridge University Press

A quiralidade da vida pode ter surgido espontaneamente na Terra

sexta-feira, maio 13, 2022

Spontaneous chiral symmetry breaking in a random driven chemical system

William D. Piñeros & Tsvi Tlusty 

Nature Communications volume 13, Article number: 2244 (2022)

Fig. 1: Chemical model.


Abstract

Living systems have evolved to efficiently consume available energy sources using an elaborate circuitry of chemical reactions which, puzzlingly, bear a strict restriction to asymmetric chiral configurations. While autocatalysis is known to promote such chiral symmetry breaking, whether a similar phenomenon may also be induced in a more general class of configurable chemical systems—via energy exploitation—is a sensible yet underappreciated possibility. This work examines this question within a model of randomly generated complex chemical networks. We show that chiral symmetry breaking may occur spontaneously and generically by harnessing energy sources from external environmental drives. Key to this transition are intrinsic fluctuations of achiral-to-chiral reactions and tight matching of system configurations to the environmental drives, which together amplify and sustain diverged enantiomer distributions. These asymmetric states emerge through steep energetic transitions from the corresponding symmetric states and sharply cluster as highly-dissipating states. The results thus demonstrate a generic mechanism in which energetic drives may give rise to homochirality in an otherwise totally symmetrical environment, and from an early-life perspective, might emerge as a competitive, energy-harvesting advantage.

FREE PDF GRATIS: Nature Communications Sup. Info.

Mais um cenário da origem da vida prebioticamente plausível em um mundo de RNA-peptídeo

A prebiotically plausible scenario of an RNA–peptide world

Felix Müller, Luis Escobar, Felix Xu, Ewa Węgrzyn, Milda Nainytė, Tynchtyk Amatov, Chun‐Yin Chan, Alexander Pichler & Thomas Carell 

Nature volume 605, pages279–284 (2022)

Fig. 1: Concept of how nucleoside relics of the RNA world enable RNA-based peptide synthesis.


Abstract

The RNA world concept 1 is one of the most fundamental pillars of the origin of life theory 2,3,4. It predicts that life evolved from increasingly complex self-replicating RNA molecules 1,2,4. The question of how this RNA world then advanced to the next stage, in which proteins became the catalysts of life and RNA reduced its function predominantly to information storage, is one of the most mysterious chicken-and-egg conundrums in evolution 3,4,5. Here we show that non-canonical RNA bases, which are found today in transfer and ribosomal RNAs 6,7, and which are considered to be relics of the RNA world 8,9,10,11,12, are able to establish peptide synthesis directly on RNA. The discovered chemistry creates complex peptide-decorated RNA chimeric molecules, which suggests the early existence of an RNA–peptide world 13 from which ribosomal peptide synthesis 14 may have emerged 15,16. The ability to grow peptides on RNA with the help of non-canonical vestige nucleosides offers the possibility of an early co-evolution of covalently connected RNAs and peptides 13,17,18, which then could have dissociated at a higher level of sophistication to create the dualistic nucleic acid–protein world that is the hallmark of all life on Earth.

Ictiossauros gigantes do Triássico Superior da Formação Kössen dos Alpes Suíços: implicações paleobiológicas!

sexta-feira, abril 29, 2022

Giant Late Triassic ichthyosaurs from the Kössen Formation of the Swiss Alps and their paleobiological implications

P. Martin Sander, Pablo Romero Pérez de Villar, Heinz Furrer & Tanja Wintrich

Article: e2046017 | Received 23 Jun 2021, Accepted 22 Jan 2022, Published online: 27 Apr 2022 


Image/Imagem: Time to Time com


ABSTRACT

The Late Triassic was populated by the largest ichthyosaurs known to date, reaching lengths of over 20 m. Recent discoveries include the remains of giant ichthyosaurs from the Austroalpine nappes of the eastern Swiss Alps. The finds come from the lower two members of the Kössen Formation (late Norian to Rhaetian). The material consists of a very large tooth lacking most of the crown from the Rhaetian Schesaplana Member, a postcranial bone association of one very large vertebra and ten rib fragments also from the Schesaplana Member, and an association of seven very large vertebral centra from the upper Norian to lower Rhaetian Alplihorn Member. These associations represent the only published partial skeletons of large to giant ichthyosaurs younger than middle Norian. We compare the material with the two largest ichthyosaurs known from partial skeletons, Shonisaurus popularis (15 m) and Shastasaurus sikkanniensis (21 m) from the late Carnian (ca. 230 Ma) of Nevada and the middle Norian (ca. 218 Ma) of British Columbia, respectively. The incomplete tooth confirms that at least some giant ichthyosaurs had teeth. Based on their proportional differences, the two bone associations may represent two different taxa of Shastasaurus-like ichthyosaurs. The larger and geologically younger specimen may have been nearly the size of S. sikkanniensis, and the smaller that of S. popularis. These giant ichthyosaurs from the eastern Swiss Alps indicate that such ichthyosaurs also colonized the western Tethys. The finds also unequivocally document that giant ichthyosaurs persisted to the latest Triassic.

FREE PDF GRATIS: Journal of Vertebrate Paleontology Sup. Info.

+++++

NOTA PROVOCATEUR DESTE BLOGGER:

Implicações paleobiológicas cum grano salis:

O que fazia um ictiossauro lá no alto dos Alpes suíços há uns 205 milhões de anos???

Pano rápido!

As origens e funções dos genes "de novo": contra todas as probabilidades?

quarta-feira, abril 27, 2022

The Origins and Functions of De Novo Genes: Against All Odds?

Caroline M. Weisman 

Journal of Molecular Evolution (2022) Cite this article

Metrics


Image credit: Molecular Phylogenetics and Evolution

Abstract

“De novo” genes evolve from previously non-genic DNA. This strikes many of us as remarkable, because it seems extraordinarily unlikely that random sequence would produce a functional gene. How is this possible? In this two-part review, I first summarize what is known about the origins and molecular functions of the small number of de novo genes for which such information is available. I then speculate on what these examples may tell us about how de novo genes manage to emerge despite what seem like enormous opposing odds.

FREE PDF GRATIS: Journal of Molecular Evolution

Poderia o design intencional para a vida ter se originado em asteróides?

Identifying the wide diversity of extraterrestrial purine and pyrimidine nucleobases in carbonaceous meteorites

Yasuhiro Oba, Yoshinori Takano, Yoshihiro Furukawa, Toshiki Koga, Daniel P. Glavin, Jason P. Dworkin & Hiroshi Naraoka 

Nature Communications volume 13, Article number: 2008 (2022) Cite this article

Metrics

Conceptual image of meteoroids delivering nucleobases to ancient Earth. The nucleobases are represented by structural diagrams with hydrogen atoms as white spheres, carbon as black, nitrogen as blue and oxygen as red.

