Design inteligente: desta vez um ‘motor molecular’ em vírus

quarta-feira, dezembro 31, 2008

Primeiro foi a complexidade irredutível do flagelo bacteriano (Michael Behe, "A caixa preta de Darwin", Rio de Janeiro, Zahar, 1997). Agora, um motor molecular em vírus! Justamente um vírus, que a seleção natural filtrando as mutações ao longo do tempo, do acaso e da necessidade, jamais o teve em mente. É que a evolução é cega, inconsciente e inconsequente.

Pobre Darwin, desse jeito, a cada nova descoberta que o microscópio dele não podia ver [limitado pela tecnologia da época] sua teoria geral da evolução está cada vez mais pra lá de Marrakesh no contexto de justificação teórica!

Sorry, periferia, mas vou deixar o texto em inglês para os mais doutos "verem" com seus "olhos".[Argh! Só de pensar no olho eu sinto calafrios! Quem disse isso? Gente, você são telepatas. Como sabiam que foi Darwin quem disse este absurdo de irracionalidade científica???]


December 24, 2008

Biologists learn structure, mechanism of powerful ‘molecular motor’ in virus


Researchers have discovered the atomic structure of a powerful “molecular motor” that packages DNA into the head segment of some viruses during their assembly, an essential step in their ability to multiply and infect new host organisms.

The researchers, from Purdue University and The Catholic University of America, also have proposed a mechanism for how the motor works. Parts of the motor move in sequence like the pistons in a car's engine, progressively drawing the genetic material into the virus's head, or capsid, said Michael Rossmann, Purdue's Hanley Distinguished Professor of Biological Sciences.

The motor is needed to insert DNA into the capsid of the T4 virus, which is called a bacteriophage because it infects bacteria. The same kind of motor, however, also is likely present in other viruses, including the human herpes virus.

“Molecular motors in double-stranded DNA viruses have never been shown in such detail before,” said Siyang Sun, a postdoctoral research associate working in Rossmann's lab.

Findings are detailed in a paper appearing online on Dec. 24 in the journal Cell. The lead authors are Sun and Kiran Kondabagil, a research assistant professor at Catholic University of America working with biology professor Venigalla B. Rao.

“This research is allowing us to examine the inner workings of a virus packaging motor at the atomic level,” Rao said. “This particular motor is very fast and powerful.”

Other researchers have determined that the T4 molecular motor is the strongest yet discovered in viruses and proportionately twice as powerful as an automotive engine. The motors generate 20 times the force produced by the protein myosin, one of the two proteins responsible for the contraction and strength of muscles.

The virus consists of a head and tail portion. The DNA-packaging motor is located in the same place where the tail eventually connects to the head. Most of the motor falls off after the packaging step is completed, allowing the tail to attach to the capsid. The DNA is a complete record of a virus's properties, and the capsid protects this record from damage and ensures that the virus can reproduce by infecting a host organism.

Sun determined that the packaging motor is made of two ringlike structures, and both of these discs contain five segments made of a protein called gp17, for gene product 17. The researchers determined the atomic structure of these protein segments using a procedure called X-ray crystallography. They also used another technique called cryo-electron microscopy, which enabled them to see a more distant, overall design of the motor's ringlike structure.

One disc sits on top of the other, and each of the five segments of the top disc shares a gp17 protein with a corresponding segment in the bottom disc. The gp17 proteins have two segments, or domains, one segment in the lower disc and the other segment in the upper disc.

The lower disc first attaches to the DNA and is then drawn upward by the upper disc, pushing the DNA into the virus's capsid in the process. The top disc of the motor pulls the lower disc upward using electrostatic forces generated between oppositely charged objects, Rossmann said.

“These findings determined the relationship between the motor and DNA,” Rossmann said.

The research data also showed that the motor is dynamic and apparently exists in two states: relaxed and tensed, the latter likely occurring when the top disk has attracted the lower disc.

Researchers at Catholic University of America supplied the gp17 and other materials, and the Purdue researchers studied the structure of the materials.

“By combining the structural data and the biochemical data of our colleagues at the Catholic University of America, we were jointly able to come up with a hypothesis of how this motor works,” Rossmann said.

Because herpes and other viruses contain similar DNA packaging motors, such findings could someday help scientists design drugs that would interfere with the function of these motors and mitigate the result of some viral infections. The findings also could have other future applications, such as developing alternatives to current antibiotics, creating methods to deliver genetic material to patients for gene therapy or creating tiny “nanomotors” in future machines.

“But this is very basic research, and it's far too soon to talk more about possible practical applications of this knowledge,” Rossmann said.

The research paper was written by Sun; Kondabagil; Bonnie Draper and Tanfis I. Alam, both postdoctoral fellows at CUA; Purdue electron microscopist Valorie D. Bowman; Zhihong Zhang, a CUA graduate research assistant; CUA graduate student Shylaja Hegde; and postdoctoral research associate Andrei Fokine, Rossmann and Rao, all of Purdue.

The research has been funded primarily by the National Science Foundation and the Human Frontier Science Program.

Writer: Emil Venere, (765) 494-4709,

Michael Rossmann, (765) 494-4911,
Venigalla B. Rao, (202) 319-5271,
Purdue News Service: (765) 494-2096;

Note to Journalists:

Siyang Sun pronounces her name See-Yang Sun.

Journalists who do not have access to EurekAlert! can obtain a copy of the paper by contacting Cathleen Genova of the journal Cell at (617) 397-2802,

A Seyet LLC animation showing the DNA-packaging process is available at. [NOTA DESTE BLOGGER: Vídeo imperdível de design inteligente em ação diante de nossos olhos!!!]


This artist's conception depicts the structure of a "molecular motor" that packages DNA into the head segment of the T4 virus. Researchers at Purdue and The Catholic University of America have determined the atomic structure of this motor, which is made of two ringlike structures, and both of these discs contain five segments made of a protein called gp17. The image shows a cross section of the virus head, or capsid, and an artist's interpretation of the motor as it packages DNA into the virus. The hands represent the five segments of the ringlike structures. Each hand takes a turn grabbing the DNA and moving it into the head until the head is full. [The journal Cell, Dec. 26, 2008; Steven McQuinn, independent science artist, and Venigalla Rao, The Catholic University of America. Image embargoed for noon on Dec. 24.)

A publication-quality photo is available at


The Atomic Model of the T4 DNA Packaging Motor Suggests a Mechanism Dependent on Electrostatic Forces
Siyang Sun1,3, Kiran Kondabagil2,3, Bonnier Draper2, Tanfis I. Alam2, Valorie
D. Bowman1, Zhihong Zhang2, Shylaja Hegde2, Andrei Fokine1, Michael G. Rossmann1,*, Venigalla B. Rao2 - 1Department of Biological Sciences, Purdue University2; Department of Biology, The Catholic University of America (3These authors contributed equally to the work and share first authorship).

Viral genomes are packaged into “procapsids” by powerful molecular motors. We report the crystal structure of the DNA packaging motor protein, gene product 17 (gp17), in bacteriophage T4. The structure consists of an N-terminal ATPase domain, which provides energy for compacting DNA, and a C-terminal nuclease domain, which terminates packaging. We show that another function of the C terminal domain is to translocate the genome into the procapsid. The two domains are in close contact in the crystal structure, representing a “tensed state.” A cryo-electron microscopy reconstruction of the T4 procapsid complexed with gp17 shows that the packaging motor is a pentamer and that the domains within each monomer are spatially separated, representing a “relaxed state.” These structures suggest a mechanism, supported by mutational and other data, in which electrostatic forces drive the DNA packaging by alternating between tensed and relaxed states. Similar mechanisms may occur in other molecular motors.

Al “Apocalipse” Gore e o aquecimento global antropogenicamente provocado

terça-feira, dezembro 30, 2008

Tirando o chapéu para DaveScot.
Uncommon Descent

Os blogs educativos: ferramentas desafiando a Nomenklatura científica?

O blog "Desafiando a Nomenklatura científica" é, antes de tudo, um blog científico. É lido por professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas, e também por alunos do ensino médio das escolas públicas e privadas brasileiras.



Blogs educativos


Por Thiago Romero

Agência FAPESP – O uso em sala de aula de blogs, páginas na internet com comentários sobre assuntos diversos ou relatos pessoais, favorece a prática da produção textual e contribui para exercitar nos estudantes o poder de argumentação, além de propiciar a leitura de uma maior diversidade de textos e gerar debates e comentários mediados pela prática da escrita.

Essa é a principal conclusão da dissertação de mestrado apresentada por Cláudia Rodrigues no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A pesquisa teve o objetivo de estudar a viabilidade da utilização de blogs nas aulas de língua portuguesa e no ambiente escolar. “O estudo ressaltou a necessidade de os professores encontrarem caminhos para explorar o letramento digital em sala de aula”, disse Cláudia, que também é professora de redação do ensino médio, à Agência FAPESP.

Para verificar a validade em utilizar blogs para o ensino de escrita, o estudo, orientado pela professora Denise Bértoli Braga, do Departamento de Lingüística Aplicada do IEL, envolveu a produção de 20 blogs por cerca de 240 alunos durante as aulas de produção textual ministradas em quatro turmas de uma escola de ensino básico.

Os alunos produziram os blogs e, em seguida, foram promovidas discussões sobre assuntos diversos que tiveram início em sala de aula e prosseguiram no ambiente digital.

“Nas aulas de redação normalmente há debates sobre determinado tema para preparar o aluno para a escrita. Os blogs tiveram a intenção de continuar e transferir essa discussão para o ambiente virtual”, explicou Cláudia.

Segundo ela, além de serem colocados em contato com diversas opiniões, podendo exercitar a prática da argumentação, os alunos, por conta própria, envolveram professores de outras disciplinas da escola para a coleta de informações que deram origem aos textos publicados nos blogs.

“O interesse pela leitura e pela escrita aumentou quantitativa e qualitativamente em proporção às aulas tradicionais. Dos 20 blogs publicados por quatro turmas, quatro tiveram destaque e foram considerados de elevado êxito na proposta”, afirmou Cláudia, destacando que as discussões tiveram maior alcance do ponto de vista temático e também foram estendidas para outros ambientes fora da sala de aula.

