O relatório do IPCC para as Nações Unidas sobre o degelo do Himalaia foi baseado em dissertação de mestrado e artigo de revista

domingo, janeiro 31, 2010

Gente, eu queria ver a cara dos defensores histéricos do aquecimento global, especialmente do Marcelo Leite, da Folha de São Paulo, ao saberem de mais esta revelação:

UN climate change panel based claims on student dissertation and magazine article

The United Nations' expert panel on climate change based claims about ice disappearing from the world's mountain tops on a student's dissertation and an article in a mountaineering magazine.

By Richard Gray, Science Correspondent and Rebecca Lefort
Published: 9:00PM GMT 30 Jan 2010

Officials were forced earlier this month to retract inaccurate claims in the IPCC's report about the melting of Himalayan glaciers Photo: GETTY

The revelation will cause fresh embarrassment for the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), which had to issue a humiliating apology earlier this month over inaccurate statements about global warming. 

The IPCC's remit is to provide an authoritative assessment of scientific evidence on climate change.

In its most recent report, it stated that observed reductions in mountain ice in the Andes, Alps and Africa was being caused by global warming, citing two papers as the source of the information.

However, it can be revealed that one of the sources quoted was a feature article published in a popular magazine for climbers which was based on anecdotal evidence from mountaineers about the changes they were witnessing on the mountainsides around them.

The other was a dissertation written by a geography student, studying for the equivalent of a master's degree, at the University of Berne in Switzerland that quoted interviews with mountain guides in the Alps.

The revelations, uncovered by The Sunday Telegraph, have raised fresh questions about the quality of the information contained in the report, which was published in 2007.

It comes after officials for the panel were forced earlier this month to retract inaccurate claims in the IPCC's report about the melting of Himalayan glaciers.

Sceptics have seized upon the mistakes to cast doubt over the validity of the IPCC and have called for the panel to be disbanded.

This week scientists from around the world leapt to the defence of the IPCC, insisting that despite the errors, which they describe as minor, the majority of the science presented in the IPCC report is sound and its conclusions are unaffected.

But some researchers have expressed exasperation at the IPCC's use of unsubstantiated claims and sources outside of the scientific literature.

Professor Richard Tol, one of the report's authors who is based at the Economic and Social Research Institute in Dublin, Ireland, said: "These are essentially a collection of anecdotes.

"Why did they do this? It is quite astounding. Although there have probably been no policy decisions made on the basis of this, it is illustrative of how sloppy Working Group Two (the panel of experts within the IPCC responsible for drawing up this section of the report) has been.

"There is no way current climbers and mountain guides can give anecdotal evidence back to the 1900s, so what they claim is complete nonsense."


Read more here/Leia mais aqui: The Telegraph



Se Marcelo Leite, jornalista de renome da Folha de São Paulo defende ardorosamente uma ciência fajuta dessas do IPCC, será que os leitores podem confiar na editoria de ciência deste jornal que se recusa há uma década em publicar (com o resto da Grande Mídia) as insuficiências fundamentais da teoria geral da evolução no contexto de justificação teórica? Que jornalismo científico objetivo é este que até agora nada publicou sobre a nova teoria geral da evolução - a SÍNTESE EVOLUTIVA MODERNA, quando meio mundo já sabe disso?

A FOLHA DE SÃO PAULO é um jornal que os leitores podem deixar de ler sem nenhuma falta, sem prejuízo algum. Muito pelo contrário, a FSP está vendendo gato por lebre, oops, ideologia por ciência...

Evolução de comportamento adaptivo em robôs por meio da seleção natural

Evolution of Adaptive Behaviour in Robots by Means of Darwinian Selection

Dario Floreano1*, Laurent Keller2*

1 Laboratory of Intelligent Systems, Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne (EPFL), Lausanne, Switzerland, 2 Department of Ecology and Evolution, University of Lausanne, Biophore, Lausanne, Switzerland

Citation: Floreano D, Keller L (2010) Evolution of Adaptive Behaviour in Robots by Means of Darwinian Selection. PLoS Biol 8(1): e1000292. doi:10.1371/journal.pbio.1000292

Published: January 26, 2010

Copyright: © 2010 Floreano, Keller. This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original author and source are credited.

Funding: This work was partly funded by the Swiss National Science Foundation and by the Future and Emerging Technologies Division of the European Commission. The funders had no role in study design, data collection and analysis, decision to publish, or preparation of the manuscript.

Competing interests: The authors have declared that no competing interests exist.

* E-mail: Dario.Floreano@epfl.ch (DF); Laurent.Keller@unil.ch (LK)

Ever since Cicero's De Natura Deorum ii.34., humans have been intrigued by the origin and mechanisms underlying complexity in nature. Darwin suggested that adaptation and complexity could evolve by natural selection acting successively on numerous small, heritable modifications. But is this enough? Here, we describe selected studies of experimental evolution with robots to illustrate how the process of natural selection can lead to the evolution of complex traits such as adaptive behaviours. Just a few hundred generations of selection are sufficient to allow robots to evolve collision-free movement, homing, sophisticated predator versus prey strategies, coadaptation of brains and bodies, cooperation, and even altruism. In all cases this occurred via selection in robots controlled by a simple neural network, which mutated randomly.

Genes do not specify behaviours directly but rather encode molecular products that lead to the development of brains and bodies through which behaviour is expressed. An important task is therefore to understand how adaptive behaviours can evolve by the mere process of natural selection acting on genes that do not directly code for behaviours. A spectacular demonstration of the power of natural selection comes from experiments in the field of evolutionary robotics [1],[2], where scientists have conducted experimental evolution with robots. Evolutionary robotics has also been advocated as a method to automatically generate control systems that are comparatively simpler or more efficient than those engineered with other design methods because the space of solutions explored by evolution can be larger and less constrained than that explored by conventional engineering methods[3]. In this essay we will examine key experiments that illustrate how, for example, robots whose genes are translated into simple neural networks can evolve the ability to navigate, escape predators, coadapt brains and body morphologies, and cooperate. We present mostly—but not only—experimental results performed in our laboratory, which satisfy the following criteria. First, the experiments were at least partly carried out with real robots, allowing us to present a video showing the behaviours of the evolved robots. Second, the robot's neural networks had a simple architecture with no synaptic plasticity, no ontogenetic development, and no detailed modelling of ion channels and spike transmission. Third, the genomes were directly mapped into the neural network (i.e., no gene-to-gene interaction, time-dependent dynamics, or ontogenetic plasticity). By limiting our analysis to these studies we are able to highlight the strength of the process of Darwinian selection in comparable simple systems exposed to different environmental conditions. There have been numerous other studies of experimental evolution performed with computer simulations of behavioural systems. Reviews of these studies can be found in [4]–[6]. Furthermore, artificial evolution has also been applied to disembodied digital organisms living in computer ecosystems, such as Tierra [7] and Avida[8], to address questions related to gene interactions [9], evolution of complexity [10], and mutation rates [11],[12].


Propaganda enganosa o CONAR tira do ar, e teoria científica morta o MEC/SEMTEC/PNLEM enterra?

Eu acabei de ver um vídeo do CONAR na televisão sobre propaganda enganosa que termina com a seguinte declaração:

Propaganda enganosa o CONAR tira do ar.

Aí eu fiquei matutando, e me perguntei:

Desde 1980 a Nomenklatura científica sabe que o neodarwinismo é uma teoria científica morta que posa somente como ortodoxia em nossos livros didáticos (Obrigado Stephen Jay Gould, [*] você tinha cojones para dizer verdades que os darwinistas ortodoxos fundamentalistas pós-modernos chiques e perfumados não gostam de ler e nem de ouvir). Ora, se a comunidade científica sabia disso desde 1980, o que nós vimos nos livros didáticos publicados desde então é puro 171 epistêmico. E o pior de tudo, com aprovação do MEC.

Se o CONAR tira do ar propaganda enganosa, por que o MEC/SEMTEC/PNLEM não tirou ainda de nossos livros didáticos uma teoria científica que morreu em 1980? Eu sei que falar de um morto de três décadas 'cheira mal', muito mal, mas eu pergunto: quando que o MEC/SEMTEC/PNLEM vai enterrar definitivamente esta teoria científica? E informar textualmente nos novos livros didáticos aos alunos que eles foram lesados intencionalmente na sua cidadania (direito à informação científica objetiva e atualizada) por três décadas?

A nova teoria geral da evolução - a SÍNTESE EVOLUTIVA MODERNA já está vindo, e este morto não saí do caminho, oops de nossos livros??? Isto é um flagrante 171 epistêmico, e nenhum dos autores me processa por danos morais. Por quê? Porque eles sabem que Darwin vai junto comigo para o banco dos réus...

Senhores, ciência e mentira não podem andar de mãos dadas. E devemos seguir as evidências aonde elas forem dar.

Darwin? Darwin morreu! Viva Darwin!!!


[*]  S. J. Gould, " Is a new and general theory of evolution emerging?", Paleobiology 1980 6: 119-130.


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos podem ler gratuitamente este artigo da Paleobiology e de mais 15.000 publicações científicas.

Adriana Calcanhoto - Mais feliz

E esta, então? Demais, guria, tri-legal!

Adriana Calcanhoto - Devolva-me

Esta então... é demais!

Adriana Calcanhoto - Mentiras

Esta é uma dentre as músicas cantadas por Adriana Calcanhoto que eu gosto muito.

O que significa a Companhia das Letras publicar livro apontando insuficiências epistêmicas em Darwin?