Credits: NASA Goddard/CI Lab/Dan Gallagher

Abstract

The lack of pyrimidine diversity in meteorites remains a mystery since prebiotic chemical models and laboratory experiments have predicted that these compounds can also be produced from chemical precursors found in meteorites. Here we report the detection of nucleobases in three carbonaceous meteorites using state-of-the-art analytical techniques optimized for small-scale quantification of nucleobases down to the range of parts per trillion (ppt). In addition to previously detected purine nucleobases in meteorites such as guanine and adenine, we identify various pyrimidine nucleobases such as cytosine, uracil, and thymine, and their structural isomers such as isocytosine, imidazole-4-carboxylic acid, and 6-methyluracil, respectively. Given the similarity in the molecular distribution of pyrimidines in meteorites and those in photon-processed interstellar ice analogues, some of these derivatives could have been generated by photochemical reactions prevailing in the interstellar medium and later incorporated into asteroids during solar system formation. This study demonstrates that a diversity of meteoritic nucleobases could serve as building blocks of DNA and RNA on the early Earth.

FREE PDF GRATIS: Nature Sup. Info. Peer Review File

Árvore da vida - um conceito teórico evolucionário TOTALMENTE INADEQUADO!!!.

segunda-feira, abril 25, 2022

The web of life

Classic evolutionary theory holds that species separate over time. But it’s fuzzier than that – now we know they also merge


The coral reef surrounding Sand Cay No 6, Great Barrier Reef, Queensland, Australia. Photo by David Doubilet

Juli Berwald is an ocean scientist and science writer whose work has been published in The Guardian, National Geographic and Nature, among others. She is the author of the books Spineless (2017) and Life on the Rocks (2022). She lives in Austin, Texas.

Edited by Pam Weintraub

3,600 words

I remember standing at the front of a biology classroom at the University of Southern California sometime in the 1990s and placing an acetate film on an overhead projector. The words cast onto the white screen read something like:

Species: a group of organisms that interbreed to produce fertile offspring.

More than a century earlier, Charles Darwin’s On the Origin of Species (1859) was published. Its central hypothesis held that, because populations contain variety, some members were born with characteristics, or adaptations, that made them more fit – better able to produce offspring. Others were less fit and they, along with their adaptations, were winnowed away as they added fewer and fewer offspring to future generations. This variation coupled with the winnowing was the fuel that drove changes in populations, eventually leading to populations that could no longer interbreed with each other and produce fertile offspring. Thus, new species evolved.

Darwin’s revolutionary idea was well summarised by the German biologist and artist Ernst Haeckel in the graphic form of a tree. Every one of its twig-tips symbolised a different species. The crook between two twigs represented an ancestral species that diverged into two (or more) modern ones. While many branches were pruned away, others grew ever longer, diverging into the future.

Ernst Haeckel’s illustration of the Tree of Life in The Evolution of Man (1879). Courtesy the Wellcome Collection

In that southern California classroom, I told my students that once a species diverged from its ancestor – when it became unable to interbreed and form fertile offspring – those branches were separate, forever isolated. But, even as I spoke the words, I knew something wasn’t exactly right.

I was studying phytoplankton at the time. Single-celled creatures such as phytoplankton reproduce by cell division, which makes the question of what’s an offspring tricky. When you clone yourself, which one is the ancestor?

Graduate students down the hall in a microbiology lab regularly used viruses to transfer genes from one species to another. And gene shuffling wasn’t just happening by manipulation. I’d heard seminars about how different species of bacteria naturally perform a kind of sexual reproduction called conjugation, transferring genes from one to another. How did that kind of gene-hopping fit into the concept of a branching tree?

What I didn’t know then was that, even as I ambivalently placed the overhead film on the projector, the concept of the tree of life had begun to wilt. Four decades on, it’s morphed entirely.

‘That whole abstraction of evolution as being a tree, we always knew was a little inadequate,’ Rasmus Nielsen, a geneticist at the University of California at Berkeley and co-author of the book An Introduction to Population Genetics (2013), told me by video call. ‘But now we know it’s really inadequate.’

...

READ MORE HERE/LEIA MAIS AQUI: Aeon

Descoberta de pterossauro resolve antigo mistério de penas

quinta-feira, abril 21, 2022

Pterosaur melanosomes support signalling functions for early feathers

Aude Cincotta, Michaël Nicolaï, Hebert Bruno Nascimento Campos, Maria McNamara, Liliana D’Alba, Matthew D. Shawkey, Edio-Ernst Kischlat, Johan Yans, Robert Carleer, François Escuillié & Pascal Godefroit 

Nature (2022)

Image/Imagem: Royal Belgian Institute of Natural Sciences

Abstract

Remarkably well-preserved soft tissues in Mesozoic fossils have yielded substantial insights into the evolution of feathers 1. New evidence of branched feathers in pterosaurs suggests that feathers originated in the avemetatarsalian ancestor of pterosaurs and dinosaurs in the Early Triassic 2, but the homology of these pterosaur structures with feathers is controversial 3,4. Reports of pterosaur feathers with homogeneous ovoid melanosome geometries 2,5 suggest that they exhibited limited variation in colour, supporting hypotheses that early feathers functioned primarily in thermoregulation 6. Here we report the presence of diverse melanosome geometries in the skin and simple and branched feathers of a tapejarid pterosaur from the Early Cretaceous found in Brazil. The melanosomes form distinct populations in different feather types and the skin, a feature previously known only in theropod dinosaurs, including birds. These tissue-specific melanosome geometries in pterosaurs indicate that manipulation of feather colour—and thus functions of feathers in visual communication—has deep evolutionary origins. These features show that genetic regulation of melanosome chemistry and shape7,8,9 was active early in feather evolution.

FREE PDF GRATIS: Nature Sup. Info.

+++++

NOTA DESTE BLOGGER:

Por “tecido mole” os autores se referem a impressões preservadas e material mineralizado, em vez de restos orgânicos originais ou inalterados.

A percepção de design "inteligente" em estrutura visual

quarta-feira, abril 20, 2022

The Perception of “Intelligent” Design in Visual Structure

Filipp Schmidt First Published February 24, 2022 Research Article

https://doi.org/10.1177/20416695221080184

Article information 

Open Access Creative Commons Attribution 4.0 License

Abstract

Many objects in our visual environment will appear to us either as a consequence of “intelligent” design—the purposeful action of an animal mind—or as a consequence of self-organization in response to nature's forces—for example, wind or gravity. Here, the origin of this distinction is studied by collecting human judgements about skeletal representations of objects, that reduce objects to their basic visual structure. The results suggest that humans attribute an animate origin to visual objects with basic structures exhibiting straight lines and right angles.