“Foi nítida a inquietação na sala de aula em relação às pesquisas e busca de dados para os textos. Também foi freqüente a solicitação, por parte dos alunos, da leitura dos textos por seus colegas de classe antes de sua publicação. A maior parte dos estudantes buscou ainda outras fontes de informação além do professor para chegar às conclusões sobre os assuntos abordados”, disse.

Domínio da tecnologia

Para ela, o fato de envolver a escola em um ambiente tecnológico que já era de domínio dos adolescentes permitiu um alto nível de identificação com a proposta. “Os blogs construídos pelos alunos mostram a familiaridade deles com construções hipertextuais e com integração de linguagens, além de o conteúdo disponibilizado para os leitores virtuais incluir links para outros textos”, disse.

“Os alunos se preocuparam mais com a qualidade da escrita e com o desenvolvimento do discurso, uma vez que o professor não é mais o único leitor de seus textos. O blog é público”, contou.

A pesquisa sugere que os blogs podem ser utilizados pelos professores de diferentes formas, dependendo da criatividade dos docentes e do casamento de suas intenções pedagógicas com os interesses dos alunos.

“Os blogs podem otimizar o trabalho do professor por ser um espaço dinâmico para, entre outras coisas, a argumentação, a leitura, o questionamento e a crítica. O blog favorece a participação coletiva, formando autores, co-autores e leitores assíduos”, disse a professora.

Segundo Cláudia, que sugere a inserção dos blogs nas aulas de produção textual, o uso desse tipo de tecnologia na escola tem sido quase que inevitável. Por outro lado, o uso dessas “páginas digitais” demanda mudanças sensíveis no perfil do professor.

“O professor passa a ser mais um orientador e, embora possa avaliar e dar nota ao blog, na prática ele deixa de ser o leitor alvo dos textos. O blog deve ser visto como mais uma ferramenta à disposição dos docentes, somado ao livro didático e a outras atividades de suporte”, disse.

Para ela, as instituições de ensino têm percebido a importância da tecnologia no contexto escolar, mas pouco se sabe sobre práticas eficientes que utilizam a tecnologia em sala de aula. “Embora os professores do ensino básico defendam e reconheçam a importância dessa tecnologia para o processo de ensino e aprendizagem, por vezes não sabem lidar com ela na prática docente”, apontou.

O estudo indicou ainda que, apesar de ser um dos grandes entraves para as propostas pedagógicas na internet, a linguagem própria do mundo virtual, uma espécie de dialeto que os jovens utilizam para expressar suas opiniões, não impediu que os jovens pudessem aprender a língua portuguesa corretamente.

“A língua portuguesa é rica e múltipla, e o blog, um espaço para discussão, leitura e escrita. Ambos são sociáveis e podem sofrer uma fusão para alcançar o objetivo de desenvolver capacidades como independência e autonomia, além de favorecer a capacidade argumentativa, já que os autores do blog precisam envolver e convencer outras pessoas sobre seus pontos de vista”, disse Cláudia.

Na pesquisa, a produção textual dos alunos não se enquadrou na linguagem conhecida como “internetês”, carregada de abreviações e gírias criadas pelos próprios adolescentes.

“Hoje existem diversos gêneros de blogs que envolvem vários tipos de linguagens. O blog educacional tem um perfil diferenciado comparado aos blogs de entrenimento. Antes de qualquer proposta pedagógica, o professor deve sinalizar a seus alunos a riqueza da língua portuguesa e suas múltiplas variações e condições de produção”, disse.

Menino, respire bastante oxigênio se quiser crescer!

Divulgação Científica

Explosão de vida


Agência FAPESP – Em 3,5 bilhões de anos, a vida na Terra passou de microscópicas criaturas unicelulares para formas de dimensões tão grandes como árvores, elefantes e baleias. Um novo estudo aponta que o aumento no tamanho dos organismos não foi gradual, mas ocorreu principalmente em duas explosões distintas e ligadas à evolução geológica do planeta.

A pesquisa, que será publicada esta semana no site e em breve na edição impressa da revista Proceedings of the National Academy of Sciences, é parte de um projeto com o objetivo de documentar o aumento no tamanho dos seres vivos apoiado pelo Centro de Síntese Evolucionária dos Estados Unidos.

Segundo os autores, a análise dos maiores organismos fósseis conhecidos demonstra que o tamanho máximo aumentou em 16 ordens de magnitude desde os primeiros registros de vida no planeta.

Os cientistas destacam que a maior parte do aumento se deve a dois momentos distintos. “O primeiro foi no meio do Paleoproterozóico (há aproximadamente 1,9 bilhão de anos) e o segundo durante o Neoproterozóico superior e o início da era Paleozóica (de 600 milhões a 450 milhões de anos atrás)”, descreveram.

De acordo com o estudo, os dois momentos ocorreram durante ou pouco após elevados aumentos na concentração de oxigênio na atmosfera, “sugerindo que o potencial evolucionário latente foi realizado pouco após as limitações ambientais terem sido removidas”.

“O interessante é que cada um desses passos ocorreu em um tempo na história da Terra em que houve inovação na complexidade da vida. A primeira com a célula eucarionte e a segunda com a multicelularidade da vida”, disse Jennifer Stempien, da Virginia Tech, uma das autoras da pesquisa.

Do primeiro 1,5 bilhão de anos da história da vida de que se tem registro – entre 3,5 bilhões de anos e 2 bilhões de anos atrás – são conhecidos apenas fósseis de formas como bactérias. Como o tamanho segundo o qual uma célula de bactéria pode crescer é altamente limitado, as dimensões e volume máximos dos seres não aumentaram até a chegada de organismos mais complexos.

Mas, antes que isso ocorresse, algo importante aconteceu que mudou o planeta. Há cerca de 3 bilhões de anos, algumas bactérias primitivas criaram um metabolismo que permitiu o uso da energia solar e do dióxido de carbono para que se desenvolvessem. Ou seja, inventaram a fotossíntese.

As bactérias se proliferaram em oceanos sem oxigênio e passaram a preencher a atmosfera do importante gás. O aparecimento do oxigênio livre viabilizou a evolução de estruturas celulares mais complexas. Os organismos desenvolveram núcleos para conter seu material genético e incorporaram outras maquinarias intracelulares.

Foi quando a célula eucarionte surgiu. Ainda um organismo de única célula, mas capaz de dar origem a estruturas muito maiores do que as bactérias. Em cerca de 200 milhões de anos, os organismos passaram de células invisíveis ao olho nu a organismos macroscópicos do tamanho de uma moeda.

“O aumento no tamanho e na complexidade foi conseqüência de interações geobiológicas entre a vida e a Terra. A própria vida permitiu que a vida se tornasse mais complexa”, disse outro dos autores do estudo, Michal Kowalewski, também da Virgina Tech.

A vida continuou na forma de seres com única célula por mais 1 bilhão de anos, até pouco antes da transição do período Pré-cambriano para o Cambriano, há cerca de 540 milhões de anos, quando o oxigênio atmosférico novamente aumentou, atingindo cerca de 10% da concentração atual.

A maior quantidade de oxigênio teria permitido o surgimento de organismos multicelulares cada vez maiores. Em um intervalo de tempo relativamente rápido em termos evolucionários – cerca de 100 milhões de anos – os seres vivos pularam do tamanho de moedas para criaturas marinhas gigantescas, como os cefalópodes do período Ordoviciano.

O artigo Two-phase increase in the maximum size of life over 3.5 billion years reflects biological innovation and environmental opportunity, de Jonathan Payne e outros, poderá ser lido em breve por assinantes da Pnas em


O artigo já foi publicado como Open Access. PDF gratuito disponível aqui.

A retórica de Darwin no "Origem das Espécies"

segunda-feira, dezembro 29, 2008

Darwin Bicentennial Celebration: A Retrospective Look at The Origin of Species

Although Charles Darwin was an accomplished naturalist, Professor John Angus Campbell considers Darwin to be "a rhetorical genius of the first order." How else could the 1859 publication of The Origin of Species touch off a cultural and scientific revolution that is still being felt today?

In this illuminating interview, Professor Campbell breaks down Darwin's book chapter by chapter and reveals how Darwin was able to captivate the mind of the 19th Century intellectuals. With rhetorical brilliance Darwin made his case for natural selection with parallel illustrations from British domestic husbandry. He raises and answers a series of objections to his theory giving the impression that any challenge can be answered, even though he freely admits there are major obstacles to be overcome. By redefining terms, and carefully building on the prior beliefs of his audience, Darwin uses the Victorian belief in nature as designed to move his readers to question whether that design was intelligently directed. Darwin was particularly adept in enlisting his reader's imagination to smooth over or explain away the sometimes enormous gaps in his evidence.

Professor Campbell admits he was raised a Darwinist and that his first reading of The Origin of Species impressed upon him the great act of intellectual courage that Darwin displayed. But after a lifetime of studying Darwin's works in detail, Campbell states "I'm prepared to believe that Darwinism was an impressive artifact of 19th Century thought. It remains a permanent monument to the courage of the human intellect. However, I'm increasingly of the opinion that it may not be true."

John Angus Campbell is Professor and Director of Graduate Studies in the Department of Communication at the University of Memphis and is a past President of the American Association for the Rhetoric of Science and Technology. He received his bachelor's degree from Portland State University (1964) and his Master's and Doctoral degrees in rhetoric from the University of Pittsburgh (1967,1968) and taught in the Department of Speech Communication at the University of Washington until 1995.

Dr. Campbell's research has focused on the rhetoric of science. He has published numerous technical articles analyzing the rhetorical strategy of Darwin's The Origin of Species and is widely regarded as the world's foremost expert on the subject.

Interview Questions:

1. What is your background and how did you develop an interest in the study of origins?

2. How was Darwin able to change the definition of design in nature for his 19th Century audience?

3. What were the major objections to Darwin's Origin of Species and how did he respond to them?

4. How have your views of Darwinian theory changed over the years?

5. What is your opinion of Phillip Johnson's book, Darwin on Trial?

Produced by UCTV, University of California at Santa Barbara, 2002

Running Time: 1 hour 8 minutes

Recommended for ages junior high school and above.

