Fósseis do Paleoceno Inferior da Formação Cerrejón, Colombia: o registro mais antigo de floresta neotropical

sábado, outubro 31, 2009

Late Paleocene fossils from the Cerrejón Formation, Colombia, are the earliest record of Neotropical rainforest

Scott L. Wing a,1, Fabiany Herrera b,c, Carlos A. Jaramillo b, Carolina Gómez-Navarro b,d, Peter Wilf e and Conrad C. Labandeira a

+ Author Affiliations

aDepartment of Paleobiology, P.O. Box 37012, Smithsonian Institution, National Museum of Natural History, Washington, DC 20013;

bSmithsonian Tropical Research Institute, Apartado Postal 0843-03092, Balboa, Ancon, Panamá, República de Panamá;

cFlorida Museum of Natural History and Department of Biology, University of Florida, P.O. Box 117800, Gainesville, FL 32611-7800;

dDepartment of Plant and Microbial Biology, University of California, Berkeley, CA 94720; and

eDepartment of Geosciences, Pennsylvania State University, University Park, PA 16802

Edited by Peter H. Raven, Missouri Botanical Garden, St. Louis, MO, and approved September 4, 2009 (received for review May 11, 2009)


Neotropical rainforests have a very poor fossil record, making hypotheses concerning their origins difficult to evaluate. Nevertheless, some of their most important characteristics can be preserved in the fossil record: high plant diversity, dominance by a distinctive combination of angiosperm families, a preponderance of plant species with large, smooth-margined leaves, and evidence for a high diversity of herbivorous insects. Here, we report on an ≈58-my-old flora from the Cerrejón Formation of Colombia (paleolatitude ≈5 °N) that is the earliest megafossil record of Neotropical rainforest. The flora has abundant, diverse palms and legumes and similar family composition to extant Neotropical rainforest. Three-quarters of the leaf types are large and entire-margined, indicating rainfall >2,500 mm/year and mean annual temperature >25 °C. Despite modern family composition and tropical paleoclimate, the diversity of fossil pollen and leaf samples is 60–80% that of comparable samples from extant and Quaternary Neotropical rainforest from similar climates. Insect feeding damage on Cerrejón fossil leaves, representing primary consumers, is abundant, but also of low diversity, and overwhelmingly made by generalist feeders rather than specialized herbivores. Cerrejón megafossils provide strong evidence that the same Neotropical rainforest families have characterized the biome since the Paleocene, maintaining their importance through climatic phases warmer and cooler than present. The low diversity of both plants and herbivorous insects in this Paleocene Neotropical rainforest may reflect an early stage in the diversification of the lineages that inhabit this biome, and/or a long recovery period from the terminal Cretaceous extinction.

diversity stability paleoclimate paleobotany Fabaceae


1To whom correspondence should be addressed. E-mail: wings@si.edu

Author contributions: S.L.W., F.H., and C.A.J. designed research; S.L.W., F.H., C.A.J., C.G.-N., P.W., and C.C.L. performed research; S.L.W., C.A.J., P.W., and C.C.L. analyzed data; and S.L.W., F.H., C.A.J., and P.W. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.

This article is a PNAS Direct Submission.





58 milhões de anos e a seleção natural não fez nada? 2.000 exemplares de megafósseis, de um período de 5 a 8 milhões de anos após a extinção dos dinossauros, e a única diferença entre a floresta antiga e a moderna é que a última tem mais diversidade?

E o que dizer então da toda-poderosa e onipresente seleção natural: não fez nada em um grande nicho ecológico durante 58 milhões de anos?

A evolução da baleia ocorreu em menos tempo do que isso, não é mesmo? É, a evolução tem coisas sobre a seleção natural que a própria razão desconhece...

Novas análises de crescimento de dinossauros podem eliminar um terço das espécies

New Analyses Of Dinosaur Growth May Wipe Out One-third Of Species

ScienceDaily (Oct. 31, 2009) — Paleontologists from the University of California, Berkeley, and the Museum of the Rockies have wiped out two species of dome-headed dinosaur, one of them named three years ago -- with great fanfare -- after Hogwarts, the school attended by Harry Potter.

Their demise comes after a three-horned dinosaur, Torosaurus, was assigned to the dustbin of history last month at the Society of Vertebrate Paleontology meeting in the United Kingdom, the loss in recent years of quite a few duck-billed hadrosaurs and the probable disappearance of Nanotyrannus, a supposedly miniature Tyrannosaurus rex.

Dracorex (upper left) and Stygimoloch (upper right) are not distinct dome-headed dinosaurs, but young and nearly sexually mature, respectively, members of the species Pachycephalosaurus wyomingensis, according to a new study by paleontologists from UC Berkeley and the Museum of the Rockies. (Credit: Holly Woodward/Montana State University)

These dinosaurs were not separate species, as some paleontologists claim, but different growth stages of previously named dinosaurs, according to a new study. The confusion is traced to their bizarre head ornaments, ranging from shields and domes to horns and spikes, which changed dramatically with age and sexual maturity, making the heads of youngsters look very different from those of adults.

"Juveniles and adults of these dinosaurs look very, very different from adults, and literally may resemble a different species," said dinosaur expert Mark B. Goodwin, assistant director of UC Berkeley's Museum of Paleontology. "But some scientists are confusing morphological differences at different growth stages with characteristics that are taxonomically important. The result is an inflated number of dinosaurs in the late Cretaceous."

Goodwin and John "Jack" Horner of the Museum of the Rockies at Montana State University in Bozeman, are the authors of a new paper analyzing North American dome-headed dinosaurs that appeared this week in the public access online journal PLoS One.

Unlike the original dinosaur die-off at the end of the Cretaceous period 65 million years ago, this loss of species is the result of a sustained effort by paleontologists to collect a full range of dinosaur fossils -- not just the big ones. Their work has provided dinosaur specimens of various ages, allowing computed tomography (CT) scans and tissue study of the growth stages of dinosaurs.

In fact, Horner suggests that one-third of all named dinosaur species may never have existed, but are merely different stages in the growth of other known dinosaurs.

"What we are seeing in the Hell Creek Formation in Montana suggests that we may be overextended by a third," Horner said, a "wild guess" that may hold true for the various horned dinosaurs recently discovered in Asia from the Cretaceous. "A lot of the dinosaurs that have been named recently fall into that category."

The new paper, published online Oct. 27, contains a thorough analysis of three of the four named dome-headed dinosaurs from North America, including Pachycephalosaurus wyomingensis, the first "thick-headed" dinosaur discovered. After that dinosaur's description in 1943, many speculated that male pachycephalosaurs used their bowling ball-like domes to head-butt one another like big-horn sheep, though Goodwin and Horner disproved that notion in 2004 after a thorough study of the tissue structure of the dome.

Read more here/Leia mais aqui.


Journal reference:

John R. Horner, Mark B. Goodwin. Extreme Cranial Ontogeny in the Upper Cretaceous Dinosaur Pachycephalosaurus. PLoS ONE, 2009; DOI: 10.1371/journal.pone.0007626
Adapted from materials provided by University of California - Berkeley.


Extreme Cranial Ontogeny in the Upper Cretaceous Dinosaur Pachycephalosaurus

John R. Horner1*, Mark B. Goodwin2

1 Museum of the Rockies, Montana State University, Bozeman, Montana, United States of America, 2 Museum of Paleontology, University of California, Berkeley, California, United States of America

Abstract Top


Extended neoteny and late stage allometric growth increase morphological disparity between growth stages in at least some dinosaurs. Coupled with relatively low dinosaur density in the Upper Cretaceous of North America, ontogenetic transformational representatives are often difficult to distinguish. For example, many hadrosaurids previously reported to represent relatively small lambeosaurine species were demonstrated to be juveniles of the larger taxa. Marginocephalians (pachycephalosaurids + ceratopsids) undergo comparable and extreme cranial morphological change during ontogeny.

Methodology/Principal Findings

Cranial histology, morphology and computer tomography reveal patterns of internal skull development that show the purported diagnostic characters for the pachycephalosaurids Dracorex hogwartsia and Stygimoloch spinifer are ontogenetically derived features. Coronal histological sections of the frontoparietal dome of an adult Pachycephalosaurus wyomingensis reveal a dense structure composed of metaplastic bone with a variety of extremely fibrous and acellular tissue. Coronal histological sections and computer tomography of a skull and frontoparietal dome of Stygimoloch spinifer reveal an open intrafrontal suture indicative of a subadult stage of development. These dinosaurs employed metaplasia to rapidly grow and change the size and shape of their horns, cranial ornaments and frontoparietal domes, resulting in extreme cranial alterations during late stages of growth. We propose that Dracorex hogwartsia, Stygimoloch spinifer and Pachycephalosaurus wyomingensis are the same taxon and represent an ontogenetic series united by shared morphology and increasing skull length.


Dracorex hogwartsia (juvenile) and Stygimoloch spinifer (subadult) are reinterpreted as younger growth stages of Pachycephalosaurus wyomingensis (adult). This synonymy reduces the number of pachycephalosaurid taxa from the Upper Cretaceous of North America and demonstrates the importance of cranial ontogeny in evaluating dinosaur diversity and taxonomy. These growth stages reflect a continuum rather than specific developmental steps defined by “known” terminal morphologies.

Citation: Horner JR, Goodwin MB (2009) Extreme Cranial Ontogeny in the Upper Cretaceous Dinosaur Pachycephalosaurus. PLoS ONE 4(10): e7626. doi:10.1371/journal.pone.0007626

Editor: Paul Sereno, University of Chicago, United States of America

Received: May 28, 2009; Accepted: September 8, 2009; Published: October 27, 2009

Copyright: © 2009 Horner, Goodwin. This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original author and source are credited.

Funding: University of California Museum of Paleontology provided funding to MBG. The funders had no role in study design, data collection and analysis, decision to publish, or preparation of the manuscript.

