Steven Gimbel - A ciência judaica de Einstein

sexta-feira, junho 29, 2012

Einstein's Jewish Science

Physics at the Intersection of Politics and Religion
Steven Gimbel

Is relativity Jewish? The Nazis denigrated Albert Einstein's revolutionary theory by calling it "Jewish science," a charge typical of the ideological excesses of Hitler and his followers. Philosopher of science Steven Gimbel explores the many meanings of this provocative phrase and considers whether there is any sense in which Einstein's theory of relativity is Jewish.

Arguing that we must take seriously the possibility that the Nazis were in some measure correct, Gimbel examines Einstein and his work to explore how beliefs, background, and environment may—or may not—have influenced the work of the scientist. You cannot understand Einstein's science, Gimbel declares, without knowing the history, religion, and philosophy that influenced it.

No one, especially Einstein himself, denies Einstein's Jewish heritage, but many are uncomfortable saying that he was being a Jew while he was at his desk working. To understand what "Jewish" means for Einstein's work, Gimbel first explores the many definitions of "Jewish" and asks whether there are elements of Talmudic thinking apparent in Einstein's theory of relativity. He applies this line of inquiry to other scientists, including Isaac Newton, René Descartes, Sigmund Freud, and Émile Durkheim, to consider whether their specific religious beliefs or backgrounds manifested in their scientific endeavors.

Einstein's Jewish Science intertwines science, history, philosophy, theology, and politics in fresh and fascinating ways to solve the multifaceted riddle of what religion means—and what it means to science. There are some senses, Gimbel claims, in which Jews can find a special connection to E = mc2, and this claim leads to the engaging, spirited debate at the heart of this book.

"In this wide-ranging exploration, Gimbel... seeks to discover whether and to what extent Einstein's work could legitimately be called 'Jewish' and what difference it makes."—Publishers Weekly

"A fascinating engagement with the nature of Judaism and of science. By exploring and, in a sense, redeeming the Nazi accusation that Einstein's relativity theory is 'Jewish science,' Gimbel not only challenges the racist meanings of that charge but shows how scientific theories must in fact reflect the issues and concerns of the historical periods which give rise to them. This book is certain to generate much interest and will stimulate an important and understudied debate."—Rabbi Michael Lerner

"From its unnerving premise—maybe the Nazis were right, and Einstein's physics is 'Jewish science' after all—to its contrarian conclusions, Einstein's Jewish Science is a bruiser of a book. It asks questions and floats hypotheses that strain academic etiquette. With unflagging 'out-of-the-box-itude,' Gimbel reinterprets modern science and modern Judaism in a way that is sometimes exasperating, often challenging, frequently inspired and always riveting. You may not be persuaded, but after grappling with this book, you are sure to see in a new light both science and Jews of the twentieth century."—Noah Efron, Graduate Program in Science, Technology and Society, Bar Ilan University

Steven Gimbel is the Edwin T. and Cynthia Shearer Johnson Professor for Distinguished Teaching in the Humanities and chair of the Department of Philosophy at Gettysburg College, where he won the Luther and Bernice Johnson Award for Distinguished Teaching. He is author of Exploring the Scientific Method: Cases and Questions; René Descartes: The Search for Certainty; and Defending Einstein: Hans Reichenbach's Writings on Space, Time, and Motion.

Related Links:

Related Books:

Sociedade Brasileira de Genética: tarefa para casa - a Árvore da Vida de Darwin é uma miragem ideológica!

Phylogeny: Rewriting evolution

Tiny molecules called microRNAs are tearing apart traditional ideas about the animal family tree.

Elie Dolgin
27 June 2012

Kevin Peterson has kicked many mammals, including the Alaskan Brown Bear, off their traditional perch on the evolutionary tree.

Kevin Peterson grabs a pen and starts to scribble an evolutionary tree on the paper tablecloth of a bar in Hanover, New Hampshire. Drawing upside down to make it easier for me to see, he maps out the standard phylogenetic tale for placental mammals. First, Peterson scratches a line leading to elephants, which branched away from the rest of the placentals around 90 million years ago. Then came dogs, followed by primates (including humans) and finally rodents — all within a frenetic 20 million years. This family tree is backed up by reams of genomic and morphological data, and is well accepted by the palaeontological community. Yet, says Peterson, the tree is all wrong.

A molecular palaeobiologist at nearby Dartmouth College, Peterson has been reshaping phylogenetic trees for the past few years, ever since he pioneered a technique that uses short molecules called microRNAs to work out evolutionary branchings. He has now sketched out a radically different diagram for mammals: one that aligns humans more closely with elephants than with rodents.

“I've looked at thousands of microRNA genes, and I can't find a single example that would support the traditional tree,” he says. The technique “just changes everything about our understanding of mammal evolution”.

Peterson didn't set out to rewrite textbooks. A mild-mannered but straight-talking Montanan, Peterson had made a quiet career studying how bilateral body plans originated more than 500 million years ago. He has a particular interest in marine invertebrates and had intended to stick with that relatively obscure branch of the animal tree. But a chance investigation of microRNAs in microscopic creatures called rotifers led him to examine these regulatory molecules in everything from insects to sea urchins. And as he continues to look, he keeps uncovering problems, from the base of the animal tree all the way up to its crown.

That has won him many critics, but also some strong supporters. “Peterson and his colleagues have demonstrated that microRNAs are a powerful tool in determining the relationships of major animal groups,” says Derek Briggs, director of the Yale Peabody Museum of Natural History in New Haven, Connecticut.

Now, together with his colleagues around the world, Peterson is putting it all on the line with mammals. “If we get this wrong, all faith that anyone has in microRNAs [for phylogenetics] will be lost,” says Philip Donoghue, a palaeobiologist at the University of Bristol, UK, who has teamed up with Peterson. And there is more at stake than just the technique. “It could well be the end of all our careers,” he says.

Fossil find

If Peterson does end up switching careers, it won't be the first time. In the early 1990s, he was working the night shift unloading trucks at a freight company in his hometown of Helena, Montana, trying to figure out what to do with his life. He had recently graduated with a pre-medical degree from a local liberal arts college, but he knew he didn't want to become a doctor. Then, rummaging in his parents' barn, he happened on the first fossil he had ever collected, as a four-year-old: a crinoid, or sea lily, about the size of a button. “After I found it, I knew right away that this was what I wanted to do,” he says. “I applied to graduate school the next week.”

He soon enrolled in a PhD programme in the Department of Earth and Space Sciences at the University of California, Los Angeles. There, he teamed up with developmental geneticists Eric Davidson and Andrew Cameron at the California Institute of Technology in Pasadena, and over the course of his graduate and postdoctoral work the three men developed a provocative idea, dubbed the set-aside cell hypothesis 1. They posited that the ancestor of modern-day animals was a larva-like creature containing a group of undifferentiated cells that retained the capacity to give rise to the spectrum of adult body types seen during the Cambrian explosion. The idea subsequently came under fire from the evolutionary and developmental-biology communities.

