Modelo sugere como que o código da vida surgiu de uma sopa primordial

segunda-feira, agosto 31, 2009

Model Suggests How Life's Code Emerged From Primordial Soup

ScienceDaily (Aug. 31, 2009) — In 1952, Stanley Miller filled two flasks with chemicals assumed to be present on the primitive Earth, connected the flasks with rubber tubes and introduced some electrical sparks as a stand-in for lightning. The now famous experiment showed what amino acids, the building blocks of proteins, could easily be generated from this primordial stew. But despite that seminal experiment, neither he nor others were able to take the next step: that of showing how life’s code could come from such humble beginnings.

Midway Geyser Basin, Yellowstone National Park, Wyoming. The orange color is due to cyanobacteria, one of the earliest forms of life on Earth. A new model shows how primitive life could have evolved from simple amino acids in a "primordial soup." (Credit: iStockphoto/Steve Geer)

By working with the simplest amino acids and elementary RNAs, physicists led by Rockefeller University’s Albert J. Libchaber, head of the Laboratory of Experimental Condensed Matter Physics, have now generated the first theoretical model that shows how a coded genetic system can emerge from an ancestral broth of simple molecules. “All these molecules have different properties and these properties define their interactions,” says first author Jean Lehmann, a postdoctoral fellow in the lab, whose work appears in the June issue of PLoS One. “What are the constraints that allow these molecules to self-organize into a code? We can play with that.”

The genetic code is a triplet code such that every triplet sequence of letters on messenger RNA corresponds to one of the 20 amino acids that make up proteins. Molecular adapters called transfer RNAs (tRNAs) then convert this information into proteins that can achieve some specific tasks in the organism. Let’s say that each triplet sequence on messenger RNA, known as a codon, represents an outlet that can only accept a tRNA with a complementary anticodon. Translation works because each codon-anticodon match corresponds with an amino acid. As each tRNA is plugged in, a chain of amino acids is formed in the same order as the codons until translation is complete.

However, primitive tRNAs were not as finicky as tRNAs are today and could load any amino acid known to exist during the time of prebiotic Earth. Without the ability of tRNAs to discriminate between various amino acids, such a random system might not be able to self-assemble into a highly organized code capable of supporting life.
To find out if it could, Libchaber and Lehmann, together with Michel Cibils at the Swiss Federal Institute of Technology (EPFL) in Lausanne, Switzerland, worked with a simple theoretical system. They took two of the simplest amino acids thought to exist billions of years ago, two primitive tRNAs and an RNA template with two complementary codons, and then developed an algorithm to incrementally change the concentration of each molecule. Their goal was to see which conditions, if any, could coax the system to specifically translate codons in a nonrandom fashion. They found that the properties of the molecules set the concentrations at which the molecules needed to exist for a coded regime to emerge.


Read more here/Leia mais aqui.


Emergence of a Code in the Polymerization of Amino Acids along RNA Templates

Jean Lehmann1*, Michel Cibils2, Albert Libchaber1
1 Center for Studies in Physics and Biology, The Rockefeller University, New York, New York, United States of America, 2 Section de Mathématiques, Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne, Lausanne, Switzerland
Abstract Top
The origin of the genetic code in the context of an RNA world is a major problem in the field of biophysical chemistry. In this paper, we describe how the polymerization of amino acids along RNA templates can be affected by the properties of both molecules. Considering a system without enzymes, in which the tRNAs (the translation adaptors) are not loaded selectively with amino acids, we show that an elementary translation governed by a Michaelis-Menten type of kinetics can follow different polymerization regimes: random polymerization, homopolymerization and coded polymerization. The regime under which the system is running is set by the relative concentrations of the amino acids and the kinetic constants involved. We point out that the coding regime can naturally occur under prebiotic conditions. It generates partially coded proteins through a mechanism which is remarkably robust against non-specific interactions (mismatches) between the adaptors and the RNA template. Features of the genetic code support the existence of this early translation system.

Citation: Lehmann J, Cibils M, Libchaber A (2009) Emergence of a Code in the Polymerization of Amino Acids along RNA Templates. PLoS ONE 4(6): e5773. doi:10.1371/journal.pone.0005773

Editor: Jörg Langowski, German Cancer Research Center, Germany

Received: March 10, 2009; Accepted: May 5, 2009; Published: June 3, 2009

Copyright: © 2009 Lehmann et al. This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original author and source are credited.

Funding: The authors have no support or funding to report.

Competing interests: The authors have declared that no competing interests exist.

* E-mail:


PDF gratuito do artigo aqui.

Três subsets de complexidade de sequência e sua relevância para informação biopolimérica

Theor Biol Med Model. 2005; 2: 29.
Published online 2005 August 11. doi: 10.1186/1742-4682-2-29.
PMCID: 1208958
Copyright © 2005 Abel and Trevors; licensee BioMed Central Ltd.

Three subsets of sequence complexity and their relevance to biopolymeric information

David L Abel1 and Jack T Trevors2

1Director, The Gene Emergence Project, The Origin-of-Life Foundation, Inc., 113 Hedgewood Dr., Greenbelt, MD 20770-1610 USA

2Professor, Department of Environmental Biology, University of Guelph, Rm 3220 Bovey Building, Guelph, Ontario, N1G 2W1, Canada

Corresponding author.

David L Abel:; Jack T Trevors:

Received May 23, 2005; Accepted August 11, 2005.

This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.


PDF gratuito do artigo aqui.


NOTA DESTE BLOGGER: David Abel é diretor do The Gene Emergence Project, The Origin-of-Life Foundation, Inc., que está oferecendo um prêmio de US$ 1.000.000,00 para quem propor um processo mecânico natural para o surgimento espontâneo de instruções genéticas na natureza suficiente para dar origem à vida. Todavia, a explicação deve ser consistente com conceitos empíricos bioquímicos, cinéticos e termodinâmicos, e ter sido publicado com revisão por pares em publicações científicas de renome.

Não sei por que, fui, pensando que o Berlinck bem que poderia ganhar esta bolada em dólares...

Taxa de mutação humana revelada

Human Y Chromosome Base-Substitution Mutation Rate Measured by Direct Sequencing in a Deep-Rooting Pedigree

Yali Xue1,,,Qiuju Wang2,Quan Long1,Bee Ling Ng1,Harold Swerdlow1,John Burton1,Carl Skuce1,Ruth Taylor1,Zahra Abdellah1,Yali Zhao2,Asan1,Daniel G. MacArthur1,Michael A. Quail1,Nigel P. Carter1,Huanming Yang3andChris Tyler-Smith1,,

1 The Wellcome Trust Sanger Institute, Hinxton, Cambs CB10 1SA, UK

2 Department of Otorhinolaryngology-Head and Neck Surgery and Institute of Otolaryngology, Chinese People's Liberation Army General Hospital, 28 Fuxing Road, Beijing 100853, China

3 Beijing Genomics Institute at Shenzhen, Shenzhen 518000, China


Understanding the key process of human mutation is important for many aspects of medical genetics and human evolution. In the past, estimates of mutation rates have generally been inferred from phenotypic observations or comparisons of homologous sequences among closely related species [1,2,3]. Here, we apply new sequencing technology to measure directly one mutation rate, that of base substitutions on the human Y chromosome. The Y chromosomes of two individuals separated by 13 generations were flow sorted and sequenced by Illumina (Solexa) paired-end sequencing to an average depth of 11 or 20, respectively [4]. Candidate mutations were further examined by capillary sequencing in cell-line and blood DNA from the donors and additional family members. Twelve mutations were confirmed in 10.15 Mb; eight of these had occurred invitro and four invivo. The latter could be placed in different positions on the pedigree and led to a mutation-rate measurement of 3.0108 mutations/nucleotide/generation (95% CI: 8.9 1097.0 108), consistent with estimates of 2.3 1086.3 108 mutations/nucleotide/generation for the same Y-chromosomal region from published human-chimpanzee comparisons [5] depending on the generation and split times assumed.


PDF gratuito do artigo aqui.

Vaga para professor doutor em bioquímica na Unesp em Araraquara

Vaga na Unesp em Araraquara

Agência FAPESP – O Departamento de Bioquímica e Tecnologia Química do Instituto de Química de Araraquara da Universidade Estadual Paulista (Unesp) abriu processo seletivo para contratação de um professor doutor para a disciplina de bioquímica. As inscrições serão aceitas até o dia 15 de setembro.

O profissional selecionado será contratado em regime de dedicação exclusiva, com salário de R$ 6.707,99. Caso o candidato seja portador do título de livre-docente o salário será de R$ 7.997,59.

O projeto de pesquisa deverá contemplar uma das seguintes áreas de pesquisa do departamento: síntese, estrutura e função de peptídeos e proteínas; genética; bioquímica e fisiologia de microrganismos; processos fermentativos (fermentação industrial); enzimologia; microbiologia ambiental; bio-hidrometalurgia e biolixiviação; e biologia molecular de microrganismos.

A seleção consistirá em prova de títulos – com análise das atividades de formação, didáticas, técnicas e científicas, desenvolvidas nos últimos cinco anos –, prova didática que versará sobre o programa da disciplina e apresentação e arguição de projeto de pesquisa.

Mais informações:

Au revoir, Brésil: Bolsas na França

Bolsas na França

Agência FAPESP – A Agência Universitária de Francofonia (AUF), da França, lançou edital de financiamento para projetos de cooperação científica interuniversitária. As propostas brasileiras devem ser enviadas até 30 de setembro, ao Escritório das Américas da agência, em Montreal, no Canadá.

Agência Universitária de Francofonia seleciona projetos de cooperação-científica interuniversitária. Bolsas vão de 10 mil a 20 mil euros. Inscrições podem ser feitas até 30 de setembro (Foto: Université de la Sorbonne)

O edital inclui oportunidades de projetos compartilhados de pesquisa, de formação e de governança universitária. Os projetos devem ter duração de um a dois anos, dependendo da área. Os aprovados receberão financiamentos de 10 mil a 20 mil euros.

