Uma só molécula de proteína vs. algumas centenas de milhares de computadores

sábado, maio 30, 2009

O dobrar de apenas uma molécula de proteína, da qual nossos corpos têm trilhões delas, levaria algumas centenas de milhares de computadores para realizar este serviço.

Acaso? Necessidade? ou Design Inteligente???

Sukiyaki Song Japan

Keali'i Reichel sings Kawaipunahele Hawaiian Music

Hawaiian Sunrise with Hawaiian music

Punihei Anthony - Aloha 'Oe

Modelo de evolução 'caixa de ferramentas' de redes metabólicas procarióticas e sua regulação

Toolbox model of evolution of prokaryotic metabolic networks and their regulation

Sergei Maslova,1, Sandeep Krishnab, Tin Yau Panga,c and Kim Sneppenb

+Author Affiliations

aDepartment of Condensed Matter Physics and Materials Science, Brookhaven National Laboratory, Upton, NY 11973;

bNiels Bohr Institute, Blegdamsvej 17, DK-2100 Copenhagen, Denmark; and

cDepartment of Physics and Astronomy, Stony Brook University, Stony Brook, NY 11794-3800

Edited by David J. Lipman, National Institutes of Health, Bethesda, MD, and approved April 16, 2009 (received for review March 23, 2009)


It has been reported that the number of transcription factors encoded in prokaryotic genomes scales approximately quadratically with their total number of genes. We propose a conceptual explanation of this finding and illustrate it using a simple model in which metabolic and regulatory networks of prokaryotes are shaped by horizontal gene transfer of coregulated metabolic pathways. Adapting to a new environmental condition monitored by a new transcription factor (e.g., learning to use another nutrient) involves both acquiring new enzymes and reusing some of the enzymes already encoded in the genome. As the repertoire of enzymes of an organism (its toolbox) grows larger, it can reuse its enzyme tools more often and thus needs to get fewer new ones to master each new task. From this observation, it logically follows that the number of functional tasks and their regulators increases faster than linearly with the total number of genes encoding enzymes. Genomes can also shrink, e.g., because of a loss of a nutrient from the environment, followed by deletion of its regulator and all enzymes that become redundant. We propose several simple models of network evolution elaborating on this toolbox argument and reproducing the empirically observed quadratic scaling. The distribution of lengths of pathway branches in our model agrees with that of the real-life metabolic network of Escherichia coli. Thus, our model provides a qualitative explanation for broad distributions of regulon sizes in prokaryotes.

functional genome analysis horizontal gene transfer transcriptional regulatory networks


1To whom correspondence should be addressed. E-mail:

Author contributions: S.M., S.K., and K.S. designed research; S.M., S.K., and T.Y.P. performed research; S.M., S.K., and T.Y.P. analyzed data; and S.M., S.K., and K.S. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.

This article is a PNAS Direct Submission.


PDF gratuito do artigo aqui.

Células-tronco pluripotentes induzidas oferecem nova abordagem em terapias e diagnósticos pré-natais

Induced pluripotent stem cells offer new approach to therapy in thalassemia and sickle cell anemia and option in prenatal diagnosis in genetic diseases

Lin Yea, Judy C. Changa, Chin Lina, Xiaofang Sunb, Jingwei Yuc and Yuet Wai Kana,c,d,1

+Author Affiliations

Departments of aMedicine and

cLaboratory Medicine,

dInstitute for Human Genetics and Cardiovascular Research Institute, University of California, San Francisco, CA 94143-0793; and

bGuangzhou Key Laboratory of Reproductive and Genetics, Institute of Gynecology and Obstetrics, The Third Affiliated Hospital of Guangzhou Medical College, Guangzhou 510150, China

Contributed by Yuet Wai Kan, April 28, 2009 (sent for review April 16, 2009)


The innovation of reprogramming somatic cells to induced pluripotent stem cells provides a possible new approach to treat β-thalassemia and other genetic diseases such as sickle cell anemia. Induced pluripotent stem (iPS) cells can be made from these patients' somatic cells and the mutation in the β-globin gene corrected by gene targeting, and the cells differentiated into hematopoietic cells to be returned to the patient. In this study, we reprogrammed the skin fibroblasts of a patient with homozygous β0 thalassemia into iPS cells, and showed that the iPS cells could be differentiated into hematopoietic cells that synthesized hemoglobin. Prenatal diagnosis and selective abortion have been effective in decreasing the number of β-thalassemia births in some countries that have instituted carrier screening and genetic counseling. To make use of the cells from the amniotic fluid or chorionic villus sampling that are used for prenatal diagnosis, we also showed that these cells could be reprogrammed into iPS cells. This raises the possibility of providing a new option following prenatal diagnosis of a fetus affected by a severe illness. Currently, the parents would choose either to terminate the pregnancy or continue it and take care of the sick child after birth. The cells for prenatal diagnosis can be converted into iPS cells for treatment in the perinatal periods. Early treatment has the advantage of requiring much fewer cells than adult treatment, and can also prevent organ damage in those diseases in which damage can begin in utero or at an early age.

amniocentesis chorionic villus sampling hematopoietic differentiation hemoglobin


1To whom correspondence should be addressed. E-mail:

Author contributions: L.Y., J.C.C., and Y.W.K. designed research; L.Y., J.C.C., C.L., and J.Y. performed research; X.S. contributed new reagents/analytic tools; L.Y., J.C.C., J.Y., and Y.W.K. analyzed data; and L.Y., J.C.C., and Y.W.K. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.


PDF gratuito do artigo aqui.

Células-tronco embrionárias: o 'outro lado' nunca mostrado por Mayana Zatz

sexta-feira, maio 29, 2009

Rede de genes sintéticos que 'contam'

Science 29 May 2009:
Vol. 324. no. 5931, pp. 1199 - 1202
DOI: 10.1126/science.1172005

Synthetic Gene Networks That Count

Ari E. Friedland,1,* Timothy K. Lu,1,2,* Xiao Wang,1 David Shi,1 George Church,2,3 James J. Collins1,

Synthetic gene networks can be constructed to emulate digital circuits and devices, giving one the ability to program and design cells with some of the principles of modern computing, such as counting. A cellular counter would enable complex synthetic programming and a variety of biotechnology applications. Here, we report two complementary synthetic genetic counters in Escherichia coli that can count up to three induction events: the first, a riboregulated transcriptional cascade, and the second, a recombinase-based cascade of memory units. These modular devices permit counting of varied user-defined inputs over a range of frequencies and can be expanded to count higher numbers.

1 Howard Hughes Medical Institute, Department of Biomedical Engineering, Center for BioDynamics and Center for Advanced Biotechnology, Boston University, Boston, MA 02215, USA.

2 Harvard-MIT Division of Health Sciences and Technology, 77 Massachusetts Avenue, Room E25-519, Cambridge, MA 02139, USA.

3 Department of Genetics, Harvard Medical School, Boston, MA 02115, USA.

* These authors contributed equally to this work.

To whom correspondence should be addressed. E-mail:


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas brasileiras podem ler gratuitamente este artigo da Science através do site CAPES/Periódicos.

O tráfego não convencional da miosina nas células

Unconventional myosin traffic in cells reveals a selective actin cytoskeleton

Crista M. Brawley and Ronald S. Rock,1

+Author Affiliations

Department of Biochemistry and Molecular Biology, The University of Chicago, 929 East 57th Street 60637, Chicago, IL 60637

Edited by Ronald D. Vale, University of California, San Francisco, CA, and approved April 17, 2009 (received for review October 16, 2008)


Eukaryotic cells have a self-organizing cytoskeleton where motors transport cargoes along cytoskeletal tracks. To understand the sorting process, we developed a system to observe single-molecule motility in a cellular context. We followed myosin classes V, VI, and X on triton-extracted actin cytoskeletons from Drosophila S2, mammalian COS-7, and mammalian U2OS cells. We find that these cells vary considerably in their global traffic patterns. The S2 and U2OS cells have regions of actin that either enhance or inhibit specific myosin classes. U2OS cells allow for 1 motor class, myosin VI, to move along stress fiber bundles, while motility of myosin V and X are suppressed. Myosin X motors are recruited to filopodia and the lamellar edge in S2 cells, whereas myosin VI motility is excluded from the same regions. Furthermore, we also see different velocities of myosin V motors in central regions of S2 cells, suggesting regional control of motor motility by the actin cytoskeleton. We also find unexpected features of the actin cytoskeletal network, including a population of reversed filaments with the barbed-end toward the cell center. This myosin motor regulation demonstrates that native actin cytoskeletons are more than just a collection of filaments.

actin cytoskeleton myosin motors single-molecule


1To whom correspondence should be addressed. E-mail:
Author contributions: C.M.B. and R.S.R. designed research; C.M.B. performed research; C.M.B. and R.S.R. contributed new reagents/analytic tools; C.M.B. and R.S.R. analyzed data; and C.M.B. and R.S.R. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.

This article is a PNAS Direct Submission.


PDF gratuito do artigo aqui.