Keywords vision, intelligent design, shape, animacy

FREE PDF GRATIS: i-Perception

Homem-macaco dá adeus ao gradualismo darwinista

terça-feira, abril 19, 2022

Homem-macaco dá adeus ao gradualismo darwinista

Günter Bechly

6 de setembro de 2019, 4:47 AM


Alguns dias atrás, uma nova descoberta paleontológica sensacional fez manchetes em todo o mundo. Após 15 anos de pesquisa e a recuperação de 12.600 fósseis, incluindo 230 restos de hominídeos (Leakey Foundation 2019), finalmente um crânio bastante completo foi encontrado e descrito de Australopithecus anamensis, que é o representante mais antigo e primitivo dos australopitecinos, vivendo 4.2-3.9 milhões de anos atrás. Foi geralmente considerado o ancestral direto da espécie de Lucy, Australopithecus afarensis, que viveu na mesma região 3.8-2.9 milhões de anos atrás. A primeira espécie era conhecida anteriormente apenas por alguns fragmentos. Agora podemos finalmente dar-lhe um rosto. Na verdade, esse rosto se parece muito com um macaco, com uma pequena caixa craniana do tamanho de um chimpanzé e uma mandíbula saliente, mas isso não é a coisa realmente interessante nessa descoberta. Eu voltarei a isso em um momento.


O pano de fundo da história

O crânio fóssil foi descoberto em 2016 por um pastor de cabras nativo na região de Afar, na Etiópia, em sedimentos sob uma pilha de esterco de cabra. Foi escavado e descrito pelo famoso paleoantropólogo Haile-Selassie, do Museu de História Natural de Cleveland, e seus colegas (Haile-Selassie et al. 2019). A história vívida da descoberta está disponível com mais detalhes no site da National Geographic (Greshko 2019). Devido à feliz circunstância de que as camadas de cinzas vulcânicas foram depositadas diretamente abaixo e acima das camadas de onde veio o crânio, esse fóssil pode ser datado com muita precisão em uma idade de 3.8 milhões de anos por métodos radiométricos (Saylor et al. 2019). Assim, é 100.000 anos mais novo do que os restos mais antigos anteriores desta espécie. No entanto, este crânio, apelidado de MRD devido ao seu número de coleção, é o crânio de australopitecino mais antigo já encontrado. Ele também está entre os poucos relativamente completos. Representa uma descoberta verdadeiramente notável de tremenda importância científica, que já está “preparada para se tornar outro ícone célebre da evolução humana” (Spoor 2019).

“O MRD tem uma mistura de características faciais e cranianas primitivas e derivadas que eu não esperava ver em um único indivíduo”, de acordo com seu descobridor, Haile-Selassie (Max Planck Society 2019). Isso significa que temos aqui outro fóssil que não satisfaz as expectativas darwinistas e não se encaixa em nenhuma árvore filogenética sem grandes incongruências na distribuição de características. Mas mesmo isso não é a coisa realmente importante sobre esta descoberta. Então, qual é a verdadeira surpresa? A grande surpresa é que A. afarensis não pode mais ser derivado pela transição gradual de espécies anagenéticas de A. anamensis, como a maioria dos especialistas ainda acreditava até poucos dias atrás. Como assim?

Como o novo crânio mostrou pela primeira vez como era o osso frontal de A. anamensis e como ele diferia do de A. afarensis, os cientistas puderam finalmente determinar as afinidades específicas de um osso frontal isolado (conhecido como “Belohdelie frontal ”) que foi descoberto em 1981, também na região de Afar da Etiópia (Asfaw 1987). Acabou por pertencer a A. afarensis, embora seja datado de forma confiável em 3.9 milhões de anos, portanto, 100.000 anos mais velho que o novo crânio de A. anamensis. Isso implica que ambas as espécies se sobrepuseram por um período considerável. Consequentemente, A. anamensis não pode ter se transformado e dissolvido em A. afarensis.

Tal evolução anagenética por transições graduais de espécie para espécie (sem eventos de ramificação) é realmente prevista pela teoria de Darwin. Portanto, devemos esperar encontrar alguma evidência fóssil para esse processo crucial. Mas essa evidência acabou sendo elusiva (veja abaixo), e o caso da suposta transição de A. anamensis para A. afarensis foi “um dos casos mais fortes de anagênese no registro fóssil” (Melillo citado em Marshall 2019, Kimble et al. 2006, Haile-Selassie 2010). Este caso mais forte evaporou-se agora, e não era apenas o caso mais forte, mas também o último caso, como explicarei em breve.


Infeliz e cético


Alguns cientistas, é claro, estão descontentes com essa conclusão e permanecem céticos, referindo-se ao pequeno tamanho da amostra de apenas dois espécimes (Price 2019). No entanto, pequenas amostras são a norma em paleoantropologia, e também há mais evidências que apoiam essa conclusão particular e contradizem até mesmo a alternativa de que A. afarensis se ramificou da população local de A. anamensis por especiação cladogenética, enquanto outras populações das espécies-tronco “sobreviveram” a este evento de especiação. Na verdade, alguns caracteres do crânio de A. anamensis, especialmente os ossos da face muito pronunciados, não se encaixam bem com uma relação ancestral com A. afarensis, e sugerem que A. anamensis poderia ser ancestral de A. africanus e do robusto australopitecinos (gênero Paranthropus). Embora Haile-Selassie et al. (2019) ainda apoiem a colocação tradicional de A. anamensis, eles também mencionam que “o fato de o MRD compartilhar algumas características morfológicas neurocranianas e faciais com táxons mais jovens, como A. africanus e Paranthropus – embora considerado aqui como mais provável de ter sido causado pela evolução paralela - vale a pena uma investigação mais aprofundada no futuro, pois pode ter uma influência considerável sobre a origem do A. africanus e sua relação com o A. afarensis.” Na verdade, estudos filogenéticos recentes de relacionamentos de hominídeos fósseis produziram árvores bastante diferentes, das quais algumas têm A. africanus como um grupo irmão de Paranthropus (por exemplo, Dembo et al. 2016). A lacuna temporal entre A. africanus e A. anamensis seria perfeitamente preenchida pelo esqueleto “Little Foot” de 3.67 milhões de anos de Australopithecus prometeus como um elo adequado. Assim, há evidências consideráveis para excluir A. anamensis não apenas da linhagem de A. afarensis, mas também de nosso próprio gênero Homo. Juntamente com a evidência de uma sobreposição temporal com A. afarensis, podemos dizer adeus com segurança a esta vitrine fóssil mais forte de anagênese.


Sem exagero aqui


Mas é claro que o título deste artigo seria um exagero se não houvesse mais a dizer sobre a falta de apoio fóssil para especiação gradualista em geral e anagênese em particular. Como mencionei acima, essa evidência fóssil provou ser muito elusiva. Tanto que você encontrará apenas três exemplos proeminentes nos livros didáticos (A. anamensis, caracóis de água doce Steinheim e foraminíferos Globorotalia). Um desses três exemplos acabamos de descobrir que está obsoleto, e os outros dois você encontrará refutados abaixo. Mas primeiro vamos esclarecer por que o gradualismo e sua falta de apoio empírico são uma questão tão importante.