O objetivo do programa é desenvolver a cooperação sustentável entre instituições de ensino superior dos hemisférios Norte e Sul. Os projetos devem ser multilaterais e precisam estar vinculados às instituições superiores parceiras da AUF nas regiões da África Ocidental, América, Ásia Pacífica e Oceano Índico.

No Brasil, a agência mantém parceria com a Universidade de São Paulo, Universidade Estadual de Campinas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade de Feira de Santana e Universidade Federal do Paraná.

O programa contempla as áreas de ciências da vida, ciências exatas, ciências da engenharia e ciências humanas e sociais.

Mais informações:

Menor laser

Menor laser

Agência FAPESP – O menor laser semicondutor do mundo, capaz de gerar luz visível em um espaço menor do que o tamanho de uma única molécula de proteína, acaba de ser produzido por um grupo de pesquisadores dos Estados Unidos e da China.

O importante avanço no campo da óptica está descrito em artigo publicado neste domingo (30/8) na edição on-line da revista Nature. Os cientistas descrevem que, além de comprimir luz em um espaço até então considerado inviável, encontraram uma nova maneira de fazer com que a energia luminosa não se dissipe à medida que é emitida, ou seja, obtendo a ação do laser.

Cientistas constroem o menor laser semicondutor do mundo, capaz de gerar luz visível em um espaço menor do que o tamanho de uma única molécula de proteína (foto: divulgação)

Segundo os autores, a conquista poderá possibilitar o desenvolvimento das mais variadas inovações, como o de nanolasers que possam perscrutar, manipular e caracterizar moléculas de DNA, tecnologias de telecomunicações ópticas muito mais rápidas do que as atuais e o desenvolvimento da computação óptica, na qual a luz substitui os circuitos eletrônicos atuais.

“Esse trabalho derruba as noções tradicionais de limites do laser e representa um grande avanço no desenvolvimento de novas aplicações nas áreas biomédica, de comunicações e de computação”, disse Xiang Zhang, diretor do Centro de Ciência e Engenharia em Nanoescala da Universidade da Califórnia em Berkeley, um dos líderes da pesquisa que teve apoio da National Science Foundation.

A noção tradicional é de que uma onda eletromagnética – entre as quais o laser – não pode ser focada além do tamanho da metade de seu comprimento de onda. Mas grupos de pesquisa em diversos países têm conseguido formas de comprimir a luz até a escala de dezenas de nanômetros (bilionésima parte do metro) ao “grudá-la” em elétrons que oscilam coletivamente na superfície de metais.

Essa interação entre luz e elétrons oscilantes é chamada de plásmon de superfície. Diversos grupos têm tentado construir lasers de plásmons de superfície que possam sustentar e aproveitar essas ínfimas excitações ópticas. Mas a resistência inerente dos metais faz com que essas formas se dissipem quase imediatamente após terem sido geradas.

Zhang e colegas partiram para uma nova abordagem de modo a evitar a perda de energia luminosa. O grupo empregou um nanofio de sulfeto de cádmio (1 mil vezes mais fino do que um fio de cabelo humano) e uma superfície de prata, os dois separados por um espaço de isolamento de apenas 5 nanômetros (o tamanho de uma molécula de proteína).

Nessa estrutura, o espaço de isolamento foi capaz de armazenar luz em uma área 20 vezes menor do que seu comprimento de onda. Como a energia luminosa foi armazenada nesse espaço não luminoso, a perda foi diminuída significativamente, sendo possível a amplificação da luz e a obtenção do laser.

“Em escalas tão pequenas não há muito espaço para atuar. Em nossa estrutura, o nanofio atua tanto como um mecanismo de confinamento como um amplificador. Ou seja, ele trabalha em dobro”, disse Rupert Oulton, do laboratório de Zhang e autor do estudo.

“Um ponto particularmente entusiasmante a respeito dos lasers de plásmons que demonstramos nesse trabalho é que eles estão em estado sólido e são totalmente compatíveis com a produção de semicondutores. Ou seja, podem ser aplicados em escala industrial”, disse Volker Sorger, outro membro do grupo.

Os autores do estudo pretendem diminuir a luz até o tamanho do comprimento de onda de um elétron, ou cerca de 1 nanômetro, de modo que os dois, luz e elétrons, possam atuar em conjunto de modo equivalente.

O artigo Plasmon lasers at deep subwavelength scale, de Xiang Zhang e outros, pode ser lido por assinantes da Nature em

Sociologia do câncer

Sociologia do câncer

Por Thiago Romero

Agência FAPESP – Um estudo feito na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) apontou que características sociais, entre as quais “baixa escolaridade” e “raça e cor”, são fatores importantes associados ao tempo de sobrevida das mulheres após o diagnóstico de câncer de mama.

Pesquisa aponta que características sociais, como baixa escolaridade, raça e cor, estão intimamente associadas ao tempo de sobrevida das mulheres após o diagnóstico de câncer de mama (foto: divulgação)

O trabalho foi publicado nos Cadernos de Saúde Pública após a defesa da dissertação de mestrado de Ione Joyce Ceola Schneider, apresentada no Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da UFSC.

Orientado pela professora do Departamento de Saúde Pública da UFSC Eleonora d’Orsi, o estudo analisou registros de cerca de mil mulheres com diagnóstico de câncer de mama em dois centros de assistência de alta complexidade em oncologia localizados em Florianópolis.

“Levando em conta todas as variáveis de risco de morte da doença avaliadas na amostra estudada, a escolaridade foi a mais determinante e a única a não ser afetada por nenhum outro fator, como o estadiamento, que é a fase em que a doença é diagnosticada. Verificamos, por exemplo, entre outras pontos, que as mulheres analfabetas tiveram um risco até sete vezes maior de morrer por câncer de mama do que as que tinham nível superior”, disse Ione à Agência FAPESP.

Entre as variáveis analisadas no estudo estão faixa etária, estado civil, escolaridade, raça, diagnóstico e tratamentos anteriores. O tempo de sobrevida foi calculado com base no intervalo entre a data do diagnóstico da doença e a data do óbito ou fim do acompanhamento.

De acordo com outros casos na literatura científica consultados pela pesquisadora, que associam a prevalência da doença a fatores de diagnóstico tardio e precoce, além de experiências colhidas durante a prática médica, ela sugere possíveis causas desse risco maior entre as mulheres de baixa escolaridade.

“Sabemos que as mulheres analfabetas muitas vezes não entendem a importância do diagnóstico precoce e do acompanhamento médico, sendo que muitas delas, além de não terem acesso a serviços de saúde tão eficientes, acabam abandonando o tratamento nas fases mais críticas da doença”, apontou.

A sobrevida estratificada por escolaridade indicou que mulheres com nível superior apresentaram melhor sobrevida (92,2%) nos cinco anos analisados pelo estudo, quando comparadas às mulheres com 2º grau (84%), 1º grau (73,6%) e analfabetas (56%).

A variável “raça e cor” também mostrou-se significativa: a cor branca apresentou melhor sobrevida (76,9%) do que as cores negra, parda, amarela e indígena agrupadas (62,2%). Ainda de acordo com o trabalho, as mulheres que chegaram aos hospitais de referência com diagnóstico e tratamento anteriores tiveram melhor sobrevida do que as demais.

“As pacientes que chegaram aos registros hospitalares de câncer sem diagnóstico e sem tratamento tiveram um risco duas vezes maior de óbito do que as mulheres que tiveram algum diagnóstico ou tratamento realizados antes da consulta”, disse Ione, que faz doutorado na área de saúde coletiva na UFSC e atua no serviço privado de oncologia em Florianópolis.

A idade média das mulheres participantes do estudo foi de 54 anos, apesar de que os principais fatores associados ao maior risco de óbito foram observados em mulheres jovens: após cinco anos do diagnóstico a taxa de sobrevida foi pior entre mulheres com idade inferior a 30 anos (47%).

O risco de óbito foi maior em mulheres jovens, possivelmente devido ao câncer de mama ser mais agressivo e ter pior prognóstico nessa faixa etária. “A faixa etária de 40 a 49 anos teve a melhor taxa de sobrevida, com 82%”, disse.

Segundo a pesquisa, anualmente cerca de 1,1 milhão de mulheres têm diagnóstico de câncer de mama no mundo e, no Brasil, estimativas apontam que ocorrerão cerca de 50 mil casos novos de câncer de mama este ano, com um risco de cerca de 50 casos a cada 100 mil mulheres.

“Uma das principais conclusões do estudo é mostrar a necessidade de conscientização das mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce e da busca pelos serviços de saúde periodicamente, e não só quando os sintomas da doença já estão avançados. Infelizmente, muitas mulheres ainda têm morrido por falta de informação”, alertou Ione.

Para ler o artigo Sobrevida em cinco anos e fatores prognósticos em mulheres com câncer de mama em Santa Catarina, Brasil, disponível na biblioteca on-line SciELO (Bireme/FAPESP), clique aqui.

Leitura facilitada

Leitura facilitada

Por Jussara Mangini

Agência FAPESP – Dois protótipos de ferramentas computacionais foram criados pela equipe do projeto PorSimples. O primeiro, chamado Facilita, visa a simplificar a linguagem de textos em português disponíveis na internet e, com isso, facilitar a compreensão das informações para crianças e adultos em processo de alfabetização ou pessoas com algum tipo de deficiência de leitura.

O segundo, o editor Simplifica, é destinado a produtores de conteúdo (escritores, professores, webmasters, jornalistas, por exemplo) que desejam criar textos simplificados adequados ao mesmo público.