Gente, quem diria, a Companhia das Letras, a casa publicadora oficial de Richard Dawkins no Brasil, teve a ousadia de publicar o livro Evolução em quatro dimensões - DNA, comportamento e a história da vida
de Eva Jablonka e Marion J.Lamb (destacado aqui neste blog) apontando insuficiências epistêmicas em Darwin, apontando para a incorporação do lamarckismo em nova teoria de evolução para livrar a cara de Darwin, y otras cositas mais.

Gente, eu fui dormir e tive um dos sonos mais leves de minha vida. Depois que acordei me veio a pergunta: O que significa a Companhia da Letras publicar livro apontando insuficiências epistêmicas em Darwin? Significa muito. Especialmnte em termos editoriais. Esta editora   só publicava (até 2009) livros que defendiam a ortodoxia do Darwinismo, à exceção dos livros de Richard Dawkins (aquele que, segundo James Shapiro disse no Fermilab, "vive no mundo da fantasia") mais ideológicos (promoção do ateísmo via ciência) do que científicos. 

O que isso significa? Neste blog, aqui e ali, eu mencionava que a Companhia das Letras iria publicar livro tal e tal contra Darwin. Não estou dizendo que 'eu fiz a cabeça' dos Schwarczes, mas eles, sem querer querendo ousaram desafiar a Nomenklatura científica, e novos livros tipo o de Jablonka e Lamb serão publicado pela Companhia das Letras ou por outras editoras que, por esta iniciativa dos Schwarczes, se sentirão mais corajosas em desafiar a Darwin, sem medo de serem felizes $$$. Há quase uma década eu disse para o meu amigo Luiz Fernando Emediato, editor da Geração Editorial que tinha alguns livros nesta veia de Jablonka e Lamb. Ele não mostrou interesse, pois achava que iria perder dinheiro. Emediato, o Enézio acertou mais uma! 

Além de influnciar, possivelmente, outras editoras a mijarem fora do caco de Down, quem sabe jornais como a Folha de São Paulo, não se sentirão mais livres das amarras darwinistas e darão a conhecer aos seus leitores as informações sonegadas pela sua editoria de ciência por mais de uma década? E quem sabe a FSP volta a ser o maior jornal do Brasil? E quem sabe a FSP finalmente vai praticar o jornalismo objetivo e apartidário que prega no seu Manual de Redação???

O que significa a Companhia da Letras publicar livro apontando insuficiências epistêmicas em Darwin? Significa muito. especialmente que os guardas-cancelas, oops, os peer-reviewers (é très chic, chérie, très chic) da Nomenklatura científica vão ter agora muito mais dificuldades de impedir a livre circulação de ideias para um maior número de pessoas.

Gente, e pensar que eu tive parte nessa história!!!

Quem viver, verá...

Fui, nem sei por que, pensando qual será a cara do Marcelo Leite e do Claudio Angelo e da Galera dos meninos e meninas de Darwin quando lerem este blog (eles são meus leitores de carteirinha) e tomarem conhecimento de que a Companhia das Letras está ajudando a desconstruir Darwin...

Chimp Spielberg filma o primeiro documentário feito por um primata

Via: Atheist Media Blog

Mohandas Karamchand Gandhi (02/10/1869-30/01/1948)

sábado, janeiro 30, 2010

Mahatma Gandhi - Phil Fung Studios

"Perderei a minha utilidade no dia em que abafar a voz da consciência em mim."

Marcelo Leite: a citação "fajuta" de Prêmio Nobel da Paz virou Pachaurigate

Recentemente, Marcelo Leite, da Folha de São Paulo, tentou dourar a pílula sobre o comportamento bandido dos cientistas do IPCC e a questão do aquecimento global ser provocado antropogenicamente. O tiro saiu pela culatra: a citação que Leite afirmou ser fajuta, não era nada fajuta porque ganhou o prêmio Nobel da Paz em 2007 juntamente com Al Gore. Agora, virou Pachaurigate:

Pachauri: the real story behind the Glaciergate scandal
Dr Pachauri has rapidly distanced himself from the IPCC's baseless claim about vanishing glaciers. But the scientist who made the claim now works for Pachauri, writes Christopher Booker

Dr Rajendra Pachauri, chairman of the UN's Intergovernmental Panel on Climate Change Photo: STEFAN WERMUTH/REUTERS

By Christopher Booker
Published: 5:44PM GMT 23 Jan 2010

I can report a further dramatic twist to what has inevitably been dubbed "Glaciergate" – the international row surrounding the revelation that the latest report on global warming by the UN's Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) contained a wildly alarmist, unfounded claim about the melting of Himalayan glaciers. Last week, the IPCC, led by its increasingly controversial chairman, Dr Rajendra Pachauri, was forced to issue an unprecedented admission: the statement in its 2007 report that Himalayan glaciers could disappear by 2035 had no scientific basis, and its inclusion in the report reflected a "poor application" of IPCC procedures.

What has now come to light, however, is that the scientist from whom this claim originated, Dr Syed Hasnain, has for the past two years been working as a senior employee of The Energy and Resources Institute (TERI), the Delhi-based company of which Dr Pachauri is director-general. Furthermore, the claim – now disowned by Dr Pachauri as chairman of the IPCC – has helped TERI to win a substantial share of a $500,000 grant from one of America's leading charities, along with a share in a three million euro research study funded by the EU.

At the same time, Dr Pachauri has personally been drawn into a major row with the Indian government, previously among his leading supporters, after he described as "voodoo science" an official report by the country's leading glaciologist, Dr Vijay Raina, which dismissed Dr Hasnain's claims as baseless. Now that the IPCC has disowned the prediction made by his employee, Dr Pachauri has been castigated by India's environment minister, Jairam Ramesh, and called on by Dr Raina to apologise for his "voodoo science" charge. At a stormy Delhi press conference on Thursday, Dr Pachauri was asked whether he intended to resign as chairman of the IPCC – on whose behalf he collected a Nobel Peace Prize two years ago, alongside Al Gore – but he refused to answer questions on this fast-escalating row.

To understand why the future of Himalayan glaciers should arouse such peculiar passion, one must recall why they have long been a central icon in global warming campaigners' propaganda. Everything that polar bears have been to the West, the ice of the Himalayas has been – and more – to the East. This is because, as Mr Gore emphasised in his Oscar-winning film An Inconvenient Truth, the vast Himalayan ice sheet feeds seven of the world's major river systems, thus helping to provide water to 40 per cent of the world's population.

Read more here/Leia mais aqui: The Telegraph

Evolução em quatro dimensões: por que se faz necessária uma reforma teórica em Biologia evolutiva?

EVOLUÇÃO EM QUATRO DIMENSÕES - DNA, comportamento e a história da vida
Eva Jablonka e Marion J. Lamb

O francês Jean-Baptiste Lamarck (1744-1829) seria a última pessoa que alguém poderia pensar em chamar para salvar a teoria da evolução de Charles Darwin. Afinal, Lamarck acabou entrando para a história como o autor da teoria evolutiva errada, e "lamarckismo" virou sinônimo de engano para os biólogos. Isso porque sua teoria pregava a herança de caracteres adquiridos, quando Darwin mostraria corretamente que a evolução ocorre por meio da seleção natural de variações aleatórias.

Em Evolução em quatro dimensões, Eva Jablonka e Marion J. Lamb resgatam as ideias do maltratado naturalista francês. Segundo as autoras, o darwinismo hoje precisa de uma reforma, de uma nova síntese - e tal síntese passa pela incorporação do lamarckismo na teoria evolutiva. Descobertas da biologia molecular nos últimos cinquenta anos mostram que a evolução vai além da seleção de variações casuais nos genes.

As autoras identificam quatro "dimensões" na evolução - quatro sistemas de herança que desempenham um papel na evolução: a genética, a epigenética (ou transmissão de características celulares, alheia ao DNA), a comportamental e a simbólica (transmissão por meio da linguagem e de outras formas de comunicação simbólica). Em todos esses sistemas ocorre alguma herança de caracteres adquiridos, novamente uma heresia lamarckista que Jablonka e Lamb incorporam ao repertório do darwinismo, não para derrubá-lo, mas para mostrar que há muito mais variação disponível para a seleção natural do que sonha a biologia.

Fonte: Companhia das Letras



Darwin é propalado aos quatro cantos como tendo sido o homem que teve a maior ideia que toda a humanidade já teve: a origem e evolução das espécies através da seleção natural, e que o fato, Fato, FATO da evolução era explicado por uma teoria tão cientificamente corroborada no contexto de justificação teórica como a lei da gravidade. Tudo nada mais falso. Desde 1859 que Darwin não fecha as contas epistemicamente para explicar a origem e evolução da diversidade e complexidade das coisas bióticas.

A proposta de Jablonka e Lamb de incorporar aspectos teóricos lamarckistas me parece mais uma tentativa de teoria ad hoc para livrar a cara de Darwin. A SÍNTESE EVOLUTIVA AMPLIADA deve ir mais longe, se a Nomenklatura científica deixar, se realmente não for uma teoria selecionista.

Eu pago pra ver!

Instituto amazonense moderniza rede interna

sexta-feira, janeiro 29, 2010

JC e-mail 3940, de 29 de Janeiro de 2010.

7. Instituto amazonense moderniza rede interna

Parque tecnológico do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) recebeu investimento inicial de R$ 1 milhão para modernização de estrutura física

Com recursos provenientes da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), por meio do projeto "Grandes Vultos" e "Projeto Infra", o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) reestruturou 40% de seu parque tecnológico. A informação é de Moysés Lima, gerente do Grupo Técnico de Informática (GTI) do instituto.