A teoria da evolução de Darwin prevê direta e necessariamente um padrão gradual de transições de espécie para espécie bem graduadas para escalar “o monte improvável”, para usar a famosa metáfora de Richard Dawkins. Esta não é de forma alguma uma visão obsoleta do tempo de Darwin, uma vez que Dawkins (2009) deixou muito claro que “a evolução não é apenas um processo gradual como uma questão de fato; tem que ser gradual se for para fazer algum trabalho explicativo.” Assim, o gradualismo não é apenas um componente secundário opcional dessa teoria. Se o gradualismo é falso, então o darwinismo também é falso. O registro fóssil oferece uma janela única para o passado que nos permite verificar se o padrão gradual esperado pode realmente ser encontrado na natureza. O próprio Darwin (1859) estava bem ciente de que o registro fóssil não apoia sua previsão:

Por que, se as espécies descenderam de outras espécies por gradações finas, não vemos em toda parte inúmeras formas de transição?... Por que não as encontramos incrustadas em números incontáveis na crosta da terra?... O número de variedades intermediárias, que existiram anteriormente , [deve] ser verdadeiramente enorme, … Por que então não é toda formação geológica e todo estrato cheio de tais ligações intermediárias? A geologia certamente não revela nenhuma cadeia orgânica tão finamente graduada; e esta, talvez, seja a objeção mais óbvia e grave que pode ser feita contra minha teoria.


Isso certamente é verdade para as principais novidades da história da vida (macroevolução), que geralmente não apresentam um desenvolvimento gradual de novos planos corporais, mas aparecem rapidamente durante eventos “explosivos” abruptos (Bechly & Meyer 2017). Mas, também é verdade na escala menor de transições de espécie para espécie (microevolução). Darwin ainda podia se referir razoavelmente ao registro fóssil fragmentário e pouco conhecido. Ele esperava que, com o tempo, novas descobertas paleontológicas pudessem resolver esse problema para sua teoria. No entanto, mesmo 160 anos depois, isso não aconteceu, apesar do conhecimento muito expandido que temos hoje e uma “completude do registro fóssil que é bastante alta para muitos grupos de animais” (Foote & Sepkoski 1999, Benton et al. 2000). Portanto, o apelo de Darwin a uma subamostragem do registro fóssil para explicar a ausência de evidências do gradualismo filético não é mais sustentável. (Veja também meu vídeo, “How Complete is the Current Fossil Record?”)


Estase é dado 


É claro que os paleontólogos estavam bem cientes desse problema de que o aparecimento abrupto de novas espécies é a norma; ou, em outras palavras, no registro fóssil, “estase é dado” (Gould 1991). Este enigma levou dois paleontólogos americanos Niles Eldredge e Stephen Jay Gould a propor seu famoso modelo de “equilíbrio pontuado” (Eldredge & Gould 1972). Este modelo é muitas vezes mal interpretado como advogando a evolução saltacional, o que explicitamente não faz. É apenas uma versão especial do gradualismo que limita a evolução incremental a uma pequena subpopulação isolada e a comprime em um período de tempo mais curto. Isso sugere que, em vez de evolução gradual contínua (gradualismo filético), na realidade fases curtas de mudança evolutiva muito rápida foram geralmente seguidas por longos períodos de estase morfológica: “Novas espécies surgem muito rapidamente em pequenas populações locais isoladas perifericamente por especiação alopátrica, o que automaticamente resulta em aparentes lacunas no registro fóssil, porque novas espécies não evoluem na área de seus ancestrais” (Eldredge & Gould 1972). Isso está postulando um processo que é quase impossível de se observar no registro fóssil, forjando uma hipótese completamente ad hoc para explicar evidências conflitantes inconvenientes. A introdução ao famoso artigo de Eldredge e Gould conclui com uma admissão reveladora: “Esta ideia, que a teoria dita o que se vê, não pode ser fortemente afirmada.” Eldredge e Gould sugeriram o equilíbrio pontuado como um fenômeno geral, mas nunca foi aceito como tal dentro da biologia evolutiva convencional. Muitos darwinistas o rejeitaram e outros o consideraram nada mais que uma “pequena ruga na superfície da teoria neodarwiniana” (Dawkins 1986). De qualquer forma, mesmo que “punk-eek” possa explicar alguns casos de aparente aparecimento abrupto de novas espécies, certamente não pode explicar a ausência geral de qualquer evidência de evolução filética gradual em todo o registro fóssil.


Sem surpresa alguma, a admissão implícita do fracasso empírico de Eldredge e Gould não encontrou uma aceitação entusiástica entre os biólogos evolucionistas, que, em vez disso, tentaram desesperadamente encontrar pelo menos alguma evidência do gradualismo darwiniano no registro fóssil, embora dificilmente com sucesso. Gingerich (1983) reconheceu que a pouca evidência fóssil que tem sido usada para apoiar a hipótese darwinista do gradualismo filético “poderia ser um artefato da média do tempo” e “as distribuições de taxa ainda não fornecem um teste definitivo dos dois modelos”. Então, que pouca evidência foi encontrada?


Atualizem os livros didáticos


A maioria dos poucos casos documentados de gradualismo filético veio de microplâncton marinho fóssil em sedimentos do fundo do mar (Ozawa 1975, Dzik & Trammer 1980, Malmgren & Kennett 1981, Benton & Pearson 2001, Pearson & Ezard 2014). Muitos desses casos mostram apenas pequenas variações dentro das espécies e não entre as espécies. Além disso, dados mais recentes sugerem que a diversidade críptica deve ser levada em consideração para dar sentido aos padrões observados de unidirecionalidade e taxas de evolução da linhagem (Alizon et al. 2008). De longe, o exemplo mais proeminente veio dos foraminíferos marinhos planctônicos, pequenos protistas com conchas muito diversas e bonitas. O caso em questão foi a proposta de transição gradual em 500.000 anos entre as espécies extintas Globorotalia plesiotumida para Globorotalia tumida, ambas encontradas em sedimentos marinhos do Mioceno. Esta história você ainda encontra em muitos livros didáticos como evidência fóssil para anagênese. No entanto, os livros didáticos terão que ser atualizados por causa de um estudo seminal de Hull & Norris (2009), que reanalisaram cuidadosamente os dados. Eles chegaram a uma conclusão muito diferente, maravilhosamente capturada já no título de seu artigo, “Evidence for abrupt speciation in a classic case of gradual evolution.” Em seu resumo, os autores escreveram: “Nossas descobertas fornecem uma reviravolta inesperada em um dos casos mais bem documentados de gradualismo filético dentro da linhagem”. Uma pena, especialmente porque descobertas anteriores semelhantes já haviam refutado vários outros casos (mais fracos) de aparente evolução gradual no plâncton marinho.