Recommended for Public School, Private School and Homeschool use.

O consenso científico sobre os sistemas de processamento de informação de alta tecnologia

domingo, dezembro 28, 2008

Após 150 anos de esmagadora evidência acumulada, a Nomenklatura científica se rendeu e chegou à conclusão e ao consenso de que os sistemas de processamento de informação de alta tecnologia [inclusive os da NASA] surgem por acaso através de processos materiais cegos e não guiados ao longo do tempo, com mutações desses sistemas filtradas pela seleção natural tecnológica que não os tinha em mente.

Fonte da imagem.

Fui, nem sei por que pensando no DNA, um sistema de informação complexa especificada ter sido formado através desse processo cego, aleatório e não-inteligente.

Fonte da imagem.

Pensar que Bill Gates disse que o DNA é muito mais complexo do que os sistemas Windows que evoluíram por acaso a partir de um simples programa em sua garagem e rodam hoje na maioria dos computadores do mundo...

Não se esqueça, quando ouvir a palavra consenso, procure por sua carteira epistêmica. Você está sendo tungado pela Nomenklatura científica.

Uma carta aberta ao Ministro da Educação: atenda a sugestão de Darwin

sábado, dezembro 27, 2008


Exmo. Sr.
Fernando Haddad
M. D. Ministro de Educação

Sr. Ministro, desde 1999 eu venho denunciando a relação incestuosa entre a Nomenklatura cientifica e a Grande Mídia quando a questão é Darwin. A máxima ricuperiana parafraseada descreve bem esta situação: “O que Darwin tem de bom, a gente mostra; o que Darwin tem de ruim, a gente esconde.”

Sr. Ministro, neste blog, “de rabo preso” com as evidências, eu só mostro o que Darwin tem de ruim. Enfrentando a Nomenklatura científica e a Grande Mídia sem medo de ser odiado por cientistas e jornalistas darwinistas. Alguns deles já tiveram esta oportunidade de demonstrar este ódio face a face. Não desviei o olhar. Fitei nos olhos sem temer. Silenciosamente.

Sr. Ministro, eu aprendi com meus pais respeitar as autoridades legitimamente constituídas, mas nunca temê-las. Especialmente se encontrado fazendo o bem ou estando ao lado da verdade. Eu vou soar desrespeitoso com V. Excia., mas por favor me entenda, este é o meu estilo de prosa. Eu habito o meu estilo. Nas colocações incisivas desta carta aberta, sou ousadamente respeitoso, mas audaz o bastante para relembrá-lo de sua responsabilidade: cuidar da educação com qualidade neste país.

Sr. Ministro, o seu ministério, em que pese as muitas boas realizações feitas por V. Excia. em prol da educação no Brasil, tem a mesma atitude dos outros ministros no que diz respeito a Darwin. Em 2003 e 2005 eu entreguei no MEC/SEMTEC, sob protocolo, uma análise crítica da abordagem da teoria da evolução em nossos melhores autores de Biologia, destacando as diversas insuficiências e distorções de evidências científicas, e o uso de duas fraudes (as mariposas de Manchester e os desenhos de Haeckel dos embriões de vertebrados) a favor do fato da evolução.

Sr. Ministro, o nome disso é desonestidade acadêmica. Se um juiz acolhesse e considerasse objetivamente as acusações de fraudes cometidas por corretores na Bolsa de Valores que desse prejuízo ou vantagem aos investidores, isso daria cadeia para os infratores e beneficiários. Muito mais deveria ser o caso em ciência, pois a ciência, V. Excia. sabe, não anda de mãos dadas com a mentira! Mas o que é uma mentira ou uma fraude em nome de Darwin, não é mesmo?

Sr. Ministro, o burocrata que leu aquela análise crítica enviada ao MEC, leu, mas não entendeu. Contudo, eu acredito que o responsável do MEC/SEMTEC leu e entendeu, mas no maior estilo orwelliano de Novilíngua respondeu que o MEC/SEMTEC não tinha competência de aprovar um livro com aquelas características!

Sr. Ministro, eu não submeti ao MEC/SEMTEC um livro para ser aprovado, mas uma análise crítica científica à abordagem da evolução demonstrando que os nossos melhores autores de Biologia estavam em flagrante descompasso com a verdade das evidências encontradas na natureza, e bem desatualizados com a literatura específica abordando as insuficiências epistêmicas do neodarwinismo, e pedia providências que o caso requeria.

Sr. Ministro, há quase três décadas que a Nomenklatura científica sabe ser o neodarwinismo uma teoria científica heuristicamente morta posando como posição ortodoxa e consensual somente nos livros didáticos. Todos esses livros foram aprovados pelo MEC/SEMTEC/PNLEM. Não informar isso aos alunos é desonestidade acadêmica. E o seu ministério, com todo respeito, também tem sido cúmplice nesse descompasso com a verdade das evidências!

Sr. Ministro, a História da Ciência mostra nitidamente que a cada 50 anos de celebração de louvaminhices, de beija-mão e beija-pé de Darwin, toda a comunidade acadêmica internacional celebra o homem que teve a maior idéia que toda a humanidade já teve, mas demonstra suas inquietações não sobre a realidade do fato da evolução, aceito a priori, mas sobre o como se deu a evolução. E, sem nenhum pejo epistêmico, se apartam cada vez mais da idéia original de Darwin: a seleção natural.

Sr. Ministro, eu denunciei recentemente neste blog a orquestração ardilosa da Nomenklatura científica e da Grande Mídia em blindar a teoria da evolução através da seleção natural de Darwin de quaisquer críticas, mesmo as críticas científicas. Especialmente devido a proximidade das comemorações dos 200 anos de aniversário de Darwin e dos 150 anos de publicação do “Origem das Espécies” em 2009. Eles intencionalmente polarizaram mais uma vez a questão como sendo “ciência [razão] vs. religião [irracionalidade]”, martelando sobre o ensino do criacionismo em detrimento do evolucionismo nas escolas confessionais, o que é sabidamente falso.

Sr. Ministro, a questão é outra. Permita-me chamar a atenção de V. Excia. para esta estratégia maquiavélica. Pegaram o Mackenzie, a maior instituição educacional confessional protestante para ser o “boi de piranha”, e servir de exemplo para intimidar as demais escolas confessionais. V. Excia. deve saber, a Nomenklatura científica é antropofágica e destruidora de carreiras acadêmicas quando a questão é Darwin. No Brasil, os atuais mandarins da Nomenklatura científica farão de tudo para destruir o Mackenzie. Eu sei do que estou falando, mas vai ser o primeiro exemplo no mundo: a destruição de uma importante instituição educacional confessional mais do que centenária.

Sr. Ministro, é muito fácil e cômodo trazer para o debate público na Grande Mídia a questão do criacionismo em salas de aula de ciência como sendo uma terrível maladie a ser rapidamente combatida e debelada para preservar a laicidade e a integridade científica da educação promovida pelo Estado. A Nomenklatura científica e a Grande Mídia deram as mãos e lançaram diante da opinião pública as escolas confessionais protestantes, onde Darwin continua sendo ensinado, como sendo inimigas da laicidade educacional, e por tabela, inimigas do Estado laico. Esta manobra, bem ao estilo orwelliano “1984”, é extremamente perigosa, pois promove o naturalismo filosófico como naturalismo metodológico como política educacional de um Estado laico. E incita a turba ignara contra os inimigos do Estado: os criacionistas irracionais e a turma perversa do Design Inteligente.

Sr. Ministro, por que chamar sua atenção para esta estratégia? Porque a questão hoje não é se as especulações transformistas de Darwin contrariam os relatos de criação das concepções religiosas, mas se as evidências apóiam suas especulações transformistas. Elas não apóiam e apontam em outra direção. A questão é unicamente questão de ciência qua ciência: no rigor do contexto de justificação teórica, Darwin fecha as contas? Não fecha, mas a Nomenklatura científica não quer que isso seja ensinado aos nossos alunos. E a Grande Mídia tonitroa seus ataques contra os que querem retornar à Idade das Trevas. Do alto de suas torres de marfim, eles não dão espaço para seus oponentes e críticos. Não ouvem o outro lado.

Sr. Ministro, se a teoria geral da evolução de Darwin é a teoria científica tão bem estabelecida pelas evidências como a lei da gravidade, por que o temor de examiná-la criticamente em salas de aula de ciências? Por que a demonização dos seus críticos e oponentes? Mas isso é uma questão incômoda que a Nomenklatura científica e a Grande Mídia não ousam e nem querem abordar. Tem muita coisa em jogo. Status, poder, credibilidade. Quando a questão é Darwin, Sr. Ministro, é tutti cosa nostra, capice?

Sr. Ministro, tanto Darwin não fecha as contas do fato da evolução, que 16 especialistas, todos evolucionistas de renome internacional se reuniram em Altenberg, Áustria, em julho de 2008, discutindo a elaboração de nova teoria da evolução que, contrariando o princípio evolutivo da seleção natural de Darwin, não será selecionista. O fato da evolução, e os nossos alunos precisam saber disso, é aceito a priori pelos cientistas e, diferentemente das ciências duras, a biologia evolutiva não tem leis, mas apenas um princípio: a seleção natural que desde 1859 nunca foi aceita nem por Darwin e nem pelos seus discípulos como sendo realmente o único processo evolutivo.

Sr. Ministro, uma teoria onde o mecanismo evolutivo se não for X, então é Y; se não for Y, então é Z; se não for Z, então é todo ABC, é uma teoria científica que precisa ser melhor discutida em salas de aula de ciências. Não oferecer isso aos nossos alunos contraria o proposto por Edgar Morin no livro “Os sete saberes necessários à educação do futuro”, uma sugestão à UNESCO para a educação no século XXI, Morin assim se expressou:

“As ciências permitiram que adquiríssemos muitas certezas, mas igualmente revelaram, ao longo do século XX, inúmeras zonas de incerteza. A educação deveria incluir o ensino das incertezas que surgiram nas ciências físicas (microfísica, termodinâmica, cosmologia), nas ciências da evolução biológica e nas ciências históricas".