A origem da homoquiralidade terrestre para nucleosídeos e aminoácidos

On the origin of terrestrial homochirality for nucleosides and amino acids

Ronald Breslow,1 and Zhan-Ling Cheng

+Author Affiliations

Department of Chemistry, Columbia University, New York, NY 10027

Contributed by Ronald Breslow, April 23, 2009 (sent for review April 16, 2009)


Before life could start on earth, it was important that the amino acid building blocks be present in a predominant handedness called the L configuration and that the ribose of RNA be predominantly in the D configuration. Because ordinary chemical processes would produce them in equal L and D amounts, it has long been a puzzle how the needed selectivities could have arisen. Carbonaceous chondrites such as the Murchison meteorite, which landed in Australia in 1969, brought some unusual amino acids with a methyl group replacing their α hydrogen. They cannot racemize and have a small but real excess of those with the L configuration. We have shown that they can partake in a synthesis of normal L amino acids under credible prebiotic conditions. We and others showed that small preferences can be amplified into solutions with very high dominance of the L amino acids because of the higher solubility of the pure L form than of the more stable DL racemic compound crystal. Here, we show that such solubility-based amplification of small excesses of three D nucleosides, uridine, adenosine, and cytidine, can also occur to form solutions with very high D dominance under credible prebiotic conditions. Guanosine crystallizes as a conglomerate and does not amplify in this way. However, under prebiotic conditions it could have been formed from homochiral D ribose from the hydrolysis of amplified adenosine or cytidine.

chiral amplification Murchison meteorite transamination water solubilities

1To whom correspondence should be addressed. E-mail:

Author contributions: R.B. and Z.-L.C. designed research; Z.-L.C. performed research; R.B. and Z.-L.C. analyzed data; and R.B. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.


PDF gratuito do artigo aqui

Erupções de vulcões provocaram extinção em massa há 260 milhões de anos atrás

Erupções provocaram extinção

Agência FAPESP – Em abril, um estudo publicado no Journal of the Geological Society apontou que a queda do asteroide há 65 milhões de anos que formou a cratera de Chicxulub, no México, não levou à extinção em massa no fim do Cretáceo, quando desapareceu uma enorme quantidade de espécies de plantas e animais, entre os quais os dinossauros.

Pesquisadores descobrem na China registros de que erupções vulcânicas teriam causado extinção em massa há 260 milhões de anos e fortalece teoria que dinossauros não teriam desaparecido por queda de asteróide (divulgação)

Os autores sugeriram que a extinção poderia ter sido causada por erupções vulcânicas massivas ocorridas na atual Índia. Podem estar certos. Uma nova pesquisa, publicada na nova edição da revista Science, indica que erupções vulcânicas até então desconhecidas provocaram a extinção em massa ocorrida há 260 milhões de anos.

O trabalho, feito por cientistas britânicos e chineses, identificou registros do evento na província de Emeishan, no sudoeste da China. As erupções teriam liberado em torno de meio milhão de quilômetros cúbicos de lava, cobrindo uma área duas vezes maior do que a do Estado do Rio de Janeiro.

O grupo foi capaz de descobrir quando exatamente as erupções ocorreram e relacioná-las diretamente com a extinção. Encontrar tais registros é algo completamente inusitado, devido às transformações físicas ocorridas no planeta em tão longo período.

O motivo da descoberta é que as erupções em Emeishan ocorreram próximas a mar raso, o que fez com que a lava se mostrasse hoje como uma camada distinta de rochas ígneas ensanduichada entre camadas de rochas sedimentares que contêm fósseis marinhos.

A camada de rocha fossilizada diretamente após a erupção mostra a extinção em massa de diferentes formas de vida, ligando a emissão vulcânica com a catástrofe ambiental.

O efeito global da erupção, de acordo com os pesquisadores, deveu-se à proximidade do vulcão com o mar raso. A colisão da lava com a água teria provocado uma explosão violenta no início das erupções, arremessando enormes quantidades de dióxido de enxofre na estratosfera.

“É como jogar água em uma frigideira quente. Houve uma explosão espetacular que produziu nuvens de vapor gigantescas”, disse Paul Wignall, professor da Universidade de Leeds, no Reino Unido, principal autor estudo.

A injeção de dióxido de enxofre na atmosfera teria levado à formação de grandes nuvens que se espalharam pelo mundo, esfriando a temperatura global e promovendo chuva ácida. A análise dos registros fósseis indicou que o desastre ambiental teria começado logo após a primeira erupção.

“A extinção abrupta da vida que pudemos constatar no registro fóssil liga fortemente as erupções vulcânicas com a catástrofe ambiental global, uma relação que sempre foi considerada controversa”, afirmou Wignall.

O artigo Volcanism, mass extinction, and carbon isotope fluctuations in the Middle Permian of China, de Paul Wignall e outros, pode ser lido por assinantes da Science em



Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas brasileiras podem acessar gratuitamente este artigo da Science no site da CAPES/Periodicos.

Até a Nature deplorou o frenesi do oba-oba feito sobre Ida como elo perdido

Eu fiquei com o pé atrás em relação ao fóssil apelidado de Ida como sendo mais um elo perdido 'lançando luz' sobre o nosso entendimento da evolução dos primatas pelas circunstâncias bem suspeitas do achado e do segredo que os cientistas guardaram por dois anos, o muito bem orquestrado serviço de divulgação (site até DVD)e relações públicas.

Fonte: Tyler Lang - vide artigo na SEED sobre a questão.

A razão do meu ceticismo localizado se deu também porque esta área científica é uma useira e vezeira em 'forjar' elos perdidos para corroborar o fato, Fato, FATO da evolução. aqui e ali eles são apanhados com mão na cumbuca. A revista Nature deu seu recado em recente editorial "Media frenzy" [Frenesi da mídia - Acesso gratuito].

Os mitos e as mentiras de Darwin

quinta-feira, maio 28, 2009

Editorial Reviews

Product Description

In "The Darwin Myth", author Benjamin Wiker offers a critical analysis of Darwin's theories as well as the social, scientific, and religious implications of his work, leading us to the inevitable truth about Darwin's powerful - yet ultimately poisonous - legacy. Scientists often challenge conventional wisdom and spark debates that last for generations. But no scientist has fuelled more debate than Charles Darwin. To some he is the revolutionary 'father' of evolution. To others he is the perverse 'originator' of modern eugenics. And in "The Darwin Myth: The Life and Lies of Charles Darwin", author Benjamin Wiker brings these conflicting identities to light. He offers a critical examination of Darwin's theories as well as the scientific, social, and religious implications of his life and work. In "The Darwin Myth", Wiker reveals: How Darwin's theories were originally met by scepticism and criticism - much of which he couldn't refute and are still valid today; why Darwin didn't 'discover' evolution; and how science itself suggests God created the universe. Laying out the evidence and sound scientific arguments, Wiker illuminates the inevitable truth about Darwin's powerful - yet ultimately poisonous - legacy.

From the Inside Flap

The Man Behind the Myth

In the 150 years since the publication of Origin of Species, Charles Darwin's reputation has wavered between two extremes--secular saint or heretic. But the truth is much more complicated than that. While he was by all accounts a kind and virtuous man, Darwin's theory of evolution and natural selection has been one of the most destructive ideas in history.

So who is Charles Darwin? What did he really believe--and what did his research really prove? In The Darwin Myth: The Life and Lies of Charles Darwin, Benjamin Wiker cuts through the myths and misconceptions and sets the record straight.Taking a "warts and all" approach, Wiker offers a critical examination of Darwin's theories as well as the scientific, social, and religious implications of his life and work.

In The Darwin Myth, Wiker reveals:

* Why Darwin didn't "discover" evolution

* How Darwin set out to create a godless version of evolution

* Why many of his best friends and allies criticized Darwin's theory, and how he never refuted their objections

* How "social Darwinism" is not a misapplication of Darwinism, but is Darwinism

* Why Darwin's theory supported natural slavery, an institution he abhorred

* How much of what we know about Darwin comes from his Autobiography--which at key points is downright misleading

* How Darwin helped make ideological atheism the battle cry of science

Instructive and illuminating, The Darwin Myth casts aside Darwinism's politically correct veneer and offers a critical, scientific analysis of Darwin's life and his history-changing theory.

Product Details

Hardcover: 256 pages

Publisher: Regnery Publishing (June 2, 2009)

Language: English

ISBN-10: 1596980974

ISBN-13: 978-1596980976

Product Dimensions: 9.1 x 6.1 x 0.9 inches



Os segredos de Isaac Newton na Jewish National and University Library

This exhibition sheds new light on Isaac Newton, the greatest physicist of all times. The manuscripts of this collection, one of the treasures of the Jewish National and University Library, discuss Biblical interpretation, the architecture of the Jewish Temple, ancient history, alchemy and the Apocalypse.



A grande estória da evolução contada em novo livro de Richard Dawkins

"Uma nova crônica da vida, lindamente ilustrada." — The Economist

"O resultado não é só a riqueza de ideias sobre como seres vivos evoluíram, mas um forte sentido de urgência e absorção com o qual a ciência é feita."
— Marek Kohn, Independent

"Um livro ambicioso, cheio de sacadas fascinantes." — Carl Zimmer,
The New York Times Book Review

A grande história da evolução é uma peregrinação ao longo da árvore genealógica da vida. Partindo de onde estamos hoje, passamos por quarenta entroncamentos onde nos deparamos com ancestrais e peregrinos que vêm de outros ramos. O ponto de chegada situa-se há 4 bilhões de anos, na origem da vida.

Ao longo do trajeto, peregrinos contam suas histórias e descortinam as maravilhas da diversidade biológica que habita este planeta e os mistérios da evolução que ainda hoje desafiam biólogos. O humano ancestral "Little Foot" investiga como surgiu a possibilidade de andarmos sobre dois pés; o gibão ajuda a entender por que não temos que fazer calças com um furo para a cauda; o camundongo deixa claro que o que torna um organismo diferente do outro não são exatamente os genes, mas como sua atividade é regulada; castores explicam o conceito de fenótipo estendido, em que a represa é uma extensão do próprio castor; e o gafanhoto discute se existem raças.