Segundo ele, esse primeiro investimento foi usado para equiparar a rede interna de comunicação à velocidade usada no Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), em Brasília, e principalmente modernizar os equipamentos visando oferecer, em médio prazo, melhores serviços aos servidores e funcionários.

"O novo sistema dará mais credibilidade ao departamento e isso será essencial para manter a confiança do pesquisador nos servidores de dados do Inpa", afirma Lima.

A estimativa é que até o segundo semestre de 2010 o Inpa já esteja conectado internamente com 10 Gb de velocidade em sua rede. "Essa velocidade de conexão interna é a mesma usada pelo MCT. Hoje o Inpa faz parte de uma rede junto a outras dez instituições de pesquisa, então o Instituto precisa oferecer uma navegação rápida para seus usuários. Entre os serviços, destaco a melhoria do SIGTEC, do sistema de suporte ao usuário, de fluidez de dados e a otimização do e-mail interno", comenta.

Revitalização da infraestrutura

Segundo Marden Pimenta, gerente de Redes do Inpa, até final de fevereiro serão trocados os cabos de fibra ótica que fazem a ligação dos três campus do Instituto. "A primeira fase de troca já está completa e estamos interligando os prédios do campus I. Na segunda quinzena de fevereiro vamos finalizar as instalações dos outros dois campi", disse Pimenta.

Ainda nos próximos dois meses, o Inpa passará por mudanças significativas em sua estrutura de Internet, saindo da conexão via cabo para implantar um sistema Wi-fi (tecnologia de interconexão entre dispositivos sem fios) baseado num modelo de rede conhecido como "Mesh".

Lima explica que esse sistema é chamado de "rede orgânica", uma vez que possui capacidade de se autogerenciar através de um "sistema inteligente". Dessa maneira, quando a conexão fica saturada ou sobrecarregada em determinado ponto da rede, o sistema compensará o tráfego por meio de outros pontos menos utilizados, mantendo o fluxo de conexão estável.

Mais segurança

Todos os investimentos, segundo Pimenta, acontecem para garantir mais segurança aos usuários do Inpa, principalmente para que os pesquisados possam armazenar dados das experimentações científicas.

"Vamos oferecer, além de tráfego rápido aos usuários da nossa rede, um sistema seguro e estável. A rede institucional ficará funcional no mínimo 99% do tempo. Em outras palavras, não haverá queda em momento algum, salvo algum período de manutenção do sistema", afirma.

Para Estevão Monteiro de Paula, coordenador de Ações Estratégicas do Inpa (COAE), esses investimentos visam dar apoio para as atividades de pesquisas desenvolvidas no Instituto através da melhoria da infraestrutura tecnológica subsidiando ao pesquisador maior desenvoltura ao trabalhar sem restrições de conexão e armazenamento de dados.

(Kleiton Renzo, Assessoria de Comunicação do Inpa)

Conheça as preocupações dos físicos na "era do LHC"

JC e-mail 3940, de 29 de Janeiro de 2010.

18. Conheça as preocupações dos físicos na "era do LHC"

Em reunião nos EUA, cientistas apontam desafios propostos pelo acelerador de partículas

Algumas dezenas de cientistas se reuniram por dois dias em Los Angeles, nos Estados Unidos, a fim de conversar sobre seus mais alucinados sonhos e esperanças para o universo. Ou pelo menos era essa a ideia.

"Quero determinar as questões que serão respondidas ao longo das próximas nove décadas", disse Maria Spiropolu na véspera da conferência, conhecida como "Cúpula da Física de Universo".

A esperança dela era que o encontro, promovido com o apoio de Joseph Lykken, do Laboratório Nacional Fermi de Aceleração de Partículas, e de Gordon Kane, da Universidade do Michigan, replicasse o sucesso de um discurso do matemático David Hilbert, que em 1900 estabeleceu uma agenda com as 23 questões matemáticas que precisavam ser resolvidas no século XX.

Spiropolu é professora do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), e cientista sênior no Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern), nas cercanias de Genebra.

No mês que vem o Large Hadron Collider (LHC), o mais poderoso acelerador de partículas já construído, começará a promover colisões entre prótons e a gerar faíscas do fogo primevo, em um esforço para recriar as condições que predominaram no universo no primeiro trilionésimo de segundo de sua criação.

Os físicos estão especulando há 30 anos quanto ao que verão quando isso acontecer. E agora a hora de desembrulhar os presentes de Natal se aproxima.

Organizada em forma de "duelos" sobre visões de mundo, mesas redondas e sessões definidas como "diatribes e polêmicas", a conferência foi descrita como um evento no qual os físicos poderiam discutir de forma irrestrita aquilo que está por acontecer, evitando as ideias convencionais e "explorando a ousadia, mesmo que sob o risco de estarem errados", de acordo com as instruções que a Dra. Spiridopolu distribuiu por e-mail aos convidados. "Queremos saber aquilo que os incomoda e aquilo que os inspira", ela acrescentou.

Para reforçar ainda mais o clima de informalidade, os participantes foram hospedados em um hotel Hyatt de Hollywood que no passado era conhecido como "casa da baderna", por conta das confusões aprontadas pelos astros de rock que lá se hospedavam.

O eclético elenco de participantes incluía Larry Page, co-fundador do Google, que estava distribuindo os novos celulares de sua empresa como presente aos amigos; Elon Musk, criador do serviço de pagamentos online PayPal e hoje empresário no setor de carros elétricos, que sediou os eventos do primeiro dia na fábrica de sua SpaceX, que está construindo foguetes que transportarão carga e, possivelmente, astronautas para a Estação Espacial Internacional; e o cineasta Jesse Dylan, autor de um documentário sobre o novo acelerador de partículas.

Em uma das tardes do encontro, o ilusionista David Blaine foi ao refeitório da Space X para mostrar alguns truques de cartas aos físicos. O grupo de participantes provou que funciona tão bem na área da preocupação quanto na dos sonhos. "Estamos confusos", explicou Lykken, "e o mais provável é que continuemos confusos ainda por muito tempo".

O primeiro palestrante do dia foi Lisa Randall, física teórica da Universidade Harvard que começou com uma citação de Galileu no sentido de que a Física havia evoluído mais pelo trabalho em pequenos problemas do que pela conversa sobre os maiores - uma das questões de que ela trata em seu novo sobre ciência e o acelerador de partículas.

E por isso Randall enfatizou os desafios que a disciplina terá de superar. Os físicos têm fortes expectativas e defendem teorias elegantes sobre aquilo que vão encontrar, ela disse, mas, assim que começam a observar os detalhes dessas teorias, "elas deixam de ser tão bonitas".

Por exemplo, uma das grandes esperanças é de que surja alguma explicação para o fato de que a gravidade represente uma força tão fraca, se comparada às demais forças primordiais da natureza. Como é que um simples ímã de geladeira consegue manter sua posição contra a atração gravitacional exercida por toda a Terra?

Uma solução bastante popular envolve uma hipótese sobre um suposto traço da natureza conhecido como "superssimetria", que faria com que certas discrepâncias matemáticas nos cálculos se cancelassem mutuamente, bem como produziria uma pletora de partículas até o momento não descobertas - conhecidas coletivas como "wimps", uma abreviatura da expressão em inglês para partículas dotadas de massa e com interação fraca- e, presumivelmente, uma grande safra de prêmios Nobel.

Caso proceda o que os físicos definem como "o milagre das wimps", a superssimetria poderia também explicar a misteriosa matéria escura, que segundo os astrônomos compõem 25% do universo. Mas não existe qualquer partícula de superssimetria que atenda a todas essas necessidades sozinha, apontou Randall, sem que seja preciso alterar de alguma maneira os parâmetros.

Além disso, acrescentou a estudiosa, é preocupante que os efeitos superssimétricos não se tenham demonstrado como pequenos desvios com relação às previsões da Física atual, conhecidas como Modelo Padrão. "Muita coisa não acontece", disse Randall. "Seria de esperar que tivéssemos encontrado pistas, a essa altura, mas não foi o que aconteceu".

O momento é de entusiasmo, ela concluiu, mas as respostas que os físicos procuram podem não surgir tão rápido ou com tanta simplicidade quanto muitos prefeririam. Eles devem se preparar para surpresas e problemas. "Não consigo evitar", disse Randall. "Gosto de me preocupar".

Depois de Randall veio a palestra de Kane, que se define como otimista e tentou provocar a plateia ao alegar que a Física estava a ponto de "contemplar a porção submersa do iceberg". O LHC em breve provará a superssimetria, ele afirmou, e isso permitirá que os físicos encontrem explicações sobre praticamente tudo que existe no mundo físico, ou pelo menos na Física de partículas. Mas ele e outros palestrantes foram criticados por não mostrarem ousadia suficiente nas discussões em mesa redonda que se seguiram.

Michael Turner, da Universidade de Chicago, perguntou onde estavam as grandes ideias, onde estava a paixão? Aliás, ele também perguntou onde estava o universo. O grande avanço descrito por Kane como iminente não inclui explicação para a chamada energia escura, que parece estar acelerando a expansão do universo. Kane resmungou que as soluções propostas para a energia escura não afetavam a Física de partículas.

Outras preocupações foram mencionadas. Lawrence Krauss, cosmologista da Universidade Estadual do Arizona, disse que a maioria das teorias seriam negadas. "Temos a ideia de que elas estão certas porque continuamos falando a respeito delas", disse. Não só a maioria das teorias é incorreta, disse ele, como a maioria dos dados também o são, e estão sujeitos a fortes incertezas iniciais. A história recente da Física, ele afirmou, está repleta de descobertas promissoras que desapareceram porque não foi possível repeti-las. E assim prosseguiu a discussão.