Sr. Ministro, Morin, filósofo e educador evolucionista de ilibada reputação acadêmica, propõe o ensino das incertezas que surgiram nas ciências físicas e nas ciências das evolução biológica que são muitas. Para vergonha do seu ministério, até agora nossos alunos não conhecem nenhuma!

Sr. Ministro, como a questão é científica, que tal V. Excia. encerrar sua gestão exigindo em todas as escolas brasileiras o cumprimento da LDB 9394/96 que no artigo 35, I, III preconiza que o ensino médio tem entre suas finalidades habilitar o educando a ser capaz de continuar aprendendo, a ter autonomia intelectual e pensamento crítico?

Sr. Ministro, que tal V. Excia remeter ofício para o MEC/SEMTEC/PNLEM relembrando àquela douta Comissão que os PCNs do Ensino Médio, nas suas Diretrizes Curriculares Nacionais (Competências e Habilidades das Ciências Naturais) afirmam que o currículo deve permitir ao educando “compreender as ciências como construções humanas, entendendo que elas se desenvolvem por acumulação, continuidade ou ruptura de paradigmas...” e que “a ciência não tem respostas definitivas para tudo, sendo uma de suas características a possibilidade de ser questionada e de se transformar”?

Sr. Ministro, que tal V. Excia. promover o ensino objetiva e academicamente honesto da evolução, considerando-se as evidências a favor e contra a teoria da evolução em salas de aula de ciência? Fazendo isso, V. Excia. estará cumprindo não somente o que foi sugerido por Morin à UNESCO de uma educação para o futuro, mas estará atendendo aos anseios e ao convite de Darwin:

“Estou bem a par do fato de existirem neste volume pouquíssimas afirmativas acerca das quais não se possam invocar diversos fatos passíveis de levar a conclusões diametralmente opostas àquelas às quais cheguei. Uma conclusão satisfatória só poderá ser alcançada através do exame e confronto dos fatos e argumentos em prol deste ou daquele ponto de vista, e tal coisa seria impossível de se fazer na presente obra.”

Sr. Ministro, esta é a verdadeira questão científica que precisa chegar em nossas salas de aulas de ciência: o exame e confronto dos fatos e argumentos em prol deste ou daquele ponto de vista. Não fazer mais do que isso, V. Excia. estará perpetuando a doutrinação materialista filosófica que não pode ser questionada em salas de aula de ciências em detrimento da educação com qualidade que tanto o Brasil precisa.

Sr. Ministro, está mais do que na hora de Darwin passar também pelo crivo do rigor do método científico! Afinal de contas, foi o próprio Darwin que sugeriu o ensino da teoria da evolução objetiva e academicamente honesto. Não querer e impedir que isso ocorra em nosso país é hediondo crime contra a liberdade acadêmica e flagrante e gritante violação da cidadania dos alunos terem acesso à informação científica atualizada.

Sr. Ministro, por uma educação de qualidade, eu estou com Darwin e não abro: ensinem as evidências a favor e contra a teoria da evolução, bem como as controvérsias sobre a robustez epistêmica desta teoria desde 1859.

Quando é que a Nomenklatura científica vai ter um discurso científico honesto?

terça-feira, dezembro 23, 2008

A ciência é um construto humano que procura traduzir a realidade dos fenômenos naturais através de idéias, hipóteses, teorias e leis. Por ser uma aproximação da verdade, aqui e ali as teorias são colocadas em cheque diante dos avanços e das descobertas científicas. Este é o lado bom da ciência.

O lado ruim, é que a ciência é feita de forma subjetiva por muitos cientistas. Eles não são objetivos. Traduzindo em graúdos, cientistas não são honestos. Especialmente na defesa de um paradigma nos seus estertores epistêmicos no contexto de justificação teórica. Kuhn não foi tão incisivo assim, mas ele afirmou que quando um paradigma entra em crise, a tendência dos que fazem ciência normal é jogar para debaixo do tapete as anomalias, e seguir em frente fazendo ciência como se nada tivesse acontecido.

Há cientistas honestos, como Stephen Jay Gould que em 1980 declarou o neodarwinismo uma teoria científica morta, mas os atuais detentores do poder da Nomenklatura científica são de uma desonestidade acadêmica incomensurável. Eu não tenho nada a perder academicamente, por isso sou mais incisivo nas acusações. Não tenho medo desses Torquemadas chiques e perfumados a la Dawkins. Há uma década eu denuncio essa desonestidade acadêmica sobre uma iminente e eminente ruptura paradigmática em biologia evolutiva.

O texto a seguir reflete esta estratégia “Novilíngua” adotada pela Nomenklatura científica quando chamada às chinchas para justificar a robustez epistêmica da teoria geral da evolução através da seleção natural de Darwin. O modus operandi junto com a Grande Mídia internacional e tupiniquim é: “O que Darwin tem de bom, a gente mostra; o que Darwin tem de ruim, a gente esconde”. "Não damos espaço" (Marcelo Leite, Folha de São Paulo). É que Darwin é tutti cosa nostra, capice?

Fonte da imagem.

O autor, David Tyler, não comunga do meu texto acima, e este blogger é unicamente responsável pelo seu conteúdo.

Já chega de tanta enrolação. Nós podemos ouvir um discurso científico honesto da Nomenklatura científica???


Por favor, nós podemos ter um discurso científico?

Por David Tyler

É bem sabido que a pedra angular em um arco de pedra é crucial para a estabilidade do arco. Na verdade, sem uma boa pedra angular, o arco irá cair. Por muitos anos, Theodosius Dobzhansky tem sido citado afirmando que a teoria da evolução fornece a infra-estrutura que integra o todo da biologia. Foi isso que ele disse: “Nada em biologia faz sentido, a não ser à luz da evolução.” Algumas vezes, a referência à “evolução” se relaciona especificamente ao darwinismo/neodarwinismo, e algumas vezes a referência é ao conceito de evolução em vez de qualquer mecanismo em particular. O iminente bicentenário do nascimento de Charles Darwin e os 150 anos de sua magnum opus estão destacando as palavras de Dobzhansky e aplicando-as à teoria da evolução através da seleção natural de Darwin. Esta é a inferência a ser tirada de um recente editorial na revista Scientific American e a ilustração acompanhante.

Dizem que o darwinismo é uma teoria que todos devem aprender (Fonte da imagem aqui, Credit Matt Collins)

Uma aplicação principal desta mensagem se relaciona com a educação. Os alunos precisam saber a respeito da teoria de Darwin – na verdade, todos devem conhecê-la!

Os editores concluíram:

“Uma maneira para celebrar o aniversário de Darwin é contemplar como que os estudos evolucionários podem atingir uma adoção muito maior na educação dos ensinos médio e superior. A seleção natural e a idéia complementar de como os genes, os indivíduos e as espécies mudam ao longo do tempo deve ser tanto parte do desenvolvimento de capacidades de pensamento crítico bem como de raciocínio dedutivo e o estudo de ética.”

Isto pode surpreender os editores da Scientific American, mas ninguém está argumentando que a seleção natural e “como os genes, os indivíduos e as espécies mudam ao longo do tempo” não deva ser ensinado. As diferenças são sobre como estes tópicos são apresentados aos alunos e o que se espera que os alunos aprendam. Teria sido um contribuição bem-vinda para esta discussão particular se Glenn Branch e Eugenie Scott tivessem abordado no seu artigo na revista Scientific American.
Todavia, em vez de lidarem com as questões, eles devotaram mais de rês mil palavras para uma polêmica contra as supostas atividades subversivas dos criacionistas. Eles deploram o fato de que o Louisiana Science Education Act se tornou lei.

“À primeira vista, a lei parece inócua: ele instrui a secretaria estadual de educação a “permitir e ajudar os professores, os diretores, e outros administradores escolares a criar e fomentar um ambiente dentro das escolas públicas elementares [N. do blogger A: nosso ensino fundamental] e secundárias [N. do blogger B: nosso ensino médio] que promova as capacidades de pensamento crítico, análise lógica, e a discussão livre e objetiva das teorias científicas sendo estudadas”, que inclui fornecer “apoio e orientação para os professores com respeito a maneiras eficientes para ajudar os alunos compreenderem, analisarem, criticarem e revisarem objetivamente as teorias científicas sendo estudadas.” O que não devemos gostar? Não são o pensamento crítico, a análise lógica, e a livre e objetiva discussão exatamente o que a educação em ciência objetiva promover?



Alô Sr. Ministro da Educação, o MEC/SEMTEC/PNLEM está engabelando nossos alunos com o ensino do neodarwinismo, uma teoria científica morta há quase três décadas. Está mais do que na hora de se considerar um tipo de ensino da teoria da evolução através da seleção natural nos moldes da Louisiana. O que temos não é educação, mas doutrinação.


“Como sempre na história contenciosa da educação em evolução nos Estados unidos, o Diabo está nos detalhes. A lei mira explicitamente a evolução, o que não é surpreendente — pois movendo-se furtivamente lá no fundo da lei está o criacionismo, a rejeição de explicação científica da história da vida em favor de um relato sobrenatural envolvendo um criador pessoal.”

Na verdade, eles estão dizendo que a letra da lei parece boa, mas a letra da lei serve de fachada para o criacionismo, mentiras e enganos. Eles não acreditam que todos os professores serão fiéis à letra da lei. Eles esperam que alguns professores promovam dúvidas injustificadas sobre a evolução:

“Permitir que os professores instilem dúvidas científicas injustificadas sobre a evolução é nitidamente além do limite. Apesar disso, isto é que o Louisiana Science Education Act foi evidentemente criado, ou planejado para fazer.”

Esta mensagem é uma que nós já ouvimos antes muitas vezes, e não há nenhuma evidência de que tenha qualquer validade. Existem preocupações legítimas sobre a maneira como o darwinismo deva ser explorado na sala de aula. Muitos de nós pensamos que a seleção natural está sendo solicitada a fazer demasiadamente — muito além da evidência empírica que demonstre o que ela pode fazer. Muitos de nós pensamos que as variações naturais observadas não devem ser usadas para se argumentar a transformação da vida a partir de uma célula até a diversidade das coisas vivas que nós vemos hoje. As objeções ao darwinismo são científicas, e elas precisam ser abordadas regularmente na educação dos alunos.