Competing interests: The authors have declared that no competing interests exist.

* E-mail: jhorner@montana.edu



Quando a questão é Darwin, este é o blog Top of Mind 2009

"Qual o primeiro blog que lhe vem à cabeça quando a questão é Darwin?"

11 entre 10 darwinistas lêem este blog diariamente. Especialmente a Galera dos meninos e meninas de Darwin. Fora os céticos, agnósticos e ateus fundamentalistas pós-modernos, chiques e perfumados a la Dawkins.

Sou imensamente grato a Darwin por isso!

O DNA móvel e a evolução no século 21

Mobile DNA and Evolution in the 21st Century

James A. Shapiro
Dept. of Biochemistry and Molecular Biology, University of Chicago, Gordon Center
for Integrative Science W123B, 929 E. 57th Street, Chicago, IL 60637

Running title: Evolution in the 21st Century

Keywords: Natural genetic engineering, genome restructuring, horizontal transfer, symbiosis, whole genome duplication, hybridization.

Abbreviation: ncRNA – non-protein encoding RNA, NHEJ – non-homologous endjoining


Scientific history has a profound effect on theories of evolution. At the beginning of the 21st Century, molecular cell biology has revealed a dense structure of information-processing networks that use the genome as an interactive Read-Write (RW) memory system rather than an organism blueprint. Genome sequencing has documented the importance of mobile DNA activities and major genome restructuring events at key junctures in evolution: exon shuffling, changes in cis-regulatory sites, horizontal transfer, cell fusions, and whole genome doublings (WGDs). The natural genetic engineering functions that mediate genome restructuring are activated by multiple stimuli, in particular by events similar to those found in the DNA record: microbial infection and interspecific hybridization leading to the formation of allotetraploids. These molecular genetic discoveries, plus a consideration of how mobile DNA rearrangements increase the efficiency of generating functional genomic novelties, make it possible to formulate a 21st Century view of interactive evolutionary processes. This view integrates contemporary knowledge of the molecular basis of genetic change, major genome events in evolution, and stimuli that activate DNA restructuring with classical cytogenetic understanding about the role of hybridization in species diversification.



Lagartas não evoluíram de onicóforos por hibridogênese

Caterpillars did not evolve from onychophorans by hybridogenesis

Michael W. Hart a,1 and Richard K. Grosberg b

+ Author Affiliations

aDepartment of Biological Sciences, Simon Fraser University, Burnaby, BC, Canada V5A 1S6; and

bCollege of Biological Sciences and Center for Population Biology, University of California, Davis, CA 95616

Edited by David M. Hillis, University of Texas, Austin, TX, and approved October 13, 2009 (received for review September 14, 2009)


The evolution and loss of distinctive larval forms in animal life cycles have produced complex patterns of similarity and difference among life-history stages and major animal lineages. One example of this similarity is the morphological forms of Onychophora (velvet worms) and the caterpillar-like larvae of some insects. Williamson [(2009) Proc Natl Acad Sci USA 106:15786–15790] has made the astonishing and unfounded claim that the ancestors of the velvet worms directly gave rise to insect caterpillars via hybridization and that evidence of this ancient “larval transfer” could be found in comparisons among the genomes of extant onychophorans, insects with larvae, and insects without larvae. Williamson has made a series of predictions arising from his hypothesis and urged genomicists to test them. Here, we use data already in the literature to show these predictions to be false. Hybridogenesis between distantly related animals does not explain patterns of morphological and life-history evolution in general, and the genes and genomes of animals provide strong evidence against hybridization or larval transfer between a velvet worm and an insect in particular.

hybridization insect evolution interphyletic crosses larval transfer metamorphosis


1To whom correspondence should be addressed. E-mail: mwhart@sfu.ca

Author contributions: M.W.H. and R.K.G. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.

This article is a PNAS Direct Submission.


PDF gratuito do artigo aqui.

Um mecanismo para segregação funcional de códigos genéticos mitocondriais e cistólicos

A mechanism for functional segregation of mitochondrial and cytosolic genetic codes

Yaiza Español a, Daniel Thut b, André Schneider b and Lluís Ribas de Pouplana a,c,1

+ Author Affiliations

aInstitute for Research in Biomedicine (IRB), c/ Baldiri Reixac 15-21 08028, Barcelona, Catalonia, Spain;

bDepartment of Chemistry and Biochemistry, University of Bern, Freiestrasse 3, CH-3012 Bern, Switzerland; and

cCatalan Institution for Research and Advanced Studies (ICREA), Passeig Lluís Companys 23, 08010 Barcelona, Catalonia, Spain

Edited by Paul R. Schimmel, The Skaggs Institute for Chemical Biology, La Jolla, CA, and approved September 28, 2009 (received for review August 31, 2009)


The coexistence of multiple gene translation machineries is a feature of eukaryotic cells and a result of the endosymbiotic events that gave rise to mitochondria, plastids, and other organelles. The conditions required for the integration of these apparatuses within a single cell are not understood, but current evidence indicates that complete ablation of the mitochondrial protein synthesis apparatus and its substitution by its cytosolic equivalent is not possible. Why certain mitochondrial components and not others can be substituted by cytosolic equivalents is not known. In trypanosomatids this situation reaches a limit, because certain aminoacyl-tRNA synthetases are mitochondrial specific despite the fact that all tRNAs in these organisms are shared between cytosol and mitochondria. Here we report that a mitochondria-specific lysyl-tRNA synthetase in Trypanosoma has evolved a mechanism to block the activity of the enzyme during its synthesis and translocation. Only when the enzyme reaches the mitochondria is it activated through the cleavage of a C-terminal structural extension, preventing the possibility of the enzyme being active in the cytosol.

aminoacyl-tRNA synthetases mitochondria tRNA trypanosoma


1To whom correspondence should be addressed. E-mail: lluis.ribas@irbbarcelona.org
Author contributions: L.R.d.P. designed research; Y.E. and D.T. performed research; A.S. and L.R.d.P. analyzed data; and L.R.d.P. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.

This article is a PNAS Direct Submission.


PDF gratuito do artigo aqui.

Newman ‘falou e disse’: a seleção natural já era, e chegou a hora de se considerar novas teorias da evolução além de Darwin

sexta-feira, outubro 30, 2009

“Mudanças incrementais numa estrutura biológica existente, as alterações no formato de bico de tentilhões que tanto impressionaram a Charles Darwin durante sua viagem às ilhas Galápagos, por exemplo — na verdade podem ser atribuídas à seleção natural. Até a maioria dos criacionistas não nega isto. Mas quando diz respeito à inovação de estruturas inteiramente novas (‘as novidades morfológicas’) tais como os corpos segmentalmente organizados (vistos nas minhocas, insetos, e vertebrados como os humanos, mas não as medusas ou moluscos), ou as mãos ou os pés de tetrápodes (vertebrados com quatro membros), o mecanismo de Darwin [a seleção natural] fica devendo. Esta é uma realidade que é reconhecida cada vez mais pelos biólogos [SIC ULTRA PLUS 1], particularmente aqueles trabalhando na área de biologia do desenvolvimento evolucionário, ou a ‘EvoDevo’


O escárnio de um segmento tradicionalista do público por não se alinhar imediatamente com as narrativas selecionistas padrões (não importa quão rebuscadas elas sejam), não é a resposta aqui. O pensamento científico convencional deve, com razão, ser prevalecente no debate da evolução, uma vez que o mundo é, manifestamente, um produto da evolução [SIC ULTRA PLUS 2]. Mas o pensamento científico convencional e seus defensores liberais estão tão apegados a um neodarwinismo que efetivamente se tornou a casa da filosofia do mercado da economia que eles estão mal resistindo nas suas tentativas de impedir que os relatos naturalistas da história da vida de serem eliminados do currículo escolar. A menos que o discurso em torno da evolução seja aberto para perspectivas científicas além do darwinismo, a educação de futuras gerações corre o risco de ser sacrificada em benefício de uma teoria moribunda.”

Qual é a receita de Newman? Abrir a teoria evolutiva para “perspectivas científicas além do darwinismo”. Esta recomendação epistêmica salutar de Newman não agrada a Nomenklatura científica que insiste na manutenção do dogma da seleção natural para explicar a origem e a evolução da complexidade e da diversidade das coisas bióticas. Mas quem sabe, como o próprio Newman sugere, isso não seja a verdadeira raiz do problema???


“Incremental changes in an existing biological structure the alterations in beak shape of the finches that so impressed Charles Darwin during his voyage to the Galapagos Islands, for instance - can indeed be attributed to natural selection. Even most creationists do not deny this. But when it comes to the innovation of entirely new structures (‘‘morphological novelties’’) such as segmentally organized bodies (seen in earthworms, insects, and vertebrates such as humans, but not jellyfish or molluscs), or the hands and feet of tetrapods (vertebrates with four limbs), Darwin’s mechanism comes up short. This is a reality that is increasingly acknowledged by biologists, particularly those working in the field of evolutionary developmental biology, or ‘EvoDevo’


Derision of a traditionalist segment of the public for not immediately jumping into line with standard selectionist narratives (however far-fetched they may be), is not the answer here. The scientific mainstream should rightly be prevailing in the evolution debate, since the living world is manifestly a product of evolution. But it and its liberal advocates are so wedded to a neo-Darwinism that has effectively become the house philosophy of the market economy that they are barely holding on in their attempts to prevent naturalistic accounts of the history of life from being expunged from school curricula. Unless the discourse around evolution is opened up to scientific perspectives beyond Darwinism, the education of generations to come is at risk of being sacrificed for the benefit of a dying theory.”