A few years after moving to Dartmouth in 2000 to start his own lab, Peterson was looking for a way to test the hypothesis when he became intrigued with microRNAs. First discovered in 1993 by Victor Ambros, now at the University of Massachusetts Medical School in Worcester, these short, hairpin-shaped molecules bind to messenger RNAs and stop them from making proteins. A team that included Davidson had shown that a microRNA called let-7 was present in animal lineages that had bilateral body plans but not in simpler organisms such as jellyfish and sponges 2, hinting that microRNAs could hold the secret to morphological complexity.

Read more here/Leia mais aqui: Nature



Um pequeno artigo desses contrariando o DOGMA darwinista da Árvore da Vida saindo na renomada publicação científica Nature sinaliza o que? Uma revisão profunda nas especulações transformistas de Darwin de ancestralidade comum (descendência com modificação) que é ferreamente defendido pela Nomenklatura científica?

Fui, nem sei por que, rindo da cara da Galera dos meninos e meninas de Darwin que, quando afirmei ser a Árvore da Vida de Darwin uma miragem ideológica, caíram de pau neste blogger na blogosfera. E fui rachando de rir dos signatários do Manifesto da Sociedade Brasileira de Genética sobre Ciência, Criacionismo e Design Inteligente: foram apanhados epistemologicamente de calças nas mãos!!!

Mais uma vez este blogger é vindicado por um cientista evolucionista honesto!

Manifesto da Sociedade Brasileira de Genética: uma "estudantada" sobre Ciência, Criacionismo e Design Inteligente

quinta-feira, junho 28, 2012


O manifesto recém-publicado da Sociedade Brasileira de Genética (SBG) objetivou comunicar publicamente a inexistência de “qualquer respaldo científico para ideias criacionistas” e da Teoria do Design Inteligente sendo divulgadas nas escolas, universidades e meios de comunicação, e “esclarecer a sociedade brasileira e evitar prejuízos no médio e longo prazo ao ensino científico e à formação dos jovens no país.” 

Não se discute a Ciência [sic, palavra grafada com letra maiúscula pelos signatários] contemporânea ser “a principal responsável por todo o desenvolvimento tecnológico e grande parte da revolução cultural que vive a sociedade mundial”. Todavia, a SGB deixou de fora as mazelas trazidas sobre a humanidade pela ciência: as duas bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, a proibição do uso do DDT ser responsável por mais de 60 milhões de mortes no mundo pela malária...

Se a Biologia do século XXI “começou a se fundamentar como uma Ciência experimental bem estabelecida” com a publicação das primeiras ideias evolutivas de Charles Darwin e Alfred Wallace, esta ciência está fundamentada sobre areias epistemológicas movediças do século XIX. Razão? Ernst Mayr disse que no livro Origem das Espécies, Darwin não entregou o que propôs entregar no título do livro – a origem das espécies [1], muito menos explicou a origem das variações como mecanismo evolucionário. 

O mantra dobzhanskyano – Nada em biologia faz sentido a não ser à luz da evolução – ganhou nova roupagem: a teoria da evolução de Darwin através da seleção natural “unifica todo o conhecimento biológico atual em suas várias disciplinas das áreas da saúde, ambiente, biotecnologia, etc.” Todavia, Philip Skell (falecido), cientista, membro da National Academy of Sciences escreveu na revista The Scientist em 2005: 

“A evolução darwinista – quaisquer que sejam suas outras virtudes – não fornece uma heurística frutífera em biologia experimental. Isso se torna especialmente claro quando nós a comparamos com o referencial heurístico como do modelo atômico, que abre a química estrutural e conduz a avanços na síntese de um grande número de novas moléculas de benefício prático. Nada disso demonstra que o darwinismo seja falso. Isso significa, contudo, que a afirmação de ser a pedra fundamental da biologia experimental moderna vai se deparar com o ceticismo quieto de um número crescente de cientistas em áreas científicas onde as teorias verdadeiramente servem como pedras fundamentais para avanços científicos tangíveis.” [2]

A. S. Wilkins, editor do periódico científico BioEssays, escreveu em 2000: 

“A questão da evolução ocupa um lugar especial e paradoxal dentro de toda a biologia. Embora a grande maioria dos biólogos, provavelmente, concordaria com a frase de Theodosius Dobzhansky de que ‘nada em biologia faz sentido a não ser à luz da evolução’, a maioria pode conduzir seu trabalho muito feliz sem nenhuma referência particular a ideias evolucionárias. A evolução pareceria ser uma ideia unificadora indispensável e, ao mesmo tempo, uma ideia altamente supérflua.” [3]

Dr. Marc Kirschner, catedrático do Departamento de Sistemas de Biologia na Escola de Medicina de Harvard, foi mais contundente:

“… ao longo dos últimos 100 anos, quase toda a biologia tem procedido independente da evolução, exceto a própria biologia evolucionária. A biologia molecular, a bioquímica, a fisiologia, nem levaram em conta a evolução.” [4]

Isso contraria frontal e contundentemente o afirmado no manifesto da SBG de que “a Teoria Evolutiva explica, com muitas evidências e dados experimentais, a origem e riqueza da biodiversidade, incluindo as espécies existentes e extintas, de nosso planeta”.

Não há muito que se discutir com a afirmação do Manifesto da SBG que “Teorias de outras áreas da Ciência, como Física (Gravitação, Relatividade, etc.) e Química (Modelo Atômico, Princípio da Incerteza, etc.), estarem fundamentadas no método científico, investigando fenômenos que podem ser medidos e testados experimentalmente. A ignorância em História e Filosofia da Ciência dos signatários é patente e absurda: em Ciência não existe método científico, mas diversos métodos científicos, pois são várias as áreas científicas cada uma exigindo metodologia sui generis. 

Embora o processo científico seja contínuo, a incorporação das novas ideias e descobertas científicas para aprofundar o conhecimento humano sobre os seres vivos, a Terra e o Universo, não se dá assim facilmente. Há forte resistência às teorias e ideias que contrariam os paradigmas vigentes. Uma releitura de A Estrutura das Revoluções Científicas, de Thomas Kuhn refrescaria a memória desses signatários de que se travam embates, às vezes ferrenhos, por posicionamentos teóricos. 

O que tem acontecido realmente com o estudo da Evolução Biológica nos últimos 150 anos, é que neste período uma enorme quantidade de dados e evidências contrariando e mostrando a falência heurística da proposta original de Darwin e Wallace – evolução através da seleção natural – são apenas discutidos intramuros e em publicações científicas que muitos poucos têm acesso, e as organizações científicas como a SBG, não ousam abordar civil e publicamente. 

A afirmação de que “as perguntas e as causas sobrenaturais não fazem parte do questionamento hipotético e nem das explicações em todas as Ciências experimentais modernas” cheira muito mais a materialismo metodológico como princípio regulador em ciência do que – que a ciência deve ser limitada em dar somente explicações materialistas dos fenômenos naturais. Mas qual é o experimento científico que teste a afirmação de materialismo científico desses signatários? Se houver um, qual é o experimento científico que corrobore essa afirmação retórica da SBG? 