Alô Sr. Ministro da Educação: o MEC/SEMTEC/PNLEM adotou o sistema de educação em evolução “tapeando” nossos alunos há quase três décadas não informando que o neodarwinismo é uma teoria morta, e que a seleção natural não tem toda a capacidade evolutiva que lhe é atribuída em nossos melhores autores de livros-texto de Biologia do ensino médio. O nome disso é desonestidade acadêmica.


Estas idéias t~em sido exploradas diversas vezes neste blog. Eis alguns exemplos nos últimos meses: Evolution, Museums and Society, Cichlid fish - another textbook example of evolution in action?,Hairless Dogs as an example of deleterious mutations, A call for an end to Pseudo-Darwinian hype, Adaptations affecting dim-light vision in vertebrates,The formidable problem of assembling the bacterial flagellum.

De interesse particular é o modo polêmico que os argumentos são apresentados. Não existe nenhuma interação com as questões científicas, mas somente uma tentativa desesperada de provar a infiltração do criacionismo no tecido da ciência e da educação. Sem dúvida que muitas pessoas conhecem o livro Of Pandas and People — mas as “análises” publicadas do livro pelos evolucionistas alguma vez lidaram seriamente com a ciência? O mesmo pode ser dito de muitos outros recursos produzidos por cientistas do Design Inteligente — em vez de um discurso científico, nós somos entupidos com uma polêmica insossa.

2009 será um pouco diferente? Os cientistas do Design Inteligente serão permitidos levantarem questões científicas sobre a validade do darwinismo? Será que pessoas sugerindo haver questões sérias a serem consideradas irá ser caçados como traidores da ciência? E os nossos jovens? Eles serão permitidos questionar se as evidências apresentadas na sala de aula são adequadas para apoiar a teoria da evolução no livro-texto? Todos nós queremos promover uma disposição saudável de mente científica, mas uma recusa de se abordar as questões criticamente não vai fazer bem no futuro.


The Latest Face of Creationism in the Classroom

Glenn Branch and Eugenie C. Scott
Scientific American, December 16, 2008

First para: Professors routinely give advice to students but usually while their charges are still in school. Arthur Landy, a distinguished professor of molecular and cell biology and biochemistry at Brown University, recently decided, however, that he had to remind a former premed student of his that "without evolution, modern biology, including medicine and biotechnology, wouldn't make sense."

Why Everyone Should Learn the Theory of Evolution

The Editors

Scientific American, December, 2008

First para: Charles Darwin did not think of himself as a genius. "I have no great quickness of apprehension or wit which is so remarkable in some clever men ..." he remarked in one passage of his autobiography. Fortunately for the rest of us, he was profoundly wrong in his assessment. So on February 12 the world will mark the bicentennial birthday of a scientist who holds a rightful place alongside Galileo, Copernicus, Newton and Einstein.

A "Árvore da Vida" de Darwin já era...

segunda-feira, dezembro 22, 2008

Você se lembra daquela árvore da vida monofilética de Darwin que foi usada para ilustrar a hipótese da ancestralidade comum? Pois é, já era. Faz é tempo, mas a Nomenklatura científica e a Grande Mídia internacional e tupiniquim vivem um “affair” incestuoso quando a questão é Darwin: “O que Darwin tem de bom, a gente mostra. O que Darwin tem de ruim, a gente esconde”. Tutti cosa nostra, capice?

Há uma década este “simples professorzinho do ensino médio” (eu me orgulho de ter sido educador) levantou a lebre para alguns autores de livros didáticos de Biologia do ensino médio e para vários editores de ciência da Grande Mídia, que uma iminente e eminente mudança paradigmática em biologia evolutiva estava acontecendo. Nem deram importância para as críticas fundamentadas na literatura especializada. A galera dos meninos e meninas de Darwin riu e escarneceu deste que, para desespero deles, é hoje um historiador de ciência em formação.

Quando eu afirmei que a Árvore da Vida de Darwin estava com os dias contados, nem me levaram a sério. Apresentei a proposta da National Science Foundation dos Estados Unidos para a montagem de uma nova Árvore da Vida.

Eu somente destaco aqui que o prazo para entrega das propostas acaba em 23 de março de 2009.

Fui, nem sei por que, pensando que já li em algum lugar a respeito de uma certa árvore da vida. Cruz, credo! Valha-nos, Darwin!

Assembling the Tree of Life (ATOL)



Darwin's vision of the "great Tree of Life ... with its everbranching and beautiful ramifications" has challenged scientists and others for generations. Darwin's use of tree imagery inspired efforts to classify all the major groups of organisms, and to reveal the pattern of historical relationships that would explain the similarities and differences among them. Phylogenetic knowledge, by virtue of its explanatory power, has proven useful in many fields, such as choosing experimental systems for biological research, tracking the origin and spread of emerging diseases and their vectors, bioprospecting for pharmaceutical and agrochemical products, preserving germplasm, targeting biological control of invasive species, and evaluating risk factors for species conservation and ecosystem restoration. At the same time, progress in many disciplines from genomics to evolution and development is currently hampered by the lack of a rigorous phylogenetic framework to guide research.

Currently, the large-scale features of life's genealogy have been captured in the three-domain model of Archaea, Bacteria, and Eukaryota, but relationships of many groups of organisms remain unanalyzed and unresolved. Patterns of phylogeny within the domains and within most phyla, the extent of web-like reticulate connections among lineages, and the tempo and mode of evolutionary change remain unknown for most species on earth. Despite the enormity of the task, with 1.7 million described species and the likelihood of vastly more yet to be discovered, now is the time to reconstruct the tree of life: the conceptual, computational and technological tools are available to resolve most, if not all major branches of the tree of life. Researchers in biological and computational fields have recognized both the need and the potential for success and have called for a national and international effort to Assemble the Tree of Life. There are currently five general goals:

1. To scale up the numbers of taxa and data sets beyond current practice with an emphasis on acquisition and integration of molecular, morphological, and physiological evidence on extant and extinct organisms in order to resolve phylogenetic relationships of large taxonomic group;

2. A strong focus at this point is on major taxonomic groups not yet addressed by current or previous AToL projects, for example, major groups of prokaryotes, protists, lower invertebrates and viruses. This includes support of research to understand the role and importance of lateral gene transfer and reticulation in evolutionary history, as well as the development of methods and theory that will address this important issue in phylogenetic research and phyloinformatics;

3. Research on and development of tools for computational phylogenetics and phyloinformatics. These projects might include the archiving and managing of phylogenetic data, matrices, trees and networks; collaborative work environments for large scale systematics; software development to improve construction, visualization and navigation of the Tree of Life; assessment of empirical support and uncertainty in trees and networks; and exploration of the predictive capabilities of hierarchical structure in the Tree of Life; and

4. Coordination across different AToL projects, including data sharing and collaborations, identification of ‘core’ genes conserved across major groups that can be used in analyses across all major lineages of the ToL, identification of mechanisms that ensure a coordinated approach to data collection across various AToL projects;

5. Outreach and education in comparative phylogenetic biology and paleontology, emphasizing new training activities, informal science education, and Internet resources and dissemination.

Examples of awards that met these goals can be accessed here.

A fraude do aquecimento global antropogenicamente provocado

Este blogger é cético localizado do aquecimento global ser antropogenicamente provocado.

Assista a este longo vídeo de "cientistas heréticos" que também não acreditam nesta fraude promovida mundialmente por Al "Apocalipse" Gore (que não segue o que prega, pois sua casa é altamente poluidora, e quando viaja para ganhar milhares de dólares com suas palestras alarmistas ele viaja no seu jatinho particular poluindo ainda mais a atmosfera).

Quanta fraude e hipocrisia em nome da ciência. E Al "Apocalipse" Gore vai ganhar muita grana com sua empresa ecológica.

Aqui [1:13:32] Sorry, periferia, mas está em inglês.

P. S. DO BLOGGER: Notem a maneira como a Nomenklatura científica trata os "críticos" e "oponentes" da hipótese do aquecimento global ser antropogenicamente provocado.

Fui, nem sei por que, pensando no tratamento análogo que a Nomenklatura científica dispensa aos críticos e oponentes da teoria geral da evolução através da seleção natural de Darwin, e aos teóricos e proponentes da teoria do Design Inteligente que têm suas carreiras acadêmicas destruídas por esses Torquemadas do século XXI.

Perguntas para serem consideradas cum granum salis

1. O Naturalismo Metodológico (NM) é um compromisso heurístico essencial para o progresso científico?

2. O NM é falseável? Poderia ser falseável? Como podemos saber?

3. Se o NM não for falseável, o que isso implica para a prática da ciência normal?

3. O NM difere realmente do naturalismo filosófico (NF)? Como podemos saber? Como evitar que o NF usurpe o papel do NM na defesa da ciência qua ciência?

A agenda secreta da química

quinta-feira, dezembro 18, 2008

A agenda secreta da química

Por Carlos Haag

Revista Pesquisa FAPESP – Em “O alkahest ou a busca do absoluto”, de A comédia humana, Balzac cutucou um nervo ainda hoje sensível para a história da ciência: o saber alquímico e a tradição hermética não foram eliminados tão facilmente pela revolução científica, mas conviveram por longos séculos, de formas diversas e em diferentes níveis.

A mais recente prova documental desses paralelos e permanências entre momentos tão diversos como aqueles em que se gerou a hermética medieval e o que deu nascimento à ciência moderna acaba de ser descoberta, em Londres, nos arquivos da Royal Society, por Ana Maria Alfonso-Goldfarb e Márcia Ferraz, ambas do Centro Simão Mathias de Estudos em História da Ciência (Cesima), da PUC-SP.

Trata-se de série de documentos do século 17, dados como perdidos, em que membros da venerável instituição britânica, uma pioneira na promoção do saber científico moderno, discutem o lendário alkahest (e a sua “receita”), o hipotético “solvente universal” alquímico que poderia dissolver qualquer substância, reduzindo-a em seus componentes primários.

Ana é coordenadora do Projeto Temático, apoiado pela FAPESP, “As complexas transformações da ciência da matéria: entre o compósito do saber antigo e a especialização moderna”. Foi justamente fazendo pesquisas para o projeto, em Londres, que as pesquisadoras, após um intenso trabalho de busca, encontraram os documentos.