Maurizio Pierini, um jovem físico do Cern, apontou que os testes da nova Física haviam sido concebidos primordialmente para descobrir a superssimetria. "Mas e se não houver superssimetria?", ele questionou. Outra suposição automática entre os físicos - a de que a matéria escura é uma simples partícula, em lugar de todo um espectro de comportamento obscuros - pode não ser verdade, foram informados os participantes. "Será que a natureza realmente ama a simplicidade?", perguntou Aaron Pierce, da Caltech.

Neal Weiner, da Universidade de Nova York, que sugeriu a existência de forças, e não só partículas, no lado escuro, disse que até recentemente as ideias sobre a matéria escura eram propelidas por conceitos de teoria das partículas, e não por dados.

"Aprenderemos em última análise que talvez a coisa pouco tenha a ver conosco", disse Weiner. "Quem sabe o que encontraremos do lado escuro?" Em terminado momento, Mark Wise, físico teórico da Caltech, se sentiu compelido a lembrar aos colegas que o momento não é deprimente para a Física, e mencionou o LHC e outras novas experiências, realizadas no espaço e na Terra. "Não devemos chamar nossa era de deprimente", disse.

Randall imediatamente interferiu. "Concordo em que o momento é bom", disse. "Faremos progresso pensando sobre os pequenos problemas". No segundo dia, a discussão prosseguiu em um auditório da Caltech, e terminou com a exibição do filme de Dylan e com uma palestra histórica de Lyn Evans, o cientista do Cern que supervisionou a construção do LHC ao longo de 15 anos de altos e baixos, entre os quais uma desastrosa explosão logo que o complexo começou a funcionar, em 2008.

Evans parecia relaxado, e disse que "é uma bela máquina. Agora devemos permitir que a aventura da descoberta comece".

Spiropolu disse que já havia começado. Seu detector, afirmou, havia registrado 50 mil colisões de prótons durante os testes do LHC em dezembro, recapitulando boa parte da Física de partículas do século 20. Agora estamos no século 21, afirmou Spiropulu, "e tudo aquilo que discutimos nos últimos dias será necessário imediatamente".

(The New York Times)

(Terra, 29/1)

O desenvolvimento científico no Brasil do século XIX

JC e-mail 3940, de 29 de Janeiro de 2010.

19. O desenvolvimento científico no Brasil do século XIX

Livro sobre a ciência no Brasil na época da chegada da corte de D. João VI deverá ser lançado ainda neste ano

No início do século XIX, um dos limites do centro do Rio de Janeiro era a rua da Vala. Formada em toda a sua extensão por um canal de esgoto, parcialmente coberto por lages, a atual Uruguaiana era, no discurso médico da época, um dos pontos insalubres da cidade. O alto dos morros, onde se localizavam quase todas as instituições religiosas, estava, ao contrário, entre as áreas consideradas como mais aprazíveis.

O cotidiano dos habitantes do Rio era marcado pela convivência com regiões alagadiças - focos de mosquitos e doenças - e, ao mesmo tempo, pela dificuldade de abastecimento de água potável, apesar dos diversos chafarizes espalhados pela região urbana.

Todos esses pontos considerados importantes da cidade à época da chegada da Corte portuguesa ao Brasil estão sinalizados no esquema cartográfico do livro que está sendo organizado pelas pesquisadoras Lorelai Kury, da Casa de Oswaldo Cruz (Fiocruz), e Heloísa Gesteira, do Museus de Astronomia e Ciências Afins (Mast).

Fruto do seminário "As ciências no Brasil no período joanino", organizado pelas duas instituições e que, com apoio da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), em 2008 discutiu o tema, o livro, atualmente objeto de negociações com uma editora universitária, deve sair ainda em 2010.

Com a criação de várias instituições científicas, como a Escola Médico-Cirúrgica e a Real Biblioteca, o pensamento corrente é de que a transferência da família real para o Rio de Janeiro seria um ponto de ruptura no desenvolvimento da ciência no país. Não é exatamente o que pensam os autores dos vários artigos reunidos no livro.

Lorelai explica por quê: "Na verdade - e esse é um consenso entre os autores -, podemos, em certa medida, falar em continuidade de um processo que já vinha ocorrendo desde meados do século XVIII. Com a vinda de D. João - ele só se torna D. João VI depois da morte de D. Maria I -, as políticas de valorização da cidade como centro político só se fortalecem. E passa a predominar também a sensação de se imaginar o Rio Janeiro agora como centro de poder", diz Lorelai.

Segundo a pesquisadora, paralela à construção de um campo científico, começava a se consolidar entre os homens de ciência lusoamericanos a certeza de que era possível produzir conhecimento numa nação situada nos trópicos.

Na segunda metade do século XVIII, foram fundadas, no Rio, a Academia Científica e a Casa de História Natural, numa tendência que prossegue, em princípios do XIX, quando se instalam por aqui diversas instituições, como a Real Biblioteca, a Real Academia Militar e o Jardim Botânico.

Igualmente importantes para a ciência são a migração para o Brasil da Fisicatura Mor, órgão que fiscaliza o exercício da prática médica e normatiza a formação acadêmica; e da Imprensa Régia, com a publicação dos primeiros jornais e livros impressos no Rio de Janeiro e na Bahia, possibilitando a formação e aprimoramento de grupos técnicos e a divulgação de trabalhos científicos.

"A publicação de livros técnicos e manuais de medicina, por exemplo, é um grande diferencial para a formação científica no país", fala a pesquisadora. O Rio de Janeiro paulatinamente vai se tornando também um lugar de produção de conhecimento. "Criava-se no Brasil um espaço público letrado, de circulação de ideias e formação de opinião; estabeleciam-se novas formas de sociabilidade", explica a pesquisadora.

O fim das guerras napoleônicas, em 1815, marcou também o aumento na vinda de viajantes estrangeiros ao país e a quantidade de estudos sobre o Brasil cresce de forma significativa. "Foi um divisor de águas, já que a quantidade e a qualidade de informações, comparadas às pesquisas anteriores e publicações resultantes, passaram a ser enormes", diz a pesquisadora.

O estabelecimento da Corte no Rio de Janeiro contribuiu para a manutenção da unidade territorial da América portuguesa. "Nesse sentido, a produção de conhecimento sobre o espaço e as populações brasileiras foi estratégica neste processo. Posteriormente, durante a Independência e a construção do Estado imperial, instituições criadas no período joanino tiveram papel de destaque no mapeamento da nação brasileira", explica Lorelai.

Outro marco importante foi a criação, em 1808, da Escola Anatômica, Cirúrgica e Médica do Rio de Janeiro - inicialmente nas dependências do Hospital Real Militar e Ultramar, e mais tarde sediada no antigo Colégio dos Jesuítas, sede do Hospital Real Militar e Ultramar, no morro do Castelo -, quando institui-se o curso de cirurgia no Rio de Janeiro.

Sua proposta curricular, inicialmente restrita a conhecimentos de cirurgia e de anatomia, passa a incluir também as disciplinas de anatomia e fisiologia, terapêutica cirúrgica e particular, medicina cirúrgica e obstétrica, medicina, química e elementos de matéria médica e de farmácia.

Antes da criação da escola, o exercício da medicina era facultado somente a físicos e cirurgiões licenciados pelo cirurgião-mor do Reino. Eles estavam habilitados apenas a aplicar sangrias e ventosas, a curar feridas e fraturas, mas eram impedidos de prescrever medicamentos, o que só era permitido a médicos formados em Coimbra.

"A criação das escolas - e, posteriormente, das faculdades - de medicina significava também o fim dessas restrições e a possibilidade de formação de médicos no país", diz Lorelai. No exercício das práticas médicas, no entanto, convivem tanto os profissionais de formação acadêmica quanto aqueles, menos formais, que praticam o conhecimento popular.

Os próprios limites do centro da cidade também passam a se estender para os lados do Campo de Santana, onde já ocorriam algumas festas oficiais, com a valorização das terras em redor e a instalação de residências da nobreza na região. Com isso, obras públicas também começam a transformar toda aquela área. O mesmo acontece em São Cristóvão, com a mudança da família real para a quinta construída pelo comerciante português Elias Antonio Lopes naquele bairro.

"Nessa nova configuração, médicos e engenheiros ganham importância já que são os profissionais a ditar os critérios de salubridade que norteiam as mudanças na cidade", diz. Se até o início do século XIX, se olhava para o Rio de Janeiro como um lugar quase impossível de se viver, depois o olhar passa a ser mais pragmático, de intervenção, mas também mais otimista, de pensar o que se podia fazer para melhorar. "A ideia de incompatibilidade de uma civilização nos trópicos passa a se contrapor à formação de uma identidade nacional", conclui.

(Vilma Homero, Boletim On-line da Faperj)

Encontro vai discutir a participação das mulheres na ciência

JC e-mail 3940, de 29 de Janeiro de 2010.

20. Encontro vai discutir a participação das mulheres na ciência

Encontro Brasil-Reino Unido sobre Mulheres e Ciências será na segunda-feira, dia 1º, em Brasília

O evento é organizado pelo British Council Brasil, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq) e a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM).

O objetivo é estimular a discussão e a realização de pesquisas no Brasil e outros países da América Latina sobre a temática gênero e ciência, com foco em políticas públicas. A abertura contará com a participação da ministra Nilcéa Freire, da SPM, da vice-presidente do CNPq, Wrana Panizzi e ainda com Jim Scarth, diretor do British Council Brasil.