A paisagem que se descortina durante a viagem expõe uma amostra da diversidade da natureza e também explora como entendê-la. O leitor chega ao fim do percurso maravilhado e enriquecido com novas ideias e reflexões. Uma enciclopédia da vida para ler, reler e consultar.


Richard Dawkins nasceu em Nairóbi, Quênia, em 1941, e cresceu na Inglaterra. Formou-se pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, e deu aulas de zoologia na Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos. Em Oxford foi o primeiro titular da cátedra de Compreensão Pública da Ciência, criada em 1995 por iniciativa de Charles Simonyi para dar a um pesquisador de primeira linha a oportunidade de se dedicar à divulgação de ciência além da pesquisa. Modelo para sua idealização, Dawkins ocupou a cátedra até setembro de 2008. Recebeu inúmeras homenagens e honrarias, incluindo o prêmio da Royal Society of Literature em 1987, o prêmio Michael Faraday em 1990 e o prêmio Shakespeare em 2005. Entre seus livros publicados pela Companhia das Letras estão o já clássico O gene egoísta, O relojoeiro cego e Deus, um delírio.



A evolução biológica não tem uma linha de descendência privilegiada, nem um fim projetado. A evolução alcançou muitos milhões de fins provisórios (o número de espécies sobreviventes no momento da observação), e não há nenhuma razão além da vaidade - vaidade humana, diga-se de passagem, já que somos nós que estamos falando - para designar qualquer um mais privilegiado ou mais culminante do que outro.

Isso não significa, como continuarei a argumentar, que haja uma total escassez de razões ou rimas na história evolutiva. Acredito que existem padrões recorrentes. Também acredito, mesmo sendo isso hoje mais polêmico do que no passado, que há sentidos nos quais a evolução pode ser considerada direcional, progressiva e até mesmo previsível. Mas progresso não é, absolutamente, a mesma coisa que progresso em direção à humanidade, e temos de viver com um fraco e nada lisonjeiro senso do previsível. O historiador precisa precaver-se contra costurar uma narrativa cuja impressão, por mínima que seja, tenha como alvo o clímax humano.


Não é mais lógico (nem menos) direcionar nossa narrativa histórica para o Homo sapiens em vez de para qualquer outra espécie moderna - Octopus vulgaris, por exemplo, ou Panthera leo ou Sequoia sempervirens. Um andorinhão com veia de historiador, justificadamente orgulhoso do voo como a óbvia realização suprema da vida, considerará os andorinhões - essas espetaculares máquinas de voar com suas asas arqueadas, que se mantêm no ar por um ano ininterrupto e até copulam em pleno voo - como o ápice do progresso evolutivo. Elaborando aqui uma fantasia de Steven Pinker, se os elefantes pudessem escrever a história, talvez retratassem a anta, o musaranho-elefante, o elefante-marinho e o macaco-narigudo como ensaios, principiantes ao longo da estrada principal da evolução da tromba, dando os primeiros passos sem que nenhum deles - sabe-se lá por quê - alcançasse verdadeiramente o sucesso: tão perto, e no entanto tão longe. Os elefantes astrônomos talvez especulassem se, em algum outro mundo, existiriam formas alienígenas de vida que teriam atravessado o rubicão nasal e dado o salto final para a plena proboscitude.

Não somos andorinhões nem elefantes, somos gente. Quando, em imaginação, perambulamos por alguma época remota, é humanamente natural que reservemos uma curiosidade e um carinho especial por qualquer espécie, banal em tudo o mais, que naquele cenário antigo tenha sido nossa ancestral (e é fascinantemente estranha a ideia de que sempre existiu uma tal espécie). É difícil negar nossa humana tentação de ver essa espécie particular como a que está trilhando a `estrada principal' da evolução, enquanto as outras caminham pelas margens como seu elenco coadjuvante. Sem sucumbir a esse erro, há um modo de alguém se permitir um legítimo humanocentrismo sem sair da adequação histórica: fazer história retrocedendo. É assim que procede este livro.


Fonte: Companhia das Letras

Visões extremas dos ecos de Darwin no século 21: alguém tem razão???

Na informação detalhada sobre o evento IX Simpósio Internacional IHU: “Ecos de Darwin”, a ser realizado em 9-12 de setembro de 2009 na Unisinos, São Leopoldo, RS, lemos:

“E pode-se perceber que não há incompatibilidade entre a teoria darwiniana e a existência de um Criador ou Deus. A percepção que se tem é que ambas podem ser compatíveis. É aqui, em partes, e na análise de toda a sua obra que inscrevem-se o diálogo ciência e fé, muito importante no paradigma complexo do momento atual e que deve ser considerado no momento em que se comemoram o bicentenário do seu nascimento e os 150 anos da sua obra.”

Todavia, Jerry Coyne, eminente biólogo evolucionista americano, professor do Departamento de Ecologia e Evolução na Universidade de Chicago, descreve a relação do diálogo Darwin e religião de outra maneira:

“Esta desarmonia é um pequeno segredo sujo em círculos científicos. Está no nosso interesse pessoal e profissional proclamar que a ciência e a religião são perfeitamente harmoniosas. Afinal de contas, nós queremos as nossas subvenções sendo financiadas pelo governo, e os nossos estudantes expostos à ciência verdadeira em vez do criacionismo. Pessoas religiosas liberais têm sido aliados importantes em nossa luta contra o criacionismo, e não é agradável aliená-las declarando como que nós sentimos. É por esta razão, por razões táticas, grupos como a National Academy of Sciences [Acadêmica Nacional de Ciências dos estados Unidos] afirmam que a religião e a ciência não entram em conflito. Mas a sua principal evidência — a existência de cientistas religiosos — está ficando cansativa à medida em que os cientistas ficam cada vez mais vociferantes sobre a sua falta de fé. Bem, o Ano Darwin está chegando, e nós podemos esperar mais livros como esses por Kenneth Miller e Karl Giberson. Tentativas para se reconciliar Deus e a evolução continua saindo da linha de produção intelectual. Nunca para porque a reconciliação nunca funciona.”

Em outra ocasião, Coyne afirmou:

“Os diretores do NCSE [Lobby que defende e promove o ensino da evolução nos Estados Unidos] são pessoas inteligentes. Eles sabem perfeitamente bem — como sabia o próprio Darwin — que a biologia evolucionária é e sempre será uma ameaça séria para a fé. Mas procure achar uma declaração desta incompatibilidade no site deles. Não, tudo o que você vai achar é doçura e luz. Na verdade, longe de ser uma ameaça para a fé, a evolução parece reforçá-la! É falso ser um ateu pessoal, como são alguns dirigentes do NCSE, e mesmo assim dizer aos outros que a sua fé é compatível com a ciência? Eu não sei. Mas o pragmatismo do NCSE tem levado isso além de sua circunscrição. A estratégia diretriz parece ser manter Darwin nas escolas por todos os meios necessários.”

E mais recentemente o pessoal do Discovery Institute anunciando o novo site Faith and Evolution,


“Segundo o renomado biólogo [SIC ULTRA PLUS, ele é zoólogo] Richard Dawkins, a evolução darwiniana torna possível alguém se tornar um ateu intelectualmente realizado. De acordo com Francis Collins, ex-diretor do Projeto do Genoma Humano, a evolução é perfeitamente compatível com a sua fé cristã. Quem está certo? E por que é importante? Este website foi planejado para lhe ajudar a descobrir. Aqui você encontrará artigos, debates, vídeo e áudio, questões de discussão, e outros recursos gratuitos à medida em que você explora as questões em torno da fé e da evolução. Este site foi planejado especialmente para ser útil aos clérigos, líderes laicos, professores de escolas de catequese [dominicais] e estudantes. Abaixo você achará um guia para as partes diferentes deste website.”

Parem o mundo das ideias epistêmicas que eu quero descer. Afinal de contas, Darwin é ou não é compatível com os relatos de criação de todas as concepções religiosas?

Alguém tem razão??? Quem sabe lá em São Leopoldo [morei lá quando guri, tchê!], onde pretendo apresentar trabalho sobre a evolução do pensamento de Darwin, eu não vá ter uma epifania epistêmica cortando de vez este nó de Down, oops, nó górdio das visões extremas dos ecos de Darwin no século 21???

Ecos de Darwin na Unisinos - São Leopoldo - RS

Observando o legado da obra de Charles Darwin percebe-se que não somos mais os mesmos. O certo é que decorrido um século e meio da data em que ele escreveu a “Origem das Espécies” e depois de recentes descobertas científicas relevantes para o tema da evolução biológica, o assunto merece detalhada e séria reconsideração, em diferentes dimensões que perpassam a perspectiva científica, filosófica, teológica, religiosa, histórica, dentre outras. Somente assim poder-se-á evitar as posições ideológicas que, por vezes, dominam o debate.

Aliás, a respeito da querela criacionismo versus teoria da evolução, tem-se o criacionismo contra o qual Darwin claramente se coloca em um sentido bem técnico: trata-se da visão de que cada espécie seja fruto de um ato especial de criação. E pode-se perceber que não há incompatibilidade entre a teoria darwiniana e a existência de um Criador ou Deus. A percepção que se tem é que ambas podem ser compatíveis. É aqui, em partes, e na análise de toda a sua obra que inscrevem-se o diálogo ciência e fé, muito importante no paradigma complexo do momento atual e que deve ser considerado no momento em que se comemoram o bicentenário do seu nascimento e os 150 anos da sua obra.