Projeto PorSimples, desenvolvido no âmbito do Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research, cria ferramentas computacionais para facilitar a compreensão de textos disponíveis na internet

Coordenado por Sandra Maria Aluísio, professora do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP), campus São Carlos, o trabalho consiste em reduzir a complexidade linguística dos textos, substituindo palavras raras (menos frequentes) por palavras mais usuais ou dividindo e reorganizando orações longas e complexas, entre outras adaptações.

“Ainda há muito conteúdo textual inacessível a um grande público no Brasil. Dados do IBGE de 2007 apontam 10% de analfabetos e 21,7% de analfabetos funcionais. Há, ainda, pessoas com problemas de leitura devido a derrame cerebral, dislexia, Alzheimer, dentre outros. Mesmo deficientes auditivos, que leem em Libras, quando querem aprender o português precisam de um texto adaptado”, explicou a coordenadora do PorSimples à Agência FAPESP.

A equipe do projeto é composta principalmente por pesquisadores do Núcleo Interinstitucional de Linguística Computacional (NILC) da USP, que desenvolve aplicações, ferramentas e recursos de processamento de linguagem natural (PLN) há 16 anos, e por pesquisadores do grupo Intermídia, também da USP, além de profissionais da área de Interação Humano Computador (IHC) e acessibilidade na web. O grupo conta ainda com a colaboração de uma psicolinguista, de linguistas em geral e de estatísticos para a avaliação em larga escala da tarefa de simplificação textual.

Segundo a coordenadora do estudo, o desafio foi selecionar ferramentas e métodos da área de PLN que pudessem melhorar características de textos como inteligibilidade e compreensibilidade para cada público alvo do projeto.

Propuseram, então, o conceito de “simplificação forte”, em que um conjunto de regras torna uma oração a mais simples possível. Esse tipo de simplificação é destinado a analfabetos funcionais do nível rudimentar, que são capazes de encontrar somente informações explícitas em textos curtos.

Criaram também o conceito de “simplificação natural”, cujas operações de simplificação são mais adequadas para analfabetos funcionais do nível básico, aqueles que leem textos um pouco mais longos e fazem simples inferências para obter informações.

O PorSimples foi um dos cinco projetos selecionados na primeira chamada do Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research, em 2007. O programa receberá novas propostas de pesquisa em tecnologias da informação e da comunicação até o dia 4 de setembro.

Os recursos disponíveis para essa terceira chamada são de R$ 1 milhão e a expectativa é selecionar em torno de cinco propostas, com valor individual entre R$ 100 mil e R$ 300 mil.

Simplificação e elaboração

O objetivo da simplificação linguística é melhorar a capacidade de um texto ser lido para poder ser compreendido. Segundo Sandra, especialistas em psicolinguística e linguística dizem que sentenças longas, com vários níveis de subordinação, cláusulas embutidas (relativas), sentenças na voz passiva, uso da ordem não canônica para os componentes de uma sentença, além do uso de palavras de baixa frequência, aumentam a complexidade de um texto.

Além da simplificação linguística, existem outros mecanismos de adaptação textual: a simplificação via sumarização e a elaboração. “Textos de revistas e artigos científicos podem ser simplificados pela diminuição de seu tamanho, em uma tarefa bem conhecida de PLN – a sumarização textual. Textos literários também são simplificados pelo uso de resumos, como os resumos de obras clássicas para o vestibular”, exemplificou.

Já a elaboração adiciona informação a um texto, visando a esclarecer, elaborar e explicar uma informação implícita e tornar explícitas as conexões entre as idéias. O objetivo é tornar um texto mais coerente e limitar a ambiguidade dentro dele.

“Na prática, muitas adaptações envolvem a combinação de simplificação e elaboração. Por exemplo, um professor pode simplificar sentenças difíceis em um texto, enquanto, ao mesmo tempo, adiciona informação contextual para tornar um conceito mais claro. Pode ainda usar redundância para compensar o uso de termos não familiares aos alunos de uma série”, disse Sandra.

Outra fonte de inspiração para a equipe do PorSimples foi uma seção do jornal gaúcho Zero Hora, chamada “Para seu filho ler”, dedicada a crianças de 8 a 11 anos. “Embora não nos propomos a fazer reescritas, como as usadas no Zero Hora, as tecnologias da área de PLN (sumarização, simplificação e elaboração textual) podem ajudar o público alvo do projeto”, afirmou.

Outras aplicações

As ferramentas também poderão ser usadas por professores que trabalham com textos da web para ensino da leitura e por editoras para a verificação de adequação de um texto a determinada faixa etária ou nível de escolaridade.

Além de fornecer um parâmetro mais sofisticado para avaliação da inteligibilidade de textos, o PorSimples fornece retroalimentação para os autores, apontando trechos que devem ser simplificados, e como fazê-lo.

“No momento, essas simplificações estão ligadas apenas a estruturas sintáticas, mas já há trabalhos de doutorados em andamento para fazer simplificações no nível léxico, considerando-se a semântica, e no nível textual para melhorar a coesão do texto”, contou Sandra.

A professora do ICMC-USP também alerta para a necessidade de adequação de textos em páginas de órgãos públicos, com a crescente ênfase em governança digital, verificando-se a faixa de escolaridade requerida para a compreensão do material disponível.

Da mesma forma, aponta ser fundamental que provedores de conteúdo para educação a distância evitem ambiguidades e problemas de leitura, uma vez que a acessibilidade à linguagem empregada não é percebida diretamente. O mesmo deve ser considerado por aqueles que produzem manuais de instruções, bulas de remédios, contratos jurídicos, entre outros.

“Os prejuízos causados pelo uso indevido de equipamentos ou pela ingestão de medicamentos podem ser imensos se as instruções não forem interpretadas corretamente. Assim como um usuário comum (não especialista em leis) deveria ter o direito de ter acesso a documentos escritos em linguagem acessível”, disse.

Segundo Sandra, hoje não há ferramentas para avaliar a adequação das instruções para o público e isso pode ser fornecido pela tecnologia desenvolvida pelo PorSimples. Como são ferramentas web, para serem usadas é necessário apenas um browser (programa navegador de páginas) e um computador conectado à internet. No desenvolvimento foram utilizados os browsers mais populares: Internet Explorer, Firefox, Opera, Chrome e Safari.

Mais informações sobre a terceira chamada do Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research:

O grito de liberdade acadêmica que a Nomenklatura científica impede de ser ouvido

domingo, agosto 30, 2009

Dissensão a Darwin: um grito que a Nomenklatura científica impede seja feito e ouvido.

A charge de Alberto Ribeiro Palmieri, de Meridiano, SP, vencedor do Troféu Zélio Ouro no 36o. Salão de Humor de Piracicaba, SP, 2009, ilustra muito bem este grito de liberdade acadêmica sufocado.

Robert Schindler, RIP

Robert Schindler, pai de Terry Schiavo, faleceu ontem à noite. Ele tinha 71 anos. Este homem lutou desesperadamente contra o estado da Florida, para manter sua filha viva, e viu o Estado mandar matá-la por desidratação conforme decisão jurídica ordenando o desligamento dos aparelhos que a mantinha viva. É este tipo de Estado que, se instaurado no Brasil, deve ser resistido! De todas as maneiras!!!

Cartas de condolências para a família podem ser enviadas para:

Terri Schindler Schiavo Foundation
5562 Central Avenue ~ Suite 2
St. Petersburg, FL – 33707

Comportamento animal também é sinal de design inteligente?

sábado, agosto 29, 2009

Eu recebi de um leitor um e-mail me questionando sobre a possibilidade de o comportamento animal ser também uma característica de design inteligente. Confesso, eu fico um meio com pé atrás em relação à tese desses autores, mas, em respeito à indagação do leitor, eis aqui algo a respeito disso.


By Istaván Tasi and Balázs Hornyánszky

It is not at all surprising that insects behave like insects, birds behave like birds, and mammals behave like mammals. They execute most of their intricate behavior in a predetermined, instinctive manner. But how do they know when and how they should act? Where did the intelligence that is manifested in nature come from?

Evolutionists attempt to explain the origin of behavioral patterns by gradual modifications of more simple behavior forms. But when we try to explain complex animal behavior this way, it becomes impossible!

"If it could be demonstrated that any complex organ existed, which could not possibly have been formed by numerous, successive, slight modifications, my theory would absolutely break down."

— Charles Darwin, author The Origin of Species

Nature’s IQ invites you to investigate an alternative explanation. Is it possible, that our world reflects in many different ways, a supernatural intelligence that has applied its own infinitely ingenious solutions to create the living world?

Using 200 fascinating color photos, Nature’s IQ cites over 100 behavioral phenomena from the animal kingdom that are unexplainable by evolution. You’ll find this book both engaging and thought provoking.

"The authors of Nature's IQ give us good reasons to no longer accept Darwinian theories as actual explanations. They demonstrate to us that truly scientific explanations have not been given, and that in principle they cannot be given”.
— Michael A. Cremo, Co-Author Forbidden Archeology – The Hidden History of The Human Race


Reviews of Nature’s IQ

An Eye Opener

Nature's IQ is an eye-opener for those who have until now believed that evolution is a proven fact. It is a clincher for those who having heard arguments for and against evolution are undecided. And it is an ‘empowerer’ for those striving to introduce a spiritual paradigm into modern science. I hope the issues it raises will be widely discussed. —Prof. Rajesh Jalnekar, PhD, Dean Academics, Vishwakarma Institute of Technology, Pune

Interesting, Smart, and Convincing

Personally this book is another great confirmation of my old opinion, that the Darwinian evolution theory is false. There is no scientific evidence, only a never supported nor proved guess - which they so cunningly made the world believe.

This highly interesting, smart and convincing piece gives thousands of examples how nature’s living beings have intelligence – but from where? This must be the most exciting question that scientists should have to ask. Those who do not wish to wait for the academies’ anointed professors, but read this book instead, get far closer to understanding the secret. I read it, and did not regret it. — Istvan Nemere, famous Hungarian author.