O evento vai até terça-feira, dia 2, discutindo temas como a articulação entre pesquisadores com vistas à formação de uma rede de pesquisa; incentivo a consolidação de políticas públicas para a maior inserção e participação das mulheres em todos os campos da ciência no Brasil e na América Latina; troca de experiências e a cooperação científica entre o Brasil, América Latina e Reino Unido.

Entre os palestrantes do encontro está a especialista britânica Teresa Rees, representante do Reino Unido, que fará duas palestras: uma sobre "Mulheres e Ciências - panorama da realidade Europeia" e outra sobre "A Trajetória das Políticas Públicas de Gênero nas Ciências: Sucessos e Desafios na União Europeia". A diretora do Regional Office for Latin America and the Caribbean International Council for Science, Alice Abreu, irá abordar "Mulheres e Ciências: panorama da realidade Brasileira".

O encontro começa na segunda, dia 1º, às 14h, na sede CNPq (SEPN 507, Bloco "B", Sala Álvaro Alberto, 4º andar).

(Assessoria de Comunicação do CNPq)

Descoberta de fóssil reforça parentesco entre aves e dinossauros

JC e-mail 3940, de 29 de Janeiro de 2010.

26. Descoberta de fóssil reforça parentesco entre aves e dinossauros

Dinossauro era parecido com um avestruz, mas tinha rabo comprido. Réptil da família dos alvarezsaurídeos foi encontrado na China

A tese de que parte dos dinossauros não acabou, mas evoluiu e se transformou em aves, está se tornando cada vez mais comprovada. A descoberta de um pequeno fóssil na China reforça a teoria. Já batizado de Haplocheirus sollers, ele é um réptil parente próximo dos primeiros pássaros, e ajuda a esclarecer algumas lacunas do elo perdido entre dinossauros e pássaros.

O réptil descoberto é da família dos alvarezsaurídeos, um grupo semelhante às aves, mas que não se transformou nelas. A novidade é que o H. sollers é 63 milhões de anos mais velho que os seus familiares conhecidos. "É como encontrar um parente perdido há muito tempo", compara o cientista Jonah Choiniere, da Universidade George Washington, nos EUA, em entrevista ao G1.

Com a descoberta, publicada na revista "Science", o fóssil se torna o ancião dos alvarezsaurídeos, e por consequência o bicho de sua família mais próximo do grupo maniraptora, o ramo evolutivo dos dinossauros que inclui as aves.

A reconstituição feita pelos cientistas mostra que o H. sollers era parecido com um avestruz, mas com um rabo comprido. O bicho viveu há cerca de 160 milhões de anos, no período jurássico superior, e tinha entre 190 e 230 centímetros de comprimento. No lugar do bico, levava pelo menos trinta pequenos dentes presos aos maxilares.

Parente argentino

A característica mais marcante da dos alvarezsaurídeos era a presença de uma garra única em cada mão, que era usada provavelmente para cavar. No H. sollers, é diferente. Ele tinha três dedos, com uma pequena garra na ponta de cada um. Os cientistas sugerem que, ao longo do tempo, esses dedos se fundiram em uma só garra gigante.

Parentes do dinossauro encontrado na China viveram próximos ao Brasil. "Conhecemos alguns alvarezsaurídeos na Argentina. O nome deles é 'Patagonykus' and 'Alvarezsaurus'", conta Choiniere. Assim como os outros parentes, os argentinos eram menores que o H. sollers, sugerindo que os animais foram diminuindo ao longo do tempo.

(Iberê Thenório)

(G1, 29/1)

A 'profecia' de Robert Shapiro: em 2011 nós compreenderemos a origem da vida

Falta apenas um anos para vermos se a 'profecia' de Robert Shapiro se cumpre:

Entendermos finalmente sobre a origem da vida.


Professor Emeritus, Senior Research Scientist, Department of Chemistry, New York University. Author, Planetary Dreams

We shall understand the origin of life within the next 5 years

Two very different groups will find this development dangerous, and for different reasons, but this outcome is best explained at the end of my discussion.

Just over a half century ago, in the spring of 1953, a famous experiment brought enthusiasm and renewed interest to this field. Stanley Miller, mentored by Harold Urey, demonstrated that a mixture of small organic molecules (monomers) could readily be prepared by exposing a mixture of simple gases to an electrical spark. Similar mixtures were found in meteorites, which suggested that organic monomers may be widely distributed in the universe. If the ingredients of life could be made so readily, then why could they not just as easily assort themselves to form cells?

In that same spring, however, another famous paper was published by James Watson and Francis Crick. They demonstrated that the heredity of living organisms was stored in a very large large molecule called DNA. DNA is a polymer, a substance made by stringing many smaller units together, as links are joined to form a long chain.

The clear connection between the structure of DNA and its biological function, and the geometrical beauty of the DNA double helix led many scientists to consider it to be the essence of life itself. One flaw remained, however, to spoil this picture. DNA could store information, but it could not reproduce itself without the assistance of proteins, a different type of polymer. Proteins are also adept at increasing the rate of (catalyzing) many other chemical reactions that are considered necessary for life. The origin of life field became mired in the "chicken-or-the egg" question. Which came first: DNA or proteins? An apparent answer emerged when it was found that another polymer, RNA (a cousin of DNA) could manage both heredity and catalysis. In 1986, Walter Gilbert proposed that life began with an "RNA World." Life started when an RNA molecule that could copy itself was formed, by chance, in a pool of its own building blocks.

Unfortunately, a half century of chemical experiments have demonstrated that nature has no inclination to prepare RNA, or even the building blocks (nucleotides) that must be linked together to form RNA. Nucleotides are not formed in Miller-type spark discharges, nor are they found in meteorites. Skilled chemists have prepared nucleotides in well-equipped laboratories, and linked them to form RNA, but neither chemists nor laboratories were present when life began on the early Earth. The Watson-Crick theory sparked a revolution in molecular biology, but it left the origin-of-life question at an impasse.

Fortunately, an alternative solution to this dilemma has gradually emerged: neither DNA nor RNA nor protein were necessary for the origin of life. Large molecules dominate the processes of life today, but they were not needed to get it started. Monomers themselves have the ability to support heredity and catalysis. The key requirement is that a suitable energy source be available to assist them in the processes of self-organization. A demonstration of the principle involved in the origin of life would require only that a suitable monomer mixture be exposed to an appropriate energy source in a simple apparatus. We could then observe the very first steps in evolution.

Read more here/Leia mais aqui: The Edge




Alô MEC/SEMTEC/PNLEM - Shapiro é uma das maiores autoridades nesta área de origens da vida. Ele afirma que só em 2011 é que nós compreenderemos melhor sobre a origem da vida.

Sr. Ministro, dê uma olhada em nossos atuais livros didáticos de Biologia do ensino médio. Especialmente na seção de evolução química. Eu, se fosse o Sr., chamava os autores às chinchas, pois Shapiro disse que sobre o Misterium tremendum nós ainda pouco compreendemos.

Eu acho que a 'profecia' de Shapiro vai dar chabú...

Fui, sem saber porque, pensando no Calvin e no Haroldo...

Fodor e Piattelli-Palmarini dizem porque Darwin entendeu errado sobre a evolução

Did Charles Darwin get it wrong?
After all the Darwin celebrations, a controversial new book aims to undermine major parts of his scientific legacy. Peter Forbes looks at the arguments and asks scientists if the critics have a case

Friday, 29 January 2010

The Darwin anniversary celebrations last year were the most lavish ever for a British scientist. Now, with the garlands and bunting stored away, comes the party pooper, in the form of Jerry Fodor and Massimo Piattelli-Palmarini's book What Darwin Got Wrong (Profile, £20). Richard Dawkins's friend, the US philosopher Daniel Dennett, once noted to him that if he ever fell on hard times he could make a million dollars in a week by proposing to author a book entitled "Confessions of an Ex-Darwinian". Hence the inflammatory and tendentious title of this book.

Perhaps there was a risk in making such a fuss of the great man that what is known about evolution now and what Darwin wrote 150 years ago should become confused in the popular mind. Darwin was writing speculatively, before there was any scientific knowledge of genetics or the chemistry of life.

We are living in the golden age of biology, with discoveries pouring from the genome projects and even the prospect of personal, consumer genomes available at a modest price within five to ten years. Science honours Darwin as a pioneer, at the very beginning of modern biology, not the man who brought the holy tablets and whose writ must run for evermore.

New twists to the story of life: a bust of Charles Darwin at the Natural History Museum

So why would Jerry Fodor (philosopher) and Massimo Piattelli-Palmarini (cognitive scientist) be so concerned to refute aspects of Darwin's theory? Their book makes it very clear that an academic turf war lies behind it all. The stimulus was the outrage Fodor and Piattelli-Palmarini felt for what they see as the misuse of Darwinism in the social sciences. Evolutionary psychology, in particular, gets their goat.

Evolutionary psychologists claim that the human mind was essentially formed by our life as hunter-gatherers in the Pleistocene ice age: we were adapted to that so aren't very well adapted to life in the shopping mall. These stories are fascinating, maybe true in some cases, but are untestable. The book includes a 15-page dossier of quotes from the culprits, the star turn being Steven Pinker.

Fodor and Piattelli-Palmarini think that the best way to clear these pesky theorists from the campuses is to attack the idea of adaptive evolution at its root. Their title suggests that it is Darwin himself they are gunning for but, in fact, their target is an updated Darwinism enshrined around 50 years ago as the Modern Synthesis or Neo-Darwinism.