Science at the crossroads: Evolution: The Public’s Problem, and the Scientists
Stuart A. Newman
New York Medical College
Professor of Cell Biology and Anatomy
Basic Science Building
New York Medical College
Valhalla, NY 10595
(914) 594-4048 (T)
(914) 594-4653 (F)

The research interests of the Newman laboratory center around three main program areas: cellular and molecular mechanisms of vertebrate limb development, physical mechanisms of morphogenesis, and evolution of developmental mechanisms. Other areas of interest include protein structure-function relationships and the social and cultural aspects of biological research and technology. He is co-editor, with Gerd B. Müller, of Origination of Organismal Form: Beyond the Gene in Developmental and Evolutionary Biology (MIT Press, 2003), with Santiago Schnell, Philip Maini and Timothy Newman of Multiscale Modeling of Developmental Systems (Elsevier, 2007) and co-author, with Gabor Forgacs, of Biological Physics of the Developing Embryo (Cambridge University Press, 2005).

Stuart Newman received an A.B. from Columbia University and a Ph.D. in chemical physics from the University of Chicago. He has been a visiting professor at the Pasteur Institute, Paris, the Centre à l'Energie Atomique-Saclay, Gif-sur-Yvette, the Indian Institute of Science, Bangalore, the University of Tokyo, and was a Fogarty Senior International Fellow at Monash University, Australia. He was a founding member of the Council for Responsible Genetics, Cambridge, MA and is a Fellow of the Institute on Biotechnology and the Human Future, Chicago, IL.





E ainda dizem que os que criticam a atual teoria geral da evolução são pessoas que não sabem o que é ciência, são ignorantes, suas críticas são fundamentadas em seus preconceitos religiosos, y otras cositas mais. Nada mais falso! Newman que não me deixa mentir: a seleção natural de Darwin já era como mecanismo evolutivo, e outras visões sobre a origem e evolução das coisas bióticas são mais do que bem-vindas.

Que venga la nueva teoría de evolución: a SÍNTESE EVOLUTIVA AMPLIADA que, por esta do Newman, e outras aqui divulgadas neste blog, não deve ser selecionista!!!

Darwin como ícone cultural - Isis Sep. 2009

Focus: Darwin as a Cultural Icon Isis Sep. 2009

By James A. Secord

Looking at Darwin: Portraits and the Making of an Icon
By Janet Browne

“You Are Here”: Missing Links, Chains of Being, and the Language of Cartoons
By Constance Areson Clark

Singing His Praises: Darwin and His Theory in Song and Musical Production
By Vassiliki Betty Smocovitis


História de judeus sobreviventes

História de sobreviventes

Por Alex Sander Alcântara

Agência FAPESP – Ao analisar documentos emitidos pelas missões diplomáticas sediadas no exterior entre 1933 e 1950 percebe-se a postura do governo brasileiro diante do antissemitismo e da perseguição aos judeus na Alemanha nazista e nos países colaboracionistas. Ofícios e relatórios secretos dão uma dimensão dos bastidores da política brasileira no período, como aponta pesquisa coordenada pela historiadora Maria Luiza Tucci Carneiro, professora do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP).

Milhares desses documentos estão disponíveis na internet desde 17 de outubro, no portal Arquivo Virtual sobre Holocausto e Antissemitismo (Arqshoah), projeto do Laboratório de Estudos de Etnicidade, Racismo e Discriminação (LEER) do Departamento de História da FFLCH.

Arquivo Virtual sobre Holocausto e Antissemitismo, disponível na internet, reconstitui saga de judeus expulsos da Alemanha nazista e dos países colaboracionistas e reúne documentos que revelam a postura do Brasil diante do genocídio (Interior de Pobres II/Lasar Segall)

Na base de dados, documentos oficiais podem ser cruzados com passaportes, fotografias, passagens e relatos de sobreviventes, permitindo reconstituir o cotidiano de algumas cidades europeias, como Berlim, Viena e Varsóvia, em um momento em que os judeus eram expulsos, presos ou exterminados. Todo esse acervo documental pode ser consultado livremente por pesquisadores, professores e pelo público em geral.

O projeto, intitulado “Arquivo virtual sobre Holocausto e antissemitismo: o Brasil diante do Holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo em 1933-1945”, tem apoio da FAPESP na modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular. Tucci Carneiro também coordena o Projeto Temático “Arquivos da repressão e da resistência. História e memória. Mapeamento e análise da documentação do Deops/SP e Deip/SP”, apoiado pela Fundação.

De acordo com a coordenadora, cerca de 10 mil cópias dos documentos originais foram reunidas durante sua pesquisa de doutorado sobre o antissemitismo na Era Vargas (1930 a 1945), concluída em 1987 e publicada pela Editora Perspectiva. A coleta dessa documentação teve continuidade na investigação para sua tese de livre-docência, defendida em 2001 – “Cidadão do mundo – O Brasil diante da questão dos judeus refugiados do nazifascismo (1933-1950)”.

“Grande parte são documentos secretos confidenciais produzidos durante a época de Getúlio Vargas e o período do pós-guerra. Tendo em vista o volume e a riqueza dessas fontes, muitas das quais ainda inéditas, resolvi disponibilizá-las da melhor forma possível por meio de um arquivo virtual. Dessa forma, novos projetos de pesquisa podem ser elaborados ,contribuindo para a construção de novos conhecimentos sobre a história do Holocausto e do Brasil contemporâneo”, disse à Agência FAPESP.

Foram necessários dois anos para selecionar, classificar e digitalizar uma parte significativa do acervo da historiadora, que, somente sobre esse tema, reúne 10 mil documentos que estão sendo identificados pela equipe técnica.

“A maioria dos documentos foi reproduzida do Arquivo Histórico do Itamaraty, que nos autorizou a publicar na internet. Importante ressaltar que esses documentos estão disponíveis para consulta pública no Rio de Janeiro desde 1995. Devemos levar mais dois anos para digitalizar o restante, sem contar com novos documentos cedidos por sobreviventes e de outras bases, como o Arquivo Nacional do Rio de Janeiro”, explicou.

Os documentos fornecidos pelo Itamaraty revelam, segundo Tucci Carneiro, as “decisões diplomáticas articuladas nos bastidores, a postura do governo brasileiro diante do genocídio praticado pela Alemanha nazista e os desdobramentos políticos na Europa durante a Segunda Guerra Mundial”.

“O governo brasileiro se tornou, indiretamente, colaboracionista. Fechou as portas, negando vistos de entrada aos judeus que procuravam fugir da Alemanha e dos países invadidos por Adolf Hitler”, apontou. Apesar de a política emigratória no país estar identificada com a postura intolerante da Alemanha, a posição pública do governo brasileiro era ambígua em relação ao Holocausto e à Segunda Guerra Mundial, disse a cientista.

“O governo se posicionava como solidário à política de salvamento aos judeus refugiados articulada pelos países líderes na Liga das Nações, dentre os quais estavam os Estados Unidos e a Grã-Bretanha. Em vários momentos, o Brasil comprometeu-se a fornecer, por mês, 3 mil vistos de entrada para esses refugiados, mas, na prática, o que se via era o oposto”, disse.

Segundo ela, essa postura foi mais sistemática de 1937 a 1945, endossada primeiro pelo Itamaraty e, depois, pelo Ministério da Justiça. “É como uma orquestra em que se somam ações intolerantes por parte de vários ministérios, que apregoavam o cumprimento das regras impostas por circulares secretas. Circulares que obstruíam o salvamento de milhares de judeus, centenas de ciganos e dissidentes políticos do nacional-socialismo. Essa é uma dívida que o Brasil tem para com o povo judeu e outras minorias tratadas como ‘raças indesejáveis’”, afirmou.

Esse é o conteúdo de grande parte dos documentos disponíveis no site, como, por exemplo, ofícios e circulares secretas antissemitas classificados na época como secretos pelo Ministério das Relações Exteriores e pelo Ministério da Justiça e Negócios Interiores. Nesses registros – muitos dos quais são assinados por importante ministros, como Oswaldo Aranha, Gustavo Capanema, Francisco Campos e Raul Fernandes, e por diplomatas brasileiros em missão na Europa – fica evidente a recomendação de dificultar a entrada de judeus no país.

De acordo com a historiadora, ajudar judeus era visto como “um ato contra a nação”. Mas, durante a guerra, alguns raros nomes se sobressaíram como sinônimo de indignação e coragem.

“Foi o caso do embaixador brasileiro em Paris, Luiz Martins Souza Dantas, e de uma funcionária do consulado em Hamburgo, Aracy Moebius de Carvalho, mais tarde esposa do escritor Guimarães Rosa. Tanto Aracy, conhecida como ‘o anjo de Hamburgo’, como Souza Dantas desobedeceram às ordens do governo Vargas e liberaram centenas de vistos de judeus para o Brasil”, contou.

Ferramenta pedagógica

No portal, além de documentos oficiais, os usuários podem consultar um inventário de judeus refugiados no Brasil com dados e correspondências pessoais, fotografias, passagens de navio e bibliografia sobre o tema. Essas informações encontram-se distribuídas em vários links: “Arquivo”, “Justos & Salvadores”, “Periódicos”, “Artistas & Intelectuais”, “Rotas de fuga”, “Testemunhos” e uma “Biblioteca Virtual” com livros de memórias. O site também será alimentado com novos relatos, a partir do link “Indique um sobrevivente”.

O objetivo é disponibilizar histórias e memórias dos sobreviventes de campos de concentração e refugiados do nazifascismo radicados no Brasil até 1960, considerando o árduo e longo processo daqueles que procuraram naturalizar-se brasileiros.

Segundo Tucci Carneiro, a partir de 1950 o Itamaraty adotou uma postura mais liberal, após a divugação das atrocidades praticadas pelos nazistas e da resolução da Organização das Nações Unidas que definiu genocídio como crime contra a Humanidade.

A diplomacia deixou de, por exemplo, usar o termo “raça semita” e as circulares secretas antissemitas caíram no limbo da história. “Houve um esvaziamento da política antissemita enquanto instrumento do Estado, mas nem por isso o antissemitismo deixou de existir alimentado por grupos da extrema direita e da esquerda. Daí a importância do Arqshoah neste momento em que diferentes vozes negam o Holocausto”, disse.