Assim, o evento proposto no presente projeto ressalta a importância de se comemorar um dos grandes marcos de toda a ciência e em geral, de toda a cultura humana. A origem das espécies teve um impacto em várias dimensões da vida humana, não somente no modo de ver e conceber a atividade científica e o homem, mas no pensar as relações entre ciência e religião. Não se pode simplesmente ignorar tais efeitos. Ainda que se possa questionar se somos melhores ou piores depois de Darwin, certamente não somos mais os mesmos.

Talvez sejamos mais humildes e deveríamos ser mais tolerantes entre nós e mais respeitosos com a Natureza. Fato este decorre dos estudos de Darwin sobre o homem e sobre a teoria das emoções, onde mostra que a vontade, consciência e intenção resultam do desenvolvimento das faculdades superiores. A moral, a parte mais nobre do homem, segundo Darwin, onde o homem é o supremo juiz de sua conduta, tem sua origem nos instintos sociais, no amor e na simpatia, geradores de um sentimento de “certo” e “errado”, à base do qual a moral se edifica. Uma pequena dose de juízo ou razão está presente, segundo Darwin, mesmo em nossos instintos. Mais uma vez evidencia-se o diálogo ciência e fé como importante.

É diante deste contexto que o IX Simpósio Internacional IHU: Ecos de Darwin busca sua voz nas questões e reflexões que suscitou e que impõem um repensar de nossas crenças, atitudes e expectativas nas diferentes esferas de nossa vida. O Simpósio contemplará aspectos históricos, filosóficos, científicos e religiosos do legado e das promessas darwinianas. Se somará a outras atividades que ocorrem pelo mundo, inclusive em Universidades, algumas delas Jesuítas, colocando o Brasil e a América do Sul também neste debate, de forma a promover uma correta e frutífera relação dialética entre Ciência, Filosofia e Teologia.

Por fim, deve-se destacar que este Simpósio ocorrerá no período que procede outro evento do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, qual seja, o “Simpósio Internacional Narrar Deus numa sociedade pós-metafísica. Possibilidades e impossibilidades”, que ocorrerá nos dias 14 a 17 de setembro, com o objetivo de Promover um debate sobre possibilidades e impossibilidades do discurso sobre Deus numa sociedade pós-metafísica.

Desta forma, os dois simpósios se inter-relacionam e apresentam temáticas e discussões relacionadas, que se complementam, ora sendo opostas, por ora convergindo entre seus pensamentos, o que garante um debate ainda mais amplo e qualificado para ambos os eventos, por meio de uma verdadeira interação entre ciência, filosofia e fé, contribuindo, desta maneira, no diálogo ciência e fé.



Darwin, não é porque você está morto, responde esta se puder!!!

Gente, esta propaganda de computadores Dell usados em um site holandês está demais. Reproduzo aqui, pois o site não mantém uma cópia cache depois de um dia.

Sorry, periferia, mas está em inglês.



Explain this one, Darwin! And don’t think I’ll let you dodge the issue just because you’re dead!

The pseudoscientific Kommissars of “devil-ution” don’t want you to read this message, because it threatens to undermine their choke-hold on the throat of your mind. Why? Because for all their “empirical evidence” and “testable predictions”, there are a few phenomena these white-coated charlatans simply cannot explain. The sheer complexity of the human eye. The low-fat succulence of ostrich meat. The irresistible cuteness of the pygmy jerboa. And the marvelous Dell Studio 17” Red Dual Core Entertainment Notebook.

Like it or not, such a robust and specialized laptop PC must have been created by a, you guessed it, creator. I guess you’re going to tell me that its glossy 17” display, 320Gb hard drive, and 4GB DDR2 SDRAM just happened to fall into place when a stiff breeze swept through a computer-parts warehouse? Impossible! It’s even more unlikely than, say, a random Kenyan immigrant fathering the president of the United States.

And that’s before we even consider the facial-recognition software and HDMI port. Perhaps lower-order mammals could be said to possess a crude form of facial recognition. For instance, when my dog sees me, he never fails to urinate uncontrollably. But I have yet to find a single monkey that can send hi-def content to an HDTV. And I’ve tried, because an HDMI-equipped monkey would be the answer to my fondest dreams. Trust me, people, it doesn’t exist.

If evil-lution was for real, any one of my aunts could sprout testicles at any second and become my uncle. Last time I checked, that still hadn’t happened. And it hasn’t happened in all human history, from today back to when we walked with the dinosaurs. So until it sprouts wings and gills, I’ll believe that the Dell Studio 17” Red Dual Core Entertainment Notebook was made, not evolved. Got anything to say to that one, Darwin, you Galapagos turd? Hmmm?

I think not. I think not at all.

Warranty: 1 Year Dell

Authorized for SquareTrade Extended Warranty

217.000 leitores (lendo este blog até nos oceanos...)

Gente, este blog é lido até em navios e submarinos. Pelo menos é o que mostra o mapa registrando mais de 217.000 leitores deste blog.

Obrigado mais uma vez a todos os leitores. Que tal avisar seus amigos e pedir para eles avisarem seus amigos a tomarem conhecimento de que uma nova teoria geral da evolução já está a caminho (mas vocês só ficam sabendo aqui), e que a Teoria do Design Inteligente é uma teoria científica que não está sendo debatida nas universidades por razões meramente ideológicas???

Fonte. (Aqui neste blog a gente mata a cobra e mostra o pau!)

Saguis transgênicos transmitem DNA para sua prole

Saguis transgênicos

Agência FAPESP – Pesquisadores japoneses conseguiram criar pela primeira vez um grupo de macacos geneticamente modificados que carregam uma proteína verde fosforescente integrada em seu DNA e transmitem o gene marcador da proteína de uma geração a outra. O marcador faz com que partes do corpo do animal brilhem quando iluminados com luz ultravioleta.

Cientistas japoneses criam macacos que transmitem gene modificado de uma geração a outra. Estudo é marco no desenvolvimento de modelos animais de doenças humanas, diz a Nature (foto: divulgação)

O estudo, publicado na edição desta quinta-feira (28/5) da revista Nature, representa o primeiro feito do gênero em primatas e abre um importante caminho no desenvolvimento de novos modelos animais para estudos de doenças que atingem o homem.

No ano passado um outro grupo havia descrito os primeiros macacos transgênicos – em um modelo para o estudo da doença de Huntington –, mas naqueles animais o novo gene não estava totalmente integrado ao DNA do animal e, por consequência, não foi passado às crias.

No novo estudo, Erika Sasaki, do Instituto Central para Experimentação Animal, em Kawasaki, e colegas de diversos outros centros de pesquisa no país usaram DNA viral como veículo para introduzir o gene para a proteína verde fluorescente no DNA de sagui-comum (Callithrix jacchus) – nativo do Nordeste do Brasil e também conhecido como sagui-de-tufos-brancos ou mico-estrela-de-tufo-branco, entre outros nomes comuns.

Após cinco anos de pesquisa, o grupo conseguiu integrar o gene no DNA dos animais e passá-los com sucesso para as crias, que se mostraram saudáveis e todas expressando o novo gene com a proteína fluorescente. Não apenas os descendentes diretos mantiveram o gene como também a terceira geração.

“O uso de camundongos geneticamente modificados tem contribuído imensamente para a ciência biomédica. Entretanto, as diferenças genéticas e fisiológicas entre primatas e camundongos dificultam a extrapolação de resultados de modelos nesses roedores para aplicações clínicas diretas em humanos”, apontam os autores.

“O desenvolvimento de modelos primatas não humanos avançaria a pesquisa biomédica. Particularmente, primatas geneticamente modificados seriam um poderoso modelo de doenças humanas para avaliações pré-clínicas da segurança e eficiência de terapias genéticas ou de células-tronco”, afirmam.

O uso seria especialmente valioso em pesquisas sobre doenças neurológicas, para as quais não há atualmente modelos experimentais apropriados. “Esse estudo representa um importante marco no desenvolvimento de maneiras de investigar tais doenças”, destaca comentário da Nature.

Encontrado em boa parte do território brasileiro, o sagui-comum tem chamado a atenção dos cientistas para uso em estudos por conta de características como seu tamanho, disponibilidade e gestação curta. Os indivíduos da espécie atingem a maturidade sexual entre 12 e 18 meses e as fêmeas têm em média de 40 a 80 filhotes durante sua vida.

Primatas comuns no Velho Mundo, como o macaco-rhesus (Macaca mulatta), têm maturação sexual mais lenta (cerca de três anos) e muito menos crias (em torno de dez). “Ou seja, mesmo que os saguis estejam mais distantes do homem do que outros primatas, seu potencial como modelos de doenças humanas implica um valor único”, afirmam os autores do estudo.

O artigo Generation of transgenic non-human primates with germline transmission, de Erika Sasaki e outros, pode ser lido por assinantes da Nature em




Já pensou humanos transgênicos com luzinha verde à noite numa estrada escura e vazia???

A Unicamp ganha Faculdade de Tecnologia

Unicamp ganha Faculdade de Tecnologia

Agência FAPESP – O Conselho Universitário da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aprovou a transformação do Centro Superior de Educação Tecnológica (Ceset) em unidade de ensino e pesquisa, que passará a se chamar Faculdade de Tecnologia.