Well-reasoned Arguments

With its lavish pictures, Nature's IQ is a pleasure to view. And with its well-reasoned, succinctly stated arguments, it is a treat to read. Overall it leads the reader to a deeper appreciation of the beauty of nature and the wisdom of the designer behind nature.
—Dr Sudhakar Sainkar, PhD, Emeritux Deputy Director & Head, National Chemical Laboratory, Pune

Good Reasons to No Longer Accept Darwin

The authors of Nature's IQ give us good reasons to no longer accept Darwinian theories as actual explanations. They demonstrate to us that truly scientific explanations have not been given, and that in principle they cannot be given. They breathe new life into the design argument in biology, particularly with regard to the complex behavior displayed by many living things. — Michael A. Cremo, Co-Author Forbidden Archeology – The Hidden History of The Human Race, Author Human Devolution - A Vedic Alternative to Darwin’s Theory

Like a Velvet Glove Encasing an Iron Fist

Nature's IQ brings to life the marvels of the animal world - and the mysteries with which it baffles Darwinism. Like a velvet glove encasing an iron fist, it's visually appealing pictorial format encloses a formidable intellectual challenge to the prevailing evolutionary paradigm in modern science. —Prof Janardan Chitode, PhD, Author & Professor at Bhartiya Vidyapeeth University, Pune

A Positive Contribution to Humanity

In scientific circles the theory of evolution is widely accepted as factual. Books like Nature’s IQ remind us, however, that it is only a theory, and a theory with serious drawbacks at that. Traditionally it has been difficult to explain how entirely new organs composed of parts that must be simultaneously present for their functionality could actually evolve. Although theories such as that of co-option attempt to account for these, they actually fall short, and end up sounding like so much storytelling in the name of science, with little factual evidence supporting them. Nature’s IQ shows that complex behavior often associated with new organs is also difficult to explain in an evolutionary way, and the book offers many, many colorfully illustrated examples.

It addition to challenging evolutionary conceptions and proposing a version of intelligent design, Nature’s IQ offers an explanation from ancient India’s vast collection of writings as an alternative. This is coupled with references to empirical studies consistent with the Vedic world view. Thus Nature’s IQ has more of a positive contribution to offer humanity than most literature questioning the viability of evolutionary theory.

The philosophical questions introduced at the end of each chapter for which an answer is promised in final chapter create curiosity and generate an interest to read further and are a nice touch.

I recommend this book to anyone seriously interested in science and the origin and meaning of life. —Christopher Beetle, Computer Science, Brown University

Origins We Don’t Understand Yet

For a biologist the examples of this book are not arguments, but wonderful occurrences, whose origin we don’t understand yet. —Peter Kabai, ethnologist

Evolution or Supernatural Intelligence?

Even though Darwin’s theory has never been successfully proven, most of us believe that we were created through evolution. Balázs Hornyánszky(a bioengineer) and István Tasi, (a cultural anthropologist), in their book, Nature’s IQ, are trying to disprove the Darwinian conception, that has been the subject of arguments since 1859, when Origin of The Species appeared.

“Evolution is presented in the system of education and in sciences as if it was proven. We would like to draw the attention only to the many concrete facts, which we aren’t able to explain on the basis of the evolution’s logic in nature. One of these is the instinct of animals”, says Mr.Tasi.

This publication, illustrated with beautiful photographs, gives more than a hundred examples from natural behaviors that relate one by one to a design of a higher supernatural intelligence. —Color Today (Newspaper)

A Novel Contribution to the Intelligent Design Literature

Hungarian scientists Balazs Hornyanszky and Istvan Tasi offer a novel contribution to the intelligent design literature by extending Michael Behe's theory of irreducible complexity from biological form to biological behavior. Where did the mysterious instincts of animals originate? Nature's IQ.

The authors document more than 100 astonishing, unexplained phenomena from the animal kingdom, with 200 amazing color pictures. The authors point out how Darwinian "just so" stories fail to explain these irreducibly complex instincts and behaviors. This book is a valuable addition to any library for it's amazing photos of animal life and it's catalog of fascinating animal behavior regardless of whether you believe they were a product of random mutations and natural selection or a product of artful, purposeful design.

Another unique aspect of the book is the final chapter on "The Source of Intelligence" where they state that "an intelligence, much more refined than ours, conceived and shaped the functioning of the living world in advance". The existing world is therefore the realization of this original, organic blueprint.

Although this is no different than other minimalist definitions of ID, the authors of the book write the final chapter from an Indian (Hindu) perspective which is also a unique contribution to the ID literature: "We have chosen the thesaurus of the wisdom of Indian culture as the supporting document for our assertions about a divine intelligence for several reasons." First, because of its geographic and cultural distance, scriptures of Vedic wisdom are perhaps less know to the Western audience; thus from the point of view of knowledge acquisition, their presentation is therefore useful. We have chosen this literature because these Sanskrit texts present in detail a supportable and logical alternative to the prevailing evolutionist view. — Access Research Network

The Chance of Mutation…Would be More than a Miracle

Why do arctic terns fly 22,000 miles each year? How can a fish have both eyes on the same side of its body? What is the meaning of the complex patterns of dances performed by honeybees?

The answers to these questions and many more are shared in a virtual odyssey into the kingdom of nature entitled Nature’s IQ: Extraordinary Animal Behaviors that Defy Evolution (Torchlight Publishing, Inc. 2009). Released just after the 200th Anniversary of Charles Darwin’s birthday, this English translation from the original Hungarian edition will delight inquisitive children, wizened sages, the young at heart, simple nature lovers, and Intelligent Design theorists alike.

The authors, Istvan Tasi, a Cultural Anthropologist and Theologian, and Balazs Hornyanszky, a Bioengineer, present case after compelling case supporting their thesis that Darwinian evolution is not a logical consequence of intricate and idiosyncratic animal behaviors but rather, natural intelligence reflects a supreme intelligence and designer. Richly illustrated, offering 200 exquisitely interesting color plates, this 160-page hardbound book scintillates with detail, intrigue, and wit, beckoning the curious reader onward into ensuing vignettes sparkling with enigmatic adventures of mysterious living entities.

A summary of “Darwin’s frogs” is given on pages 122-123:

Darwin himself discovered the frog in Chile (Rhinoderma darwinii). After female Darwin’s frogs lay their eggs on wet beaches, males sense the scent of the eggs and fertilize them. They then station themselves beside the eggs in groups and guard them for about twenty days. When the developing eggs begin to move in their tiny, jelly-like globules, the males lean over to them and gulp—they seemingly eat them! Of course, they do not eat the eggs but instead place them with their tongue into their long expandable vocal pouch, situated in the lower part of ther body. The eggs continue to develop in the vocal pouch until one day the male suddenly yawns widely, and the fully developed baby frogs jump out of his mouth….

…For viable offspring to hatch, the frog father must know that he has to keep an eye on the eggs. Furthermore, he has to have the instincts commanding the right behavior: when the young are about to hatch, he has to get them into his specially structured vocal pouch. And when they are fully developed, he has to set them free.
If any of these elements were missing, the frog’s reproduction would be unsuccessful.

Therefore, it is inconceivable that the Darwin’s frog and its special way of reproduction came into existence step by step, as a result of small changes….It is inconceivable that this frog species, with its specialized behavior, came into existence by a sudden large-scale mutation….The chance mutation of these genes causing a series of concerted, appropriate behaviors would be more than a miracle.

This excerpt provides one example of the methodology employed in analyzing and diffusing evolution theory in terms of reproduction and survival of offspring. Other sections cover predation, defense, symbiosis, animal communication, navigation, and mating behaviors.

The final chapter, entitled “The Source of Intelligence,” presents an alternative explanation referred to as “inverse evolution” from the Vedic ontology:

The Vedic account of the origin of species has three main principles: existence of a supreme person, living beings on other planets with special creative and multiplication abilities, and descent by modification.

The authors assert that incredible behavioral complexity, species diversity, amazing instinctual intelligence, and symbiotic relationships of living entities emanate from the source of all created beings, the Godhead, as described in elaborate detail throughout volumes of ancient scriptures from East India. They conclude that “In reality, nature’s IQ is the creator’s IQ.”

Employing a distinctly innovative approach, Nature’s IQ offers original and valuable insights for the Intelligent Design community. Charles Darwin’s followers might also find it interesting! — Lori Erbs, Librarian – General Services Administration

The Intelligent Design Of Animal Behaviors

Ethology, the field of biology that attempts to explain the origins of animal behavioral patterns, has traditionally focused on two possible sources for such patterns- those that are inherited and those that are environmentally induced. For the former of these two, the Darwinian mechanism is that which is most commonly advanced. The underlying axiom barely needs repeating- inherited behaviors have been acquired through gradual changes as a result of environmental selective pressures. In his 1973 Nobel lecture entitled Analogy As A Source Of Knowledge, Konrad Lorenz made his case in favor of the link between Darwinian gradualism and animal behavior. And yet in Nature's IQ, authors Balazs Hornyansky and Istvan Tasi blast such a gradualistic inference and re-interpret the evidence in favor of the intelligent design alternative.

For many key anatomical features found in nature, a necessary behavioral pattern must be present if a desired function is to be fulfilled. The prominent bioluminescent bulb of the anglerfish for example must exhibit a slow waving motion if it is to lure its prey. As Hornyansky and Tasi so vividly illustrate, any intermediate behavior on the way to becoming the fully-fledged comportment we see today, would have been inappropriate and insufficient for catching unsuspecting fry. In effect, anglerfish are endowed with an IQ that must have appeared at once and in parallel with its predatory anatomy if it were to provide any selective advantage.