“Fizemos questão de compartilhar esse achado com a Royal Society e, em meados do ano que vem, ao lado do professor Piyo Rattansi, do University College London, que nos ajudou na transcrição e análise da documentação, vamos apresentar os manuscritos redescobertos, bem como iremos publicar um artigo sobre esse achado na revista Notes and Records of the Royal Society”, conta Ana.

Clique aqui para ler o texto completo na edição 154 de Pesquisa FAPESP.

Assinatura, renovação e mudança de endereço: (11) 3038-1434, (11) 3038-1418 (fax) ou


Eu acho que vou tentar levantar esta "lebre" em Biologia nos anos 1859-1880. Será que não houve também uma agenda secreta da biologia, onde o paradigma biológico antigo continuou operando junto com o paradigma transformista de Darwin??? O que é que poderá ser encontrado nos anais da Royal Society???

Esqueceram da origem da vida na Exposição “Visões da Terra: Entre Deuses e Máquinas”

Visões da Terra: Entre Deuses e Máquinas – Qual o lugar da humanidade no mundo que vivemos?


De 12/12/2008 à 31/7/2009

Agência FAPESP – A exposição “Visões da Terra: Entre Deuses e Máquinas – Qual o lugar da humanidade no mundo que vivemos?” está em cartaz até 31 de julho de 2009, na Estação Ciência da Universidade de São Paulo (USP).

A mostra, que propõe uma viagem pela história do nosso planeta por meio de reflexões sobre como o homem se relaciona com o mundo em que vive, é composta de vários módulos com informações e obras de arte que reconstroem a evolução da vida na Terra.

“A revolução científica: um novo modo de pensar a Terra”, “A razão ordena o mundo”, “A evolução da Terra e da vida”, “Os programas científicos da revolução industrial”, “A Terra como sistema na era da informação” e “A sinfonia do clima: glaciações e inundações marinhas cíclicas” são alguns tópicos abordados na exposição.

A exposição tem coordenação de docentes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Mais informações aqui e aqui.



Por que os docentes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul deixaram de fora a origem da vida nesta importante exposição? A razão não ordena o mundo? Então por que deixaram de fora a questão da origem da vida nas “reflexões sobre como o homem se relaciona com o mundo em que vive”?

Se a questão da origem da vida é assim tão irrelevante epistemicamente, por que a origem da vida ainda continua sendo apresentada em nossos melhores livros-texto de Biologia dos ensinos médio e superior?

Alô MEC/SEMTEC/PNLEM: A origem da vida é epistemicamente irrelevante para as reflexões sobre como o homem se relaciona com o mundo em que vive!

Ativistas extremistas e anticientíficos contra o fato, Fato, FATO da evolução em ação diante de nossos olhos

Como todos nós sabemos, a extinção é um dos mecanismos evolutivos propostos por Darwin (o homem que teve a maior de todas as idéias que a humanidade já teve, esse guri chato do Dennett não larga do meu pé).

Eu fico perplexo com os ecochatos fundamentalistas, chiques e perfumados que ainda não compreenderam este fato, Fato, FATO da evolução acontecendo diante de nossos olhos: o mais apto sobrevive. Assim sendo, o rinoceronte-de-java, a vaquita (ou boto-do-pacífico) e o gorila-do-rio-cruz, ao serem extintos no seu nicho ecológico, serão suplantadas e darão lugar a novas espécies mais aptas a sobreviverem.

Será que as “txurmas” da ONG WWF e Greenpeace já leram o “Origem das Espécies”? Creio que não. Se leram, não entenderam Darwin. Tivessem lido, eles não estariam com essas campanhas milionárias fundamentalistas impedindo o fato, Fato, FATO da evolução acontecer diante de nossos olhos.

Fui, nem sei por que, pensando que se raciocinarmos assim em relação à espécie humana, Darwin estava certo no “The Descent of Man” ao propor a extinção “manu militari” das raças humanas inferiores...

Cruz, credo!!!

JC e-mail 3664, de 17 de Dezembro de 2008.

21. Rinoceronte encabeça lista de mamíferos mais ameaçados

Restam menos de 60 indivíduos do rinoceronte-de-java, na Indonésia e no Vietnã

O rinoceronte-de-java, a vaquita (ou boto-do-pacífico) e o gorila-do-rio-cruz são os três mamíferos mais ameaçados do mundo, segundo a ONG WWF.

Restam menos de 60 indivíduos do rinoceronte-de-java, na Indonésia e no Vietnã. Já a vaquita conta com cerca de 150 exemplares, que tentam sobreviver no alto golfo da Califórnia, no México. Há 300 exemplares do gorila-do-rio-cruz na Nigéria e em Camarões, que sofrem com a expansão de madeireiras e com a caça, que é ilegal.

A lista dos animais mais ameaçados da WWF possui no total nove espécies. Aparecem também o tigre-de-sumatra, a baleia franca, o toirão-americano, o elefante-asiático, o panda-gigante e o urso-polar. (Da France Presse)

(Folha de SP, 17/12)

EXTRA! EXTRA! Aparelho desenvolvido na UFRJ corrobora tese do Design Inteligente

Os teóricos e proponentes da teoria do Design Inteligente afirmamos existir sinais de inteligência que são empiricamente detectados na natureza, i.e., existem métodos bem definidos que, baseados nas características observacionais do mundo, nos ajudam a distinguir com confiança as causas inteligentes das causas naturais não dirigidas.

Nós também afirmamos que várias ciências já utilizam tais métodos para fazerem esta nítida distinção: a inteligência artificial (teste de Turing), a criptografia, a arqueologia, o SETI, e a ciência forense (uma área de estudo que se ocupa da análise científica das evidências de um crime). Aqui no caso, química forense.

A Dra. Cristiane Calza desenvolveu um sistema portátil de análise química que identifica os pigmentos originais usados pelo artista, os retoques feitos, e até as falsificações: causas inteligentes.

QED: Os cientistas brasileiros corroboram as teses do Design Inteligente.


A Dra. Cristiane Calza não faz parte do NBDI – Núcleo Brasileiro de Design Inteligente, e até onde sabemos não defende as nossas teses.


JC e-mail 3664, de 17 de Dezembro de 2008.

27. “Ciência Hoje On-line”: Química desvenda segredos da arte

Sistema portátil identifica pigmentos originais e retoques em pinturas e artefatos e revela falsificações

As falsificações de obras de arte estão com os dias contados. Um sistema desenvolvido na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) é capaz de identificar os pigmentos originais usados pelo artista, revelando, assim, falsificações, e ainda distinguir retoques em pinturas.

Para isso, os quadros e artefatos não precisam nem mesmo sair do museu: o aparelho é portátil e viabiliza a análise de obras cujo tamanho ou raridade dificultariam o transporte a um laboratório.

O equipamento foi desenvolvido pela química Cristiane Calza em seu doutorado no Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da UFRJ.

Agora a pesquisadora analisa vinte quadros do acervo do Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, que entrarão em exposição em maio de 2009. As informações obtidas sobre as telas, feitas por pintores brasileiros do século 19, darão origem a um banco de dados que mostrará quais pigmentos caracterizam a obra de importantes artistas da época.

Leia a matéria completa na “CH On-line”, que tem conteúdo exclusivo atualizado diariamente.

O editorial da Folha de São Paulo sobre a manutenção do naturalismo filosófico

quarta-feira, dezembro 17, 2008

Agentes do Design Inteligente infiltrados na redação da Folha de São Paulo obtiveram o seguinte rascunho de editorial que, devido às forças ocultas da Nomenklatura científica, foi simplesmente descartado de ser publicado na edição de 16/12/2008.
Imagem de Elizabeth Glassanos.



A manutenção do naturalismo filosófico

[Só para assinantes da FSP ou do UOL]

No Brasil como em outros países, observa-se uma crescente pressão das comunidades científicas para aumentar a influência isolada da Nomenklatura científica (influenciada pelo naturalismo filosófico) sobre o ensino. A face mais visível da investida está na reivindicação de que a mal e nunca bem definida “teoria” evolucionista seja ministrada nas salas de aulas de ciência sem a apresentação das críticas às suas insuficiências teóricas fundamentais no contexto de justificação teórica amplamente conhecidas e discutidas por aquelas comunidades científicas.

Sob o argumento de que Charles Darwin (1809-1882) já explicou tudo sobre o mundo natural e por isso sua teoria teria comprovação definitiva, defende-se com unhas e dentes o ensino da abordagem “somente Darwin”: o acaso e a necessidade, as mutações filtradas pela seleção natural ao longo do tempo (bilhões e milhões de anos) teriam dado origem ao mundo com todas as diversidades e complexidades de espécies conhecidas.

Há muitos conjuntos de proposições sobre a natureza que não encontram tanta corroboração em fatos quanto a teoria da evolução: o registro fóssil, a hipótese da ancestralidade comum, a Árvore da Vida (parece mais um gramado), não sabermos o que é uma espécie, e etc. Sua versão conhecida como Síntese Moderna agregou as descobertas da genética à matriz do pensamento darwiniano e, apesar de ser uma teoria com muitas anomalias não respondidas nos seus estertores no contexto de justificação teórica, e com uma nova teoria da evolução a caminho (não selecionista), mesmo assim afirmam que ela se encontra na raiz do enorme desenvolvimento das ciências biológicas durante o século 20.

Ao evolucionismo, por ser uma teoria de longo alcance histórico falta apoio empírico minimamente comparável: como replicar a hipótese da ancestralidade comum? Como um Australopithecus se transformou em antropólogo? Apesar disso, todos os estabelecimentos brasileiros com orientação secular ensinam a evolução materialista até em aulas de religião. A justificativa esdrúxula está numa noção de visão única que não tem cabimento no ensino de ciências em pleno século XXI.

Antes, a obrigação do professor dessas disciplinas é apresentar aos seus alunos o conhecimento mais atual e seguro, com apoio em observações e medições, mas não é isso que vemos ocorrer nas salas de aulas de ciências e nem nas abordagens desses conhecimentos nos livros-texto de ciências aprovados e recomendados pelo MEC/SEMTEC/PNLEM. Alguns deles ainda apresentam as fraudes das mariposas de Manchester e o desenho dos embriões de vertebrados como “provas” do fato da evolução.