Além de “arquivo-testemunho”, o Arqshoah pretende também ser uma ferramenta pedagógica importante para professores e alunos do ensino fundamental, médio e universitário. Segundo a professora da USP, tanto o Holocausto como o antissemitismo raramente são analisados nos livros didáticos e, quando aparecem, entram como adendo da Segunda Guerra Mundial.

“Normalmente, quando os professores falam sobre a guerra ou sobre a Alemanha nazista têm poucas informações sobre esse contexto. A ideia é romper o silêncio e promover o debate sobre o Holocausto enquanto genocídio singular e crime contra a humanidade”, disse a pioneira nos estudos sobre o antissemitismo na Era Vargas, título do seu livro publicado em 1988.

Memória oral

Além do acervo digitalizado, o portal Arqshoah terá arquivos de áudio e vídeo. Até o momento foram gravados mais de 30 depoimentos com sobreviventes ou seus filhos.

“Alguns dos entrevistados haviam gravado depoimentos para a Survivors of the Shoah Visual History Foundation (Fundação dos Sobreviventes da História Visual do Shoah), fundada em 1994 pelo cineasta norte-americano Steven Spielberg, cujas cópias procuramos recuperar. Novos registros estão sendo gravados sob um outro olhar, sendo esse mais um segmento coordenado pelo professor Pedro Ortiz e pela historiadora Rachel Mizrahi, ambos pesquisadores do LEER”, disse Tucci Carneiro.

“Vamos também tornar públicos os processos de naturalização dos judeus que entraram no Brasil de 1933 a 1950, documentos sob a guarda do Arquivo Nacional e que vão inaugurar a segunda fase do projeto, em 2010. Segundo a legislação brasileira, somente após dez anos os estrangeiros poderiam se naturalizar brasileiros. A partir do passaporte anexado ao processo é possível identificar o diplomata que emitiu o visto e a estratégia de entrada no Brasil, burlando as circulares antissemitas. Além disso, a naturalização exige atestados de trabalhos e, no caso dos intelectuais, eles anexavam também artigos e livros para mostrar sua produção, como ocorreu com o crítico e historiador de arte Otto Maria Carpeaux”, contou.

A difícil trajetória daqueles que conseguiram entrar no Brasil (com documentos falsos ou como católicos) pode ser conhecida através de alguns links, dentre os quais o do “Inventário de Sobreviventes” e “Artistas & Intelectuais”. “Pode também ser vislumbrado um conjunto de obras do pintor Lasar Segall, que entre 1936 e 1947 denunciou a a brutalidade praticada pelos nazistas contra os judeus”, disse Tucci Carneiro.

Mais informações: www.arqshoah.com.br ou arqshoah@usp.br.

Aprovados para estágio em química nos Estados Unidos

Aprovados para estágio em química nos Estados Unidos

Agência FAPESP – A FAPESP divulga o resultado da chamada do Programa Piloto de Estágio de Iniciação Científica nos Estados Unidos na Área de Química (Chamada FAPESP 12/2009).
O programa é conduzido em parceria com a National Science Foundation (NSF), universidades norte-americanas e universidades paulistas.

FAPESP divulga resultado da chamada em parceria com NSF e universidades norte-americanas e paulistas (foto: Eduardo Cesar)

A chamada teve como objetivo selecionar estudantes de graduação que sejam bolsistas de Iniciação Científica da FAPESP ou de outras agências na área de química, para desenvolver projetos de pesquisa durante 12 semanas, sob supervisão de pesquisadores de universidades americanas, no período de 11 de janeiro a 31 de março de 2010.

Os candidatos selecionados foram:

Florida University

Camila Bacellar Cases da Silveira

Cauê Favero Ferreira

Kerolyn de Souza Valente

Lillian Dayana Gabriel Souto

Lucas Caire da Silva

Rafael Henrique Medeiros

Renan Barroso Ferreira

Renata Lang Sala

Conforme anunciado na chamada, a contribuição da FAPESP se dará por meio de suplementação, como complemento à bolsa do estudante, até atingir o valor de US$ 800 mensais, pelo período declarado do estágio.

Caso o estudante seja bolsista de outra agência de fomento, o complemento será, no máximo, o valor calculado em relação à Bolsa de Iniciação Científica da FAPESP. Quaisquer outras despesas deverão ser custeadas pela Reserva Técnica do projeto do orientador e/ou pelos recursos da instituição.

Mais informações sobre a chamada: www.fapesp.br/materia/5323

Lixo eletrônico em excesso

Lixo eletrônico em excesso

Agência FAPESP – Há mais de dez anos tem crescido enormemente o uso de dispositivos eletrônicos portáteis, como computadores, telefones celulares e tocadores de música (primeiramente CD e, depois, arquivos digitais). Um dos resultados, que a princípio não parecia preocupante, é o acúmulo de lixo.

Em artigo na Science, pesquisadores destacam falta de políticas eficazes para lidar com os equipamentos eletrônicos descartados, que têm componentes danosos à saúde humana e ao ambiente (divulgação)

Eletrônicos hoje representam o tipo de resíduo sólido que mais cresce na maioria dos países, mesmo nos em desenvolvimento. Um dos grandes problemas de tal lixo está nas baterias, que contêm substâncias tóxicas e com grande potencial de agredir o ambiente.

Em artigo publicado na edição desta sexta-feira (30/10) da revista Science, pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, comentam o problema e a ausência de políticas adequadas de reciclagem.

“O pequeno tamanho, a curta vida útil e os altos custos de reciclagem de tais produtos implicam que eles sejam comumente descartados sem muita preocupação com os impactos adversos disso para o ambiente e para a saúde pública”, apontam os autores.

Eles destacam que tais impactos ocorrem não apenas na hora de descartar os equipamentos eletrônicos, mas durante todo o ciclo de vida dos produtos, desde a fabricação ou mesmo antes, com a mineração dos metais pesados usados nas baterias.

“Isso cria riscos de toxicidade consideráveis em todo o mundo. Por exemplo, a concentração média de chumbo no sangue de crianças que vivem em Guiyu, na China, destino conhecido de lixo eletrônico, é de 15,2 microgramas por decilitro”, contam.

Segundo eles, não há nível seguro estabelecido para exposição ao chumbo, mas recomenda-se ação imediata para níveis acima de 15,2 microgramas por decilitro de sangue.

Os pesquisadores estimam que cada residência nos Estados Unidos guarde, em média, pelo menos quatro itens de lixo eletrônico pequenos (com 4,5 quilos ou menos) e entre dois e três itens grandes (com mais de 4,5 quilos). Isso representaria 747 milhões de itens, com peso superior a 1,36 milhão de toneladas.

O artigo aponta que, apesar do tamanho do problema, 67% da população no país não conhece as restrições e políticas voltadas para o descarte de lixo eletrônico. Além disso, segundo os autores, os Estados Unidos não contam com políticas públicas e fiscalização adequadas para a reciclagem e eliminação de substâncias danosas dos produtos eletrônicos.

Os pesquisadores pedem que os governos dos Estados Unidos e de outros países coloquem em prática medidas urgentes para lidar com os equipamentos eletrônicos descartados. Também destacam a necessidade de se buscar alternativas para os componentes que causem menos impactos à saúde humana e ao ambiente.

O artigo The electronics revolution: from e-wonderland to e-wasteland, de Oladele Ogunseitan e outros, pode ser lido por assinantes da Science em www.sciencemag.org.


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos podem ler gratuitamente este artigo da Science e de outras publicações científicas.

Estudos começam a modelar nova imagem do DNA

Studies Begin to Shape New Image of DNA

The figure illustrates the molecular shape of a region of nucleosomal DNA when wrapped around the histone core, with the narrow minor groove in dark grey. The red mesh shows a surface with negative electrostatic potential. The shape of narrow minor groove regions induces an enhanced negative electrostatic potential, which is read by histone arginines. Such interactions between the protein and DNA contribute to the stabilization of the nucleosome core particle.

Most of us carry a mental picture of DNA in its iconic form – the famous double helix unveiled by Francis Crick and James Watson. But researchers are beginning to develop a new picture of DNA that shows the molecule’s more dynamic side, which is capable of morphing into a large number of complex shapes. This shape-shifting ability permits proteins to attach and read the right region of DNA so genes can be turned on or off at the proper time.

The findings show that proteins are adept at reading nuances in the shape of the double helix. Those variations in shape transmit information about where proteins need to bind to make sure the right genes are activated or silenced during development.

“If you now realize that those nucleotides determine which proteins bind the DNA, and they do it in part through their effect on shape, you begin to understand how sensitive and subtle the DNA structure really is, and how this in turn affects how it's being read.”
Barry Honig

“The ideal double helix should not be viewed as a rigid entity but rather seen as a first approximation to a large set of more complex shapes that are recognized by proteins so as to bind to DNA in a sequence-specific fashion,” said Howard Hughes Medical Institute investigator Barry Honig at Columbia University.

Honig and his colleagues have discovered a new mechanism by which proteins recognize specific regions of DNA. Their research is reported in the October 29, 2009, issue of the journal Nature.

Read more here/Leia mais aqui.

Nova sugestão em química de oceanos antigos

New Wrinkle In Ancient Ocean Chemistry

ScienceDaily (Oct. 30, 2009) — Scientists widely accept that around 2.4 billion years ago, the Earth's atmosphere underwent a dramatic change when oxygen levels rose sharply. Called the "Great Oxidation Event" (GOE), the oxygen spike marks an important milestone in Earth's history, the transformation from an oxygen-poor atmosphere to an oxygen-rich one paving the way for complex life to develop on the planet.