We see the same principle playing out in the trap-like lures of other creatures such as the decoy scorpion fish, the Argentine Horned frog and the copper-head snake. Most prominent of all is the alligator snapping turtle which holds its mouth open for extended periods of time while waiting for a victim to catch sight of its worm-like wriggling tongue. The New Guinean dung spider is able not only to assume the appearance of bird droppings but also produce a characteristic 'dropping' smell as a way of enticing and trapping insects that normally feed on such a delectable meal. Hungry Egyptian vultures repeatedly throw stones at ostrich eggs as they try to access their next meal- a behavior that has been conclusively shown to be integral part of the vulture's genetic constitution.

Hornyanszky and Tasi maintain that for all such cases, both the anatomical features and the accompanying behaviors must have arisen all at once if the observed functions were to have been achieved. In short they build on biochemist Michael Behe's showcase volume Darwin's Black Box by inferring that many such anatomical-behavioral functional units are irreducibly complex and thereby inaccessible to a progressive accumulation of random mutations.

Hornyanszky's and Tasi's case in favor of intelligent design is made all the more compelling through the wealth of examples that they draw on as well as the rich illustrations that accompany many of these examples. In all, the first chapter of Nature's IQ provides a firm foundation in support of the Intelligent Design case and sets the tone for the chapters that follow. — Robert Deyes, ARN Correspondent

A Nomenklatura científica 'elaborando' o upgrade Darwin 3.0

A Nomenklatura científica diante das dificuldades epistêmicas em elaborar o upgrade Darwin 3.0, oops, a Síntese Evolutiva Ampliada, a nova teoria geral que deve priorizar outros mecanismos evolutivos e relegar a seleção natural em segundo plano. Como Darwin em 1859...

Gente, pensar nos artigos, pesquisas e dissertações de mestrado e teses de doutorado feitas em cima do neodarwinismo como referencial teórico...

Devem ser revogadas? Os diplomas também???

Biografia de Richard G. Klein

Biography of Richard G. Klein

Erica Klarreich, Freelance Science Writer

As long as 160,000 years ago, people who looked like modern humans roamed Africa. For more than 100,000 years, these populations remained small in number and were confined largely to Africa. Approximately 50,000 years ago, despite no apparent physical change, a subset of these people dramatically altered their behavior, producing the first artifacts unequivocally deemed to be jewelry and inventing new technologies, such as projectile weapons, that allowed them to fish and to hunt dangerous prey. Over the next 15,000 years, these Stone Age hunter–gatherers spread from Africa to Europe, and, wherever they appeared, the Neanderthals, who previously inhabited Europe, rapidly disappeared.

For the last 35 years, Stanford paleoanthropologist Richard G. Klein has intensively investigated the artifacts and animal bones that he and others have excavated at South African Stone Age sites, helping to illuminate the behavioral leap that led to the modern human's expansion out of Africa. He has pioneered the analysis of animal bones in understanding human culture. His research has painted a detailed portrait of the behavior and ecology of the more primitive hunter–gatherers who lived more than 50,000 years ago during the Middle Stone Age (MSA) and of the more sophisticated people who succeeded them in the Later Stone Age (LSA).

Klein takes pride in being an integral part of the archaeological community in South Africa. In July 2002 he was elected president of the South Africa Archaeological Society. In 2003 Klein was elected to membership in the National Academy of Sciences. His Inaugural Article, published in this issue of PNAS, describes animal remains and stone artifacts that date from the MSA in a South African rockshelter (1). Klein and his colleagues suggest that the people who lived in the shelter exploited coastal resources much less effectively than later people, providing further evidence that a major …

[Full Text of this Article][Acesso ao artigo completo]

Richard G. Klein leciona na
Stanford Universiy.

Como as lagartas evoluíram: por hibridogênese?

Caterpillars evolved from onychophorans by hybridogenesis

Donald I. Williamson,1

+ Author Affiliations

Marine Biology, University of Liverpool, Liverpool L69 7ZB, United Kingdom
Communicated by Lynn Margulis, University of Massachusetts Amherst, Amherst, MA, July 24, 2009 (received for review May 19, 2009)


I reject the Darwinian assumption that larvae and their adults evolved from a single common ancestor. Rather I posit that, in animals that metamorphose, the basic types of larvae originated as adults of different lineages, i.e., larvae were transferred when, through hybridization, their genomes were acquired by distantly related animals. “Caterpillars,” the name for eruciforms with thoracic and abdominal legs, are larvae of lepidopterans, hymenopterans, and mecopterans (scorpionflies). Grubs and maggots, including the larvae of beetles, bees, and flies, evolved from caterpillars by loss of legs. Caterpillar larval organs are dismantled and reconstructed in the pupal phase. Such indirect developmental patterns (metamorphoses) did not originate solely by accumulation of random mutations followed by natural selection; rather they are fully consistent with my concept of evolution by hybridogenesis. Members of the phylum Onychophora (velvet worms) are proposed as the evolutionary source of caterpillars and their grub or maggot descendants. I present a molecular biological research proposal to test my thesis. By my hypothesis 2 recognizable sets of genes are detectable in the genomes of all insects with caterpillar grub- or maggot-like larvae: (i) onychophoran genes that code for proteins determining larval morphology/physiology and (ii) sequentially expressed insect genes that code for adult proteins. The genomes of insects and other animals that, by contrast, entirely lack larvae comprise recognizable sets of genes from single animal common ancestors.

hybridization insect evolution interphyletic crosses larval transfer metamorphosis



Author contributions: D.I.W. designed research, performed research, analyzed data, and wrote the paper.

The author declares no conflict of interest.


PDF gratuito do artigo aqui.

As origens da persistência de lactose na Europa

sexta-feira, agosto 28, 2009

The Origins of Lactase Persistence in Europe

Yuval Itan1,4, Adam Powell1,5, Mark A. Beaumont2, Joachim Burger3, Mark G. Thomas1,5*

1 Research Department of Genetics, Evolution and Environment, University College London, London, United Kingdom,

2 School of Animal and Microbial Sciences, The University of Reading, Whiteknights, Reading, United Kingdom,

3 Johannes Gutenberg University, Institute of Anthropology, Mainz, Germany,

4 CoMPLEX (Centre for Mathematics & Physics in the Life Sciences and Experimental Biology), University College London, London, United Kingdom,

5 AHRC Centre for the Evolution of Cultural Diversity, Institute of Archaeology, University College London, London, United Kingdom

Abstract Top

Lactase persistence (LP) is common among people of European ancestry, but with the exception of some African, Middle Eastern and southern Asian groups, is rare or absent elsewhere in the world. Lactase gene haplotype conservation around a polymorphism strongly associated with LP in Europeans (−13,910 C/T) indicates that the derived allele is recent in origin and has been subject to strong positive selection. Furthermore, ancient DNA work has shown that the −13,910*T (derived) allele was very rare or absent in early Neolithic central Europeans. It is unlikely that LP would provide a selective advantage without a supply of fresh milk, and this has lead to a gene-culture coevolutionary model where lactase persistence is only favoured in cultures practicing dairying, and dairying is more favoured in lactase persistent populations. We have developed a flexible demic computer simulation model to explore the spread of lactase persistence, dairying, other subsistence practices and unlinked genetic markers in Europe and western Asia's geographic space. Using data on −13,910*T allele frequency and farming arrival dates across Europe, and approximate Bayesian computation to estimate parameters of interest, we infer that the −13,910*T allele first underwent selection among dairying farmers around 7,500 years ago in a region between the central Balkans and central Europe, possibly in association with the dissemination of the Neolithic Linearbandkeramik culture over Central Europe. Furthermore, our results suggest that natural selection favouring a lactase persistence allele was not higher in northern latitudes through an increased requirement for dietary vitamin D. Our results provide a coherent and spatially explicit picture of the coevolution of lactase persistence and dairying in Europe.


PDF gratuito aqui.

Um artigo de Stuart Kauffman sobre a filosofia da mente

Physics and Five Problems in the Philosophy of Mind

Stuart Kauffman
(Submitted on 15 Jul 2009)

Since Descartes' dualism, with his res extensa and res cogitans, six fundamental problems in the philosophy and natural history of mind are these: 1. how does mind act on matter? 2. If mind does not act on matter is mind a mere epiphenomenon? 3. What might be the source of free will? 4. What might be the source of a responsible free will? 5. Why might it have been selectively advantageous to evolve consciousness? 6. What is consciousness? I approach the first five of the above six problems based on two physical postulates. First the mind-brain system is a quantum coherent, but reversibly decohering and recohering system. This allows me to answer 1) above, mind does not act causally on brain at all, rather it acausally decohers to classicity (for all practical purposes), hence has consequences for brain and body as matter. Epiphenomenalism is averted. A quantum mind, because it is acausal on Copenhagen including Born, yields a free will, but a merely random free will, not a responsible free will. Second, the most radical part of this article proposes that the quantum classical interface is not always describable by a law: specifically in a special relativity setting, no function, F, maps the present state of the system mind-brain into its future. In its place is a nonrandom yet lawless process. I seek in this non-random yet lawless process a source for a responsible free will. Finally, if the quantum-classical boundary can be non-random yet lawless, then no algorithmic simulation of the world or ourselves can calculate the real world, hence the evolutionary selective advantages for evolving consciousness to know it may be great. I make no progress on problem 6, the hard problem of qualia.

Subjects: History of Physics (physics.hist-ph)

Cite as: arXiv:0907.2494v1 [physics.hist-ph]

Submission history

From: Stuart Kauffman [view email]

[v1] Wed, 15 Jul 2009 05:39:28 GMT (22kb)


PDF gratuito do artigo aqui.


Tirando o chapéu para Bradford do TT.

A sociologia da vida intelectual de Steve Fuller

The Sociology of Intellectual Life - The Career of the Mind in and Around Academy

Steve Fuller University of Warwick, UK

September 2009 192 pages
SAGE Publications Ltd

The Sociology of Intellectual Life outlines a social theory of knowledge for the 21st century.