É um equívoco inadmissível atribuir status de Theoria perennis a uma teoria do século XIX, revista e atualizada no século XX (Síntese Moderna), mas que vai ser substituída brevemente pela Síntese Evolutiva Ampliada.

De um lado, a afirmação vazia, mas retumbante, de uma teoria aperfeiçoada e corroborada ao longo de 150 anos de estudos como se fosse Theoria perennis; de outro, uma narrativa ideológica apoiada sobre a autoridade de um consenso que não pode ser recusado pela maioria dos cientistas, pois a Nomenklatura científica é antropofágica e destruidora de carreiras acadêmicas. Para onde foi o espírito crítico em ciência? E a liberdade acadêmica?

O equívoco maior, contudo, é restringir o ensino do evolucionismo nas aulas de ciência, impedindo que seja também ministrado em aulas de religião. Essa atitude solapa, na formação das crianças, o entendimento dos fundamentos do método científico, e das proposições da LDB 9394/96 visando o aprimoramento do educando como pessoa humana, sua formação ética e o desenvolvimento da sua autonomia intelectual e do pensamento crítico, e que as teorias científicas são meros construtos humanos da descrição da realidade passíveis de revisão e até de substituição.

Apontar a incongruência entre evolucionismo (como naturalismo filosófico) como se fosse ciência, no entanto, é o máximo que o poder público tem a fazer nesses casos. Se a opção dos pais, consciente, recair sobre uma escola secular privada que ministre o evolucionismo como Theoria perennis nas aulas de ciência, mas não em aulas de religião, essa é uma esfera de decisão imune à intervenção do Estado.

Underdetermination in Science: os limites heurísticos das teorias científicas

Underdetermination in Science
Saturday-Sunday, 21-22 March 2009
Center for Philosophy of Science
817 Cathedral of Learning
University of Pittsburgh
Pittsburgh , PA USA

Getting Real: Underdetermination and the Hypothesis of Organic Fossil Origins

Kyle Stanford
Department of Logic and Philosophy of Science
University of California, Irvine

Abstract: In this talk I will examine the historical fortunes of a particular scientific hypothesis to begin exploring just when the historical record of recurrent, transient underdetermination should and should not lead us to take what I have called the problem of unconceived alternatives as a serious threat to realism about our best scientific theories. I will argue that although the hypothesis that fossil objects are the remains of once-living creatures has been vulnerable to the problem for most of its scientific career, it does not remain so at present, and that this is because the hypothesis now rests most centrally on a kind of straightforward inductive projection rather than on evidence that is fundamentally abductive in character. I will conclude by trying to draw some more general lessons from this case, perhaps most importantly that we should expect to be better able to resist the challenge from unconceived alternatives and recurrent, transient underdetermination in so-called "historical" sciences like geology and evolutionary biology, where we should most frequently expect to be able to accumulate evidence of this projective variety.

Resisting Underdetermination: Caught between the Data and the Deep Blue Sea

David Harker
Dept of Philosophy and Humanities
East Tennessee State University

Abstract: One way in which the scope of underdetermination theses might be restricted starts by drawing a distinction between the fundamental assumptions of scientific theories and what we might call ‘middle level regularities’. In this paper I take Stanford’s (2006) examples from 19th century developmental biology and argue that although Stanford seems right that an important kind of underdetermination exists at the level of fundamental claims, a significant realist thesis might still be defended if we attend to less general claims made by Darwin, Galton and Weismann.

Underdetermination, methodological practices, and the case of John Snow

Dana Tulodziecki
Dept of Philosophy
University of Missouri , Kansas City

Abstract: My talk will be guided by the idea that there are some familiar scientific practices that are epistemically significant. I will argue that we can test for the success of these practices empirically by examining cases in the history of science. Specifically, I will reconstruct one particular episode in the history of medicine – John Snow's reasoning concerning the infectiousness of cholera – and offer this case as a concrete example of the sort of empirical research that needs to be done in order to discover what kinds of methodological practices and rules are actually of epistemic interest. Analysing this case, I will explain how it (and other cases like it) can help us resolve specific cases of underdetermination. After exploring some possible anti-realist responses to this argument, I will conclude that, while the anti-realist is (more or less legitimately) able to construct underdetermination scenarios on a case-by-case basis, he will likely have to abandon the strategy of using algorithms to do so, thus losing the much needed guarantee that there will always be rival cases of the required kind.

Must Evidence Underdetermine Theory?

John D. Norton
Dept. of HPS and Center for Philosophy of Science
University of Pittsburgh

Abstract: While it is sometimes taken as a truism of inductive inference that evidence necessarily leaves theory underdetermined, this underdetermination is usually recovered from an impoverished and simple-minded version of hypothetico-deductive. None of the major accounts of inductive inference support it. The favored strategy of supporting underdetermination by the display of observationally equivalent theories is self-defeating. If the observational equivalence can be demonstrated by arguments brief enough to fit in a journal article, we cannot preclude the possibility that the theories are merely variant formulations of the same theory. A variant of this response can also evade "underdetermination by grue."

Can We Know the Structure of Our Universe?

John Manchak
Dept of Logic and Philosophy of Science
University of California, Irvine

Abstract: Within the framework of general relativity, I hope to illustrate a rather precise sense in which every cosmological model of our universe is empirically underdetermined. It seems that no amount of observational data we could ever (even in principle) accumulate, can force one and only one cosmological model upon us. Additionally, I aim show that even if one assumes (as do the cosmologists) a principle of uniformity – that the physical laws we determine locally are applicable throughout the universe – these general epistemological difficulties remain.

The Identical Rivals response to underdetermination

P. D. Magnus
Dept of Philosophy
State University of New York, Albany

Abstract: The underdetermination of theory by data obtains when, inescapably, evidence is insufficient to allow scientists to decide responsibly between rival theories. One response to would-be underdetermination is to deny that the rival theories are distinct theories at all, insisting instead that they are just different formulations of the same underlying theory; we call this the identical rivals response.

An argument adapted from John Norton suggests that the response is presumptively always appropriate, while another from Larry Laudan and Jarrett Leplin suggests that the response is never appropriate.

Arguments from Einstein for the special and general theories of relativity may fruitfully be seen as instances of the identical rivals response; since Einstein's arguments are generally accepted, the response is at least sometimes appropriate. But when is it appropriate? We attempt to steer a middle course between Norton's view and that of Laudan and Leplin: the identical rivals response is appropriate when there is good reason for adopting a parsimonious ontology. Although in simple cases the identical rivals response need not involve any ontological difference between the theories, in actual scientific cases it typically requires treating apparent posits of the various theories as mere verbal ornaments or computational conveniences. Since these would-be posits are not now detectable, there is no reliable way to decide whether we should eliminate them or not. As such, there is no rule for deciding whether the identical rivals response is appropriate or not. Nevertheless, there are considerations that suggest for and against the response; we conclude by suggesting two of them.



Greg Frost-Arnold, Dept of Philosophy, University of Nevada, Los Vegas
Program Committee

John D. Norton, Dept of HPS and Center for Philosophy of Science
University of Pittsburgh

Kyle Stanford, Dept of Logic and Philosophy of Science
University of California, Irvine

Center for Philosophy o Center for Philosophy of Science – Pitt University

Por que a Síntese Moderna vai dar lugar à Síntese Evolutiva Ampliada em 2010?

terça-feira, dezembro 16, 2008

Todo o debate recentemente engendrado pela Grande Mídia, especialmente a Folha de São Paulo, sobre o ensino de criacionismo nas escolas confessionais como o Mackenzie, é meramente uma bem elaborada estratégia para blindar Darwin da verdadeira questão que precisa ser abordada publicamente em Pindorama.

A verdadeira questão hoje, que ainda não foi abordada pela Nomenklatura científica e nem pela Grande Mídia tupiniquim, não é se as especulações transformistas de Darwin contrariam os relatos de criação de concepções religiosas, mas se as evidências encontradas na natureza apóiam sua teoria. A questão é científica, não é a velha polarização "ciência versus religião". A questão nova é scientia qua scientia.

Quando uma teoria científica não responde às anomalias encontradas pelos cientistas praticando ciência normal, a tendência, parafraseando Kuhn, é varrer essas dificuldades para debaixo do tapete epistêmico e seguir em frente com a ciência como se nada tivesse acontecido. Se as anomalias aumentarem, mesmo assim a velha guarda resiste e defende com unhas e dentes o paradigma.

São muitas as anomalias que a Síntese Moderna não mais responde. Por exemplo, a teoria evolutiva padrão da Síntese Moderna diz ser muito improvável encontrar genes abrigados em uma população que fará uma grande diferença como que um organismo irá se parecer e como se formará.

Anomalia fundamental encontrada: tais genes estão sendo descobertos nas populações.

QED: é por essa e outras anomalias que nós daremos adeus a Darwin em 2010.

Eu? Eu já dei adeus a Darwin em 1998. Sem arrependimento, e há uma década na frente da Nomenklatura científica e da GMT. E da galera dos meninos e meninas de Darwin.

Fui, nem sei por que, pensando que o “espectro de Lamarck” anda rondando a Nomenklatura científica e vai dar um baita susto na galera dos meninos e meninas de Darwin que vai ter que lidar com um paradigma não-selecionista.

Será o retorno triunfal de Lamarck, desprezado por Darwin, mas mais lamarckista do que Lamarck na 6ª. edição do Origem das Espécies???

Cruz credo...


Alô MEC/SEMTEC/PNLEM: nós estamos de olhos nos livros didáticos de Biologia. Já chega de engabelar nossos estudantes com uma teoria morta que permanece como ortodoxia somente nesses livros (obrigado Gould, pela honestidade científica).

180.000 visitantes e "bombando"...

Para os céticos localizados, cliquem aqui.

A Evolução da evolução: a Sci Am-Brasil também vai “macaquear” a Sci Am

Nos Estados Unidos as revistas com especiais sobre Darwin já começaram a chegar às bancas de jornais e revistas. Exemplo desta escancarada e nauseabunda louvaminhice, beija-mão e beija-pé de Darwin é a revista Scientific American com a edição de janeiro de 2009.