Beginning with the rediscovery of Mendel's work in 1900, genetics had posed some problems for the theory of natural selection. The Modern Synthesis was an amalgam of natural selection and Mendelian genetics.

Its leading contributors were Theodosius Dobzhansky, Ernst Mayr, Julian Huxley, and JBS Haldane. The result was somewhat bland, usually summarised as: "Evolution is considered to have occurred if the frequencies of genes change in a population". It was abstract, statistical, and left out the living creatures themselves, their flesh and bones and chemistry.

Now that the facts about the living creature and its genes are pouring from biology's horn of plenty, scientists are divided on whether the new findings shake the old Modern Synthesis. Polling some biologists and science writers and scanning the literature reveals that about half believe that the new findings can be harmonised with the old.

Richard Dawkins says: "Population genetics' ideas of evolution always treated development as a black box that would one day have to be opened. It is a very good thing that the box is now finally being opened... but the Modern Synthesis still stands." Professor Steven Rose at the Open University disagrees: "If by the Modern Synthesis you mean the reduction of the definition of evolution to changes in gene frequency in a population, I would say no."

Dawkins also stresses that natural selection "is the principal driver (indeed, probably the only) driver of adaptive evolution." Adaptive evolution, for Dawkins, is the result of very many infinitesimally small random variations, but huge changes in the genome are common. The wheat in your bread underwent a six-fold genome copy before it became the crop we know. And natural selection mostly acts to eliminate harmful mutations; it does not seem to be the principle source of new body plans.

Taking account of all this, in a recent Darwin celebratory article, Eugene Koonin, researcher at the US National Institutes of Health, calls for a New Extended Synthesis, writing: "The edifice of the Modern Synthesis has crumbled, apparently beyond repair." Lynn Margulis, James Lovelock's collaborator on the Gaia Theory and "science's unruly earth mother" according to Science magazine, expressed this even more pungently almost 20 years ago. She called Neo-Darwinism "a minor 20th-century religious sect within the sprawling religious persuasion of Anglo-Saxon Biology... Neo-Darwinism is in a complete funk."

Margulis's credibility rests on her achievement (generously recognised by Richard Dawkins) in demonstrating that the single-celled ancestor of all multi-celled life on earth was the result of one bacterial cell swallowing another (the two lived happily together ever after). One small gulp for a bacterium; a giant gobble for the future of life on earth. And about as far from a minor mutation as you can get.

But the biologist and science writer Matt Ridley sees no problem in achieving a New Extended Synthesis: "It is not that it is 'needed'; it 'is happening'. Modern evolutionary developmental biology is replete with examples of discovering both developmental changes and the ways they are being selected, for example in Darwin's finches".

Fodor and Piattelli-Palmarini use a two-pronged attack to try to undermine Neo-Darwinism. First, they detail some of those modern examples. Secondly, they attack the logic of Neo-Darwinism. In their philosophical assault, Fodor and Piattelli-Palmarini pursue several lines, one of which boils down to the old conundrum: natural selection demonstrates the survival of the fittest. What are the fittest? Those that survive. Scientists know that this is a trivial linguistic trick but Fodor and Piattelli-Palmarini pursue this wrangling for 68 pages. At the nadir, Fodor facetiously proposes a research programme to enquire into how objects perfectly fit their hole in space.


Read more here/Leia mais aqui:
The Independent



Eu já disse adeus a Darwin em 1998, e não senti falta nenhuma no meu entendimento da origem e evolução das espécies: o Mysterium tremendum continua Mysterium tremendum. É propalado aos quatro cantos que Darwin explicou a origem e a evolução das espécies: NADA MAIS FALSO. Darwin não chegou nem perto de explicar isso. Depois dele, nem tampouco seus discípulos. Será que a nova teoria geral da evolução - a SÍNTESE EVOLUTIVA AMPLIADA vai explicar? Quem viver, verá!

Darwin morreu, gente! Viva Darwin, gente!!!

A ciência explica a origem humilde da humanidade: por que somos parcialmente humanos...

I, virus: Why you're only half human

29 January 2010 by Frank Ryan

Magazine issue 2745.

WHEN, in 2001, the human genome was sequenced for the first time, we were confronted by several surprises. One was the sheer lack of genes: where we had anticipated perhaps 100,000 there were actually as few as 20,000. A bigger surprise came from analysis of the genetic sequences, which revealed that these genes made up a mere 1.5 per cent of the genome. This is dwarfed by DNA deriving from viruses, which amounts to roughly 9 per cent.

On top of that, huge chunks of the genome are made up of mysterious virus-like entities called retrotransposons, pieces of selfish DNA that appear to serve no function other than to make copies of themselves. These account for no less than 34 per cent of our genome.

Part of our DNA (Image: Mehau Kulyk/SPL/Getty)

All in all, the virus-like components of the human genome amount to almost half of our DNA. This would once have been dismissed as mere "junk DNA", but we now know that some of it plays a critical role in our biology. As to the origins and function of the rest, we simply do not know.

The human genome therefore presents us with a paradox. How does this viral DNA come to be there? What role has it played in our evolution, and what is it doing to our physiology? To answer these questions we need to deconstruct the origins of the human genome - a story more fantastic than anything we previously imagined, with viruses playing a bigger part than you might care to believe.

Around 15 years ago, when I was researching my book Virus X, I came to the conclusion there was more to viruses than meets the eye. Viruses are often associated with plagues - epidemics accompanied by great mortality, such as smallpox, flu and AIDS. I proposed that plague viruses also interact with their hosts in a more subtle way, through symbiosis, with important implications for the evolution of their hosts. Today we have growing evidence that this is true(New Scientist, 30 August 2008, p 38), and overwhelming evidence that viruses have significantly changed human evolution.

Symbiosis was defined by botanist Anton de Bary in 1878 as the living together of dissimilar organisms. The partners are known as symbionts and the sum of the partnership as the holobiont. Types of symbiotic relationships include parasitism, where one partner benefits at the expense of the other, commensalism, where one partner profits without harming the other, and mutualism, in which both partners benefit.

Symbiotic relationships have evolutionary implications for the holobiont. Although selection still operates on the symbionts at an individual level since they reproduce independently, it also operates at partnership level. This is most clearly seen in the pollination mutualisms involving hummingbirds and flowers, where the structure of flower and bill have co-evolved to accommodate each other and make a perfect fit. When symbiosis results in such evolutionary change it is known as symbiogenesis.

Read more here/Leia mais aqui: New Scientist



Origem humilde da humanidade? Eu já li isso em algum lugar...

Vídeo sobre o Ardipithecus ramidus - a maior descoberta científica de 2009

Illustration by J.H. Matternes; graphic by The Washington Post (Oct. 1, 2009)

Watch video here/Assista ao vídeo aqui: Science

Sequência dentária maturacional e as proporções de tecido dentário em uma criança do início do Paleolítico Superior do Abrigo do Lagar Velho, Portugal

Dental maturational sequence and dental tissue proportions in the early Upper Paleolithic child from Abrigo do Lagar Velho, Portugal

Priscilla Baylea,1, Roberto Macchiarellia,b, Erik Trinkausc,1, Cidália Duarted, Arnaud Mazuriere, and
João Zilhãof

-Author Affiliations

aDépartement de Préhistoire, Muséum National d'Histoire Naturelle, 75013 Paris, France;

bDépartement Géosciences, Université de Poitiers, 86000 Poitiers, France;

cDepartment of Anthropology, Washington University, St. Louis, MO 63130;

dDepartamento Património e Aprovisonamento, Câmara Municipal do Porto, 4049-001 Porto, Portugal;

eSociété Etudes Recherches Matériaux, CRI-Biopôle, 86000 Poitiers, France; and

fDepartment of Archaeology and Anthropology, University of Bristol, Bristol BS8 1UU, United Kingdom

Contributed by Erik Trinkaus, December 8, 2009 (sent for review October 13, 2009)


Neandertals differ from recent and terminal Pleistocene human populations in their patterns of dental development, endostructural (internal structure) organization, and relative tissue proportions. Although significant changes in craniofacial and postcranial morphology have been found between the Middle Paleolithic and earlier Upper Paleolithic modern humans of western Eurasia and the terminal Pleistocene and Holocene inhabitants of the same region, most studies of dental maturation and structural morphology have compared Neandertals only to later Holocene humans. To assess whether earlier modern humans contrasted with later modern populations and possibly approached the Neandertal pattern, we used high-resolution microtomography to analyze the remarkably complete mixed dentition of the early Upper Paleolithic (Gravettian) child from Abrigo do Lagar Velho, Portugal, and compared it to a Neandertal sample, the late Upper Paleolithic (Magdalenian) child of La Madeleine, and a worldwide extant human sample. Some aspects of the dental maturational pattern and tooth endostructural organization of Lagar Velho 1 are absent from extant populations and the Magdalenian specimen and are currently documented only among Neandertals. Therefore, a simple Neandertal versus modern human dichotomy is inadequate to accommodate the morphostructural and developmental variation represented by Middle Paleolithic and earlier Upper Paleolithic populations. These data reinforce the complex nature of Neandertal-modern human similarities and differences, and document ongoing human evolution after the global establishment of modern human morphology.

dentition    development   modern humans   Neandertal     Pleistocene


1To whom correspondence may be addressed. E-mail: bayle@mnhn.fr ortrinkaus@artsci.wustl.edu.

Author contributions: P.B., R.M., E.T., and J.Z. designed research; P.B., R.M., C.D., and A.M. performed research; P.B., R.M., and A.M. analyzed data; and P.B., R.M., E.T., and J.Z. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.