Outro exemplo famoso de livro didático para suposta evolução gradual foi o fóssil de caracóis de água doce do gênero planorbídeo Gyraulus da bacia do Steinheim do Mioceno, no sul da Alemanha. Na segunda metade do século XIX, o paleontólogo alemão Franz Hilgendorf estudou os caracóis desta famosa localidade de fósseis. Ele encontrou tipos de conchas muito diferentes que mais tarde atribuiu a diferentes espécies (Hilgendorf 1879). Ele reconstruiu seus relacionamentos presumidos como uma linhagem de transição com poucos ramos laterais. Ele publicou seus resultados com uma das primeiras árvores filogenéticas (Hilgendorf 1866, 1867), e assim (supostamente) a primeira evidência fóssil para a teoria de Darwin sobre a origem das espécies (Rasser 2006, Tassy 2011). A série de transformação proposta por Hilgendorf foi contestada pela maioria dos paleontólogos contemporâneos (Rasser 2014), mas apoiada por estudos posteriores de cientistas darwinianos (Rasser 2013). No entanto, não existe uma única análise cladística desses caracóis, de modo que falta qualquer apoio rigoroso para a reconstrução da árvore de Hilgendorf.

No entanto, as descobertas de Hilgendorf ainda foram celebradas como uma história de sucesso darwinista em uma série de artigos de meu ex-colega Michael Rasser (2006, 2013, 2014) do Museu de História Natural de Stuttgart, Alemanha. Ele também mencionou que houve dúvidas iniciais levantadas por alguns cientistas (por exemplo, Gottschick & Wenz 1919-1922 e Wenz 1922), que questionaram se os diferentes tipos de conchas realmente representavam espécies diferentes em vez de apenas diferentes morfos (os chamados ecofenótipos) da espécie. mesma espécie no mesmo habitat. Essa possibilidade foi inicialmente considerada pelo próprio Hilgendorf. Mas Rasser e outros paleontólogos evolucionistas descartaram essa crítica como infundada. Todos eles foram comprovados errados por um novo estudo de membros vivos do gênero Gyraulus no Lago Bangong no planalto tibetano (Clewing et al. 2015) como um análogo recente para o paleo habitat de Steinheim. O que Catharina Clewing e seus colegas descobriram no “Roof of the World” são diferentes tipos de conchas conhecidos dos fósseis de Steinheim como plasticidade ecofenotípica da mesma espécie viva no mesmo lago moderno, provavelmente induzida por estresse ecológico. Consequentemente, os caracóis de Steinheim não podem mais ser considerados evidências válidas para anagênese e provavelmente nem representam uma filogenia genuína. Honi soit qui mal y pense (Envergonhe-se quem nisto vê malícia) — você nunca ouvirá nenhum darwinista falar sobre tais resultados da ciência moderna.


“Que se envergonhe quem pensa mal disso” 


Entre os vertebrados, um dos poucos exemplos de suposta transição gradual entre duas espécies e gêneros é a dentição de primatas semelhantes a társios (Omomyidae) do Eoceno de Wyoming (Rose & Bown 1984). No entanto, os últimos autores mencionam que essa transição ocorre em mosaico com maior variação precedendo uma mudança para outro estado de caráter, o que pelo menos levanta dúvidas justificadas sobre o padrão gradual dessa transição. Estudos anteriores de Gingerich e colegas sobre dentes de mamíferos fósseis foram amplamente descartados como evidência de gradualismo (Gould & Eldredge 1977, Stanley 1979). Mais recentemente, Carr et al. (2017) afirmaram ter encontrado evidências de evolução anagenética em duas espécies de tiranossaurídeos do gênero Daspletosaurus do Cretáceo Superior em Montana. No entanto, a evidência não apoia o gradualismo filético, mas apenas a sucessão temporal imediata de duas espécies distintas, mas mais intimamente relacionadas no mesmo local. Isso pode ser interpretado como compatível com uma linhagem ancestral-descendente, mas eles não encontraram nenhum espécime intermediário entre essas duas espécies distintas. Assim, novamente nenhuma evidência de gradualismo ou anagênese.

Após o Ano de Darwin em 2009, comemorando seu 200º aniversário e o 150º aniversário da publicação de A Origem das Espécies, Hunt (2010) revisou todas as evidências fósseis de transições de espécies reunidas por paleontólogos em 150 anos de pesquisa desde a época de Charles Darwin . Ele enfatiza que na maioria dos casos as mudanças realmente observadas no registro fóssil não são direcionais, com taxas líquidas muito lentas.

Com base em evidências de peixes esgana-gata em uma sequência de estratos de alta resolução (Hunt et al. 2008), que sugerem uma mudança direcional dentro de 1.000 gerações, ele propõe que tal mudança seria muito rápida para ser resolvida na maioria das sequências geológicas. Que conveniente e enganoso porque não é um exemplo de transição de espécie para espécie, mas apenas mudança dentro de uma única espécie de esgana-gata (Gasterosteus doryssus). No entanto, a conclusão de Hunt, em relação a todas as evidências fósseis disponíveis, foi realmente surpreendente:

"As trajetórias sinuosas e flutuantes capturadas no registro fóssil não são inconsistentes com a centralidade da seleção natural como um mecanismo evolutivo, mas provavelmente não teriam sido previstas sem o benefício de um registro fóssil empírico."


Deixado com as mãos vazias

Isso pode parecer uma surpresa até mesmo para muitos críticos da evolução darwinista, pois nem os proponentes do design inteligente nem os criacionistas da Terra antiga ou da Terra jovem geralmente negam que o neodarwinismo possa explicar suficientemente a especiação de baixo nível, tal como a diversificação de uma espécie de tentilhões fundadores em várias espécies de tentilhões de Darwin nas Ilhas Galápagos. Que mesmo um fenômeno tão pequeno de evolução gradualista não seja apoiado por evidências fósseis dá razão para uma pausa. Talvez não devêssemos conceder muito, muito cedo a favor da teoria de Darwin. Os mecanismos neodarwinistas certamente podem explicar as mudanças intraespecíficas das frequências gênicas, como o aumento da resistência aos antibióticos em germes, mas não está claro se o valor explicativo desse processo pode ser estendido além disso. Isso não implica que “Deus fez isso”, como alguns críticos da teoria do design inteligente muitas vezes afirmam zombeteiramente. Mas isso implica que o apoio fóssil ao neodarwinismo ainda é muito exagerado em nosso sistema educacional. E sugere a necessidade de uma mudança de paradigma na biologia evolutiva, como está se tornando cada vez mais evidente. Não são os teóricos do design inteligente que negam a ciência, mas sim todos aqueles darwinistas teimosos. Estes ainda fecham os olhos para o número cada vez maior de anomalias que sua teoria de estimação não consegue explicar.