Como eu, todo mundo já esperava, o especial é uma louvação só utilizando sempre o comando Ctrl + Alt +Insert:

1. Darwin foi um gênio científico, o maior de todos os cientistas da história da humanidade (eu acho que o Dennett trabalha na redação da Sci AM).

2. A evolução é a pedra fundamental de toda a biologia (eu acho que aqui eles invocaram o mantra de Dobzhasnky: nada em biologia faz sentido a não ser luz da evolução, quando a atitude científica deveria dizer – nada em biologia faz sentido a não ser à luz das evidências).

3. Como não podia faltar, os criacionistas malditos ainda tentam introduzir a religião irracional deles nas aulas de ciência nas escolas públicas americanas.

Teve um artigo cujo título eu fiquei bastante intrigado − “Why Everyone Should Learn the Theory of Evolution” (Porque todos devem aprender a Teoria da Evolução).

Ué, mas esta foi a única teoria que eu aprendi na escola e que todo mundo aprende desde o ensino fundamental. Esta teoria geral da evolução é ensinada sem nenhuma crítica quando evolucionistas competentes e honestos discutem suas insuficiências epistêmicas fundamentais e que o neodarwinismo é uma teoria em crise e nos seus estertores no contexto de justificação teórica.

Eles não abordam que uma nova teoria da evolução vai surgir no pedaço, que não será selecionista, depois das celebrações de “culto à personalidade”. É este tipo de abordagem sobre uma teoria científica que os alunos precisam conhecer em salas de aulas de ciências. Do jeito que está, não é educação, é doutrinação. Não é ciência, é dogma.

Este blogger, um historiador de ciência em formação, sabe que Charles Robert Darwin (ele não gostava de ser chamado pelo nome complete) não pensava tão alto assim de si mesmo. Numa passagem de sua autobiografia, Darwin destacou:

“Eu não tenho nenhuma grande rapidez de percepção ou perspicácia que é tão notável em alguns homens inteligentes [...]”

Acho melhor a gente ouvir e ler Darwin no original do que as múltiplas vozes de idólatras secularistas fundamentalistas clamando pelo seu deus...

Dia 12 de fevereiro é aniversário de Darwin. 200 anos para ser mais exato. Nada mais propício para envidar esforços para que todos aprendam mais sobre a evolução. Eles concluíram um dos artigos assim:

“A seleção natural e a idéia complementar de como genes, indivíduos e espécies mudam ao longo do tempo deve ser tanto parte do desenvolvimento das capacidades de pensamento crítico como o raciocínio dedutivo e o estudo de ética.”

Gente, eles só faltaram emendar, mas aí seria muita, mas muita falta de criatividade:

“Nada em raciocínio dedutivo e na ética faz sentido, a não ser à luz da evolução.”

Pano rápido, mas não corram já para as bancas, pois a Sci AM-Brasil só vai macaquear a Sci AM em fevereiro de 2009.

Em 2009, vai ser um Darwin nos acuda. Quem viver, verá...

Não é somente em Biologia que o MEC/SEMTEC/PNLEM adota livros com erros

sexta-feira, dezembro 12, 2008

Em 2003 e 2005 este blogger entregou uma análise crítica da abordagem da teoria da evolução em nossos melhores autores de Biologia do ensino médio que traziam duas fraudes e várias evidências científicas a favor do fato da evolução.

Autores como Amabis e Martho deixaram de usá-las (as mariposas de Manchester como uma “prova” da evolução em ação ocorrendo diante de nossos olhos, e os embriões de vertebrados em seu estágio inicial [na verdade era estágio mediano, mas não deixaram patente em suas novas edições porque deixaram de fazê-lo]. Fraudes usadas em favor do fato, Fato, FATO da evolução. O MEC/SEMTEC/PNLEM nem sequer considerou cum granum salis o que foi apresentado.

Do jeito que está a composição do PNLEM, nada disso irá mudar. É como mandar cabrito tomar conta de horta. Não existe nenhum analista disposto a enfrentar “a linha de discurso único” da Nomenklatura científica, e Darwin saí ileso, e os alunos enganados. Haja objetividade e isenção acadêmica...

Li esta notícia no site da UnB, e espero que alguém fazendo mestrado em Biologia tenha a coragem de fazer isso com os atuais livros de Biologia do ensino médio aprovados e adotados pelo MEC/SEMTEC/PNLEM para 2009.

Fui, meio indignado com tudo isso...

11/12/2008 - CIÊNCIA

MEC adota livros com erros em Astronomia

Todas as publicações escolhidas pelo Programa Nacional do Livro Didático traziam algum equívoco sobre o tema


Da Secretaria de Comunicação da UnB

As estações do ano estão relacionadas à inclinação de 23º da Terra, mas muitas crianças aprendem que é inverno porque o planeta estaria mais longe do sol e verão porque estaria mais perto. Como esta, vários equívocos se repetem em livros de ciências para o ensino fundamental adotados pelo Ministério da Educação.

A constatação está em uma pesquisa feita na Universidade de Brasília com as 13 coleções aprovadas pelo órgão no Programa Nacional do Livro Didático no edital de 2007. Todos os 52 livros apresentaram algum erro. As obras foram utilizadas este ano por cerca de 30 milhões de estudantes e ainda serão empregadas nas escolas em 2009 e 2010.

Segundo a física Patrícia Amaral, autora da dissertação de mestrado que revelou os dados, as informações errôneas atrapalham a alfabetização científica dos estudantes e interferem na sua capacidade de ver criticamente o mundo. “O ensino de ciências é importante para a formação da cidadania, o uso da razão, adequação ao mundo tecnológico e melhoria da qualidade de vida”, diz.

A pesquisa mostra ainda que não havia astrônomos na equipe de consultores que avaliou os livros. Procurado pela equipe da UnB Agência, o Ministério da Educação informou que houve a participação de um especialista, mas não citou o nome nem a universidade do qual faz parte.

Os resultados do ensino deficiente transparecem nas avaliações de aprendizado da ciência feitos pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. Em 2007, o Brasil ficou na 52ª colocação, à frente apenas da Colômbia, Tunísia, Azerbaijão, Catar e Quirguistão, nessa ordem.

ORIGEM – De acordo com Patrícia, a origem dos erros está na falta de conhecimento dos autores. “A formação inicial dos professores em ciências não prevê o conteúdo de astronomia na maioria dos cursos. E quando há, são disciplinas optativas” diz. O problema é reforçado pelo fato de muitos dos autores serem biólogos e não terem no currículo pelo menos um curso de curta duração sobre astronomia.

Sem bagagem para abordar o tema, a maioria reproduz informações de outras fontes ao escrever seus livros didáticos, perpetuando um círculo vicioso. “O autor do livro não é astrônomo, que copia de outro autor e vai reforçando os erros”, diz o professor João Batista Canalle, coordenador da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, que mobilizou quase 450 mil estudantes em 2008. Canalle alerta que o problema não ocorre só nos livros de ciências. As publicações de geografia para o ensino fundamental, que abordam ainda mais temas de astronomia, nunca foram avaliadas por um astrônomo.

Os dois enganos mais freqüentes foram o alinhamento dos planetas no Sistema Solar, como se todos ocupassem o mesmo plano e girassem juntos ao redor do Sol, e a idéia de que percorrem uma trajetória oval, embora as órbitas dos planetas sejam quase circulares. “O professor não vai alertar o estudante para esse erro porque ele mesmo estudou assim. Ninguém disse a ele que havia um problema, e tudo isso gera uma bola de neve que chega até o aluno de Ciências”, afirma Patrícia.

Texto: UnB Agência

Fotos: Daiane Souza/UnB Agência

Tirando o chapéu para o Professor TV da UnB por me indicar esta notícia.

O Design Inteligente dando trabalho e “emprego” para a Nomenklatura científica

Há uma década os agentes da KGB da Nomenklatura científica vêm tentando “eliminar” o gene e o meme da espécie “Design intelligentissimus” que se instalou numa pequena população de cientistas dos Estados Unidos, e que apesar da “pressão seletiva” contrária do nicho ecológico em que viviam, os “mais aptos” conseguiram sobreviver. Evitando o fenômeno conhecido como “bottleneck”, eles se multiplicaram através dos seus “genes egoístas” não somente nas pradarias americanas, mas no mundo inteiro.

Apesar de seus predadores serem muito mais numerosos e muito mais poderosos, a espécie “Design intelligentissimus” resiste bravamente aos ataques insidiosos de seus predadores epistêmicos. O nicho akadêmico e o grande espaço midiático (GEM) “não dão espaço” para a espécie “Design intelligentissimus” que, mesmo assim, consegue sobreviver.

A ousada e abusada resistência e sobrevivência da espécie “Design intelligentissimus”, para surpresa dos pesquisadores, não era um fato esperado pelo atual paradigma que considerava a espécie como extinta nos idos de 1859 quando a espécie do “Design non-intelligentissimus” tomou de assalto a cidadela da ciência.

Como a espécie “Design intelligentissimus” está se esparramando pelas salas de aulas de ciência de instituições confessionais no mundo inteiro, para evitar que os “genes” e os “memes” da espécie “Design intelligentissimus” se alastre pelas salas de aulas de ciências das escolas públicas onde o “Design non-intelligentissimus” é ensinado, a Nomenklatura científica criou o journal Evolution: Education and Outreach em 2007.

Uma coisa é certa, se a espécie “Design intelligentissimus” é tão perniciosa para a existência e sobrevivência da espécie “Design non-intelligentissimus”, pelo menos uma coisa, também inesperada pelo paradigma, é que ela dá muito “trabalho” para a Nomenklatura científica tentar extingui-la do nicho akadêmico, mas dá também “emprego” para quem um dia junto com Stephen Jay Gould propôs a teoria do equilíbrio pontuado para substituir uma teoria geral da evolução do século 19: Niles Eldredge.

Para poder municiar e preparar melhor a espécie majoritária do “Design non-intelligentissimus” contra os contra-ataques nefandos da espécie minoritária do “Design intelligentissimus”, o referido journal editado por Eldredge é de acesso gratuito (2007-2008). Clique aqui para todas as edições gratuitas.