Realmente a pergunta “Deus existe?” ou “Deus não existe” podem ser discutidas por filósofos e cientistas (como pessoas com diferentes crenças, opiniões e ideologias), mas não podem ser abordadas e respondidas pela Ciência. Todavia, isso também deve acabar de vez por todas com o bullying de professores ateus que, inapropriadamente, hostilizam verbalmente os crentes de subjetividades religiosas em salas de aulas nas universidades públicas e privadas. Cabe processo contra esses buldogues do ateísmo pós-moderno, chiques e perfumados a la Dawkins! 

Realmente há fenômenos que a Ciência não pode e nem vai explicar devido a limitações do conhecimento no século XXI, tal como a gravidade no nível atômico, algumas propriedades da molécula da água ou a origem e evolução do universo e das primeiras formas de vida há mais de 3,5 bilhões de anos. Infelizmente algumas pessoas argumentam com variantes de clássica falácia do Deus das lacunas: “se a Ciência não explica, é porque a causa é sobrenatural”. 

Embora este argumento seja utilizado por inúmeros criacionistas, incluindo os adeptos da Terra Nova, da Terra Antiga, os signatários do manifesto da SBG, para não chama-los de mentirosos, estão em descompasso com a verdade em relação ao Design Inteligente.

Desafio qualquer luminar da SBG ou fora dela, que aponte na literatura do Design Inteligente alguma proposição tipo “se a Ciência não explica, é porque a causa é sobrenatural”. A Ciência é a busca pela verdade, e aqui a SBG prestou um desserviço à sociedade porque foi encontrada mentindo sobre um grupo sério de cientistas. Popularmente: foram apanhados com a mão na cumbuca!

Realmente é deplorável se versões criacionistas são apresentadas ao grande público como produto de “estudos científicos avançados” (mas há) e, ao contrário do afirmado pela SBG, o criacionismo e a teoria do Design Inteligente fazem parte de atividades discutidas em publicações e congressos científicos em diversos países, no Brasil inclusive. Só que os criacionistas, teóricos e proponentes da Teoria do Design Inteligente não podem publicar, e nem são convidados para esses eventos.

É até possível que a Teoria Evolutiva seja deturpada, mas é falaciosa a afirmação da SBG que esses críticos não levam em consideração os muitos trabalhos científicos efetuados desde sua proposta há mais de 150 anos. Pelo contrário, eles demonstram profundo e atualizado conhecimento da literatura especializada com resultados e evidências demonstrando a falência heurística da atual Teoria da Evolução no contexto de justificação teórica. 

As montanhas de evidências negativas contrariando as especulações transformistas são tantas que vem aí uma nova Teoria geral da evolução – a SÍNTESE EVOLUTIVA AMPLIADA que, por aquelas razões, contrariando Darwin e discípulos, não pode e nem deve ser selecionista e vai incorporar aspectos teóricos lamarckistas. Mas ela somente será anunciada em 2020.

É muita desonestidade acadêmica da SBG e da Nomenklatura científica não abordar publicamente esta situação de revisão profunda no corpus teórico evolucionário. Vai ver porque os criacionistas e a turma do Design Inteligente abordam essas questões livremente é que realmente incomoda os atuais mandarins da Nomenklatura científica foi o que motivou este manifesto. 

Os raros criacionistas cientistas produtivos em suas áreas específicas de atuação têm nomes. Um deles é o Prof. Dr. Marcos Nogueira Eberlin, da Unicamp, segundo cientista brasileiro mais citado em publicações científicas, que, embora não desenvolva pesquisas na área da Evolução Biológica, como todo químico, sabe muito mais sobre a vida do que os biólogos. Pela linha de raciocínio da SBG, Darwin nem poderia escrever o seu livro Origem das Espécies. Razão? A única formação acadêmica de Darwin: teologia...

Dentro do movimento do Design Inteligente temos desde ateus, agnósticos, céticos a crentes de variadas subjetividades religiosas. Quando abordam o criacionismo, eles estão falando de suas crenças particulares e não das pesquisas que estudam e publicam, e nas suas palestras o Prof. Dr. Marcos Nogueira Eberlin deixa isso muito claro: está apenas emitindo sua opinião pessoal e subjetiva, motivada geralmente por sua crença religiosa, além de fazer a distinção entre o criacionismo e a Teoria do Design Inteligente.

Não é somente perguntas e explicações criacionistas que não podem ser testadas pelo método científico. Como testar as origens e evolução do universo e da vida – especialmente a hipótese da ancestralidade comum – quando a Árvore da Vida de Darwin foi demonstrada uma miragem ideológica? Como testar um buraco negro? Como detectar a “partícula de Deus”?

É com esse objetivo honesto de informar o que é negado à sociedade, inúmeros cientistas, filósofos e educadores da área biológica têm apresentado várias críticas substantivas às diferentes versões evolucionistas, demonstrando seus alicerces na crença materialista e não no questionamento científico, erros elementares e significativas falhas conceituais em sua formulação, a falta de evidências, assim como deturpações dos fatos e métodos científicos. A abordagem da origem e evolução do universo e da vida nos livros didáticos aprovados pelo MEC/SEMTEC/PNLEM é uma prova dessa desonestidade científica.

Coisas que, não somente a SBG, mas todas as organizações científicas se recusam terminante discutir. E as evidências contrárias à Teoria da Evolução? “As evidências? Que se danem as evidências, o que vale é a teoria!” Frase atribuída a Dobzhansky aos alunos de genética na USP, mas quem ouviu e sobrevive não ousa confirmar!

As críticas feitas pelos críticos da Teoria da Evolução têm sido divulgadas no Brasil e em vários países, sendo que algumas podem ser lidas livremente nos sites da internet indicados abaixo. 

Apesar de saber existir inúmeras evidências não corroborando a Teoria da Evolução no contexto de justificação teórica, e que isso representa uma deterioração na qualidade do ensino de Ciências, a Sociedade Brasileira de Genética (SBG), ratificou nesse manifesto ser a Evolução Biológica por Seleção Natural imensamente respaldada pelas evidências e experimentações nas áreas de Genética, Biologia Celular, Bioquímica, Genômica, quando é justamente nessas áreas que a especulação transformista de Darwin se revela heuristicamente falida. 