Mas há um lado positivo: na conferência “New Trends in Evolutionary Biology”, organizada pela prestigiosa Royal Society em Londres em novembro de 2016, o renomado teórico evolucionista Professor Gerd Müller mencionou explicitamente “formas não graduais de transição” em sua lista de cinco déficits explicativos da Síntese Evolutiva Moderna (também conhecida como neodarwinismo). Os outros pontos incluem novidade fenotípica e complexidade fenotípica. Você ouviu certo: tudo o que é realmente interessante na história da vida e que deveria ser explicado pela teoria de Darwin, essa mesma teoria na verdade não consegue explicar, pela admissão dos próprios biólogos evolucionistas modernos. Não é de admirar que intelectuais de alto escalão como o professor David Gelernter de Yale estejam desistindo de uma teoria bonita, mas refutada (Gelernter 2019).

A “beleza” das teorias não se correlaciona com sua verdade. Ou como a física teórica Sabine Hossenfelder perguntou recentemente em um novo livro: “Why should the laws of nature care about what I find beautiful??” (Anantaswamy 2018). A teoria basicamente morta da supersimetria é um exemplo perfeito. Ela falhou em todos os testes empíricos do LHC e levará todo o campo da teoria das cordas, que depende da supersimetria, para o túmulo. Milhares de cientistas e publicações desperdiçados em uma teoria bonita, mas falsa. O darwinismo está prestes a seguir seu exemplo, e o homem-macaco Australopithecus anamensis será lembrado como um de seus muitos agentes funerários.


REFERÊNCIAS

Alizon S, Kucera M, Jansen VAA 2008. Competition between cryptic species explains variations in rates of lineage evolution. PNAS 105(34), 12382–12386; DOI: 10.1073/pnas.0805039105.

Ananthaswamy A 2018. How the belief in beauty has triggered a crisis in physics. Nature 558, 186–187; DOI: 10.1038/d41586-018-05374-9.

Asfaw B 1987. The Belohdelie frontal: new evidence of early hominid cranial morphology from the Afar of Ethiopia. Journal of Human Evolution 16, 611–624.

Bechly G & Meyer SC 2017. Chapter 10. The Fossil Record and Universal Common Ancestry. pp. 331-361 in Moreland JP et al. (eds). Theistic Evolution: A Scientific, Philosophical, and Theological Critique. Crossway Publ., 1008 pp.

Benton MJ, Pearson PN 2001. Speciation in the fossil record. Trends in Ecology & Evolution 16(7), 405–411.

Benton MJ, Wills MA, Hitchin R 2000. Quality of the fossil record through time. Nature 403, 534–536, DOI: 10.1038/35000558.

Carr TD, Varricchio DJ, Sedlmayr JC, Roberts EM, Moore JR 2017. A new tyrannosaur with evidence for anagenesis and crocodile-like facial sensory system. Scientific Reports 7, 44942, 11 pp.; DOI: 10.1038/srep44942.

Darwin C 1859. On the Origin of Species … . John Murray, 502 pp.

Dawkins R 1986. The Blind Watchmaker. Norton & Company, xiii+332 pp.

Dawkins R 2009. The Greatest Show on Earth: The Evidence for Evolution. Free Press, 480 pp.

Clewing C et al. 2015. Ecophenotypic plasticity leads to extraordinary gastropod shells found on the “Roof of the World”. Ecology and Evolution 5(14), 2966–2979; DOI: 10.1002/ece3.1586.

Dembo et al. 2016. The evolutionary relationships and age of Homo naledi: An assessment using dated Bayesian phylogenetic methods. Journal of Human Evolution 97, 17–26; DOI: 10.1016/j.jhevol.2016.04.008.

Dzik J, Trammer J 1980. Gradual evolution of conodontophorids in the Polish Triassic. Acta Palaeontologica Polonica 25(1), 55–89.

Eldredge N & Gould SJ 1972. Punctuated equilibria: an alternative to phyletic gradualism. pp. 82–115 in: Schopf TJM (ed.) Models in Paleobiology. Freeman, Cooper & Co., 256 pp.

Foote M & Sepkoski JJ Jr 1999. Absolute measures of the completeness of the fossil record. Nature 398, 415–417, DOI: 10.1038/18872.

Gelernter D 2019. Giving Up Darwin. CRB May 1, 2019.

Gingerich PD 1983. Origin and evolution of species: evidence from the fossil record. pp. 125–130 in: Chaline J (ed.) Modalités, Rythmes, Mécanismes de L’Évolution Biologique: Gradualisme Phylétique ou Équilibres Ponctués? Colloques Internationaux du Centre National de la Recherche Scientifique 330.

Gottschick F & Wenz W. 1919–1922. Die Land- und Süßwassermollusken des Tertiärbeckens von Steinheim am Albuch. Nachrichtsblatt der deutschen malakozoologischen Gesellschaft 51, 1–23; 52, 120–127; 53, 33–47; 54, 06–109.

Gould SJ 1991. Opus 200. Natural History 100(8), 12–18; PDF.

Gould SJ & Eldredge N 1977. Punctuated Equilibria: The Tempo and Mode of Evolution Reconsidered. Paleobiology 3, 115–151; DOI: 10.1017/S0094837300005224.

Greshko M 2019. ‘Unprecedented’ skull reveals face of human ancestor. National Geographic Aug. 28, 2019.

Haile-Selassie Y 2010. Phylogeny of early Australopithecus: new fossil evidence from the Woranso-Mille (central Afar, Ethiopia). Phil. Trans. R. Soc. B 365, 3323–3331; DOI: 10.1098/rstb.2010.0064.

Haile-Selassie Y et al. 2019. A 3.8-million-year-old hominin cranium from Woranso-Mille, Ethiopia. Nature Aug. 28, 2019; DOI: 10.1038/s41586-019-1513-8.

Hilgendorf F 1866. Planorbis multiformis im Steinheimer Süßwasserkalk. Ein Beispiel von Gestaltveränderung im Laufe der Zeit. Weber, Berlin, 36 pp.

Hilgendorf, F 1867. Über Planorbis multiformis im Steinheimer Süßwasserkalk. Monatsberichte der Königlich Preussischen Akademie der Wissenschaften zu Berlin 1866, 474–504.

Hilgendorf F 1879. Zur Streitfrage des Planorbis multiformis. Kosmos 5(10–22), 90–99.

Hull PM & Norris RD 2009. Evidence for abrupt speciation in a classic case of gradual evolution. PNAS 106(50), 21224–21229; DOI: 10.1073/pnas.0902887106.