This article contains supporting information online at www.pnas.org/cgi/content/full/0914202107/DCSupplemental.

Evidência de ampla evolução adaptiva de expressão de genes em brotamento de levedura

Evidence for widespread adaptive evolution of gene expression in budding yeast

Hunter B. Frasera,1,
Alan M. Mosesb, and
Eric E. Schadtc

-Author Affiliations

aDepartment of Biology, Stanford University, Stanford, CA 94305;

bDepartment of Cell and Systems Biology, University of Toronto, Toronto, ON M5S 3B2, Canada; and

cPacific Biosciences, Menlo Park, CA 94025

Edited by Jasper Rine, University of California, Berkeley, CA, and approved December 22, 2009 (received for review October 23, 2009)


Changes in gene expression have been proposed to underlie many, or even most, adaptive differences between species. Despite the increasing acceptance of this view, only a handful of cases of adaptive gene expression evolution have been demonstrated. To address this discrepancy, we introduce a simple test for lineage-specific selection on gene expression. Applying the test to genome-wide gene expression data from the budding yeast Saccharomyces cerevisiae, we find that hundreds of gene expression levels have been subject to lineage-specific selection. Comparing these findings with independent population genetic evidence of selective sweeps suggests that this lineage-specific selection has resulted in recent sweeps at over a hundred genes, most of which led to increased transcript levels. Examination of the implicated genes revealed a specific biochemical pathway—ergosterol biosynthesis—where the expression of multiple genes has been subject to selection for reduced levels. In sum, these results suggest that adaptive evolution of gene expression is common in yeast, that regulatory adaptation can occur at the level of entire pathways, and that similar genome-wide scans may be possible in other species, including humans.


1To whom correspondence should be addressed: hbfraser@stanford.edu.

Author contributions: H.B.F. designed research; H.B.F. performed research; A.M.M. and E.E.S. contributed new reagents/analytic tools; H.B.F. analyzed data; and H.B.F., A.M.M., and E.E.S. wrote the paper.

The authors declare no conflict of interest.

This article is a PNAS Direct Submission.

This article contains supporting information online at www.pnas.org/cgi/content/full/0912245107/DCSupplemental.


PDF grátis aqui.

Borboletas Monarcas revelam nova maneira na qual os animais 'sentem' o campo magnético da Terra

Monarch Butterflies Reveal a Novel Way in Which Animals Sense Earth's Magnetic Field

ScienceDaily (Jan. 27, 2010) — Building on prior investigation into the biological mechanisms through which monarch butterflies are able to migrate up to 2,000 miles from eastern North America to a particular forest in Mexico each year, neurobiologists at the University of Massachusetts Medical School (UMMS) have linked two related photoreceptor proteins found in butterflies to animal navigation using the Earth's magnetic field.

Monarch butterflies resting in a tree. (Credit: iStockphoto/Paul Tessier)

The work by Steven Reppert, MD, professor and chair of neurobiology at UMMS; Robert Gegear, PhD, research assistant professor of neurobiology; Lauren Foley, BS; and Amy Casselman, PhD, was recently described in the journal Nature.

The research team used fruit flies engineered to lack their own Cryptochrome (Cry1) molecule, a UV/blue-light photoreceptor already known to be involved in the insects' light-dependent magnetic sense. By inserting into those deficient flies butterfly Cry1, a homolog of the fly protein, or the related butterfly protein Cry2, the researchers found that either form can restore the flies' magnetic sense in a light-dependent manner, illustrating a role for both Cry types in magnetoreception. "Because the butterfly Cry2 protein is closely related to the one in vertebrates, like that found in birds which use the Earth's magnetic field to aid migration," states Dr. Reppert, "the finding provides the first genetic evidence that a vertebrate-like Cry can function as a magnetoreceptor."

Read more here/Leia mais aqui: Science Daily


Nature advance online publication 24 January 2010 | doi:10.1038/nature08719; Received 12 August 2009; Accepted 1 December 2009; Published online 24 January 2010

Animal cryptochromes mediate magnetoreception by an unconventional photochemical mechanism

Robert J. Gegear1, Lauren E. Foley1, Amy Casselman1 & Steven M. Reppert1

Department of Neurobiology, University of Massachusetts Medical School, 364 Plantation Street, Worcester, Massachusetts 01605, USA

Correspondence to: Robert J. Gegear1Steven M. Reppert1Correspondence and requests for materials should be addressed to S.M.R. (Email: steven.reppert@umassmed.edu) or R.J.G. (Email: robert.gegear@umassmed.edu

Understanding the biophysical basis of animal magnetoreception has been one of the greatest challenges in sensory biology. Recently it was discovered that the light-dependent magnetic sense of Drosophila melanogaster is mediated by the ultraviolet (UV)-A/blue light photoreceptor cryptochrome (Cry)1. Here we show, using a transgenic approach, that the photoreceptive, Drosophila-like type 1 Cry and the transcriptionally repressive, vertebrate-like type 2 Cry of the monarch butterfly (Danaus plexippus) can both function in the magnetoreception system of Drosophila and require UV-A/blue light (wavelength below 420 nm) to do so. The lack of magnetic responses for both Cry types at wavelengths above 420 nm does not fit the widely held view that tryptophan triad-generated radical pairs mediate the ability of Cry to sense a magnetic field. We bolster this assessment by using a mutant form of Drosophilaand monarch type 1 Cry and confirm that the tryptophan triad pathway is not crucial in magnetic transduction. Together, these results suggest that animal Crys mediate light-dependent magnetoreception through an unconventional photochemical mechanism. This work emphasizes the utility of Drosophilatransgenesis for elucidating the precise mechanisms of Cry-mediated magnetosensitivity in insects and also in vertebrates such as migrating birds.


Professores, pesquisadores e alunos de universidades brasileiras públicas e privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos podem ler gratuitamente este artigo da Nature e de mais 15.000 publicações científicas.

Últimos neandertais europeus morreram há 37.000 anos atrás

Last Neanderthals in Europe Died out 37,000 Years Ago

ScienceDaily (Jan. 27, 2010) — The paper, by Professor João Zilhão and colleagues, builds on his earlier research which proposed that, south of the Cantabro-Pyrenean mountain chain, Neanderthals survived for several millennia after being replaced or assimilated by anatomically modern humans everywhere else in Europe.

Teeth from Pego do Diabo, Portugal (Credit: Photo by courtesy of PLoS ONE)

Although the reality of this 'Ebro Frontier' pattern has gained wide acceptance since it was first proposed by Professor Zilhão some twenty years ago, two important aspects of the model have remained the object of unresolved controversy: the exact duration of the frontier; and the causes underlying the eventual disappearance of those refugial Neanderthal populations (ecology and climate, or competition with modern human immigrants).

Professor Zilhão and colleagues now report new dating evidence for the Late Aurignacian of Portugal, an archaeological culture unquestionably associated with modern humans, that firmly constrains the age of the last Neanderthals of southern and western Iberia to no younger than some 37,000 years ago.

This new evidence therefore puts at five millennia the duration of the Iberian Neanderthal refugium, and counters speculations that Neanderthal populations could have remained in the Gibraltar area until 28,000 years ago.

Read more here/Leia mais aqui: Science Daily


Pego do Diabo (Loures, Portugal): Dating the Emergence of Anatomical Modernity in Westernmost Eurasia

João Zilhão1*, Simon J. M. Davis2, Cidália Duarte3, António M. M. Soares4, Peter Steier5, Eva Wild6

1 Department of Archaeology and Anthropology, University of Bristol, Bristol, United Kingdom, 2 Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, Lisbon, Portugal, 3 Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, Lisbon, Portugal, 4 Instituto Tecnológico e Nuclear, Lisbon, Portugal, 5 VERA Laboratory, Faculty of Physics, University of Vienna, Vienna, Austria, 6 VERA Laboratory, Faculty of Physics, University of Vienna, Vienna, Austria

Abstract Top


Neandertals and the Middle Paleolithic persisted in the Iberian Peninsula south of the Ebro drainage system for several millennia beyond their assimilation/replacement elsewhere in Europe. As only modern humans are associated with the later stages of the Aurignacian, the duration of this persistence pattern can be assessed via the dating of diagnostic occurrences of such stages.

Methodology/Principal Findings

Using AMS radiocarbon and advanced pretreatment techniques, we dated a set of stratigraphically associated faunal samples from an Aurignacian III–IV context excavated at the Portuguese cave site of Pego do Diabo. Our results establish a secure terminus ante quem of ca.34,500 calendar years ago for the assimilation/replacement process in westernmost Eurasia. Combined with the chronology of the regional Late Mousterian and with less precise dating evidence for the Aurignacian II, they place the denouement of that process in the 37th millennium before present.


These findings have implications for the understanding of the emergence of anatomical modernity in the Old World as a whole, support explanations of the archaic features of the Lagar Velho child's anatomy that invoke evolutionarily significant Neandertal/modern admixture at the time of contact, and counter suggestions that Neandertals could have survived in southwest Iberia until as late as the Last Glacial Maximum.

Citation: Zilhão J, Davis SJM, Duarte C, Soares AMM, Steier P, et al. (2010) Pego do Diabo (Loures, Portugal): Dating the Emergence of Anatomical Modernity in Westernmost Eurasia. PLoS ONE 5(1): e8880. doi:10.1371/journal.pone.0008880

Editor: John Hawks, University of Wisconsin, United States of America

Received: May 24, 2009; Accepted: December 18, 2009; Published: January 27, 2010

Copyright: © 2010 Zilhão et al. This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original author and source are credited.