Segundo a Unicamp, a criação da nova unidade não afetará a estrutura curricular em andamento, formada por quatro cursos de graduação e um de pós-graduação, subdividido em três linhas de pesquisa. Localizado em Limeira, o Ceset conta com 1,5 mil alunos, 71 professores e 38 funcionários.

O próximo passo será consolidar a implantação da nova unidade por meio da criação de suas instâncias institucionais, entre elas a Congregação, órgão superior de cada instituto ou faculdade, composto por representantes dos professores, estudantes e funcionários. Durante o processo de implantação, a Faculdade de Tecnologia será coordenada por um diretor pró-tempore, a ser nomeado pelo reitor Fernando Costa.

O Ceset foi criado em novembro de 1988 com a finalidade de incorporar os cursos de graduação de tecnologia, inicialmente vinculados à Faculdade de Engenharia Civil de Limeira. Em 1992 criou-se o Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados, com integralização mínima de três anos e já com a nova estrutura de cursos semestrais.

Em 1997, os cursos tiveram seus currículos atualizados, passando a contar com integralização em quatro anos e criou-se a modalidade Controle Ambiental para o Curso Superior de Tecnologia Sanitária, que teve sua denominação atualizada para Curso Superior de Tecnologia em Saneamento Ambiental.

Atualmente, a unidade conta com os seguintes cursos em período integral: Tecnologia em Telecomunicações (50 vagas), Tecnologia em Informática (45 vagas) e Tecnologia em Saneamento Ambiental (40 vagas). Além desses, oferece cursos noturnos: Tecnologia em Informática (45 vagas), Tecnologia da Construção Civil: Modalidades Obras de Solo e Pavimentação e Edifícios (80 vagas) e Tecnologia em Saneamento Ambiental: Modalidades Saneamento Básico e Controle Ambiental (80 vagas).

Em 2009, o Ceset iniciou a implantação do seu primeiro curso de pós-graduação, o Mestrado em Tecnologia. Com a área de concentração em Tecnologia e Inovação, o curso engloba três linhas de pesquisa: Tecnologia para o Ambiente, Saneamento e Construção; Tecnologia para a Informação, Comunicação e Instrumentação; e Tecnologia para Fenômenos e Sistemas Complexos.

Mais informações:


Se o design não é empiricamente detectado, por que imitar a natureza???

A teoria do Design Inteligente afirma que existem sinais de design na natureza que são empiricamente detectados. Os críticos e oponentes dizem que o que vemos é ILUSÃO de design. A minha pergunta sardônica: se o design não é empiricamente detectado na natureza, por que tentar imitá-la em nossa tecnologia???

PDFs gratuitos de artigos sobre o design ser empiricamente detectado na natureza e imitado em nossa tecnologia.


2. A novel strain sensor based on the campaniform sensillum of insects


E ainda dizem que a TDI impede o avanço da ciência. Que ciência, cara-pálida??? Não seria a TDI impede o avanço do naturalismo filosófico mascarado de ciência???


Tirando o chapéu para Robert Deyes.

Células-tronco pluripotentes humanamente induzidas livres de vetor e sequências transgênicas

quarta-feira, maio 27, 2009

Science 8 May 2009:
Vol. 324. no. 5928, pp. 797 - 801
DOI: 10.1126/science.1172482

Human Induced Pluripotent Stem Cells Free of Vector and Transgene Sequences

Junying Yu,1,2,3,* Kejin Hu,3 Kim Smuga-Otto,1,2,3 Shulan Tian,1,2 Ron Stewart,1,2 Igor I. Slukvin,3,4 James A. Thomson1,2,3,5,*

Reprogramming differentiated human cells to induced pluripotent stem (iPS) cells has applications in basic biology, drug development, and transplantation. Human iPS cell derivation previously required vectors that integrate into the genome, which can create mutations and limit the utility of the cells in both research and clinical applications. We describe the derivation of human iPS cells with the use of nonintegrating episomal vectors. After removal of the episome, iPS cells completely free of vector and transgene sequences are derived that are similar to human embryonic stem (ES) cells in proliferative and developmental potential. These results demonstrate that reprogramming human somatic cells does not require genomic integration or the continued presence of exogenous reprogramming factors and removes one obstacle to the clinical application of human iPS cells.

1 Morgridge Institute for Research, Madison, WI 53707–7365, USA.

2 Genome Center of Wisconsin, Madison, WI 53706–1580, USA.

3 Wisconsin National Primate Research Center, University of Wisconsin-Madison, Madison, WI 53715–1299, USA.

4 Department of Pathology and Laboratory Medicine, University of Wisconsin-Madison, Madison, WI 53706, USA.

5 Department of Anatomy, University of Wisconsin-Madison, Madison, WI 53706–1509, USA.

* To whom correspondence should be addressed. E-mail: (J.Y.); (J.A.T.)


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas brasileiras com acesso ao site CAPES/Periódicos podem acessar gratuitamente este artigo da Science.

A cada dia que passa, mais forte fica a favor o uso das células-tronco adultas do que a nota promissória das células-tronco embrionárias e toda sua complicação ética e de tratamento nada democrático (que a turma do andar de cima e a Grande Mídia tupiniquim nunca colocaram na mesa para debate). Não fica por menos de US$ 1.000.000,00 (Um milhão de dólares) clonar para fins terapêuticos. Fora as complicações colaterais para as mulheres que tiverem seus óvulos retirados cirurgicamente. Por que eles não falam sobre isso?

Primeira sequência e análise de genoma coreano: sequenciamento completo para um grupo socio-ético

The first Korean genome sequence and analysis: full genome sequencing for a socio-ethnic group

Sung-Min Ahn1,5*, Tae-Hyung Kim2*, Sunghoon Lee2*, Deokhoon Kim1, Ho Ghang2,
Dae-Soo Kim2, Byoung-Chul Kim2, Sang-Yoon Kim2, Woo-Yeon Kim2, Chulhong Kim2,
Daeui Park2, Yong Seok Lee2, Sangsoo Kim3, Rohit Reja2, Sungwoong Jho2, Chang Geun
Kim6, Ji-Young Cha1, Kyung-Hee Kim4, Bonghee Lee1, Jong Bhak2§, and Seong-Jin Kim1§

1Lee Gil Ya Cancer and Diabetes Institute, Gachon University of Medicine and Science, Incheon, Korea

2Korean BioInformation Center (KOBIC), KRIBB, Daejeon, Korea

3Department of Bioinformatics & Life Science, Soongsil University, Seoul, Korea

4Department of Laboratory Medicine, Gachon University Gil Hospital, Incheon, Korea

5Department of Translational Medicine, Gachon University Gil Hospital, Incheon, Korea

6National Center for Standard Reference Data, Korea Research Institute of Standards and Science, Daejeon, Korea

*These authors contributed equally to this work.

§Corresponding authors and
Tel: 82-42-879-8500 Fax: 82-42-879-8519


We present the first Korean individual genome sequence (SJK) and analysis results. The diploid genome of a Korean male was sequenced to 28.95-fold redundancy using the
Illumina paired-end sequencing method. SJK covered 99.9% of the NCBI human reference
genome. We identified 420,083 novel SNPs that are not in the dbSNP database.

Despite a close similarity, significant differences were observed between the Chinese genome (YH),the only other Asian genome available, and SJK: 1) 39.87% (1,371,239 out of 3,439,107)SNPs were SJK-specific (49.51% against Venter’s, 46.94% against Watson’s, and 44.17% against the Yoruba genomes), 2) 99.5% (22,495 out of 22,605) of short indels (< 4 bp)discovered on the same loci had the same size and type as YH, and 3) 11.3% (331 out of 2920) deletion structural variants were SJK-specific. Even after attempting to map unmapped reads of SJK to unanchored NCBI scaffolds, HGSV, and available personal genomes, there were still 5.77% SJK reads that could not be mapped. All these findings indicate that the overall genetic differences among individuals from closely related ethnic groups may be significant. Hence, constructing reference genomes for minor socio-ethnic groups will be useful for massive individual genome sequencing.


PDF gratuito do artigo aqui.

Mais distantes, mas importantes para as pesquisas científicas

Mais distantes


Agência FAPESP – O camundongo (Mus musculus) é o principal modelo animal usado como base para a pesquisa de doenças que atingem o homem, mas até onde vão as semelhanças entre os dois organismos?

Cientistas completam sequenciamento do genoma do camundongo e descobrem mais diferenças com o genoma humano do que se estimava até então (foto: NIH)

Para um grupo internacional de pesquisadores, o melhor entendimento da biologia do camundongo somente seria possível a partir da disponibilidade do genoma completo do roedor. E é justamente isso que acaba de ser concluído.

Em artigo publicado na PLoS Biology, cientistas que compõem o Consórcio para Sequenciamento do Genoma do Camundongo descrevem o sequenciamento e comparam o genoma resultante com o humano. Segundo o estudo, há mais diferenças genéticas do que se imaginava.

Essas grandes diferenças, apontam os pesquisadores, refletem muitas das particularidades que distinguem as duas espécies. Um quinto dos genes do camundongo é composto de cópias novas que surgiram nos últimos 90 milhões de anos.

“Nosso retrato do genoma do camundongo até então estava incompleto. Quando conseguimos juntar todas as peças que faltavam no quebra-cabeça percebemos que estávamos deixando de lado um grande número de genes encontrados apenas no camundongo, e não em humanos”, disse Leo Goodstadt, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, um dos autores do estudo.