With characteristic subtlety and verve, Steve Fuller deals directly with a world in which it is no longer taken for granted that universities and academics are the best places and people to embody the life of the mind. While Fuller defends academic privilege, he takes very seriously the historic divergences between academics and intellectuals, attending especially to the different features of knowledge production that they value.

Key Features

Presents an account of the problematic relationship between postmodernism and the university as an institution.

Addresses the problems facing an academic who wishes also to function as an intellectual.

Offers a critical survey of the emerging fields of social epistemology and the sociology of philosophy.

Discusses the ethics and politics of public intellectual life, especially given its largely improvisational character.

Subject Areas: Social Theory | Philosophy of Social Science | Philosophy of Education

Edição do Journal of Biological Education sobre Darwin

Journal of Biological Education, Summer 2008, Vol. 43, No. 3 is devoted to Darwin and evolution:

Charles Darwin, Biological education and diversity: past, present and future
David Slingsby, UK

Charles Darwin built on the work of many eminent botanists, zoologists, geologists and palaeontologists, yet it was left to him to provide the unifying theory which gave birth to Biology as we know it today.

Darwin’s way of working – the opportunity for education
Randal Keynes, The Charles Darwin Trust, UK

Darwin’s words convey his yearning to help his children discover for themselves the wonders he had found. He knew so clearly that children can ‘discover for themselves’, and that this is the way that they can grow into the fullest and deepest interest.

Current debates on the origin of species
Paul D McBride, Len N Gillman and Shane D Wright, New Zealand

Abstract: Students are rarely presented with a diversity of viewpoints about evolution and its mechanisms. The historical background to evolution normally suffices: Darwin’s journey on The Beagle, his concepts of natural selection and common descent, and an outline of Mendel’s experiments. With supplementary concepts such as ecological niches and the modes of speciation, we can present a classic picture of neo-Darwinian evolution. However, this picture implies that the principles of evolution have all been deduced, leaving the study of evolution appearing static and historical. In fact, evolutionary mechanisms are investigated more actively than ever, and Darwin’s principles continue to be challenged, developed and expanded.

Darwin and Mendel: evolution and genetics
Nelio Bizzo and Charbel N El-Hani, Brazil

In many countries, syllabuses first present Mendelian genetics to high school students and only subsequently address Biological Evolution, focusing on several examples of microevolution. Is this a valid approach? Abstract: Many studies have shown that students’ understanding of evolution is low and some sort of historical approach would be necessary in order to allow students to understand the theory of evolution. It is common to present Mendelian genetics to high school students prior to Biological Evolution, having in mind historical and epistemological assumptions regarding connections between the works of Gregor Mendel and Charles Darwin. It is often said that Darwin ‘lacked’ a theory of heredity and, therefore, he had not been able to produce the synthetic theory of evolution himself. Thus, schools could provide a prior basis for heredity, so that students could begin to study evolution with a proper background in genetics. We intend to review some research on the history of biology, attempting to show that, even if Darwin had had notice of Mendel’s works – which we think he did – he would not have changed his views on heredity. We examine this belief and its possible origins, offer some considerations about Darwin’s views on heredity, including his knowledge of the 3:1 ratio, the consequences for the work on Nature of Science (NOS), and finally give five reasons to consider alternative possibilities for curriculum development.

Worldviews and evolution in the biology classroom
Mariska Schilders, Peter Sloep, Einat Peled and Kerst Boersma, The Netherlands

This study examined what worldviews are present among Dutch students and teachers and how students cope with scientific knowledge acquired in the biology classroom. Abstract: This study examined what worldviews are present among Dutch students and teachers and how the students cope with scientific knowledge acquired in the biology classroom. Furthermore, we investigated what learning and teaching strategies teachers adopt when they teach about evolution and worldviews. For this survey, 10 schools for higher general secondary education or pre-university level were selected. The data showed that most teachers did not have an articulated learning and teaching strategy. Controversial topics and discussions with students about their own worldviews were ignored in the classroom. Furthermore, the data revealed that students and teachers have a large variety of different worldviews. Some students acknowledged having difficulties coping with the knowledge gained from the classroom, because it contradicted their own worldviews. These results support our hypothesis that there is need for an explicit learning and teaching strategy that supports both teachers and students to teach and learn about evolution in multiple contexts.

Identifying teachers’ concerns about teaching evolution
Martie Sanders and Nonyameko Ngxola, South Africa

Curriculum change theory dealing with ’stages of concern’ suggests that teachers implementing a new curriculum move through a predictable series of types of concerns. This has serious implications for both professional development programmes and the development of support materials for teachers. Abstract: Evolution was introduced into the senior secondary school Life Sciences curriculum in South Africa for the first time in 2008. Research in other countries shows that evolution is an extremely controversial topic to teach, raising serious concerns for teachers. Curriculum change theory dealing with ‘stages of concern’ suggests that teachers implementing a new curriculum move through a predictable series of types of concerns, and that if their initial concerns are not addressed then teachers are slow to move on to more important task-related matters. This has serious implications for both professional development programmes and the development of support materials for teachers: information about teachers’ concerns is needed so that those having to support teachers can do so on an informed basis. This article identifies the concerns of 125 secondary school teachers having to teach evolution for the first time. Data was gathered using an activity-based questionnaire administered in a workshop setting to four different groups of biology teachers attending in-service workshops on the teaching of evolution, at stages progressively closer to the implementation date. The majority of concerns identified were early-stage ‘self-concerns’, dealing with personal worries and a need for information. Implications of the findings for providing support for teachers with concerns about teaching evolution are discussed.

Evolution in an afternoon: rapid natural selection and adaptation of bacterial populations
Roger Delpech, UK

This paper describes a simple, rapid and low-cost technique for growing bacteria (or other microbes) in an environmental gradient and suggests how the evolutionary response of a microbial population to selection pressures can be measured.

A Conversation well worth remembering
John Woolven-Allen, UK

To mark the 200th anniversary of Charles Darwin’s birth, an Institute of Biology special event was held at Oxford, which included a ‘Conversation’ between Professor Richard Dawkins and Bishop Richard Harries. Here we present a personal reminiscence of the event.


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos podem ler gratuitamente esta edição do Journal of Biological Education entre outras publicações científicas.

O contraditório no jornalismo científico

O contraditório no jornalismo científico

“A falta de um contraponto faz a ciência parecer detentora de verdades absolutas”

Maurício Tuffani

Em seu livro Conhecimento Público, de 1968, o físico britânico John Ziman (1925-2005) destacou que a ciência moderna teve início pouco depois do surgimento da imprensa. Não a imprensa no sentido estrito e hoje predominante do jornalismo, mas no da impressão, da invenção gutemberguiana, que no século 15 rompeu definitivamente o círculo fechado em torno do conhecimento escrito.

A partir desse recurso revolucionário, a recém-nascida ciência moderna não poderia ter deixado de se estruturar em função dele. Muito mais do que ser registrado, o conhecimento científico passou a ter de ser comunicado. Centenas de anos depois, no final do século 19, os cientistas já haviam estabelecido entre si a comunicação por meio de publicações destinadas a especialistas, ao passo que o jornalismo se tornara uma atividade empresarial voltada para o público em geral.

Em meio aos profissionais das diversas especialidades jornalísticas, os repórteres de ciência consolidam, no início do século 20, a imagem de tradutores da linguagem especializada dos cientistas, cada vez mais inacessível para os leigos. “Verdadeiros descendentes de Prometeu, os escritores de ciência pegam o fogo do Olimpo científico — os laboratórios e as universidades — e de lá o trazem para baixo, para o povo”, disse nos anos 1930 William LauranLaurance, jornalista que cobria ciência no New York Times. (Citado por Dorothy Nelkin em Selling Science: How the press covers science and technology. Nova York: W. H. Freeman & Co., 1985.)

Essa criativa metáfora reflete o imaginário da sociedade não só sobre a distância entre o discurso científico e a linguagem comum, mas também sobre a posição dos cientistas como deuses, acima dos “mortais”. Porém, é consenso entre vários estudos que essa é uma concepção ultrapassada de divulgação da ciência. (Fapesp, Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo 2004, vol. I, p. 12-8.) De um modo geral, no plano do ensino de graduação do jornalismo, prevalece o objetivo pedagógico de substituí-la por uma prática jornalística ancorada na contextualização das atividades científicas, destacando seus problemas, seus métodos e seus aspectos históricos, sociológicos e filosóficos.

A convicção de tantos especialistas de que o modelo de divulgação científica é uma visão ultrapassada mal se estendeu além do mundo acadêmico onde ela foi construída, pois surtiu pouquíssimos efeitos na prática jornalística na cobertura de ciência e tecnologia, uma vez que nela persiste hegemonicamente aquela concepção superada.

O papel passivo apontado como característica da sociedade no modelo de divulgação científica de Laurance aplica-se, em certa medida, a grande parte dos jornalistas que cobrem ciência, pois sua função mediadora é vista como nula no fluxo vertical da informação. E isso se deve não só à omissão no plano da contextualização das notícias de ciência, mas também à falta do contraditório. É como se a ciência fosse detentora de verdades absolutas e não comportasse diferentes visões sobre seus temas. Com isso,o jornalista abre mão não só de sua função mediadora, mas, acima de tudo, de seu dever profissional de lidar com diferentes versões. Quem perde com isso é o leitor, ouvinte ou telespectador, que recebe uma informação prejudicada para promover uma compreensão crítica do processo relacionado ao fato jornalístico.