Funding: The research was funded by the Instituto Português de Arqueologia (http://www.ipa.min-cultura.pt/), research project PALEOALMONDA III (2006–2009), and the University of Bristol Arts Faculty Research Fund (http://www.bristol.ac.uk/arts/). The funders had no role in study design, data collection and analysis, decision to publish, or preparation of the manuscript.

Competing interests: The authors have declared that no competing interests exist.

* E-mail: Joao.Zilhao@bristol.ac.uk


Beleza nanométrica


Por Fábio de Castro

Agência FAPESP – Objetos um milhão de vezes menores que um milímetro podem ter sua beleza. Por serem capazes de exibir as imagens desse universo minúsculo, os cientistas envolvidos com nanotecnologia têm se tornado verdadeiros artistas. É o que mostra a Mostra Internacional On-line Nanoarte 2009-2010, que teve início na última segunda-feira (25/1) com a participação destacada de um grupo de pesquisadores brasileiros.

Pesquisadores do Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos, um dos Cepids da FAPESP, destacam-se em mostra internacional on-line de nanoarte organizada nos Estados Unidos. Na foto, imagem de titanato zirconato de cálcio e estrôncio produzida por Daniela Caceta

Organizada pelo cientista – e artista – Cris Orfescu, professor da Universidade de Nova York (Estados Unidos), a exposição competitiva conta com 150 imagens, das quais 15 foram produzidas por pesquisadores ligados ao Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC) – um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) da FAPESP – e ao Instituto Nacional de Ciência dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN), também apoiado pela Fundação.

De acordo com Elson Longo, professor do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e coordenador do CMDMC e do INCTMN, a exposição estará aberta para votação até domingo (31/1), quando serão anunciados os vencedores.

Até o momento, os brasileiros estão vencendo: das 12 imagens mais acessadas, 11 foram produzidas por três técnicos do INCTMN: Rorivaldo Camargo, Ricardo Tranquilin e Daniela Caceta. O grupo sediado em São Carlos (SP) criou, em 2009, o Projeto Nanoarte, que foi tema de reportagem da Agência FAPESP .

De acordo com Longo, a exposição, que está em sua quarta edição, tem 42 participantes provenientes do Brasil, Alemanha, Canadá, Itália, Romênia, Holanda, Eslovênia, Filipinas e México.

“As imagens são feitas com microscópios de varredura de alta resolução, inicialmente em preto e branco. Depois elas são coloridas em um programa de computador. São tão fantásticas que o resultado são verdadeiras obras de arte. Algumas dessas fotos chegam a ser vendidas por até US$ 15 mil”, contou Longo à Agência FAPESP.

Segundo o professor, a nanoarte não se limita a uma diversão para cientistas. A exibição das imagens tem grande apelo junto ao público, o que proporciona uma popularização da ciência. Além disso, ela pode se transformar em uma verdadeira área de investigação na qual convergem arte, ciência e tecnologia.

“A utilização de ferramentas como a microscopia de força atômica para produzir essas imagens é capaz de revelar segredos dos sistemas complexos, nos auxiliando a compreender a origem de propriedades químicas e físicas dos materiais. Esse é o primeiro passo para o controle dessas propriedades, que conduzirá a aplicações inovadoras”, disse.

Interesse do público

Segundo Longo, os materiais em nanoescala, com pelo menos uma dimensão menor que 100 nanômetros, apresentam propriedades extraordinárias que, muitas vezes, não são observadas em seus homólogos sólidos clássicos.

“A origem das alterações dramáticas nas propriedades físicas e químicas em dimensão nanométrica é um campo de interesse muito importante, pois é no domínio das nanopartículas que esperamos encontrar a diferenciação entre as propriedades do estado sólido e do nível molecular”, afirmou.

De acordo com Longo, quando Orfescu idealizou a mostra, há quatro anos, havia ainda poucas imagens. O crescimento da exposição, hoje com 150 obras e com a participação de vários países, revela um aumento do interesse pela nanoarte.

“Uma mostra como essa é muito importante para nós, pois os CEPIDs têm o dever de fazer a difusão do conhecimento e nós enxergamos na nanoarte uma forma de divulgar a ciência”, disse.

“Quando entram em contato com as imagens que produzimos, muitas pessoas nos procuram para saber como foram feitas. O público começa a se perguntar que materiais são aqueles e ficam curiosos para compreender como conseguimos fotografar algo tão pequeno”, completou. 



1. Vamos lá gente trazer mais este caneco para o Brasil. Vejam as fotos aqui.

2. A teoria do Design Inteligente afirma que sinais de inteligência são empiricamente detectados na natureza todas as vezes em que encontrarmos complexidade irredutível e informação complexa especificada, especialmente nas coisas bióticas. O consenso (argh, toda a unanimidade é burra... acho que foi Nélson Rodrigues que escreveu isso) é que o design encontrado na natureza é uma ilusão. Logo em seguida, os cientistas vão atrás do design encontrado na natureza e, através da biomimética, procuram imitar o que foi encontrado de complexo e especificado na natureza em benefício da humanidade. Agora arte nanométrica? A arte é produto de agentes inteligentes... Considerá-la bela, também!

Dieta ou exercício


Por Alex Sander Alcântara

Agência FAPESP – Exercício físico ou restrição alimentar. Qualquer dos dois fatores evitou que ratos obesos desenvolvessem disfunção cardíaca, segundo um estudo feito na Faculdade de Medicina em colaboração com a Escola de Educação Física e Esporte, ambas da Universidade de São Paulo (USP).

O trabalho indicou também que a associação das duas condutas não medicamentosas não resulta em benefício adicional na função cardíaca. A explicação dos pesquisadores para isso é que cada uma das intervenções isoladamente já é suficiente para evitar que a obesidade crônica provoque a disfunção cardíaca.

Pesquisa feita na USP verifica que tanto a restrição alimentar como o exercício físico previnem a disfunção cardíaca provocada pela obesidade e que a associação dos dois não resulta em benefício adicional

De acordo com Carlos Eduardo Negrão, diretor da Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e orientador do estudo, as alterações cardíacas decorrentes da obesidade podem ser evitadas “se a restrição alimentar ou o exercício físico for utilizado como conduta não medicamentosa para interromper o processo de obesidade crônico”, disse.

Além de avaliar os efeitos do treinamento físico e da restrição alimentar na função cardíaca, um dos objetivos do estudo foi tentar esclarecer o papel dessas intervenções nos mecanismos moleculares envolvidos nas alterações cardíacas causadas pela obesidade.

Os resultados fazem parte da tese de doutorado “Efeito do treinamento físico e da restrição alimentar na função cardíaca e resistência à insulina em ratos obesos”, de Ellena Paulino, feita com apoio de Bolsa da FAPESP e defendida em novembro de 2009, com orientação de Negrão.

O docente também coordena o Projeto Temático “Exercício físico e controle autonômico na fisiopatologia cardiovascular”, apoiado pela Fundação, e é professor titular da Escola de Educação Física e Esporte da USP.

“O estudo acrescenta conhecimentos importantes sobre o papel do exercício e da restrição calórica nos mecanismos moleculares associados à função cardíaca na obesidade”, disse Negrão.

Na pesquisa, ratos wistar machos foram alimentados com dieta normocalórica (quantidade normal de calorias) ou hipercalórica (rica em gordura e açúcar) durante 25 semanas. Após esse período, os animais alimentados com a dieta hipercalórica foram subdivididos em quatro grupos e acompanhados por mais dez semanas.

No primeiro grupo, os ratos continuaram recebendo a dieta hipercalórica e foram mantidos sem treinamento físico. No segundo, continuaram com dieta hipercalórica e foram treinados. No terceiro, deixaram de receber esse dieta para serem submetidos à restrição alimentar (menos 20% da ingestão diária). No quarto grupo, os ratos foram submetidos ao treinamento físico e à restrição alimentar.

“Após a vigésima quinta semana, os animais submetidos à dieta hipercalórica não apresentavam alterações na função cardíaca, embora já apresentassem substancial ganho de peso”, explicou Ellena.

“Após mais dez semanas de alimentação rica em gordura e mais ganho de peso corporal, eles apresentaram alteração na força de contração do coração e nas proteínas moleculares envolvidas nessa função. Isso foi evitado nos animais submetidos ao exercício físico ou à restrição alimentar”, contou.

Outros benefícios

Outro resultado importante sobre o papel do exercício e da restrição alimentar alcançado no trabalho está relacionado ao metabolismo de lípides. “A restrição alimentar em associação com o exercício físico diminuiu significativamente a esteatose e a hipertrigliciridemia em animais obesos”, disse Ellena.

Mas se por um lado a associação da restrição alimentar e do exercício físico não mostrou efeito cumulativo nos parâmetros cardíacos, por outro lado essas duas intervenções associadas diminuíram a quantidade de gordura estocada no fígado de animais obesos (esteatose hepática) e, também, os níveis de triglicérides plasmático.

“Embora a restrição alimentar isoladamente diminua a quantidade de gordura acumulada no fígado, ela aumentou a concentração de triglicérides plasmático, o que sugere um aumento na resistência hepática à insulina. Esses são achados importantes. Sabe-se que a esteatose, triglicérides aumentados e a resistência à insulina elevam o risco de doença cardiovascular”, destacou Ellena.

Segundo a pesquisadora, o trabalho permite concluir que a restrição calórica e a prática de exercício devem ser recomendadas para a prevenção de alterações cardíacas e metabólicas causadas pela obesidade.