Geoscientists Chris Reinhard (left) and Timothy Lyons (right) of UC Riverside examine a 2.5 billion-year-old black shale from Western Australia. Reinhard, a graduate student, works in Lyons's laboratory. (Credit: UCR Strategic Communications)

Two questions that remain unresolved in studies of the early Earth are when oxygen production via photosynthesis got started and when it began to alter the chemistry of Earth's ocean and atmosphere.
Now a research team led by geoscientists at the University of California, Riverside corroborates recent evidence that oxygen production began in Earth's oceans at least 100 million years before the GOE, and goes a step further in demonstrating that even very low concentrations of oxygen can have profound effects on ocean chemistry.
To arrive at their results, the researchers analyzed 2.5 billion-year-old black shales from Western Australia. Essentially representing fossilized pieces of the ancient seafloor, the fine layers within the rocks allowed the researchers to page through ocean chemistry's evolving history.
Specifically, the shales revealed that episodes of hydrogen sulfide accumulation in the oxygen-free deep ocean occurred nearly 100 million years before the GOE and up to 700 million years earlier than such conditions were predicted by past models for the early ocean. Scientists have long believed that the early ocean, for more than half of Earth's 4.6 billion-year history, was characterized instead by high amounts of dissolved iron under conditions of essentially no oxygen.
"The conventional wisdom has been that appreciable atmospheric oxygen is needed for sulfidic conditions to develop in the ocean," said Chris Reinhard, a Ph.D. graduate student in the Department of Earth Sciences and one of the research team members. "We found, however, that sulfidic conditions in the ocean are possible even when there is very little oxygen around, below about 1/100,000th of the oxygen in the modern atmosphere."

Read more here/Leia mais aqui.

Cálice: a réplica do Design Inteligente censurada no Ciência Hoje On-Line

Chico Buarque e Gilberto Gil - Cálice censurado

Um trecho do show PHONO 73 realizado no Anhembi, em São Paulo. A música Cálice foi considerada subversiva pelos órgãos da ditadura militar, por isso mesmo sendo cantada com a letra modificada, o microfone foi desligado.

Qualquer semelhança com o episódio da réplica ao artigo "Evolução e Religião", do Dr. Sérgio Danilo Junho Pena (membro da Academia Brasileira de Ciências), publicado no Ciência Hoje On-Line no dia 09/10/2009, que descaracterizou a teoria do Design Inteligente, cujos proponentes, como o Dr. Marcos Nogueira Eberlin (membro da Academia Brasileira de Ciências), tiveram seu direito de réplica negado por Bernardo Esteves, editor executivo do CH On-Line, não é mera coincidência.


Assista aqui a música na sua íntegra e com fotos dos seus atores.

Pensar que eu lutei nos anos de chumbo contra a ditadura militar pela liberdade de pensamento...



Quando a questão é Darwin, este é o zeitgeist encontrado na Grande Mídia Tupiniquim - a Síndrome ricuperiana: "O que Darwin tem de bom, a gente mostra; o que Darwin tem de ruim, a gene esconde", e desce o cacete nos críticos e oponentes, mesmo que suas críticas sejam científicas.

Apesar de vocês, amanhã há de ser outro dia!!!

Vídeo de experimento em estratificação que o Instituto de Geociências da USP não conseguirá falsificar

quinta-feira, outubro 29, 2009

Assista a um vídeo (em francês) sobre um experimento de estratificação surpreendente. O Instituto de Geociências da USP (ou qualquer instituto de geociências no Brasil) conseguirá falsificá-lo?

Vídeo aqui.

Maiores informações:

Guy Berthault
28 Boulevard Thiers
78250 Meulan France

E-mail: berthault@sedimentology.fr

A 'solução final' de Hauke Brünkhorst para a democracia universalizada explosiva: eliminem fisicamente os de subjetividades religiosas

JC e-mail 3879, de 29 de Outubro de 2009.

20. Democracia universalizada é explosiva, diz cientista social

Globalização levou a liberdades que fogem ao controle

Maria Inês Nassif escreve para o "Valor Econômico":

A constitucionalização dos Estados Nacionais teve pleno êxito no Século XX e, se a globalização foi o grande arranque da universalização de valores democráticos, que trata legalmente iguais como iguais, ela também é parte da reprodução de um sistema desigual.

A formação de uma sociedade global conseguiu levar a ideia de democracia e direitos aos cantos mais recônditos do mundo, mas os Estados nacionais que assimilaram conceitos de democracia também foram dialeticamente submetidos por normatizações globais - ou por ações políticas que passam ao largo das institucionalizações nacionais e internacionais, como a base americana de Guantânamo, em Cuba -, que funcionam acima das democracias.

A institucionalidade do executivo global é falha e faz prevalecer liberdades que fogem ao controle, segundo o alemão Hauke Brünkhorst, da Universidade de Flensburg, da Alemanha.

Para ele, o movimento dialético entre avanços normativos nacionais e globalização produziu dois grandes efeitos negativos: o de despir os Estados nacionais de capacidade para resolver desigualdades de forma eficaz no plano econômico - apesar de ter incorporado nacionalmente leis que definem iguais - e de ter, no âmbito da universalização de liberdades, levado à explosão da liberdade religiosa.

"Parece que nada é suficiente para conter o fundamentalismo religioso", disse o cientista político, em seminário, ontem, no segundo dia da Reunião Nacional da Anpocs.

Brünkhorst deu todos os créditos aos progressos normativos do Século XX, cujos resultados foram a consolidação da democracia universal e leis constitutivas de um institucionalismo global. Se as violações de direitos humanos e a exclusão social não desapareceram em regiões do mundo, de outro lado isso passou a ser tratado como um problema comum, universal, "nosso".

E se o século passado foi o palco de grandes problemas humanitários - como as grandes guerras, os campos de concentração e outras guerras "que jamais deveriam acontecer"--, de outro lado também ocorreram movimentos inclusivos na direção da democracia global.

Do lado político, o século XX ganhou com a institucionalização da democracia americana, como ganhou também com a Revolução de 1917 da Rússia, que unificou o Leste Europeu numa União Soviética. O Ocidente, segundo Brünkhorst, foi obrigado a incorporar demandas sociais depois da Revolução Russa; a União Soviética, com o passar do tempo, acabou sendo obrigada a incorporar a gradativa institucionalização nas relações internacionais.

Dessa nova ordem, no entanto, segundo o cientista político, emergem grandes contradições. A aproximação das institucionalizações dos Estados nacionais e das leis internacionais, no período de emergência de atores globais, define o declínio do poder dos Estados Nacionais de resolver de forma eficaz as desigualdades.

Segundo ele, houve uma transformação completa do mercado no capitalismo financeiro regional e global. Escapando da institucionalização, os direitos explodem globalmente o mercado - e a situação torna-se mais explosiva a partir da crise financeira do ano passado. O custo de concorrência também explode. "Correrá sangue", disse Brünkhorst.

Segundo ele, ocorre algo semelhante em relação a valores religiosos. Existem efeitos negativos da liberdade religiosa - a transposição da liberdade total de mercado como valor universal para a religião define uma realidade explosiva, aparentemente sem controle. "Há sangue", repetiu o cientista social.

Segundo ele, o poder executivo globalizado está transformando o mercado e a religião de forma semelhante. Esse poder executivo cresce descolado das regras democráticas nacionais, a nível internacional, e tende a ser novo foco de privilégios - Brünkhorst sugere que essa acaba sendo uma permanente fonte de confrontos entre os poderes Executivo e Judiciário.

"Temos que agir localmente e globalmente em concerto", afirmou o pesquisador alemão, sugerindo que é necessária uma institucionalização dessa nova realidade, de forma a definir controles desse Executivo que ganhou muita autonomia por um Legislativo e um Judiciário.
(Valor Econômico, 29/10)



Qualquer semelhança da 'solução final' de Brünkhorst para com os de subjetividades religiosas com as ideias de 'solução final' para os 'diferentes' de um ditador de bigodinho não é mera coincidência não!


A situação Catch-22 da SBPC sobre o affair Ciência Hoje On-Line

A SBPC está numa situação Catch-22 sobre o affair Ciência Hoje On-Line: o artigo "Evolução e Religião", de Sérgio Danilo Junho Pena que descaracterizou a teoria do Design Inteligente.

Seus proponentes no Brasil, como o Prof. Dr. Marcos Nogueira Eberlin, membro da Academia Brasileira de Ciências, solicitaram ao Dr. Sérgio Danilo Junho Pena e a Bernardo Esteves, editor executivo do CH On-Line, o direito de réplica. Pena respondeu que isso era da alçada do editor. Esteves respondeu que o teor do nosso artigo (a réplica) não fazia parte da política editorial do CH On-Line.

Diante desta inusitada situação, os membros do NBDI (Núcleo Brasileiro de Design Inteligente) - Campinas, SP, se viram obrigados a replicar neste espaço.

Qual será a reação da SBPC?

1. Lançar um manifesto de solidariedade e desagravo ao Dr. Sérgio Danilo Junho Pena.

2. Criticar a falta de colegialidade do Dr. Marcos Nogueira Eberlin e deste blogger por terem feito críticas públicas severas a um dos maiores nomes da ciência brasileira.

3. Cortar as verbas de pesquisas do ThoMSon Mass Spectometry Laboratory liderado pelo Dr. Marcos Nogueira Eberlin.

4. Demitir sumariamente Bernardo Esteves da editoria executiva do Ciência Hoje On-Line por ter assumido uma política editorial inexistente e que não condiz com a política da livre discussão de ideias proposta e defendida pela SBPC.

5. Nenhuma das opções.

Situação Catch-22.

“Evolução e religião”: desviando os holofotes das insuficiências heurísticas da teoria da evolução de Darwin – Parte 3 – Final

“Evolução e religião”: desviando os holofotes das insuficiências heurísticas da teoria da evolução de Darwin – Parte 3 – Final

“Evolução e religião”: desviando os holofotes das insuficiências heurísticas da teoria da evolução de Darwin – Parte 1

“Evolução e religião”: desviando os holofotes das insuficiências heurísticas da teoria da evolução de Darwin – Parte 2


Desenho [Design] inteligente (?)