A proeminente bióloga Lynn Margulis, que se opunha à Teoria do Design Inteligente, criticou a seleção natural – mecanismo darwinista evolucionário padrão – “a afirmação darwinista para explicar toda a evolução é uma meia-verdade popular cuja falta de poder explicativo é compensada somente pela ferocidade religiosa de sua retórica.” [5]    Ela ainda destaca que “novas mutações não criam novas espécies; elas criam descendência que é debilitada.” [6]   O bioquímico Franklin Harold admitiu em uma monografia da Oxford University Press que “não há presentemente nenhuma explicações darwinistas detalhadas da evolução de qualquer sistema bioquímico ou celular, somente uma variedade de especulações fantasiosas.” [7]

Nem precisava reiterar que, como qualquer Teoria científica, a Evolução Biológica tem sido remodelada com a incorporação de várias novas evidências (incluindo da área de Genética), mas ao contrário do afirmado pela SBG, suas hipóteses e explicações estão cada vez mais enfraquecidas a cada ano, desde a primeira publicação do Origem das Espécies de Charles Darwin em 1859.

A manifestação da SBG comunicou de forma espúria e nublada à Sociedade Brasileira a inexistência de qualquer respaldo científico para ideias do Design Inteligente que têm sido divulgadas em algumas escolas, universidades e meios de comunicação: a complexidade irredutível de sistemas biológicos (flagelo bacteriano) e a informação complexa especificada (DNA) fazem parte do referencial teórico da Teoria do Design Inteligente e são encontrados na natureza. E a comunidade científica se vê diante de um dilema epistemológico popperiano – ao tentar falsificar a complexidade irredutível de sistemas biológicos, ela afirma o caráter científico da Teoria do Design Inteligente. Popper afirmou que uma teoria verdadeiramente científica se submete ao escrutínio do critério da falseabilidade.

Nós do Movimento do Design Inteligente entendemos que explicações baseadas na fé e crença atéia, e no natural podem ser interessantes e reconfortantes para muitas pessoas, mas não fazem parte do conteúdo da pesquisa ou de disciplinas científicas nas áreas de Biologia, Química, Física etc. 

Ao lado do respeito à liberdade da crença atéia, nós do Movimento do Design Inteligente, temos observado o respeito à Ciência que tem enfrentado todo tipo de obscurantismo político e ideológico, de modo similar às situações vividas por St. George Jackson Mivart e o próprio Prof. Dr. Marcos Nogueira Eberlin, entre muitas vítimas dessa Inquisição sem fogueiras relatadas no documentário Expelled. [8]

Concordamos com a SBG de que “com toda a limitação do método científico e dos recursos tecnológicos em cada época, a Ciência alargou o conhecimento humano e o entendimento científico dos mais diversos fenômenos”. Reiteramos os princípios defendidos pela SBG, e reafirmamos “que o ensino da Ciência, em todos os níveis, deve se dedicar à sua finalidade precípua, em respeito ao ditame constitucional da qualidade da educação, sem deixar-se perverter pela pseudociência e pelo obscurantismo político ou religioso” e pelo ativismo ideológico materialista que blinda os paradigmas de críticas, até mesmo das críticas científicas. 

Não são apenas alguns criacionistas que utilizam o argumento de que a Ciência brasileira é retrógrada (ou “tupiniquim”, como a chama este blogger), uma leitura dos rankings científicos mostra que, apesar de o Brasil se destacar em algumas áreas científicas, o resto não é assim nenhuma Brastemp! Desconheço quem tenha afirmado ser o criacionismo ou a Teoria do Design Inteligente “aceitos” no exterior. 

Concluímos que o ensino científico de boa qualidade no Brasil e em outros países depende da compreensão da metodologia científica, de suas potencialidades e de suas limitações, além da discussão de evidências e dados experimentais, a favor e contra. No entanto, impedir a livre discussão de ideias científicas, especialmente as que questionam os paradigmas vigentes prejudicam seriamente o Ensino Científico de qualidade e o desenvolvimento do país.

E o Manifesto da SBG? Foi uma "estudantada" sobre Ciência, Criacionismo e Design Inteligente - uma pífia tentativa de intimidar, silenciar e demonizar seus críticos e oponentes.

[1] Ernst Mayr. "It is quite true, as several recent authors have indicated, that Darwin's book was misnamed, because it is a book on evolutionary changes in general and the factors that control them (selectivity, and so forth), but not a treatise on the origin of species." Systematics and the Origin of Species, 1942, p.147

[2] Phillip S. Skell, “Why do we invoke Darwin? Evolutionary theory explains little to experimental biology”, The Scientist, August 29, 2005.

[3] A. S. Wilkins, “Evolutionary processes: a special issue”, BioEssays 2000, 22:1051-2 

[4] Marc Kirschner, Boston Globe, Oct. 23, 2005. 

[5] Lynn Margulis e Dorion Margulis, Acquiring Genomes: A Theory of the Origins of the Species, Basic Books, 2003, p. 29. 

[6] Lynn Margulis, citada em Darry Madden, "U Mass Scientist to Lead Debate on Evolutionary Theory," Brattleboro (Vt.) Reformer, Fev 3, 2006. 

[7] Franklin M. Harold, The Way of the Cell: Molecules, Organisms and the Order of Life, Oxford University Press, 2001, pg. 205. 

[8] Expelled: No Intelligence Allowed. Legendado em Português, 10 partes. Acessado 28 Jun 2012. 


Sites onde livremente se discute a Teoria do Design Inteligente e as dificuldades fundamentais da Teoria da Evolução através da seleção natural que são intencionalmente sonegadas pela Nomenklatura científica:

A deformação da teoria: a mudança quieta no pensamento evolucionário

quarta-feira, junho 27, 2012

Douglas Axe 25 Junho, 2012 12:29 PM | Permalink

É impressionante como o pensar sobre a evolução mudou desde que eu comecei acompanhando o assunto nos anos 1980s. Os biólogos de hoje claramente já chegaram à conclusão de que a teoria da evolução deve ser revisada a fim de evitar conflito com os dados genômicos, e ainda assim eles estão muito relutantes em dizer que os problemas forçando a mudança são problemas profundos. Uma consequência dessa abordagem  negócios como de costume é que os jovens biólogos podem desconhecer que eles estão herdando uma versão de darwinismo que teria sido considerado bem peculiar somente há uma geração atrás.

Uma mudança particularmente importante tem a ver como as sequências de dados são usadas para construir árvores filogenéticas – diagramas ramificados que representam as relações evolucionárias propostas entre as espécies. Uma vez que essas árvores são, essencialmente, nada mais do que hipóteses, os cientistas deveriam considera-las desse jeito. A questão toda, afinal de contas, é ver quão bem elas resistem ao escrutínio crítico. Mas, este um aspecto importante no qual o pensamento evolucionário tem mudado.

Nos anos 1970s, antes do sequenciamento do DNA se tornar rotina, os cientistas usaram várias propriedades de proteínas, inclusive suas sequências de aminoácidos para construir árvores filogenéticas. As séries de dados eram muito menores do que elas são agora, mas os princípios básicos e as pressuposições subjacentes eram as mesmas. As proteínas correspondentes de diversas espécies eram comparadas a fim de quantificar suas semelhanças, e as árvores das espécies eram construídas dos resultados.