Do outro lado, o estudo verificou que homem e camundongo têm em comum cerca de 80% de seus genes e a identificação de tais genes amplia diretamente a capacidade de empregar alvos específicos e mais adequados para o estudo de doenças humanas.

O sequenciamento permite distinguir exatamente como separar a biologia humana da biologia do camundongo. Ao preencher as lacunas deixadas por versões anteriores do genoma do roedor da família dos murídeos, os pesquisadores do consórcio conseguiram identificar muitos genes até então desconhecidos.

Na comparação com o mais recente esboço do sequenciamento que foi publicado, o genoma completo apresenta 1.1259 genes que são específicos do camundongo – não compartilhados com o homem.

Segundo o estudo, muitos dos genes agora descobertos estão evoluindo em velocidade absolutamente inusitada, provavelmente como resultado de uma espécie de combate evolucionário entre o camundongo e suas células reprodutivas.

“O grande esforço coletivo para completar o sequenciamento valeu a pena. A partir de agora, as novas descobertas que serão feitas permitirão deixar de lado equívocos que vínhamos cometendo e revelar muitos segredos da biologia do camundongo”, disse Deanna Church, dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, outra autora da pesquisa.

O artigo Lineage-specific biology revealed by a finished genome assembly of the mouse, de Celia Garcia e outros, pode ser lido em PLoS.


A evolução da visão colorida em animais noturnos

The evolution of color vision in nocturnal mammals

1. Huabin Zhaoa,b,
2. Stephen J. Rossiterc,1,
3. Emma C. Teelingd,1,
4. Chanjuan Lib,
5. James A. Cottonc and
6. Shuyi Zhangb,1

+Author Affiliations

1.aInstitute of Zoology and Graduate University, Chinese Academy of Sciences, Beijing 100080, China;

2.bSchool of Life Sciences, East China Normal University, Shanghai 200062, China;

3.cSchool of Biological and Chemical Sciences, Queen Mary, University of London, London E1 4NS, United Kingdom; and

4.dUCD School of Biology and Environmental Science and UCD Conway Institute of Biomolecular and Biomedical Research, University College Dublin, Belfield, Dublin 4, Ireland

1. Edited by Morris Goodman, Wayne State University School of Medicine, Detroit, MI, and approved April 10, 2009 (received for review December 24, 2008)


Nonfunctional visual genes are usually associated with species that inhabit poor light environments (aquatic/subterranean/nocturnal), and these genes are believed to have lost function through relaxed selection acting on the visual system. Indeed, the visual system is so adaptive that the reconstruction of intact ancestral opsin genes has been used to reject nocturnality in ancestral primates. To test these assertions, we examined the functionality of the short and medium- to long-wavelength opsin genes in a group of mammals that are supremely adapted to a nocturnal niche: the bats. We sequenced the visual cone opsin genes in 33 species of bat with diverse sensory ecologies and reconstructed their evolutionary history spanning 65 million years. We found that, whereas the long-wave opsin gene was conserved in all species, the short-wave opsin gene has undergone dramatic divergence among lineages. The occurrence of gene defects in the short-wave opsin gene leading to loss of function was found to directly coincide with the origin of high-duty-cycle echolocation and changes in roosting ecology in some lineages. Our findings indicate that both opsin genes have been under purifying selection in the majority bats despite a long history of nocturnality. However, when spectacular losses do occur, these result from an evolutionary sensory modality tradeoff, most likely driven by subtle shifts in ecological specialization rather than a nocturnal lifestyle. Our results suggest that UV color vision plays a considerably more important role in nocturnal mammalian sensory ecology than previously appreciated and highlight the caveat of inferring light environments from visual opsins and vice versa.

* bats
* opsin gene
* sensory tradeoff
* echolocation
* selection


* 1To whom correspondence may be addressed. E-mail:,, or

* Author contributions: H.Z., S.J.R., E.C.T., and S.Z. designed research; H.Z. and C.L. performed research; S.Z. contributed new reagents/analytic tools; H.Z., S.J.R., E.C.T., and J.A.C. analyzed data; and H.Z., S.J.R., E.C.T., and S.Z. wrote the paper.

* The authors declare no conflict of interest.

* This article is a PNAS Direct Submission.


PDF gratuito do artigo aqui.

Apesar da Árvore da Vida de Darwin ter tombado, um comentário interessante

Natural Selection and phylogenetic analysis, by Scott V. Edwards


O Planck atrás do Mysterium tremendum: a origem do universo

Mapping the Cosmic Microwave Background with Planck from Science News on Vimeo.

Leia a reportagem "Planck by Planck" aqui no ScienceNews.

Dê uma 'espiada' num buraco negro

O editor da New Scientist torce para que encontremos o buraco negro certo.

Leia o artigo (em inglês aqui).

Transporte intracelular: como que os motores funcionam juntos?

terça-feira, maio 26, 2009

Intracellular Transport: How Do Motors Work Together?

Roop Mallik1,andSteven P. Gross2,

1 Department of Biological Sciences, Tata Institute of Fundamental Research, Mumbai, India
2 Department of Developmental and Cell Biology, University of California-Irvine, Irvine, California


How many motors move cargos on microtubules inside a cell, and how do they work together to achieve regulated transport? A new study uses an optical trap to investigate the motion of protein-bound beads on the surface of flagella to address these questions and comes up with some intriguing answers.




O PDF deste artigo pode ser acessado gratuitamente por professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas brasileiras através do site da CAPES/Periódicos.

A família da miosina: acaso, necessidade ou design inteligente???

Veja o vídeo da Universidade Harvard e decida.

Geração de torque e transmissão de energia: 100% Design Inteligente

Nature 459, 364-370 (21 May 2009) | doi:10.1038/nature08145; Published online 20 May 2009
Review Article

Torque generation and elastic power transmission in the rotary FOF1-ATPase

Wolfgang Junge1, Hendrik Sielaff1,2 & Siegfried Engelbrecht1,3

Top of page


Adenosine triphosphate (ATP), the universal fuel of the cell, is synthesized from adenosine diphosphate (ADP) and inorganic phosphate (Pi) by 'ATP synthase' (FOF1-ATPase). During respiration or photosynthesis, an electrochemical potential difference of protons is set up across the respective membranes. This powers the enzyme's electrical rotary nanomotor (FO), which drives the chemical nanomotor (F1) by elastic mechanical-power transmission, producing ATP with high kinetic efficiency. Attempts to understand in detail the mechanisms of torque generation in this simple and robust system have been both aided and complicated by a wealth of sometimes conflicting data.



Este artigo da Nature pode ser acessado gratuitamente por professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas através do site CAPES/Periódicos.

O que Marcelo Leite escondeu dos leitores sobre as ideias 'racistas' e 'genocidas' de Darwin

segunda-feira, maio 25, 2009

O jornalista Marcelo Leite, da Folha de São Paulo, escreveu o artigo "O outro Darwin", uma resenha do livro "Darwin's Sacred Cause" de Desmond e Moore. Eu prometi aos leitores que publicaria uma relação das ideias 'racistas' e 'genocidas' de Darwin no seu livro menos lido e menos pesquisado em História da Ciência - "The Descent of Man". Eu pretendia abordar este tema no doutorado em História da Ciência, mas eu procurei outro eixo de pesquisas, e não me arrependo de ter tomado esta decisão.

Sorry, periferia, mas está em inglês.


Relação de ideias ‘racistas’ e ‘genocidas’ de Darwin no “The Descent of Man”

Os selvagens são estágios intermediários entre as pessoas e os macacos antropóides:

"It has been asserted that the ear of man alone possesses a lobule; but 'a rudiment of it is found in the gorilla' and, as I hear from Prof. Preyer, it is not rarely absent in the negro.

"The sense of smell is of the highest importance to the greater number of mammals--to some, as the ruminants, in warning them of danger; to others, as the Carnivora, in finding their prey; to others, again, as the wild boar, for both purposes combined. But the sense of smell is of extremely slight service, if any, even to the dark coloured races of men, in whom it is much more highly developed than in the white and civilised races."

"The account given by Humboldt of the power of smell possessed by the natives of South America is well known, and has been confirmed by others. M. Houzeau asserts that he repeatedly made experiments, and proved that Negroes and Indians could recognise persons in the dark by their odour. Dr. W. Ogle has made some curious observations on the connection between the power of smell and the colouring matter of the mucous membrane of the olfactory region as well as of the skin of the body. I have, therefore, spoken in the text of the dark-coloured races having a finer sense of smell than the white races....Those who believe in the principle of gradual evolution, will not readily admit that the sense of smell in its present state was originally acquired by man, as he now exists. He inherits the power in an enfeebled and so far rudimentary condition, from some early progenitor, to whom it was highly serviceable, and by whom it was continually used."

"It appears as if the posterior molar or wisdom-teeth were tending to become rudimentary in the more civilised races of man. These teeth are rather smaller than the other molars, as is likewise the case with the corresponding teeth in the chimpanzee and orang; and they have only two separate fangs. ... In the Melanian races, on the other hand, the wisdom-teeth are usually furnished with three separate fangs, and are generally sound; they also differ from the other molars in size, less than in the Caucasian races.

"It is an interesting fact that ancient races, in this and several other cases, more frequently present structures which resemble those of the lower animals than do the modern. One chief cause seems to be that the ancient races stand somewhat nearer in the long line of descent to their remote animal-like progenitors."