Esta indagação de Pena é ladina: desenho (sic) e inteligente (sic), e desviou novamente os holofotes das insuficiências heurísticas da antiga teoria da evolução de Darwin (150 anos) no contexto de justificação teórica, e centrou toda sua retórica contra a jovem teoria do Design Inteligente (15 anos).

Eu tenho admiração por Pena qua cientista, mas esperava que suas críticas ao DI fossem muito mais contundentes. Elas foram por demais inócuas e fundamentadas em Tyson que, apesar das credenciais acadêmicas, é um crítico considerado inútil.

Pena sabe: as ideias de evolução e design são antigas. Remontam aos filósofos gregos antigos e pagãos. Muito bem antes deles, há 2.500 anos antes de Darwin, os chineses já entreteciam esta ideia: evolução por seleção natural. A maior de todas as ideias que toda a humanidade já teve está registrada numa antiga enciclopédia chinesa.

Pena não situou o contexto cultural dos Estados Unidos para os leitores — lá, sociedade tem voz e decide sobre muitas coisas. Destacou apenas que a Suprema Corte dos Estados Unidos em 1987 declarou a inconstitucionalidade do ensino do criacionismo ao lado da evolução nas escolas públicas porque favorecia o “estabelecimento da religião” violando o preceito constitucional da separação de Estado e Igreja.

Pena e muitos darwinistas não sabem, mas vão ficar sabendo de um detalhe jurídico importante. Naquela ocasião, o juiz Antonin Scalia deu sua opinião dissidente que consta nos autos:

“o povo de Louisiana, incluindo os que são cristãos fundamentalistas, tem o direito, como uma questão secular, de ter qualquer evidência científica que haja contra a evolução apresentada em suas escolas, assim como o senhor Scopes teve o direito de apresentar qualquer evidência favorável que houvesse para ela”. [1]

Pena sabe: o criacionismo é inconstitucional, mas não sabia que apresentar quaisquer evidências científicas contra a teoria da evolução nas escolas não é! E como há evidências contrárias. Por que Pena e os darwinistas ortodoxos se recusam debater publicamente essas questões, e fazem de tudo para impedir a veiculação dessas evidências contrárias? Exemplo mais recente: Bernardo Esteves, editor executivo do Ciência Hoje On-Line alegou que réplica a artigos ali publicados não faz parte da política editorial. Um triste exemplo de ‘mordaça’. Trocado em graúdos: violação da liberdade de expressão.

Eu não consigo entender o por quê dessa ‘blindagem’ contra as críticas de uma teoria científica tão corroborada quanto a lei da gravidade. Maçãs caem e comprovam a lei da gravidade, já um Australopithecus afarensis se transformar em antropólogo...

Apesar de ter lido e relido este parágrafo, eu não consegui identificar onde foi que Pena se baseou para fazer esta afirmação gratuita e infundada:

“Assim, os fundamentalistas americanos tiveram de mudar a sua estratégia contra o ensino da evolução, tirando a ênfase do aspecto religioso e adotando uma argumentação “científica”: o chamado “desenho [sic] inteligente”.

A retórica de Pena soa contundente apenas para os não iniciados na controvérsia evolução-criação-design inteligente. Para os já iniciados, a retórica soa frágil, para não dizer outra coisa, pois Pena não consegue distinguir a mão direita da mão esquerda entre criacionismo e design inteligente.

Longe de ser estratégia de “fundamentalistas americanos” contra o ensino da evolução, os teóricos e proponentes da teoria do Design Inteligente [temos céticos e ateus em nosso meio] somos a favor do ensino objetivo da evolução: ensinem aos alunos do ensino médio a controvérsia sobre a teoria geral da evolução discutida nas publicações científicas. Ensinem as evidências a favor e contra. [2] Pena e a Nomenklatura científica são contra este ensino objetivo da teoria da evolução.

Abro um parêntese para fazer a distinção entre criacionismo e design inteligente. A TDI não é criacionismo, e é uma teoria científica pelas seguintes razões:

1. O criacionismo científico [CC] está comprometido com as seguintes proposições derivadas de textos sagrados:

CC1: Houve uma súbita criação do universo, da energia e da vida ex-nihilo.

CC2: As mutações e a seleção natural são insuficientes para realizar o desenvolvimento de todos os tipos de vida a partir de um único organismo.

CC3: Mudanças dos tipos de animais e plantas originalmente criados ocorrem somente dentro de limites fixados.

CC4: Há uma linhagem ancestral separada para humanos e primatas.

CC5: A geologia pode ser explicada pelo catastrofismo, principalmente pela ocorrência de um dilúvio mundial.

CC6: A Terra e os tipos de vida são relativamente recentes (na ordem de milhares ou dezenas de milhares de anos).

2. A Teoria do Design Inteligente [TDI] está comprometida com as seguintes proposições derivadas da natureza:

TDI1: A complexidade especificada e a complexidade irredutível são indicadores ou marcas seguras de design.

TDI2: Os sistemas biológicos exibem complexidade especificada e empregam subsistemas de complexidade irredutível.

TDI3: Os mecanismos naturalistas ou causas não-dirigidas não são suficientes para explicar a origem da complexidade especificada ou da complexidade irredutível.

TDI4: Por isso, o design inteligente é a melhor explicação para a origem da complexidade especificada e da complexidade irredutível em sistemas biológicos.

Contra Pena e os demais críticos da TDI, o argumento acima é novo e científico, e não tem nada do que foi originalmente proposto pelo filósofo inglês William Paley (1743-1805) no seu livro Teologia natural, que argumentava a favor da existência de Deus:

“[…] imagine que eu pise em uma pedra e que alguém me pergunte como ela foi parar naquele lugar; se eu responder que do meu ponto de vista ela sempre esteve naquele local, não seria possível demonstrar qualquer absurdo na minha resposta. Mas imaginem que eu encontre um relógio no chão e que me perguntem como ele foi parar lá. Eu não pensaria na mesma resposta. […] Deve ter havido, em algum tempo e lugar, um artífice ou artífices que fizeram o relógio [...], que entenderam seu uso e desenharam sua construção.”

A versão moderna do “desenho [sic] inteligente” argumenta a partir de várias estruturas irredutivelmente complexas encontradas em coisas bióticas, compostas de elementos harmônicos e interativos que contribuem para o funcionamento do todo, de forma que a remoção de qualquer das partes faz com que ele cesse de funcionar.

Nós argumentamos: tais estruturas não poderiam evoluir gradualmente, pois sua função só emergiria quando o todo estivesse completo. Diferentemente do caso do relógio de Paley, a existência desses órgãos implica, não na existência de um ser superior que os teria “desenhado” intencionalmente, mas de que sinais de causas de inteligência podem ser empiricamente detectados.

Ao contrário do afirmado por Pena, um dos exemplos favoritos da TDI não é o olho humano, mas o flagelo bacteriano.

Ora, se Darwin não consegue explicar a 'evolução' do flagelo de uma 'simples' bactéria, como sua teoria consegue explicar a origem e evolução da complexidade e diversidade das coisas bióticas??? Eu sou cético localizado desta capacidade heurística da teoria geral da evolução de Darwin. Milhares de cientistas, alguns são membros de Academia de Ciências internacionais também são céticos e pedem que esta afirmação sobre a seleção natural seja considerada cum grano salis!

Pena preferiu não detalhar o conceito de exaptação (o uso de uma estrutura biológica existente para uma nova função) e nem argumentou que, em princípio, a evolução do olho humano é bem entendida, tendo seu início em agrupamento de células fotossensíveis que constituem olhos primitivos em organismos menos complexos. Em princípio é uma coisa, em história evolutiva é outra. Há relação de custo e benefício. Quantas gerações foram necessárias para que o olho evoluísse? Quais foram as etapas evolutivas? Nem o trabalho de Nilsson e Pergel escapa dessas críticas: o gradualismo darwiniano não tem como explicar a evolução da visão. [3]

Em vez disso, Pena saiu pela tangente e preferiu discutir um ponto ressaltado por Neil de Grasse Tyson, de ser enorme presunção, a incrível húbris de alguém afirmar que, “se eu não entendo como o olho humano foi formado pela evolução, isso quer dizer que ninguém mais, agora ou no futuro, será capaz de entender isto”.

A citação original de Tyson é:

“Another practice that isn't science is embracing ignorance. Yet it's fundamental to the philosophy of intelligent design: I don't know what this is. I don't know how it works. It's too complicated for me to figure out. It's too complicated for any human being to figure out. So it must be the product of a higher intelligence.”

Mas quem do DI afirmou ou afirma isso? Pena não disse, mas atribuiu este comportamento absurdo aos teóricos e proponentes do DI: eles são um bando de ignorantes. E como o editor Bernardo Esteves afirmou que não é política editorial do Ciência Hojhe On-Line a réplica de artigos, a afirmação de Pena ficou congelada no texto como sendo a verdade. Todavia, a inferência de Pena está em flagrante descompasso com a verdade.

A lógica da citação de Tyson é sofrível em muitos aspectos. Ao contrário do afirmado por Tyson e Pena, a TDI não tem como filosofia fundamental a ignorância. Pelo contrário. No melhor estilo baconiano de se fazer ciência, nós vamos à natureza, fazemos perguntas e daí depreendemos a existência de possíveis sinais de causas inteligentes empiricamente detectados.

Na prática da ciência normal nós partimos assim: Eu sei o que é isso [o flagelo bacteriano ou o olho]. Eu sei como funciona. Eu posso entender as causas e os efeitos. Os seres humanos podem compreender este sistema biológico. A natureza do sistema apresenta complexidade irredutível e/ou informação complexa especificada.