Os cientistas, no entanto, sabem que as conclusões de suas pesquisas não são definitivas. Sabem também que grande parte de seus trabalhos envolve diferenças de interpretações, e geralmente os bons papers fazem menção a trabalhos baseados em visões conflitantes com a do autor. Mas raros são os jornalistas que lidam com artigos publicados em periódicos científicos e têm condições de identificar outras fontes que possam oferecer versões diferentes e até mesmo divergentes da pesquisa que é o tema central de sua reportagem.

Cabe à sociedade exigir uma cobertura jornalística de ciência pautada pelo mesmo preceito ético de independência que deve reger a atividade da imprensa. Na verdade, essa é uma cobrança que precisa cada vez mais ser feita em relação ao jornalismo como um todo. Mas isso é assunto para outra conversa.

Unespciência setembro de 2009, p. 50


PDF gratuito deste artigo aqui.

Unesp lança revista de divulgação científica diferente

Unesp lança revista

Por Alex Sander Alcântara e Maria da Graça Mascarenhas

Agência FAPESP – A revista Unesp Ciência, de divulgação científica, foi lançada pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) nesta quarta-feira (26/8), em cerimônia no auditório do Instituto de Física Teórica da Unesp, no campus Barra Funda, na capital paulista.

Com foco na divulgação científica, revista Unesp Ciência será distribuída nas 23 unidades da universidade, em escolas e outras instituições de pesquisa (reprodução)

Estiveram presentes Herman Voorwald, reitor da Unesp e conselheiro da FAPESP, Carlos Vogt, secretário de Ensino Superior do Estado de São Paulo e coordenador do Laboratório de Jornalismo Científico (Labjor) da Universidade Estadual de Campinas, e José Castilho Neto, presidente da Fundação Editora da Unesp, além de pesquisadores e interessados na divulgação da ciência.

Mensal, com tiragem de 25 mil exemplares e 48 páginas, a publicação será distribuída nos campi da Unesp e em diversas instituições de ensino e de pesquisa. A revista também pode ser lida, em formato pdf, pela internet.

“O foco é fazer uma divulgação científica de referência, com equilíbrio entre as áreas. E um jornalismo crítico, não mostrando a ciência como algo acabado”, disse Maurício Tuffani, assessor de comunicação e imprensa da Unesp e diretor editorial da revista.

Voorwald conta que quando assumiu a reitoria, em 2008, já havia pensado em criar um veículo de divulgação científica que expressasse, em linguagem clara e acessível, os principais estudos desenvolvidos pelos pesquisadores da Unesp.

“Percebemos a necessidade para a Unesp de um instrumento de divulgação com esse perfil, mas com limites que não sejam os muros da universidade. A revista será um grande instrumento de divulgação da ciência e da instituição, ajudando os próprios professores a dimensionar a importância e competência da universidade e o seu papel social”, disse.

Vogt salientou a trajetória ascendente da divulgação científica no país, em particular em São Paulo. “Isso se deve, em grande parte, ao amadurecimento das próprias instituições ligadas à pesquisa, que passaram a colocar a divulgação como prioridade”, disse.

O secretário destacou como modelo bem-sucedido a FAPESP, que conta com dois veículos de divulgação científica: a Agência FAPESP, que envia boletins diários a mais de 80 mil assinantes, e a revista mensal Pesquisa FAPESP.

Ciência e arte

No primeiro número, a revista destaca os 400 anos da ciência moderna. A reportagem Quatro séculos da ciência relembra Galileu Galilei (1564-1642), que rompeu o paradigma defendido por Nicolau Copérnico (1473-1543) segundo o qual o Sol estaria no centro do Sistema Solar (heliocentrismo).

Essa mudança de perspectiva é considerada o marco da modernidade científica. A reportagem elenca ainda alguns dos principais formuladores da ciência moderna, como Francis Bacon, René Descartes e Albert Einstein.

A revista traz um perfil da arqueóloga e antropóloga Ruth Künzli, da Unesp de Presidente Prudente (SP), e aborda temas curiosos para o público menos especializado como na reportagem Estação de trabalho, que mostra quais são os tipos de objetos que um pesquisador reúne em sua sala. A reportagem Insetos criminalistas explica como o estudo de moscas e larvas pode dizer quando e como uma pessoa morreu.

Outros destaques são a seção de lançamentos de livros e a Click, de flagrantes da “beleza da ciência”. Na primeira edição, são imagens de nanoesculturas produzidas a partir de dióxido de estanho. Pesquisadores do Instituto de Química da Unesp de Araraquara, em parceria com colegas da Universidade Federal de São Carlos, trabalham com partículas de bilionésimos de metro e têm confeccionado uma espécie de “nanoarte”, com as imagens geradas nos experimentos.

Para ler a versão em pdf:

O novo e maior inimigo do ozonio

Novo e maior inimigo do ozônio

Agência FAPESP – O óxido nitroso (N2O) é conhecido como gás do riso (ou hilariante), devido à capacidade de provocar contrações musculares involuntárias na face. Mas uma nova notícia sobre esse gás está longe de provocar bom humor.

Segundo uma pesquisa feita por cientistas da Administração Nacional do Oceano e Atmosfera (NOAA), nos Estados Unidos, o óxido nitroso se tornou, entre todas as substâncias emitidas por atividades humanas, a que mais danos provoca na camada de ozônio.

Não regulada pelo Protocolo de Montreal, a emissão de óxido nitroso por atividades humanas supera a de CFCs como a mais danosa à camada de ozônio (Nasa)

O estudo, publicado na edição esta sexta-feira (28/8) da revista Science, afirma que essa liderança nefasta se manterá por todo o século.

O óxido nitroso superou os clorofluorcarbonetos (CFCs), cuja emissão na atmosfera tem diminuído seguidamente por causa de acordos internacionais conduzidos com essa finalidade. Hoje, de acordo com a pesquisa, as emissões de N2O já são duas vezes maiores do que as de CFCs.

O óxido nitroso é emitido por fontes naturais (bactérias no solo e oceanos, por exemplo) e como um subproduto dos métodos de fertilização na agricultura, da combustão, do tratamento de esgoto e de diversos processos industriais. Atualmente, um terço da emissão do gás deriva de atividades humanas.

Ao calcular o efeito dessa emissão na camada de ozônio atualmente e estimar o mesmo para o futuro próximo, os autores da pesquisa observaram que os danos à camada de ozônio são grandes e continuarão elevados por muitas décadas se nada for feito para reduzir as emissões.

“A grande redução nos CFCs nos últimos 20 anos é uma história ambiental de sucesso. Entretanto, o óxido nitroso produzido pelo homem é agora o elefante na sala entre as substâncias que destroem o ozônio atmosférico”, disse Akkihebbal Ravishankara, diretor da Divisão de Ciências Químicas do Laboratório de Pesquisas do Sistema Terrestre da NOAA, principal autor do estudo.

A camada de ozônio protege plantas, animais e pessoas do excesso de radiação ultravioleta emitida pelo Sol. A diminuição da camada faz com que mais radiação do tipo atinja a superfície terrestre, prejudicando a vida no planeta.

Apesar de o papel do óxido nitroso na destruição do ozônio ser conhecido há décadas, o novo estudo é o primeiro a calcular sua importância por meio do uso de métodos semelhantes aos usados na análise de CFCs e de outras emissões antrópicas.

Diferentemente dos CFCs e de outros desses gases, a emissão de óxido nitroso não é regulada pelo Protocolo de Montreal sobre Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio, adotado em 1987 por 46 países.

Segundo os pesquisadores, como o óxido nitroso também é um gás de efeito estufa, a redução de suas emissões por atividades humanas seria uma boa medida tanto para a camada de ozônio como para o clima.

O artigo Nitrous oxide (N2O): The dominant ozone depleting substance emitted in the 21st century, de A.R. Ravishankara e outros, pode ser lido por assinantes da Science em


Professores, pesquisadors e alunos de universidades públicas privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos têm acesso gratuito à revista Science e outras publicações científicas.

Newton da Costa, professor emérito da Unicamp

Newton da Costa, professor emérito

Agência FAPESP – O matemático, lógico e filósofo Newton da Costa, professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), recebeu o título de professor emérito da universidade.

Matemático e filósofo, um dos criadores da lógica paraconsistente recebe título da Unicamp (foto: Unicamp)

A solenidade de outorga foi realizada no dia 25 de agosto no Centro de Convenções da universidade, durante assembleia universitária extraordinária do Conselho Universitário (Consu).

A proposição partiu da congregação do IFCH e do conselho científico do Centro de Lógica, Epistemologia e Filosofia da Ciência (CLE) e foi acatada por deliberação do Consu em 26 de maio. Segundo a Unicamp, o título resulta dos relevantes serviços prestados pelo professor em prol do desenvolvimento da instituição.

Conduzido ao recinto pelos professores Ítala D’Ottaviano e Walter Carnielli, seus ex-alunos da primeira geração de lógicos da Unicamp, Da Costa foi ovacionado pelas autoridades e convidados. O professor Edgar Salvadori de Decca, reitor em exercício, deu as boas-vindas.

“Tenho orgulho de ter sido cativada por esse professor e hoje sou uma de suas colaboradoras e amiga. Trata-se de uma justa homenagem a esse intelectual que tanto tem enobrecido a filosofia e a ciência brasileira”, disse Ítala.

Ao falar resumidamente sobre a sua trajetória profissional, Da Costa destacou sua contribuição à Unicamp ao ter sido um dos fundadores do CLE, centro que conseguiu reconhecimento internacional.

“A Unicamp dignifica o Brasil e me deixa jubiloso. A filosofia da ciência não pode ser cultivada por quem não possui intimidade com a ciência. Por isso me envolvi com ambas. Sempre quis me dedicar à natureza do conhecimento. A posição que assumo é a tentativa de alcançar o céu”, disse.

Newton Carneiro Affonso da Costa nasceu em Curitiba em 16 de setembro de 1929. Com o apoio de seu tio Milton Carneiro, à época professor de história da filosofia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), iniciou-se na filosofia por meio dos Diálogos de Platão e de vários textos de Aristóteles, ambos em traduções francesas.