"It has often been said, as Mr. Macnamara remarks, that man can resist with impunity the greatest diversities of climate and other changes; but this is true only of the civilised races. Man in his wild condition seems to be in this respect almost as susceptible as his nearest allies, the anthropoid apes, which have never yet survived long, when removed from their native country."
"The above view of the origin and nature of the moral sense, which tells us what we ought to do, and of the conscience which reproves us if we disobey it, accords well with what we see of the early and undeveloped condition of this faculty in mankind.... A North-American Indian is well pleased with himself, and is honoured by others, when he scalps a man of another tribe; and a Dyak cuts off the head of an unoffending person, and dries it as a trophy. ... With respect to savages, Mr. Winwood Reade informs me that the negroes of West Africa often commit suicide. It is well known how common it was amongst the miserable aborigines of South America after the Spanish conquest. ... It has been recorded that an Indian Thug conscientiously regretted that he had not robbed and strangled as many travellers as did his father before him. In a rude state of civilisation the robbery of strangers is, indeed, generally considered as honourable."

"As barbarians do not regard the opinion of their women, wives are commonly treated like slaves. Most savages are utterly indifferent to the sufferings of strangers, or even delight in witnessing them. It is well known that the women and children of the North-American Indians aided in torturing their enemies. Some savages take a horrid pleasure in cruelty to animals, and humanity is an unknown virtue..... Many instances could be given of the noble fidelity of savages towards each other, but not to strangers; common experience justifies the maxim of the Spaniard, "Never, never trust an Indian."

"The other so-called self-regarding virtues, which do not obviously, though they may really, affect the welfare of the tribe, have never been esteemed by savages, though now highly appreciated by civilised nations. The greatest intemperance is no reproach with savages."

"I have entered into the above details on the immorality of savages, because some authors have recently taken a high view of their moral nature, or have attributed most of their crimes to mistaken benevolence. These authors appear to rest their conclusion on savages possessing those virtues which are serviceable, or even necessary, for the existence of the family and of the tribe,--qualities which they undoubtedly do possess, and often in a high degree."

Fazendo compreensível a escravidão, mas agora desgradável, é claro:

"Slavery, although in some ways beneficial during ancient times, is a great crime; yet it was not so regarded until quite recently, even by the most civilised nations. And this was especially the case, because the slaves belonged in general to a race different from that of their masters."

A matança em massa de selvagens é compreensível como um tipo de extinção de espécies:

"At some future period, not very distant as measured by centuries, the civilised races of man will almost certainly exterminate, and replace, the savage races throughout the world. At the same time the anthropomorphous apes, as Professor Schaaffhausen has remarked will no doubt be exterminated. The break between man and his nearest allies will then be wider, for it will intervene between man in a more civilised state, as we may hope, even than the Caucasian, and some ape as low as a baboon, instead of as now between the negro or Australian and the gorilla."

"The partial or complete extinction of many races and sub-races of man is historically known....When civilised nations come into contact with barbarians the struggle is short, except where a deadly climate gives its aid to the native race.... The grade of their civilisation seems to be a most important element in the success of competing nations. A few centuries ago Europe feared the inroads of Eastern barbarians; now any such fear would be ridiculous."

"[Flinders Island], situated between Tasmania and Australia, is forty miles long, and from twelve to eighteen miles broad: it seems healthy, and the natives were well treated. Nevertheless, they suffered greatly in health....With respect to the cause of this extraordinary state of things, Dr. Story remarks that death followed the attempts to civilise the natives." [--Obviously the problem was trying to civilize these barbarians!]

"Finally, although the gradual decrease and ultimate extinction of the races of man is a highly complex problem, depending on many causes which differ in different places and at different times; it is the same problem as that presented by the extinction of one of the higher animals."

É claro que a degradação se estende ao intelecto::

"There is, however, no doubt that the various races, when carefully compared and measured, differ much from each other,--as in the texture of the hair, the relative proportions of all parts of the body ...Their mental characteristics are likewise very distinct; chiefly as it would appear in their emotional, but partly in their intellectual faculties. Every one who has had the opportunity of comparison, must have been struck with the contrast between the taciturn, even morose, aborigines of S. America and the light-hearted, talkative negroes. There is a nearly similar contrast between the Malays and the Papuans who live under the same physical conditions, and are separated from each other only by a narrow space of sea."

" A certain amount of absorption of mulattoes into negroes must always be in progress; and this would lead to an apparent diminution of the former. The inferior vitality of mulattoes is spoken of in a trustworthy work as a well-known phenomenon; and this, although a different consideration from their lessened fertility, may perhaps be advanced as a proof of the specific distinctness of the parent races."

"So far as we are enabled to judge, although always liable to err on this head, none of the differences between the races of man are of any direct or special service to him. The intellectual and moral or social faculties must of course be excepted from this remark."

E a conclusão principal:

"The main conclusion arrived at in this work, namely, that man is descended from some lowly organised form, will, I regret to think, be highly distasteful to many. But there can hardly be a doubt that we are descended from barbarians. The astonishment which I felt on first seeing a party of Fuegians on a wild and broken shore will never be forgotten by me, for the reflection at once rushed into my mind-such were our ancestors. These men were absolutely naked and bedaubed with paint, their long hair was tangled, their mouths frothed with excitement, and their expression was wild, startled, and distrustful. ... He who has seen a savage in his native land will not feel much shame, if forced to acknowledge that the blood of some more humble creature flows in his veins."

"For my own part I would as soon be descended from ...[a] monkey, or from that old baboon... --as from a savage who delights to torture his enemies, offers up bloody sacrifices, practices infanticide without remorse, treats his wives like slaves, knows no decency, and is haunted by the grossest superstitions.

E não nos esqueçamos do sexismo darwiniano!

"The chief distinction in the intellectual powers of the two sexes is shewn by man's attaining to a higher eminence, in whatever he takes up, than can woman--whether requiring deep thought, reason, or imagination, or merely the use of the senses and hands...We may also infer, from the law of the deviation from averages, so well illustrated by Mr. Galton, in his work on 'Hereditary Genius,' that if men are capable of a decided pre-eminence over women in many subjects, the average of mental power in man must be above that of woman."

"The greater intellectual vigour and power of invention in man is probably due to natural selection, combined with the inherited effects of habit, for the most able men will have succeeded best in defending and providing for themselves and for their wives and offspring."

O que nós devemos fazer? Cruzamento de pessoas e deixar os mais fracos morrerem:

"The advancement of the welfare of mankind is a most intricate problem: all ought to refrain from marriage who cannot avoid abject poverty for their children; for poverty is not only a great evil, but tends to its own increase by leading to recklessness in marriage. On the other hand, as Mr. Galton has remarked, if the prudent avoid marriage, whilst the reckless marry, the inferior members tend to supplant the better members of society. Man, like every other animal, has no doubt advanced to his present high condition through a struggle for existence consequent on his rapid multiplication; and if he is to advance still higher, it is to be feared that he must remain subject to a severe struggle. Otherwise he would sink into indolence, and the more gifted men would not be more successful in the battle of life than the less gifted. Hence our natural rate of increase, though leading to many and obvious evils, must not be greatly diminished by any means. There should be open competition for all men; and the most able should not be prevented by laws or customs from succeeding best and rearing the largest number of offspring."

"We civilized men, on the other hand, do our utmost to check the process of elimination; we build asylums for the imbecile, the maimed, and the sick; we institute poor-laws; and our medical men exert their utmost skill to save the life of every one to the last moment. There is reason to believe that vaccination has preserved thousands, who from a weak constitution would formerly have succumbed to small-pox. Thus the weak members of civilized societies propagate their kind. No one who has attended to the breeding of domestic animals will doubt that this must be highly injurious to the race of man. It is surprising how soon a want of care, or care wrongly directed, leads to the degeneration of a domestic race; but excepting in the case of man himself, hardly any one is so ignorant as to allow his worst animals to breed.”


Tirando o chapéu para DOL pela seleção.

Alô ET, aqui é o Homo sapiens sapiens, planeta Terra, falando, câmbio.

Bem vindo ao site Earth Speaks, um projeto de pesquisa que explora uma questão crítica na busca por inteligência extraterrestre [Search for Extraterrestrial Intelligence (SETI)]:

“Se nós descobrirmos vida inteligente além da Terra, nós deveríamos responder, e se assim, o que deveríamos dizer?”

Pessoas do mundo inteiro estão convidadas para enviar fotos, sons, e mensagens de texto que elas gostariam de enviar para outros mundos. O projeto visa alimentar um diálogo sobre o que nós deveremos dizer para inteligência extraterrestre, bem como se nós devemos ou não enviar mensagens intencionais.

Mais detalhes aqui. Sorry, periferia, mas o site deles está em inglês. Imagina se fosse em "extraterrestrês"...