Hunt G, Bell MA, Travis MP 2008. Evolution toward a new adaptive optimum: Phenotypic evolution in a fossil stickleback lineage. Evolution 62(3), 700–710; DOI: 10.1111/j.1558-5646.2007.00310.x.

Hunt G 2010. Evolution in Fossil Lineages: Paleontology and The Origin of Species. The American Naturalist 176(S1), S61–S76; DOI: 10.1086/657057.

Kimble WH et al. 2006. Was Australopithecus anamensis ancestral to A. afarensis? A case of anagenesis in the hominin fossil record. Journal of Human Evolution 51, 134–152; DOI: 10.1016/j.jhevol.2006.02.003.

Malmgren BA, Kennett JP 1981. Phyletic Gradualism in a Late Cenozoic Planktonic Foraminiferal Lineage; DSDP Site 284, Southwest Pacific. Paleobiology 7(2), 230–240; DOI: 10.1017/S0094837300004000.

Marshall M 2019. We’ve finally found a skull from one of our most important ancestors. New Scientist Aug. 28, 2019.

Max Planck Society 2019. A 3.8-million-year-old fossil from Ethiopia reveals the face of Lucy’s ancestor. Phys.org Aug. 28, 2019.

Pearson PN, Ezard TH 2014. Evolution and speciation in the Eocene planktonic foraminifer Turborotalia. Paleobiology 40(1), 130–143; DOI: 10.1666/13004.

Ozawa T 1975. Evolution of Lepidolina multiseptata (Permian foraminifer) in East Asia. Mem. Fac. Sci. Kyushu Univ. Ser. D Geol. 23, 117–164.

Price M 2019. Stunning ancient skull shakes up human family tree. Science Aug. 28, 2019; DOI 10.1126/science.aaz3033.

Rasser M 2006. 140 Jahre Steinheimer Schnecken-Stammbaum: der älteste fossile Stammbaum aus heutiger Sicht. Geologica et Palaeontologica 40, 195–199.

Rasser M 2013. Darwin’s dilemma: The Steinheim snails’ point of view. Zoosystematics and Evolution 89(1), 13–20; DOI: 10.1002/zoos.201300002.

Rasser M 2014. Evolution in isolation: the Gyraulus species flock from Miocene Lake Steinheim revisited. Hydrobiologia 739(1), 7–24; DOI 10.1007/s10750-013-1677-4.

Rose KD, Bown TM 1984. Gradual phyletic evolution at the generic level in early Eocene omomyid primates. Nature 309, 250–252; DOI: 10.1038/309250a0.

Saylor et al. 2019. Age and context of mid-Pliocene hominin cranium from Woranso-Mille, Ethiopia. Nature Aug. 28, 2019; DOI: 10.1038/s41586-019-1514-7.

Spoor F 2019. Elusive cranium of early hominin found. Nature Aug. 28, 2019; DOI: 10.1038/d41586-019-02520-9.

Stanley SM 1979. Macroevolution: Pattern and Process. Freeman & Co., 332 pp.

Tassy P 2011. Trees before and after Darwin. J. Zool. Syst. Evol. Res. 49(2), 89–101, DOI: 10.1111/j.1439-0469.2010.00585.x.

The Leakey Foundation 2019. A 3.8-Million-Year-Old Fossil From Ethiopia Reveals the Face of Lucy’s Ancestor. Leakey Foundation Aug. 28, 2019.

Wenz W 1922. Die Entwicklungsgeschichte der Steinheimer Planorben und ihre Bedeutung für die Deszendenzlehre. Natur und Museum 52, 135–158.

Foto: Australopithecus africanus skull, by José Braga; Didier Descouens [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons.

Günter Bechly

PESQUISADOR SÊNIOR, CENTER FOR SCIENCE AND CULTURE

Günter Bechly é um paleoentomologista alemão especializado em história fóssil e sistemática de insetos (especialmente libélulas), o mais diversificado grupo de animais. Ele atuou como curador de âmbar e insetos fósseis no departamento de paleontologia do Museu Estadual de História Natural (SMNS) em Stuttgart, Alemanha. Ele também é membro sênior do Centro de Ciência e Cultura do Discovery Institute. Dr. Bechly obteve seu Ph.D. em geociências pela Eberhard-Karls-University em Tübingen, Alemanha.

Surgimento Espontâneo da Vida e a Segunda Lei da Termodinâmica

segunda-feira, abril 18, 2022

Spontaneous Appearance of Life and the Second Law of Thermodynamics

David W. Snoke

Published Online: 12 Apr 2022

Page range: 1 - 11

DOI: https://doi.org/10.2478/biocosmos-2022-0006

© 2022 David W. Snoke, published by Sciendo

This work is licensed under the Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 3.0 License.



Abstract

It is often argued both by scientists and the lay public that it is extremely unlikely for life or minds to arise spontaneously, but this argument is hard to quantify. In this paper I make this argument more rigorous, starting with a review of the concepts of information and entropy, and then examining the specific case of Maxwell's demon and how it relates to living systems. I argue that information and entropy are objective physical quantities, defined for systems as a whole, which allow general arguments in terms of physical law. In particular, I argue that living systems obey the same rules as Maxwell's demons.

FREE PDF GRATIS: BioCosmos

O que é o Design Inteligente e como deveria ser defendido.

domingo, abril 17, 2022

O que é o Design Inteligente e como nós deveríamos defendê-lo.

Casey Luskin

3 de dezembro de 2021, 1:55 PM


Nota do editor: Este artigo é um trecho de um capítulo do livro recém-lançado The Comprehensive Guide to Science and Faith: Exploring the Ultimate Questions About Life and the Cosmos.

A objeção mais comum ao DI é que não é ciência, mas religião. Para entender porque essa objeção é falha, devemos primeiro avaliar como os teóricos do DI defendem o design.


O design inteligente é uma teoria científica que sustenta que muitas características do universo e dos seres vivos são melhor explicadas por uma causa inteligente, em vez de um processo não direcionado como a seleção natural. O DI visa discriminar entre objetos gerados por mecanismos materiais e aqueles causados pela inteligência.


Estudando agentes humanos

Os teóricos do DI começam observando como os agentes inteligentes agem quando projetam coisas. Ao estudar os agentes inteligentes humanos, aprendemos que quando os agentes inteligentes agem, eles geram altos níveis de informação. O tipo de informação que indica o design intencional é geralmente chamado de complexidade especificada ou informação complexa especificada (ICE para abreviar). Vamos discutir brevemente este termo.