Concluiu três graduações na UFPR: engenharia civil, bacharelado em matemática e licenciatura em matemática. Recebeu o título de doutor em matemática e tornou-se livre-docente de análise matemática e análise superior. É professor titular de filosofia na Universidade de São Paulo e professor convidado da Universidade Federal de Santa Catarina.

Na Unicamp, foi diretor associado do Instituto de Matemática, Estatística e Ciências da Computação (Imecc) em 1967, professor titular do Imecc de 1968 a 1969 e membro-fundador do CLE, onde lançou o periódico The Journal of Non-Classical Logic, primeira publicação de circulação internacional na área, tendo sido o seu primeiro editor.

Foi um dos criadores da lógica paraconsistente. Aplicada em sistemas computacionais, essa se inclui entre as chamadas lógicas não-clássicas heterodoxas por derrogar alguns dos princípios basilares da lógica clássica, tais como o princípio da contradição: segundo a lógica paraconsistente uma sentença e a sua negação podem ser ambas verdadeiras.

Recebeu, entre diversas distinções, o Prêmio Moinho Santista em Ciências Exatas (1994), o Prêmio Jabuti em Ciências Exatas (1995) e a Medalha do Mérito Científico “Nicolau Copérnico” da Universidade de Torun, Polônia (1998). É membro titular do Instituto Internacional de Filosofia de Paris, o primeiro brasileiro a pertencer a essa instituição.

Publicou cerca de 250 trabalhos. São conhecidas mais de 1,5 mil citações de seus livros e artigos em mais de dez idiomas, incluindo traduções de livros para o chinês. É membro da Academia Brasileira de Filosofia.

Entre seus livros estão Introdução aos Fundamentos da Matemática (1961), Ensaio sobre os Fundamentos da Lógica (1979), Lógica Indutiva e Probabilidade (1993), todos relançados recentemente pela Hucitec, Logique Classique et Non-Classique (Masson, Paris, 1997), O conhecimento científico (Discurso Editorial, 1999) e Science and Partial Truth: A Unitary Approach to Models and Scientific Reasoning (Oxford University Press, 2003).

Leia mais sobre as contribuições científicas, as ideias e a vida de Newton da Costa:

Geotecnologia à distância

Geotecnologia a distância

Agência FAPESP – Estão abertas as inscrições para a primeira edição do curso a distância de Geotecnologia no Ensino, organizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O prazo termina em 31 de agosto.
O curso visa à capacitação de profissionais da educação básica no uso de geotecnologias (sensoriamento remoto e sistema de informações geográficas) e também à difusão do uso de dados de satélites.

Para participar do curso é necessário ser professor do ensino básico em atividade (em sala de aula) e possuir internet com banda larga.

A programação prevê a discussão de temas como “Fundamentos de sensoriamento remoto”, “Sensores e satélites”, “Interpretação de imagens de sensores remotos”, “Processamento de imagens de sensores remotos”, “Aplicações de dados de sensores remotos” e “Orientação para a elaboração de projeto educacional”.

A carga horária total do curso é de 104 horas (13 semanas) com dedicação do aluno de 8 horas semanais durante o período das atividades.

Mais informações:

Berlinck rides again contra o Design Inteligente

quinta-feira, agosto 27, 2009

Design (des)inteligente

23/08/2009 – 9:59

Publicado em ciência, educação, informação

Tagged Darwin, design inteligente, evolução, seleção natural
Comentários (1)

Visitar blogs como fonte de informações pode ser divertido e até didático. Muitos blogs são enriquecedores e informativos, como a maioria dos blogs inscritos no metablog “Blogs de Ciência”. Outro metablog muito bom é o “Science Blogs“, que reúne uma série de blogs de acadêmicos e estudantes brasileiros, que postam sobre os mais variados temas.

O blog “Desafiando a Nomenklatura Científica” é, no mínimo, curioso. Seu autor, Enézio E. de Almeida Filho, é, antes de tudo, um divulgador da ciência. Inúmeras postagens do seu blog apresentam artigos científicos, outros nem tanto.

Enézio é um ferrenho defensor do design inteligente. Não pretendo discorrer sobre as idéias do design inteligente, pois estas tomariam muito espaço e tempo. Existem centenas de páginas na internet que explicam o design inteligente. O curioso, porém, foi um post inserido por Enézio no seu blog no último dia 20. Intitulado “Assine a lista dos dissidentes científicos de Darwin”, o texto é uma cópia de outra página “Uma Dissensão Científica do Darwinismo”. Tanto no blog de Enézio como nesta página, os autores não identificados do texto exortam leitores acadêmicos a assinar uma lista de manifestação contra o darwinismo.

Seria interessante, se a idéia não fosse velha. A lista foi criada em 2001, em resposta à excelente série “Evolution” produzida pela Public Broadcasting Services (PBS) e pela Scientific American (composta de 4 DVDs, em português “Evolução”, disponível para aquisição na página da Duetto). Em 27 de julho de 2007 a lista contava com 748 assinaturas de acadêmicos e doutores. A lista atual não cresceu muito, está com aproximadamente 800 assinaturas.

800 assinaturas. É muito? Não. Corresponde a exatos 14,7% do número total de professores da Universidade de São Paulo (veja aqui). Ou seja, é um número irrisório. Pífio. Se em 8 anos tal manifesto angariou somente 800 assinaturas no mundo todo, deveria rever seus propósitos.

O problema principal do manifesto é que é contra o Darwinismo. Muito bem. O que oferece em troca? Nada.

[NOTA DESTE BLOGGER 1: A Nomenklatura afirma que não existe dissidência em relação às teses de Darwin - nossa lista prova o contrário. Berlinck omitiu intencionalmente, mas há cientistas de peso que assinaram a lista. Membros de Academias de Ciência. Dr. Stanley Salthe; Dr. Henry Schaefer, da Universidade da Georgia; Dr. Philip Skell, da U.S. National Academy of Sciences; Dr. Lyle Jensen, da American Association for the Advancement of Science; Dr. Lev Beloussov, da Academia Russa de Ciências Naturais; Dr. Giuseppe Sermonti, Editor Emérito da Rivista di Biologia / Biology Forum, e o nosso Dr. Marcos N. Eberlin, Professor da Unicamp e membro da Academia Brasileira de Ciências. Vá lá, dê uma olhada e confira.]

O design inteligente é nada, pois não se fundamenta em qualquer dado experimental ou evidência, mas apenas em idéias sem qualquer fundamento científico.

[NOTA DESTE BLOGGER 2: Berlinck é encontrado aqui em flagrante descompasso com a verdade. As teses do Design Inteligente são pelo menos duas: a complexidade irredutível de sistemas biológicos (flagelo bacteriano entre outros exemplos de Michael Behe no livro A Caixa Preta de Darwin, Rio de Janeiro, Zahar, 1998; e a informação complexa especificada (como no caso do DNA - Vide William Dembski] que são encontradas na natureza. Outros já tentaram falseá-las, mas não conseguiram. Quem sabe Berlinck faz esta boa ação para a ciência.

Berlinck está numa verdadeira situação epistêmica Catch-22: Popper disse que uma teoria seria científica se fosse submetida à falseabilidade. É o que muitos cientistas tentaram fazer, mas somente fortaleceram nossas proposições teóricas. Se saíram em busca do falseamento, é porque a proposta é, plausivelmente, científica. Se não falsearem, a proposta é robustamente científica. Berlinck, que tal apresentar os passos evolutivos gradualistas do flagelo bacteriano? Que tal explicar a origem da informação digital do DNA através das leis naturais???]

É muito pouco para a comunidade científica internacional, cada vez melhor informada, com acesso a publicações científicas e publicações de divulgação científica de excelente qualidade, que mostram que a teoria da evolução não é uma brincadeira, nem uma falácia, nem motivo de risos. É fruto de muita pesquisa desenvolvida ao longo de 150 anos, de maneira muito séria, avaliada e avalizada por centenas de pesquisadores do mundo todo.

[NOTA DESTE BLOGGER 3: Berlinck sabe, mas não mencionou em seu blog: eu tenho um mestrado em História da Ciência pela PUC-SP. Sou doutorando lá e nesta mesma área científica. Eu estou elaborando e trabalhando numa lista de pesquisas e artigos publicados em revistas científicas de renome onde os autores questionam as linhas de evidências apresentadas nas ciências evolutivas química e biológica. São artigos publicados em quatro décadas por especialistas reconhecidos internacionalmente.

As questões levantadas naqueles artigos e pesquisas são chamadas de 'zonas de incertezas'. Edgar Morin, filósofo e educador francês sugeriu à UNESCO em 1999 que elas fossem ensinadas. O MEC/SEMTEC/PNLEM não acolheu esta sugestão e nós temos casos de livros didáticos de Biologia do ensino médio com duas fraudes e várias distorções científicas a favor do fato, Fato, FATO da evolução. O nome disso é 171 epistêmico.]

Como resposta ao manifesto contra o darwinismo, o arqueólogo R. Joe Brandon iniciou um movimento pró-darwinismo. No ano de 2005, em 4 dias (isso mesmo, dias), Brandon angariou 7733 assinaturas. Quase 10 vezes mais do que os criadores do movimento anti-darwinista conseguiram em 8 anos. Está faltando gente para dar crédito ao design inteligente.

[NOTA DESTE BLOGGER: O Design Inteligente não precisa de gente - argumento da autoridade, mas de mais sinais de inteligência na natureza. A mente científica não se submete a nomes, mas ao peso que as evidências trazem a favor ou contra uma teoria científica. Nós vamos à natureza, fazemos perguntas a ela, e nos submetemos às evidências aonde elas forem dar. Isso é Bacon puro em ciência, Berlinck.]