Marcelo Leite: a 'causa sagrada' de Darwin é tão santa quanto Lucrécia Bórgia

A causa sagrada de Darwin

por David Tyler 11:07:05 am

A causa sagrada de Darwin

Os autores Adrian Desmond e James Moore são muito claro na opinião deles de que o contexto social é crucial para se compreender alguém, mesmo que eles tenham vivido gerações passadas, ou se eles estiverem vivos hoje. Eles aplicaram esse conhecimento a Charles Darwin. Eles estão cientes de que nem todos partilham da abordagem ou entusiasmo deles:

“Muitos cientistas e filósofos pensam que explicar o gênio e os seus insights como nós fazemos, mina o poder da ciência e, considerando-se o desafio do criacionismo, é um ato traição. A relutância de cavar abaixo da superfície dos livros de Darwin e dentro dos recursos socioculturais de sua época está tão obstinada como sempre.”
Estes dois autores tem trabalhado numa sequência à biografia deles intitulada “Darwin” de 1991, e o editor deles está afirmando que eles chegaram a uma “tese revolucionária”. Fala-se que o livro é “surpreendente”. Eles sugerem que o ódio de Darwin da escravidão foi a principal motivação do seu teorizar evolucionário.

“Um desses recursos n mundo de Darwin foi a antiescravidão [Nota do blogger: vai hífen ou não vai?], o maior movimento moral de sua época. A nossa tese é que os valores antiescravagistas foram colocados nele na juventude tornaram-se a premissa moral na sua obra sobre a evolução.”


“Nós não estamos tentando explicar satisfatoriamente toda a obra de Darwin como sendo devido à sua paixão pela emancipação, mas o nosso argumento é que a sua paixão pela unidade racial é que o conduziu a tocar neste assunto intocável e traiçoeiro.”

O novo livro (fonte aqui)

Embora o livro ainda não tenha sido publicado [Nota do blogger: O livro foi em 29/01/2009], Desmond e Moore forneceram um longo abstract do seu pensamento na Introdução de uma nova edição do The Descent of Man [de Darwin], publicado em 2004. Isso atraiu uma análise crítica nas páginas do The British Journal for the History of Science. Vale a pena salientar alguns dos pontos daquela resenha porque ela estabelece uma agenda para se avaliar a significância do novo livro quando ele surgir. O resenhista, Robert J. Richards considera a tese implausível em vários aspectos. Em primeiro lugar, ele acha que o caso deles é construído sobre inferência em vez de evidência direta:

“This account of Darwin's motivation for his theory of human evolution does suffer the inconvenience of being unsupported by any evidence. Darwin certainly was a foe of slavery. His abolitionist sentiments were nurtured in the enlightened Whig household of his father and voluble sisters, and his hatred of slavery became incandescent as the result of poignant experiences in South America. But there is no indication in the Descent - or elsewhere - that he formulated his conception of human evolution in order to undermine the peculiar institution.”

Em segundo lugar, Darwin exibiu uma tendência para o racialismo. Em vez de tomar oportunidades de enfatizar a igualdade de várias raças humana, ele chamou atenção para suas diferenças e ligou isso com a extinção de algumas.

“Despite Moore and Desmond's suggestions to the contrary, in his book Darwin described the races as forming an obvious hierarchy of intelligence and moral capacity, from savage to civilized, with the 'intellectual and social faculties' of the lower races comparable to those that must have characterized ancient man (p. 209). Accordingly, he ventured that 'the grade of their civilisation seems to be a most important element in the success of competing nations' (p. 212), which explained for him the extermination of the Tasmanians and the severe decline in population of the Australians, Hawaiians and Maoris. Those groups succumbed in struggle with more advanced peoples (pp. 211-22). In this respect Darwin was no different from Haeckel, whose conception of 'human genealogy' the Englishman emphatically endorsed in the introduction to his book (p. 19).”

A pista divide-se nitidamente quando esses autores consideram como que a seleção sexual foi abordada por Darwin. Primeiro, a análise de Desmond e Moore:

“The pair claim in a new book that Darwin partly chose to highlight the common descent of man from apes to show that all races were equal, as a rebuttal to those who insisted black people were a different, and inferior, species from those with white skin. They say Darwin attempted to show that his theory of sexual selection, where traits seen as desirable but which give no competitive advantage to a species are passed down through generations, was responsible for differences in appearance between races of both animals and humans.”

Contrastando, esta é a de Robert Richards:

“In the late 1860s Darwin and Wallace had a protracted disagreement about how sexual selection operated in birds and other organisms - hence Darwin's cascading discussions in the second volume of his book (almost four hundred pages) of sexual selection in beetles, butterflies, birds and bucks. But an even more significant dispute with Wallace arose because of his friend's conversion to spiritualism. Wallace had come to argue that the distinctive features of human beings - naked skin, aesthetic sense, moral character and large intellect - could not be explained by natural selection because such traits conferred little or no survival advantage. Only higher spiritual powers could have produced them. Darwin accepted Wallace's analysis that these traits could not be explained by natural selection, but he did not fall prey to Wallace's new faith. Rather, he proposed other powerful but natural forces to account for the distinctive traits characterizing human societies, namely the forces of sexual selection and group selection - elegant solutions to a vexing conceptual problem.”

Essas questões foram destacadas dois anos atrás e a orelha do livro pouco faz para despertar a confiança que eles vêm abordando. Nós não duvidamos que Darwin ficou chocado com a escravidão. Nós não duvidamos que ele tinha parentes e amigos que foram abolicionistas ativos. A questão que está sendo levantada é: Darwin foi motivados por essas convicções no desenvolvimento de suas ideias no “The Descent of Man”? Alternativamente, ele foi motivado por uma grande visão de toda a vida como o desenrolar de um processo evolucionário naturalista? Essas questões, sem dúvida, serão mais exploradas durante o ano do bicentenário. Mas, para concluir este blog, eis aqui algo que nós concordamos com Desmond e Morris (e que vai muito de encontro com a retórica sobre a ciência “pura” associadas com o darwinismo:

Pergunta: Quais lições este livro contém para a relação entre a religião e a ciência?

“Que ‘a relação entre a religião e a ciência’ nunca existiu; que a religião na ciência sempre foi a norma no tempo de Darwin, e ele nunca escapou de sua aura; que o teorizar biológico sobre a natureza humana inevitavelmente faz perguntas morais, e até onde essas questões tem respostas religiosas, neste sentido ‘religião e ciência’ são inseparáveis.”

Darwin's Sacred Cause: How a Hatred of Slavery Shaped Darwin's Views on Human Evolution

by Adrian Desmond and James Moore

Allen Lane, Publication date: 29 Jan 2009

An astonishing new portrait of a scientific icon. In this remarkable book, Adrian Desmond and James Moore restore the missing moral core of Darwin's evolutionary universe, providing a completely new account of how he came to his shattering theories about human origins. [snip]

Review of new edition of The Descent of Man

Robert J. Richards

The British Journal for the History of Science (December 2006), 39:4:615-617 | doi:10.1017/S0007087406409055

1st para: James Moore and Adrian Desmond have brought out a new paperback edition of Darwin's Descent of Man, and Selection in Relation to Sex. They chose the final printing (1879) of the second edition (1874) as the text, which for scholars will serve as a handy companion to the first edition (1871), readily available from Princeton University Press. For teaching purposes, the Penguin version may even be preferred to the first edition because of the inclusion of a chronology of Darwin's life, an appendix containing thumbnail sketches of individuals named in the text and, most especially, Moore and Desmond's provocative fifty-page introduction - an introduction admirable in its social detail and implausible in its deflationary thesis.

See also:

Gray, R. Charles Darwin's research to prove evolution was motivated by his desire to end slavery, Telegraph Online, 24 Jan 2009.

A Conversation with Adrian Desmond and James Moore.



Eu guardei na manga este artigo do meu amigo Prof. Dr. David Tyler desde janeiro de 2009, porque eu sabia que algum artigo 'louvaminhando' Darwin por ser abolicionista e ter sido motivado pelo poligenismo para desenvolver sua teoria da evolução conforme tese desenvolvida por Desmond e Moore neste livro, seria publicado no Brasil.

O artigo "O outro Darwin" de Marcelo Leite, da Folha de São Paulo, caiu como luva de pelica - por não ser historiador de ciência, ele desconhece que Desmond e Moore são historiadores não muito bem conceituados pela historiografia de ciência 'mainstream'.

Este novo livro de Desmond e Moore então, deixou muito a desejar, mas foi mais um livro na 'indústria' louvaminhando o gênio impoluto de Darwin. Nada mais falso.

Qualquer dia eu publico uma relação de ideias racistas do guru de Down que preconizavam o genocídio de 'raças humanas inferiores' encontradas no "The Descent of Man".

O CRBio 1 não vai discutir os contornos da nova teoria geral da evolução - a Síntese Evolutiva Ampliada???

19º Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia


Agência FAPESP – O Conselho Regional de Biologia – 1ª região (CRBio 1), que representa os Estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, promoverá, entre os dias 27 e 30 de julho, em São Pedro (SP), um encontro para a troca de conhecimentos técnicos e científicos nas diversas áreas das ciências biológicas.

O CRBio 1 tem o objetivo de orientar e fiscalizar o exercício profissional do biólogo, além de estimular e promover a realização de atividades que visem ao aprimoramento científico e técnico de profissionais e estudantes de ciências biológicas.

O programa do congresso prevê a realização de 14 conferências, 12 mesas-redondas, 20 minicursos, cinco cursos de atualização, o Fórum de Coordenadores dos Cursos de Ciências Biológicas e a 1ª Mostra de Fotografias do CRBio 1.

Também serão apresentados trabalhos científicos na forma de painéis, enfocando temas diversos das ciências biológicas e áreas afins, além de aspectos metodológicos relacionados ao ensino de biologia e ao exercício profissional do biólogo.

Mais informações:


PDF [8.19 MB] gratuito da revista "O Biólogo" Abri-Mai-Jun 2009 aqui.