Embora a crença de que todas as espécies eram relacionadas era tão sacrossanta quanto é agora, havia, pelo menos, um reconhecimento geral de que as árvores eram somente críveis quanto a evidência apoiando-as. Em particular, a maioria dos biólogos reconhecia a importância da consistência entre as inferidas árvores das espécies, significando que a análise realizada nos genes correspondentes ou proteínas tiradas de diversas espécies deveria produzir a mesma árvore independente de quais genes ou proteínas tinham sido usados. Ellen Prager e Allan Wilson relatam assim em 1976 1:

“A fim de testar a confiabilidade do uso de proteínas para elabora relações filogenéticas, é essencial determinar se a ordem de ramificação da árvore evolucionária que alguém obtém depende da proteína estudada.”

Se a análise der árvores diferentes quando aplicada a diferentes proteínas, então algo está errado. Uma década mais tarde, David Hillis também igualmente enfático 2:

“Um objetivo principal das pesquisas filogenéticas é reconstruir a história evolucionária de um grupo de organismos. Porque os organismos pesquisados têm uma única história, as pesquisas sistemáticas de qualquer série de caracteres geneticamente determinados deveriam ser congruentes com outras tais pesquisas baseadas em séries diferentes de caracteres nos mesmos organismos? A congruência entre pesquisas é evidência forte de que o padrão histórico subjacente foi descoberto; conflito pode indicar problemas teóricos ou de procedimento em uma ou nas duas análises, ou pode indicar que dados adicionais são necessários para as relações filogenéticas em questão.”

Mas se nós avançarmos rapidamente duas décadas, torna-se claro que o quadro consistente que todo mundo esperava – todos os genes confirmando os mesmos padrões de relações de espécies – não aconteceu. Antes, o que nós temos é algo  tipo uma bagunça, como James Degnan e Noah Rosenberg tornaram claro em um artigo publicado em 2009 3:

“Muitas das primeiras pesquisas examinando o sinal conflitante de genes diferentes encontraram considerável discordância nas árvores baseadas em genes: pesquisas de hominídeos, pinheiros, ciclídeos, tentilhões, gafanhotos e mosquinhas das frutas, todas elas detectaram discordância genealógica tão ampla que nenhuma topologia de uma única árvore predomina.” 

E apesar de tentativas consistentes em retratar isso como sendo algo menor do que uma crise para a teoria da evolução, a notícia encontrou seu caminho na imprensa popular. Naquele mesmo ano, o jornal inglês, The Telegraph caiu em cima da história com um artigo intitulado, "Charles Darwin's tree of life is 'wrong and misleading' claim scientists" [A Árvore da Vida de Charles Darwin está ‘errada e conduz ao erro’] 4.

Bem, agora que o segredo se tornou público, o que nós vamos fazer com isso? Alguém pensaria que se “A congruência entre pesquisas é evidencia forte de que o padrão histórico subjacente foi descoberto”, então uma ampla falta de congruência de árvores baseadas em genes deveria provocar o reconhecimento de incerteza histórica. Afinal de contas, por que nós deveríamos acredita que as árvores baseadas em genes revelam as histórias das espécies se os próprios genes não concordam entre si nessas histórias?

Na verdade, torna-se muito fácil construir histórias evolucionárias totalmente fictícias quando nós abandonamos a expectativa de consistência de que tal mudança deva ser considerada como solapando todo o exercício de reconstrução filogenética. Whisky, querosene e leite não têm nenhum pedigree comum, mas isso não deveria nos impedir de elaborar um, se nós fôssemos baixar o padrão nessa maneira. A única perspectiva de elevar a construção de árvores a algo mais do que um jogo, então, é que isso possa descobrir um padrão extremamente consistente de relação entre as espécies. E a verdade sóbria é – a construção de árvores não faz isso.

Mas, também é um fato que o compromisso da comunidade científica com a evolução naturalista de algum tipo é bem profunda. Nas palavras do biólogo evolucionista Eric Bapteste 4:

"Se você não tem uma árvore da vida, o que isso significa para a biologia evolucionária? A princípio isso é muito assustador – mas nos últimos dois anos, as pessoas começaram a libertar suas mentes." Segundo o filósofo de biologia John Dupré, tudo isso "faz parte da mudança revolucionária em biologia. Nosso modelo padrão de evolução está sob enorme pressão. Nós iremos, nitidamente, ver a evolução muito mais sobre fusões e colaboração do que mudança dentro das linhagens isoladas"4.
Isso, talvez, já é um começo. Mas nós temos algo em mente ainda mais revolucionário.

Referências citadas:


Crédito da imagem: Versão da foto de Norbert Nagel, Wikimedia Commons.



A Sociedade Brasileira de Genética lançou recentemente um manifesto sobre o avanço do criacionismo e Design Inteligente nas universidades brasileiras.

Pretendo replicar este documento, mais um panfleto ad baculum eivado de erros históricos e distorções de evidências científicas a favor do fato, Fato, FATO da evolução.

Uma "estudantada" que desmerece aquela instituição científica.


CARTA - Centro para Pesquisa Acadêmica e Treinamento em Antropogenia

segunda-feira, junho 25, 2012


The Center for Academic Research and Training in Anthropogeny* (CARTA) was established in a collaboration between faculty at UC San Diego and at the Salk Institute for Biological Studies, along with interested scientists at other institutions. CARTA became a UC San Diego recognized Organized Research Unit (ORU) in January 2008.

As the word anthropogeny implies, the primary goal of CARTA is to “explore and explain the origins of the human phenomenon.” In other words, finding the answers to the two age-old questions regarding humans:

Where did we come from?

How did we get here?

CARTA is a virtual organization formed in order to promote transdisciplinary research into human origins, drawing on methods from a number of traditional disciplines spanning the humanities, social, biomedical, biological, computational & engineering and physical & chemical sciences.

*Anthropogeny: The investigation of the origin of man (humans) Oxford English Dictionary, 2006. (1839 HOOPER Med. Dict., Anthropogeny, the study of the generation of man.)

Source/Fonte: CARTA

Bate-boca furioso entre Richard Dawkins e E O Wilson sobre a teoria da evolução!!!

Richard Dawkins in furious row with EO Wilson over theory of evolution

Book review sparks war of words between grand old man of biology and Oxford's most high-profile Darwinist

Vanessa Thorpe

The Observer, Sunday 24 June 2012

Professor Richard Dawkins, author of many bestsellers including The Selfish Gene and The God Delusion. Photograph: Geraint Lewis / Rex Features

A disagreement between the twin giants of genetic theory, Richard Dawkins and EO Wilson, is now being fought out by rival academic camps in an effort to understand how species evolve.

The learned spat was prompted by the publication of a searingly critical review of Wilson's new book, The Social Conquest of Earth, in Prospectmagazine this month. The review, written by Dawkins, author of the popular and influential books The Selfish Gene, The Blind Watchmakerand The God Delusion, has prompted more letters and on-line comment than any other article in the recent history of the magazine and attacks Wilson's theory "as implausible and as unsupported by evidence".