É somente na última parte que os fatos ganham interpretações diferentes. Os darwinistas dizem: foi o acaso, a necessidade, mais mutações filtradas pela seleção natural ao longo do tempo. Nós do DI afirmamos: tudo isso, mais causas inteligentes.

Nós do DI também sabemos que a ciência não funciona daquele jeito descrito por Tyson e Pena. Nós sabemos que o nosso conhecimento científico atual é finito e circundado por um perímetro de ignorância. Quando ponderando sobre um problema, e esbarramos nesse perímetro, nós tentamos empurrá-lo, aumentá-lo, alargá-lo, e não simplesmente cruzamos os braços e dizemos (como foi imputado por Tyson-Pena) de que se “eu não entendo aquilo, não sei como funciona, é complicado demais para qualquer humano entender, logo deve ser o produto de uma inteligência superior”.

Quem do DI diz ou disse isso? Ninguém. Nós dizemos que a complexidade irredutível e a informação complexa especificada são melhor explicadas como sendo produto de causas inteligentes.

Pena terminou seu artigo com um parágrafo de Tyson com o qual concordamos [C]e discordamos [D]:

“A ciência é uma filosofia de descoberta. [C] O desenho inteligente é uma filosofia de ignorância. [D pelas razões já expostas] Não é possível construir um programa de descoberta baseado na premissa que ninguém é inteligente o suficiente para encontrar a resposta a um problema. [C] Tempos atrás, as pessoas apontavam o deus Netuno como a fonte das tempestades no mar. Hoje, sabemos quando e onde elas começam. [C e D, pois não temos o conhecimento universal sobre quando e onde começam essas tempestades] Sabemos o que as alimenta. [C] Sabemos o que pode mitigar seu poder destrutivo. [C] E qualquer pessoa que já estudou o aquecimento global pode contar o que as faz se agravarem. [C e D, pois a ciência não é capaz de nos dar a previsão do tempo confiável para hoje, amanhã, daqui a uma semana, etc., quanto mais sobre o aquecimento global ser antropogenicamente provocado] As únicas pessoas que ainda chamam furacões de ‘atos de Deus’ são as que escrevem as apólices das companhias de seguro.” [C]

O darwinismo reinou até uma década atrás, soberano e sem questionadores científicos à altura. A história é bem diferente hoje. Pena, cientista que é, deveria saber que não é mais crível confundir a crítica cientificamente embasada como sendo ignorância, estupidez, ou insanidade.

Os mitos darwinianos estão bem entrincheirados que é difícil apontar nas publicações científicas que Darwin está nu e que há algo de podre na Nomenklatura científica para manter as pretensões grandiosas da teoria geral da evolução em explicar a origem e evolução da complexidade e diversidade das coisas bióticas. Todavia, um novo dia está raiando, e fica cada vez mais difícil para darwinistas ortodoxos como Pena, tapar o Sol das evidências contrárias às especulações transformistas de Darwin com uma peneira furada de teorias ad hoc e críticas infundadas facilmente desmontadas.

Não publicar a réplica de um artigo numa publicação científica on-line foi a pior coisa que poderia ter acontecido à SBPC em toda a sua existência: a maior organização acadêmica brasileira impede a livre circulação de ideias.

Ao mestre Dr. Sérgio Danilo Junho Pena, com carinho!

Enézio E. de Almeida Filho
Mestre e Doutorando em História da Ciência
Pontifícia Universidade Católica - SP


1. SCALIA, Antonin, citado por Phillip E. Johnson in Darwin no banco dos réus, São Paulo, Cultura Cristã, 2008, p. 18.


3. O neuro-anatomista Bernd Fritzsch, embora evolucionista, critica as explicações muito simplórias da evolução do olho de vertebrados neste artigo “Ontogenetic Clues to the Phylogeny of the Visual System,” in The Changing Visual System, editado por P. Bagnoli e W. Hodos (Nova York, Plenum Press, 1991), p. 33- 49. Mais recentemente, Behe discutiu a falta de explicação darwiniana para a origem das células fotossensíveis, no seu livro A Caixa Preta de Darwin, cap. 1, Rio de Janeiro, Zahar, 1997.


A. Para outras pesquisas e artigos assim, vide ALMEIDA FILHO, E. E. “A sugestão de Edgar Morin para o ensino das incertezas das ciências da evolução química e biológica — uma bibliografia brevemente comentada”, in Anais do II Congresso Nacional de Licenciaturas 2009, Universidade Presbiteriana Mackenzie. Neste trabalho, mais de 100 pesquisas e artigos abordam as ‘zonas de incertezas’ das ciências da evolução química e biológica que Edgar Morin sugeriu em 1999 à UNESCO fossem ensinadas para a educação do futuro.

B. Solicitamos ao jovem editor executivo do Ciência Hoje On-Line, Bernardo Esteves, a publicação desta réplica. Segundo Esteves, réplica a artigos ali publicados “não se alinha com a orientação editorial das publicações do Instituto Ciência Hoje”. Como que a ciência avança ali, eu não sei...

Explosão nas trevas cósmicas

Explosão nas trevas cósmicas

Agência FAPESP – A luz de uma estrela que explodiu há 13 bilhões de anos chegou à Terra, estabelecendo um novo recorde do objeto astronômico mais distante já observado. As características da explosão, do tipo conhecido como erupção de raios gama, mostram que as estrelas massivas já se formavam apenas 630 milhões de anos depois do Big Bang.

Cientistas detectam luz emitida por explosão de estrela há 13 bilhões de anos, quando o Universo tinha menos de 5% da sua idade atual (divulgação)

A detecção da erupção, denominada GRB 090423, está descrita em dois artigos na edição desta quinta-feira (29/10) da revista Nature. Duas equipes independentes de astrônomos mediram o redshift – alteração na forma como a frequência das ondas de luz é observada em função da velocidade relativa entre a fonte emissora e o observador – do objeto em aproximadamente 8.2.

O valor implica que a explosão ocorreu quando o Universo tinha menos de 5% da sua idade atual. Até então, o mais antigo registro correspondia a um redshift de 6.96, de um evento 150 milhões de anos mais recente do que a GRB 090423.

Além da simples quebra de um recorde, a idade do objeto agora descoberto abre uma janela em uma era cosmológica que não estava acessível à observação. Até então, pensava-se que a “idade das trevas” cósmica teria terminado cerca de 800 milhões a 900 milhões de anos depois do Big Bang, quando a luz de estrelas e galáxias ionizou novamente o gás então neutro que permeava o Universo.

Segundo os autores dos estudos, à medida que mais erupções de raios gama dos primórdios do Universo são descobertas, deverá ser possível conhecer o progresso dessa reionização, que levou ao meio intergaláctico atual.

Erupções de raios gama são as mais violentas – e luminosas – explosões no Universo. Os cientistas estimam que estejam associadas com a formação de buracos negros a partir de estrelas supermassivas, entre outros eventos cósmicos extremamente violentos.

Os artigos podem ser lidos por assinantes da Nature em www.nature.com.


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos podem acessar gratuitamente este artigo da Nature e de outras publicações científicas.

Pós-doutorado em imunologia com Bolsa FAPESP

Pós-doutorado em imunologia com Bolsa FAPESP

Agência FAPESP – O Grupo de Imunogenética Molecular do Departamento de Genética da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo abriu três oportunidades de Bolsas de Pós-Dourado da FAPESP.

Os selecionados trabalharão no Projeto Temático “Controle do transcriptoma no diabetes melitus”, com perfis de expressão gênica (perfis do transcriptoma incluindo mRNAs e microRNAs) de linfócitos de pacientes com diabetes melitus (DM-1 autoimune, DM-2 metabólica e DMG gestacional).

Grupo da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP abre três oportunidades para pós-doutoramento vinculadas ao Projeto Temático "Controle do transcriptoma no diabetes melitus"

O projeto conta com os pesquisadores Geraldo Passos (coordenador), Elza Tiemi Sakamoto-Hojo e Eduardo Donadi. Participam da equipe como supervisores clínicos Milton Cesar Foss e Maria Cristina Foss de Freitas.

Estudos com o modelo de camundongos NOD (Non-Obese Diabetic), o qual reproduz DM-1 autoimune, também serão incluídos no projeto. A estratégia principal de análise do transcriptoma será a tecnologia de microarrays (plataforma Agilent).

Os candidatos deverão ter títulos de doutor em genética, biologia molecular ou imunologia, com experiência prévia em estudos de expressão gênica incluindo separação e cultura de células humanas ou murinas, extração e análise de RNAs, PCR em tempo real e tecnologia de microarrays. Experiência prévia em bioinformática de dados de microarrays é desejada.

Os candidatos deverão enviar, até 30 de novembro de 2009, os seguintes documentos (arquivos em PDF) para professor Geraldo Passos (passos@rge.fmrp.usp.br): carta ao coordenador do projeto incluindo sua experiência científica prévia, motivação para trabalhar nesse projeto e nomes e e-mails de duas pessoas como referência.

A bolsa cobre a mensalidade de R$ 4.508,10 mais adicional para custos com o projeto e/ou participação em congressos no Brasil ou exterior.

Mais informações: (16) 3602-3030 / 3246.

Outras vagas de bolsas de pós-doutorado, em diversas áreas do conhecimento, estão no site FAPESP-Oportunidades, em www.oportunidades.fapesp.br.

Acervos apoiados

Acervos apoiados

Agência FAPESP – A FAPESP lançou nesta quarta-feira (28/10) Chamada de Propostas de Apoio à Infraestrutura de Pesquisa de Museus, Centros Depositários de Informações e Documentos e de Coleções Biológicas.

As propostas serão selecionadas com base na avaliação de sua relevância para a pesquisa, bem como de sua capacidade de manutenção, ampliação e disponibilização aos pesquisadores dos acervos de que são depositários.