A grosso modo, algo é complexo se for improvável. Mas a complexidade ou a improbabilidade por si só não é suficiente para inferir o design intencional. Para ver por que, imagine que você ganhe uma mão de cinco cartas para um jogo de pôquer. Seja qual for a mão que você receber, será muito improvável. Mesmo se você conseguir uma boa mão, como um sequência de cinco cartas do mesmo naipe ou um royal flush, você não vai necessariamente dizer: “Ah! O baralho estava com as cartas marcadas.” Por quê? Porque coisas improváveis acontecem o tempo todo. Não inferimos design intencional simplesmente porque algo é improvável. Precisamos de mais – de acordo com o teórico do DI William Dembski, isso é especificação. Algo é especificado se corresponder a um padrão independente.

Para entender a especificação, imagine que você é um turista visitando as montanhas da América do Norte. Primeiro, você se depara com o Monte Rainier, um enorme vulcão adormecido no noroeste do Pacífico. Esta montanha é incomparável; de fato, se todas as combinações possíveis de rochas, picos, cordilheiras, ravinas, rachaduras e penhascos forem consideradas, sua forma exata é extremamente improvável e complexa. Mas você não infere design intencional simplesmente porque o Monte Rainier tem uma forma complexa. Por quê? Porque você pode facilmente explicar sua forma através dos processos naturais de erosão, elevação, aquecimento, resfriamento, congelamento, degelo, intemperismo, etc. Não existe um padrão especial e independente para a forma do Monte Rainier. Sua complexidade por si só não é suficiente para inferir design intencional.

Agora você visita uma montanha diferente – o Monte Rushmore em Dakota do Sul. Esta montanha também tem uma forma muito improvável, mas sua forma é especial. Combina com um padrão – os rostos de quatro presidentes famosos. Com o Monte Rushmore, você não observa apenas a complexidade; você também encontra especificação. Assim, você inferiria que sua forma tem design intencional (Figura 1).


Figura 1. Qual dessas duas montanhas tem uma forma que nos permite detectar o design intencional? O Monte Rainier (esquerda) tem uma forma improvável (complexa), mas não é especificada, então não detectamos design intencional. Em contraste, o Monte Rushmore (à direita) tem uma forma complexa e especificada, então detectamos o design intencional. 

Créditos: Monte Rainier: Casey Luskin. Monte Rushmore: Dean Franklin, CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0), via Wikimedia Commons.


Usando o método científico


Além disso, podemos ver que o DI é ciência e não religião porque o DI usa o método científico para fazer suas afirmações. O método científico é comumente descrito como um processo de quatro etapas envolvendo observação, hipótese, experimento e conclusão. O DI usa este método preciso:

Observações: Os teóricos do DI começam observando que os agentes inteligentes produzem altos níveis de ICE.

- Hipótese: Os teóricos do DI levantam a hipótese de que, se um objeto natural tiver design intencional, ele conterá alto ICE.

Experimento: Os cientistas realizam testes experimentais em objetos naturais para determinar se eles contêm alto ICE. Por exemplo, testes de sensibilidade mutacional mostram que as enzimas são ricas em ICE: elas contêm ordenações altamente improváveis de aminoácidos que correspondem a um padrão de sequência preciso necessário para a funcionar. 1 Outra forma facilmente testável de ICE é a complexidade irredutível, em que um sistema requer um certo conjunto central de partes interativas para funcionar. Experimentos de nocaute genético mostram que algumas máquinas moleculares são irredutivelmente complexas. 2

Conclusão: Quando pesquisadores de DI encontram alto ICE em DNA, proteínas e máquinas moleculares, eles concluem que tais estruturas têm design intencional.


Muito mais amplo que a biologia


Ao contrário das concepções populares, no entanto, o DI é muito mais amplo do que a biologia. As leis da física e da química mostram evidências de design porque são afinadas para permitir que a vida exista (veja os capítulos 20, 21, 22, 23 para detalhes). As leis universais são complexas na medida em que exibem configurações improváveis - os cosmólogos calcularam que nosso universo é incrivelmente ajustado para a vida em menos de uma parte em 1010^123. 3 (Isso é 1 em 10 elevado ao expoente de 1010^123; nem temos palavras ou analogias para transmitir números tão pequenos!) No entanto, essas leis são especificadas porque correspondem a uma faixa extremamente estreita de valores e configurações necessárias para a existência de vida. Isso novamente é alto ICE e indica design intencional. Como observou o Prêmio Nobel Charles Townes:

O design inteligente, visto do ponto de vista científico, parece ser bastante real. Este é um universo muito especial: é notável que tenha saído assim. Se as leis da física não fossem exatamente como são, nós não estaríamos aqui. 4


Uma fonte conhecida


Resumindo, as descobertas científicas do século passado mostraram que a vida é fundamentalmente baseada em:

Uma grande quantidade de ICE codificado digitalmente em uma linguagem bioquímica em nosso DNA.

- Um sistema de processamento de informações semelhante a um computador onde a maquinaria celular lê, interpreta e executa os comandos programados no DNA para produzir proteínas funcionais.

- Máquinas moleculares irredutivelmente complexas compostas por proteínas finamente afinadas.

- Requintado ajuste fino de leis e constantes universais.

De onde, em nossa experiência, vem o código digital baseado em linguagem, programação semelhante a computador, máquinas e outras estruturas de alto ICE? Eles têm apenas uma fonte conhecida: inteligência.

O argumento para o design intencional brevemente esboçado aqui é inteiramente baseado empiricamente. Oferece evidências positivas para o design intencional ao encontrar, na natureza, os tipos de informação e complexidade que sabemos, por experiência, derivar de causas inteligentes. (Esse caso positivo para o design intencional é mais elaborado no capítulo 16.) Pode-se discordar das conclusões do DI, mas não se pode alegar razoavelmente que esse argumento é baseado em religião, fé ou política. É baseado na ciência.


Notas


Douglas D. Axe, “Extreme Functional Sensitivity to Conservative Amino Acid Changes on Enzyme Exteriors,” Journal of Molecular Biology, 301 (2000), 585-595; Douglas D. Axe, “Estimating the Prevalence of Protein Sequences Adopting Functional Enzyme Folds,” Journal of Molecular Biology 341 (2004), 1295-1315.

Transcrição do depoimento de Scott Minnich, Kitzmiller v. Dover (M.D. Pa., PM Testimony, November 3, 2005), 103-112; Robert M. Macnab, “Flagella,” in Escherichia Coli and Salmonella Typhimurium: Cellular and Molecular Biology, Vol. 1, eds. Neidhardt et al. (Washington, DC: American Society for Microbiology, 1987), 73-74.

Roger Penrose e M. Gardner, The Emperor’s New Mind: Concerning Computers, Minds, and the Laws of Physics(Oxford, UK: Oxford University Press, 2002).

Bonnie Azab Powell, “‘Explore as much as we can’: Nobel Prize winner Charles Townes on evolution, intelligent design, and the meaning of life,” UC Berkeley News Center (June 17, 2005), https://www.berkeley.edu/news/media/releases/2005/06/17_townes.shtml (acessado em 17/04/2022).