"I am not being funny when I say of Edward Wilson's latest book that there are interesting and informative chapters on human evolution, and on the ways of social insects (which he knows better than any man alive), and it was a good idea to write a book comparing these two pinnacles of social evolution, but unfortunately one is obliged to wade through many pages of erroneous and downright perverse misunderstandings of evolutionary theory," Dawkins writes.

The Oxford evolutionary biologist, 71, has also infuriated many readers by listing other established academics who, he says, are on his side when it comes to accurately representing the mechanism by which species evolve. Wilson, in a short piece penned promptly in response to Dawkins's negative review, was also clearly annoyed by this attempt to outflank him.

"In any case," Wilson writes, "making such lists is futile. If science depended on rhetoric and polls, we would still be burning objects with phlogiston [a mythical fire-like element] and navigating with geocentric maps."

Wilson, 83, is a Harvard professor of evolutionary biology who became famous in the early 1970s with his study of social species in his booksThe Insect Societies and Sociobiology. He is internationally acknowledged as "the father of sociobiology" and is the world's leading authority on ants.

For lay spectators, the row is a symptom of the long and controversial evolution of the very idea of evolution. At root it is a dispute about whether natural selection, the theory of "the survival of the fittest" first put forward by Charles Darwin in 1859, occurs only to preserve the single gene. Wilson is an advocate of "multi-level selection theory", a development of the idea of "kin selection", which holds that other biological, social and even environmental priorities may be behind the process.

But Dawkins is far from convinced: "Wilson now rejects 'kin selection' and replaces it with a revival of 'group selection' – the poorly defined and incoherent view that evolution is driven by the differential survival of whole groups of organisms."

The squabble is one of a long tradition of academic attempts to interpret and apply theories that were set out tentatively by Darwin in On the Origin of Species.

Read more here/Leia mais aqui: The Guardian

Educação com investigação filosófica incorporada


por David Tyler 03:36:48 pm,

Como devem as escolas e as universidades ensinar seus estudantes? A pedagogia ocupa as mentes de todos os educadores, embora haja muitas aplicações diferentes deste aspecto de teoria educacional. Por exemplo, alguns educadores respondem a questão acima defendendo a aprendizagem pela prática. Os estudantes recebem projetos que envolvem uma atividade estruturada tal como experimentação. Isso é aprendizagem baseada na investigação. Outros educadores favorecem um processo de obtenção de informação para se alcançar respostas. Isso é aprendizagem baseada em recursos. Embora não recomendada pelos educadores, alguns estudantes aprendem de cor ou memorizam o meio de ser resolver os problemas, mas isso tipicamente significa que o estudante tem pouco entendimento do que eles estão fazendo. No começo deste ano, em um editorial na revista Ciência, Bruce Alberts escreveu sobre a trivialização da educação em ciência. Ele comentou:

"Tragicamente, nós conseguimos, simultaneamente, trivializar e complicar a educação em ciência. Como um resultado, para muitos, a ciência parece um jogo de se relembrar fatos chatos e incompreensíveis – de tal modo que pode fazer pouca diferença se os factoides sobre a ciência vêm da tabela periódica ou de um roteiro de filme."

Nós gostamos de promover a ciência baseada na evidência, mas nós precisamos de nossas salvaguardas de revisão por pares (fonte aqui)

Apesar de extensiva pesquisa nessas questões, ainda há uma percepção generalizada que abordagens adicionais são necessárias para envolver os estudantes em cada área curricular. A contribuição de dois educadores trás algumas novas questões para consideração:

"Neste artigo nós argumentaremos a favor de mudança ampla na grade curricular escolar, mais particularmente pela inclusão da investigação filosófica dentro de cada área de aprendizagem. Nós começaremos com esta afirmação: Se é para os estudantes desenvolverem uma compreensão do mundo e o que nele há, então como professores nós devemos envolvê-los na investigação filosófica. Esta é a nossa primeira premissa. A segunda é que, tanto o bem social como o bem individual dependem do desenvolvimento de tais entendimentos." (p.305)

Embora abordando questões que surgem na educação da escolar fundamental, o artigo da pesquisa comunica princípios que são tão relevantes para a educação média e superior. A questão não é o conteúdo da grade curricular, mas a compreensão das pressuposições subjacentes de uma disciplina. O desafio é ajudar os estudantes a desenvolverem uma visão de mundo coerente que lhes permita fazer sentido do assunto e capacitá-los a vê-lo em contexto.

Pensador - Rodin

Alguns educadores têm abordado isso tendo a "investigação filosófica" como uma disciplina em si mesma, mas Knight e Collins defendem outra abordagem:

"Nós queremos argumentar que vale a pena considerar outro modelo: a filosofia incorporada nas áreas curriculares existentes. Nós não queremos negar o valor, a extraordinária profundidade, a complexidade, a amplitude do material curricular baseado na narrativa. [...] Todavia, nós pensamos que há razões para se tentar uma abordagem diferente, para se desenvolver os materiais que se encaixam nas áreas curriculares atuais. Em outro lugar, nós examinamos os argumentos apoiando a separação e o uso da narrativa. Nós temos reivindicado que esses argumentos falham em estabelecer qualquer vantagem marcada a favor da abordagem padrão. Aqui, nós simplesmente prosseguiremos colocando o caso a favor do modelo alternado que incorpora a filosofia nas áreas curriculares existentes." (p.310)

Exemplos são dados para estudantes da escola fundamental estudando "Society and Environment" [Sociedade e Meio-ambiente], matemática, ciência e as artes. Tomando a matemática como um exemplo, questões de natureza filosóficas incluem: Por que nós contamos? De onde vêm os números? Os números fazem parte do mundo em nosso redor (como as formas)? Os números são invenções humanas ou eles são descobertos?

"Resumindo: A matemática abriga um rico armazenamento de perguntas genuínas de inquirição, apropriadas para estudantes de qualquer nível de idade. Ao levantar tais questões na sala de aula, nós, sem dúvida, iremos promover uma das disposições intelectuais necessárias para o envolvimento na busca do entendimento matemático." (p.315)

Por que este tópico é relevante para a ciência e as origens? Na minha experiência, fazer referência às pressuposições filosóficas da ciência geralmente é ridicularizada como irrelevância. Muitas pessoas que participam ativamente em fóruns que lidam com essas questões, geralmente, parecem ser extremamente ignorantes das visões de mundo afetarem os assuntos que elas estão debatendo. Muitas figuras respeitáveis no mundo da ciência contribuem para o problema. Por exemplo, o caso de Stephen Hawking é considerado aqui, e Richard Dawkins também parece ter lançado a filosofia na mesma lata de lixo como a teologia, como foi destacado aqui. Há muitos líderes que têm endossado definições de ciência que são sustentadas pelo materialismo filosófico. Mesmo assim, eles raramente reconhecem publicamente a visão de mundo que eles estão esposando. Além disso, eles raramente admitem que o modo deles de fazer ciência não é o único modo – como é evidenciado pelo fato de que todos os pioneiros da ciência no século 17 desenvolveram seus pensamentos sobre os fundamentos filosóficos do teísmo.