FAPESP lança Chamada de Propostas de Apoio à Infraestrutura de Pesquisa de Museus, Centros Depositários de Informações e Documentos e de Coleções Biológicas (foto: Eduardo Cesar/FAPESP)

A FAPESP reservou R$ 20 milhões para aplicação no conjunto de projetos a serem selecionados. As solicitações iniciais devem ser encaminhadas até 18 de dezembro de 2009 e o prazo previsto para análise é de aproximadamente 180 dias. O período de vigência do auxílio será de 12 meses.

Serão priorizadas propostas que reflitam concepções inovadoras a respeito das modalidades e meios de armazenamento, organização e disponibilização de acervos – especialmente em se tratando de centros que já tenham se beneficiado de apoio significativo da FAPESP, no âmbito de programas de infraestrutura.

Será considerado elemento valorizador da proposta a existência documentada no centro, a que se vincula a proposta, de disponibilização do material on-line, aumentando a visibilidade nacional e internacional das coleções e acervos existentes no Estado de São Paulo e permitindo um uso mais amplo do acervo e das informações por especialistas do Brasil e do exterior.

Sendo demonstrado o uso do acervo em questão para projetos de pesquisa, será também elemento valorizador da proposta a existência demonstrada de intensa utilização das informações tanto pela sociedade em geral como, em especial, pelos professores de ensino fundamental e médio.

Esta Chamada de Propostas de Apoio à Infraestrutura de Pesquisa comporta três módulos: 1) Apoio à Infraestrutura de Pesquisa de Museus, 2) Apoio à Infraestrutura de Pesquisa de Arquivos e Acervos Documentais; e 3) Apoio à Infraestrutura de Pesquisa de Acervos de Coleções Biológicas.

Infraestrutura de pesquisa

Em 1994 a FAPESP criou o Programa Emergencial de Apoio à Infraestrutura, destinado a apoiar a recuperação e modernização da infraestrutura de pesquisa no Estado de São Paulo. Em suas quatro fases, o programa logrou sanar as carências infraestruturais mais importantes dos grupos produtivos de pesquisadores, dotando-os de condições adequadas ao desenvolvimento de atividades de pesquisa inovadora.

Em 1999, a FAPESP encerrou o programa, uma vez que a situação emergencial que justificara sua criação já havia sido superada. Cabia então conceber canais ordinários e permanentes de aplicação de recursos na manutenção e no aperfeiçoamento contínuos da infraestrutura instalada, entendida essa aplicação como apoio indireto ao desenvolvimento dos projetos de pesquisa avaliados e apoiados pela FAPESP em suas linhas de apoio direto.

Com esse intuito, foram instituídas as Reservas Técnicas associadas aos Auxílios à Pesquisa, Regulares e Temáticos, e às bolsas de pós-graduação, por meio das quais os centros de pesquisa se beneficiam regularmente de auxílio na proporção do número e porte dos projetos apoiados pela FAPESP que neles se realizam.

Além disso, nos últimos 12 anos a FAPESP investiu diretamente mais de R$ 100 milhões na infraestrutura de bibliotecas de instituições de ensino superior e de pesquisa no Estado de São Paulo e no acervo dessas instituições por meio do Programa FAP-Livros.

Há, no entanto, um conjunto de unidades institucionais de que depende essencialmente o bom funcionamento do sistema de pesquisa e cujas necessidades infraestruturais não podem ser convenientemente atendidas por meio dessas reservas técnicas.

Trata-se de unidades cuja missão principal não é a de sediar grupos de pesquisa, mas a de servir de depositários de informações, documentos e coleções biológicas relevantes para o desenvolvimento de projetos baseados fora delas e muitas vezes fora da instituição a que pertencem.

Assim como outros museus, as coleções biológicas têm parte do acervo aberto à consulta pública – seja no local ou por meio de bancos de dados disponibilizados na internet – e outra parte destinada à pesquisa.

Cabe ressaltar que parte do acervo das coleções biológicas é de fundamental importância para o setor produtivo interessado no desenvolvimento tecnológico de moléculas e produtos de espécies nativas, pois é imprescindível que estas estejam devidamente incorporadas ao acervo de coleções e referenciadas em bases de dados. Essa exigência legal se aplica tanto à indústria de fármacos, de cosméticos e de alimentos como à de defensivos agrícolas.

Por conta disso, a Chamada de Propostas de Apoio à Infraestrutura de Pesquisa de Museus, Centros Depositários de Informações e Documentos e de Coleções Biológicas busca atender a tais necessidades, oferecendo apoio à infraestrutura de suporte à pesquisa de museus, arquivos, sedes de bancos de dados e de coleções biológicas.

Mais informações sobre a chamada: www.fapesp.br/materia/5417

Folha de São Paulo Top of Mind 2009: Não se esqueçam do blog do Enézio com 255 mil visitantes


255 mil visitantes: Não dá para não ser Top of Mind 2009 na Folha de São Paulo!!!

"Qual o primeiro blog que lhe vem à cabeça quando a questão é Darwin?"

Extinção dos dinossauros: mais uma potoca científica?

Mass extinctions

I am become Death, destroyer of worlds

Oct 22nd 2009

From The Economist print edition

The story of how the dinosaurs disappeared is getting more and more complicated

EVERYONE knows that the dinosaurs were exterminated when an asteroid hit what is now Mexico about 65m years ago. The crater is there. It is 180km (110 miles) in diameter. It was formed in a 100m-megatonne explosion by an object about 10km across. The ejecta from the impact are found all over the world. The potassium-argon radioactive dating method shows the crater was created within a gnat’s whisker of the extinction. Calculations suggest that the “nuclear winter” from the impact would have lasted years. Plants would have stopped photosynthesising. Animals would have starved to death. Case closed.

Science Photo - NASA

Well, it now seems possible that everyone was wrong. The Chicxulub crater, as it is known, may have been a mere aperitif. According to Sankar Chatterjee of Texas Tech University, the main course was served later. Dr Chatterjee has found a bigger crater—much bigger—in India. His is 500km across. The explosion that caused it may have been 100 times the size of the one that created Chicxulub. He calls it Shiva, after the Indian deity of destruction.

Dr Chatterjee presented his latest findings on Shiva to the annual meeting of the Geological Society of America in Portland, Oregon, on October 18th. He makes a compelling case, identifying an underwater mountain called Bombay High, off the coast of Mumbai, that formed right at the time of the dinosaur extinction. This mountain measures five kilometres from sea bed to peak, and is surrounded by Shiva’s crater rim. Dr Chatterjee’s analysis shows that it formed from a sudden upwelling of magma that destroyed the Earth’s crust in the area and pushed the mountain upwards in a hurry. He argues that no force other than the rebound from an impact could have produced this kind of vertical uplift so quickly. And the blow that caused it would surely have been powerful enough to smash ecosystems around the world.

Double whammy

In truth, agreement on the cause of the mass extinction at the end of the Cretaceous (when not only the dinosaurs, but also a host of other species died) has never been as cut and dried among palaeontologists as it may have appeared to the public. One confounding factor is that the late Cretaceous was also a period of great volcanic activity. In India, which was then an island continent like Australia is today (it did not collide with Asia until 50m years ago), huge eruptions created fields of basalt called the Deccan Traps. Before the discovery of Chicxulub, the climate-changing effects of these eruptions had been put forward as an explanation for the death of the dinosaurs. After its discovery, some argued that even if the eruptions did not cause the extinction, they weakened the biosphere and made it particularly vulnerable to the Chicxulub hammer-blow.

Read more here/Leia mais aqui.

Finalismo e geração orgânica na época das luzes: as ideias de Maupertuis

Finalismo e geração orgânica na época das luzes: as ideias de Maupertuis

Dia 14/11/2009

Agência FAPESP – A teoria clássica sobre origem dos organismos é o tema central da palestra “Finalismo e geração orgânica na época das luzes: as ideias de Maupertuis”, que será apresentada no dia 14 de novembro, em São Paulo, pelo professor Maurício de Carvalho Ramos, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP).

O biólogo discutirá a noção de sistema de geração dos organismos examinando os principais conceitos envolvidos nas teorias de Pierre-Louis Moreau de Maupertuis (1698-1759) sobre a origem dos primeiros organismos e a produção de novas espécies.


O evento integra a programação do ciclo gratuito “Neurociências, Arte e Filosofia” da Estação Ciência da USP. Ramos é biólogo e mestre em zoologia pela USP, onde também é doutor e pós-doutor em filosofia da ciência. Atualmente é professor de filosofia na mesma universidade, desenvolvendo pesquisa em duas áreas principais: “geração orgânica e transformação das espécies no século 18” e “valores, ética e atividade científica”.

Mais informações: www.eciencia.usp.br/blog

Transferência lateral de genes na evolução: fatos e desafios

Horizontal gene transfer in evolution: facts and challenges

Luis Boto*

+ Author Affiliations

Departamento Biodiversidad y Biología Evolutiva, Museo Nacional Ciencias Naturales, CSIC, C/José Gutierrez Abascal 2, 28006 Madrid, Spain



The contribution of horizontal gene transfer to evolution has been controversial since it was suggested to be a force driving evolution in the microbial world. In this paper, I review the current standpoint on horizontal gene transfer in evolutionary thinking and discuss how important horizontal gene transfer is in evolution in the broad sense, and particularly in prokaryotic evolution. I review recent literature, asking, first, which processes are involved in the evolutionary success of transferred genes and, secondly, about the extent of horizontal gene transfer towards different evolutionary times. Moreover, I discuss the feasibility of reconstructing ancient phylogenetic relationships in the face of horizontal gene transfer. Finally, I discuss how horizontal gene transfer fits in the current neo-Darwinian evolutionary paradigm and conclude there is a need for a new evolutionary paradigm that includes horizontal gene transfer as well as other mechanisms in the explanation of evolution.

evolution horizontal gene transfer evolutionary mechanisms


Received September 15, 2009.
Accepted October 9, 2009.
© 2009 The Royal Society



Ahmadinejad II, o Retorno - Diga NAO Novamente