Frequentemente nós ouvimos as pessoas dizer coisas como: a 'ciência é baseada na evidência, enquanto que o cristianismo é baseado em tradição/sentimentos/valores' (selecione qualquer palavra que seja apropriada). Isso, efetivamente, é um mantra que reprime um debate significativo. Quando os cristãos usam argumentos baseados em evidências, esses argumentos são rejeitados como retórica, pois somente a 'ciência é baseada em evidência'. É por isso que Hawking e Dawkins estão verdadeiramente promovendo o cientismo, e isso explica por que eles têm uma opinião vulgar da filosofia.

Os professores não somente deveriam ajudar os estudantes compreender os fundamentos filosóficos da grade curricular sob consideração, mas também os educadores e formuladores de políticas educacionais devem esperar que as escolas e as universidades forneçam declarações de visões de mundo concernentes à sua missão na sociedade. Por exemplo, um ateu proeminente e sua equipe de ateus estão estabelecendo uma faculdade, mas as questões de visão de mundo não foram testadas como deveriam (mas vide aqui).

Pais e estudantes têm o direito de saber se sua escola ou universidade adotou a mentalidade do secularismo e materialismo, ou se busca funcionar dentro de um referencial teísta. Reconhecer a importância da filosofia em entender como que as disciplinas de conhecimento se desenvolvem também ajudaria imensamente mudar a natureza polarizada dos debates de origens e de design. As propostas modestas de Knight e Collins merecem ser consideradas seriamente, pois a mudança de longo alcance que eles preveem é muito necessária.


Sue Knight and Carol Collins

Theory and Research in Education, November 2010, 8: 305-318 | doi:10.1177/1477878510381630


In this article we argue for the necessity of far-reaching change in school curricula and pedagogy. More particularly, we argue that developing students' understanding and engagement in the disciplines which make up the school curriculum requires an unearthing of the philosophical issues underlying ciência, mathematics, the arts, geography, history, and so on. This means that philosophical inquiry must be embedded in every curriculum area. While at first sight this task might appear unattainable, we go on to illustrate by means of detailed examples how the goal might be realized and point to theoretical and empirical evidence to support this contention.

Vide também:

Alberts, B., Trivializing Ciência Education, Science, 20 January 2012: Vol. 335 no. 6066 p. 263 | DOI: 10.1126/ciência.1218912

Tyler, D. Creationism and Intelligent Design in science lessons, ARN Literature Blog (9 September 2011)

Mais do que na hora de rever a revisão por pares [geralmente cancelas protegendo os paradigmas de seus críticos e oponentes]

sábado, junho 23, 2012

Time to review peer review

17:45 21 June 2012

Andrew Pontzen, astrophysics postdoc
(Image: SelectStock/Getty Images)

Standard lore has it that scientific results are supposed to be published in academic journals before they are even worth discussing. These publications use a "peer-review" system to determine the validity of a paper. If it's not valid in the eyes of the relevant expert community, it won't be published. It's supposed to be a way we can tell good science from bad: with the community as our judge.

That makes some sense but the ideal isn't quite a reality (at least not in my field, theoretical physics and astronomy). We are not really trusting the community; we are trusting one or two selected members of the community known as "the referees". We are trusting the editor of the journal to select referees who are competent and free from competing interests. And we are supposed to put our trust in the process despite the referees being completely anonymous - neither the author nor the reader knows who's involved.

Even if a referee believes the paper is worthy of publication, he or she can demand the author make changes. The author must respond by revising the paper to the referee's satisfaction. The paper bounces back and forth in a slow-motion game of tennis. If the author believes the referee is playing unfairly, any appeals must be made to the journal's editor. But editors rarely undermine a referee that they selected in the first place.

Assuming the work does eventually get published, the author's original intentions are hopelessly mixed up with the biases of anonymous third parties. Genuine, honest scientific disaccord is obscured by a process which is invisible to the reader.

I am not arguing to remove peer review entirely from the scientific publishing process but it does need a radical overhaul, and now is the right time to start. Peer-review offered a quality-control filter in an age where each printed page cost a significant amount of money. It's not totally clear that the quality-control filter was ever particularly effective, but at least it gave journals a way to cut down the volume of print.

These days most physicists now download papers from, a site which hosts papers regardless of their peer-review status. We skim through the new additions to this site pretty much every day, making our own judgements or talking to our colleagues about whether each paper is any good. Peer-review selection isn't a practical priority for a website like, because there is little cost associated with letting dross rot quietly in a forgotten corner of the site. Under a digital publication model, the real value that peer review could bring is expert opinion and debate; but at the moment, the opinion is hidden away or muddled up because we're stuck with the old-fashioned filtration model.

Read more here/Leia mais aqui: New Scientist

Questão do clima é vista como um dogma, artigo de Cassio Leite Vieira

segunda-feira, junho 18, 2012

JC e-mail 4519, de 15 de Junho de 2012.

Cassio Leite Vieira é jornalista do Instituto Ciência Hoje e coautor de "A Revolução dos Q-Bits" (Zahar). Artigo publicado na Folha de São Paulo do dia 5 de junho.

Às vésperas da Rio+20, talvez a história da ciência e a filosofia possam ensinar algo sobre o planeta e os humanos.

Se uma pesquisa tivesse sido feita no final do século 19 entre os grandes nomes da física, é bem provável que aqueles luminares aceitassem, como realidade incontroversa, a existência do éter (meio com propriedades tanto esquisitas quanto paradoxais que serviria de suporte para a propagação da luz). Em 1905, Albert Einstein (1879-1955), com sua teoria da relatividade, descartaria essa "propriedade" do espaço. Cerca de 20 anos depois, porém, ainda havia cientista que acreditasse em tal suporte.

Conceitos científicos arraigados são difíceis de matar. O físico alemão Max Planck (1859-1947) dizia que uma verdade científica não triunfa pelo convencimento de seus oponentes, mas, sim, porque estes últimos acabam morrendo, e ela se torna familiar a uma nova geração. O historiador marxista britânico Eric Hobsbawm põe a ciência como a forma de cultura mais influente do século 20. Para o bem e para o mal.

Ao longo da história, cientistas obtiveram resultados grandiosos - um deles é, sem dúvida, a teoria da relatividade, que permitiu o primeiro modelo cosmológico de base científica. Mas produziram fraudes e pseudociência - esta última quando o cientista crê que aquilo que obteve é verdadeiro.

Ciência está longe de ser pura, imaculada, como às vezes é vendida. Ciência tem muito de marketing. Quando um novo campo científico nasce (por exemplo, engenharia genética e nanotecnologia), ele traz sua carga de promessas. Nessas horas, cientistas, incensados pela mídia, desfilam futurologias (do bem, obviamente), pois sabem que isso traz visibilidade (e financiamento) para os seus laboratórios ou os seus projetos.

A história da ciência, no entanto, ensina: o cemitério das promessas científicas está cheio de covas profundas e esquecidas - grande parte delas preenchidas com medicamentos e vacinas contra males ainda incuráveis.

Rio+20 - Fraudes, pseudociência, aceitação forçada de paradigmas, medo da discordância e do debate franco... todas mazelas criadas em nome do prestígio, da vaidade, de egos exacerbados, da competição, do medo de macular a carreira, da pressa em publicar etc.

Mas o que tudo isso tem a ver com a Rio+20? Vejamos.

O filósofo alemão Jürgen Habermas diz que um dos traços das democracias modernas é que o público tem que lidar com políticas como "pacotes fechados", dizendo apenas se é a favor ou contra eles, sem discussões mais aprofundadas.

Se pudermos estender essa característica política às tendências ambientalistas, então o caso emblemático de "pacote fechado" talvez seja a questão do aquecimento global ou das mudanças climáticas - a escolha vai depender dos interesses políticos e econômicos do sujeito, como já revelaram pesquisas.

O leitor acredita em qual pacote? Crê no aquecimento global ou é cético?

A impenetrabilidade de Habermas aponta um caminho perigoso: grandes teorias científicas, por sua complexidade, acabam sendo aceitas como dogma. Ou rejeitadas como um. Na questão climática, o "sim" (aceitação) preponderou até agora - afinal, é difícil, mesmo para um cientista, levantar a voz contra um documento, o relatório do IPCC (sigla em inglês para Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), que traz a assinatura de mais ou menos 2.500 especialistas com doutorado.

Ceticismo - Mas, agora, parece brotar certo desconforto entre os próprios cientistas. Caso emblemático: 16 deles, todos renomados, publicaram manifesto nas páginas do "The Wall Street Journal" (26.jan.12) com o sugestivo título "Não é preciso se apavorar com o aquecimento global". Basicamente, dizem que não é necessário tomar medidas drásticas, no curto prazo, contra o aquecimento global, que o gás carbônico não é poluente e que as evidências do fenômeno não podem ser consideradas incontroversas (essas últimas são palavras de um Nobel de Física).

Respostas a esses céticos já são encontradas a granel na internet. Uma delas é a de William D. Nordhaus, professor de economia na Universidade Yale (EUA), "Por que os céticos do clima estão errados" ("New York Review of Books", 22.fev.12).

A mídia tem culpa na solidificação de paradigmas na ciência. Costuma -pela própria essência do jornalismo sobre ciência- privilegiar resultados e profecias em detrimento de dúvidas e reveses. Ciência, por sinal, nas palavras do filósofo britânico John Gray, é, hoje, o terreno das certezas; as dúvidas, diz ele, ficaram para a religião.

Nos jornais, há crítica de teatro, literatura, cinema, artes, música, gastronomia... E de ciência? Afinal, ela não é uma forma de cultura, a mais influente do século passado, segundo Hobsbawm?

Parte do esclarecimento (certezas e, principalmente, dúvidas) deveria vir dos próprios cientistas. Mas a verdade é que eles são resistentes em falar com um público que mal entende um fenômeno básico do cotidiano e titubeia perante matemática simples. O debate darwinismo versus criacionismo (e também ciência versus esoterismo) corrobora o dito acima.

À beira da Rio+20, o "Manifesto dos 16" foi pancada forte. Mas o que fraquejou pernas e esvaziou pulmões científicos foi a revelação, há poucos anos, de mensagens de um especialista da área em que estava confessa a manipulação de dados pró-aquecimento -é o lado humano (sem aspas) dessa atividade. O vazamento abalou profundamente a crença pública - e a de cientistas- em um conhecimento reunido arduamente nas últimas décadas.

É improvável que 2.500 especialistas estejam errados. Mas vale ter em mente o caso do éter, que abre este texto.

Para finalizar, retome-se Gray, com seu magistral e impressionante "Cachorros de Palha" (Record, 2005). O filósofo defende que o movimento verde sofre, nas origens, do mesmo mal do cristianismo e da própria ciência, a saber: o humanismo, este no sentido de que o homem é superior a outras espécies animais, é senhor de seu destino, pode controlar a tecnologia que cria e acredita na ilusão de progresso - algo que o britânico diz fazer sentido só no âmbito da ciência e não na ética, na política, nas artes, na literatura...

Natureza humana - Gray defende que a espécie humana é dominadora e destrutiva. E não adianta tergiversar, diz ele: somos assim, é a nossa natureza humana, algo negado, na política, ao longo da história, pela direita e pela esquerda e que está, para ficar num só exemplo, na raiz de genocídios.

O alento em todo o pessimismo de Gray é que a Terra, como sistema robusto que é, resistirá à infecção por humanos. Mas a um preço: destruição da fauna e da flora. Seguindo o pessimismo de Gray, é possível que tudo o que foi dito até aqui seja algo de menor importância. "A destruição do mundo natural não é o resultado do capitalismo global, da industrialização, da 'civilização ocidental' ou de qualquer falha nas instituições humanas. É consequência do sucesso evolucionário de um primata excepcionalmente rapinador. Ao longo de toda a história e pré-história, o avanço humano tem coincidido com devastação ecológica", escreve ele.

Neste momento de Rio+20, a reflexão mais profunda, talvez, não deva ser sobre essa ou aquela política, esse ou aquele dado científico, isso ou aquilo da economia. Mas, sim, sobre quem (realmente) somos, se valemos a pena.

E uma das análises mais profundas sobre essa questão está em "Cachorros de Palha". Vale ler, mesmo que seja para discordar.

* A equipe do Jornal da Ciência esclarece que o conteúdo e opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião do jornal.



Destaco aqui dois parágrafos do artigo do Cássio Leite Vieira:

A mídia tem culpa na solidificação de paradigmas na ciência. Costuma -pela própria essência do jornalismo sobre ciência- privilegiar resultados e profecias em detrimento de dúvidas e reveses. Ciência, por sinal, nas palavras do filósofo britânico John Gray, é, hoje, o terreno das certezas; as dúvidas, diz ele, ficaram para a religião.

Nos jornais, há crítica de teatro, literatura, cinema, artes, música, gastronomia... E de ciência? 

Em artigo intitulado Desnudando Darwin: ciência ou ideologia - A relação incestuosa da mídia brasileira com a Nomenklatura científicapublicado em 1998, mas não é mais encontrado (por que será, hein???) no Observatório da Imprensa, este blogger disse existir uma relação incestuosa da Grande Mídia e a Nomenklatura científica, especialmente quando a questão é Darwin. Vide aqui o silêncio da mídia sobre a falência epistêmica de Darwin.

Os dois parágrafos acima de Vieira, corroboram a minha tese de 14 anos atrás. Pensar que fui vilipendiado gratuitamente pela Galera dos meninos e meninas de Darwin na internet, e considerado persona non grata nas editorias de ciência por causa deste artigo.