Há 5 anos este blog é um farol iluminando as insuficiências da teoria da evolução de Darwin

sábado, abril 30, 2011

Não é muito estranho você ficar sabendo neste blog das insuficiências fundamentais da teoria geral da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos evolucionários no contexto de justificação teórica? Por que a Grande Mídia não aborda isso? Por que não se discute isso nas universidades públicas e privadas (na Universidade Presbiteriana Mackenzie se discute o contraditório)? 

A razão maior disso tudo é o seguinte: o que Darwin tem de bom a gente mostra; o que Darwin tem de ruim a gente esconde. Quando a questão é Darwin, tanto nas universidades públicas e na Grande Mídia é tutti cosa nostra, capice???

Blog Desafiando a Nomenklatura científica: 5 anos como farol iluminando essas trevas acadêmicas.

Dr. Kenneth Miller, criacionista, vai receber o prêmio Stephen Jay Gould 2011

The Stephen Jay Gould Prize

The Stephen Jay Gould Prize is awarded annually by the Society for the Study of Evolution to recognize individuals whose sustained and exemplary efforts have advanced public understanding of evolutionary science and its importance in biology, education, and everyday life in the spirit of Stephen Jay Gould.

The winner of the 2011 Stephen Jay Gould Prize is Kenneth R. Miller, a Professor of Biology at Brown University. Through his writings, teaching and appearances in court, Dr. Miller has proved an eloquent and passionate defender of evolution and the scientific method. Dr. Miller received his PhD in Biology from the University of Colorado and taught from 1974 to 1980 at Harvard University. While at Harvard he frequently interacted with and was inspired by Stephen Jay Gould. He first became aware of antievolutionism as a beginning professor at Brown University. His passion and skill at rebutting the claims of creationists eventually led him to serve as a key witness in several important and high-profile evolution-creationist court cases, including the well-known Kitzmiller v. Dover Area School Districtcase in 2005, the decision for which effectively forestalled further attempts to mandate the teaching of intelligent design in high school science curricula. Dr. Miller is also well known for his widely used high-school biology textbook, Biology, co-authored with Joseph Levine. With its strong unifying theme of evolution, this book was at the heart of court cases in 2004 and 2005 and has been defended from creationist inroads through Miller’s several debates with school board members and other decision-makers, helping to educate them as to the importance of the inclusion of evolution in their standards and curricula. He has written insightfully about the relationships between science and religion in his 1999 book Finding Darwin’s God, and his most recent book Only a Theory - Evolution and the Battle for America's Soul (2008) was named to Amazon's list of Best Science Books of 2008 and was a finalist for the National Academy of Sciences' Communication Award in 2009.

Dr. Miller is well-recognized as an engaging and effective communicator for both scientific and lay audiences, and has made frequent radio and television appearances. He is a master of the public presentation of science, and conveys scientific content in a style that effectively engages audiences with a broad range of backgrounds. As such, the broad reach of his public presentations and writings on evolution makes him an excellent choice for this year’s Stephen Jay Gould Award.

The Stephen Jay Gould Prize Committee:
Scott Edwards, Chair
Sam Scheiner
Maria Servidio
John Willis

Past Stephen J. Gould Prize winners:
2009 Dr. Eugenie C. Scott
2010 Dr. Sean B. Carroll


Source/Fonte: Evolution Society



Como o Dr. Michael Behe, o Dr. Kenneth Miller também é católico e aceita a hipótese da ancestralidade comum. Por que os evolucionistas nomeiam Behe como criacionista e Miller não? Ah, Miller também acredita em Deus como Behe.

Vá entender a Lógica Darwista 102...

Shabat Kodesh - Avraham Fried

sexta-feira, abril 29, 2011


Para, por e com Israel, sempre! Apesar de [preencher as lacunas]

Povo na rua protesta: resistir é existir




Ancestralidade e patologia na família do faraó Tutancâmon

Published online 27 April 2011 | Nature 472, 404-406 (2011) | doi:10.1038/472404a

News Feature

Ancient DNA: Curse of the Pharaoh's DNA

Some researchers claim to have analysed DNA from Egyptian mummies. Others say that's impossible. Could new sequencing methods bridge the divide?

Jo Marchant

Cameras roll as ancient-DNA experts Carsten Pusch and Albert Zink scrutinize a row of coloured peaks on their computer screen. There is a dramatic pause. "My god!" whispers Pusch, the words muffled by his surgical mask. Then the two hug and shake hands, accompanied by the laughter and applause of their Egyptian colleagues. They have every right to be pleased with themselves. After months of painstaking work, they have finally completed their analysis of 3,300-year-old DNA from the mummy of King Tutankhamun.

Featured in the Discovery Channel documentary King Tut Unwrapped last year and published in the Journal of the American Medical Association (JAMA)1, their analysis — of Tutankhamun and ten of his relatives — was the latest in a string of studies reporting the analysis of DNA from ancient Egyptian mummies. Apparently revealing the mummies' family relationships as well as their afflictions, such as tuberculosis and malaria, the work seems to be providing unprecedented insight into the lives and health of ancient Egyptians and is ushering in a new era of 'molecular Egyptology'. Except that half of the researchers in the field challenge every word of it.

Enter the world of ancient Egyptian DNA and you are asked to choose between two alternate realities: one in which DNA analysis is routine, and the other in which it is impossible. "The ancient-DNA field is split absolutely in half," says Tom Gilbert, who heads two research groups at the Center for GeoGenetics in Copenhagen, one of the world's foremost ancient-DNA labs.


Read more here/Leia mais aqui: Nature



Ancestry and Pathology in King Tutankhamun's Family

Zahi Hawass, PhD; Yehia Z. Gad, MD; Somaia Ismail, PhD; Rabab Khairat, MSc; 
Dina Fathalla, MSc; Naglaa Hasan, MSc; Amal Ahmed, BPharm; Hisham Elleithy, MA; Markus Ball, MSc; Fawzi Gaballah, PhD; Sally Wasef, MSc; Mohamed Fateen, MD; Hany Amer, PhD; Paul Gostner, MD; Ashraf Selim, MD; Albert Zink, PhD; Carsten M. Pusch, PhD

Author Affiliations

Author Affiliations: 

Supreme Council of Antiquities, Cairo, Egypt (Dr Hawass and Mr Elleithy); National Research Center, Cairo, Egypt (Drs Gad, Ismail, and Amer and Mss Hasan and Ahmed); Ancient DNA Laboratory, Egyptian Museum, Cairo, Egypt (Drs Gad and Ismail and Mss Fathalla, Khairat, Hasan, and Ahmed); Institute of Human Genetics, Division of Molecular Genetics, University of Tübingen, Tübingen, Germany (Ms Khairat, Mr Ball, and Dr Pusch); Learning Resource Center, Kasr Al Ainy Faculty of Medicine, Cairo University, Cairo, Egypt (Drs Gaballah and Fateen and Ms Wasef); Department of Radiodiagnostics, Central Hospital Bolzano, Bolzano, Italy (Dr Gostner); Department of Radiology, Kasr Al Ainy Faculty of Medicine, Cairo, Egypt (Dr Selim); and Institute for Mummies and the Iceman, EURAC, Bolzano, Italy (Dr Zink).


Context The New Kingdom in ancient Egypt, comprising the 18th, 19th, and 20th dynasties, spanned the mid-16th to the early 11th centuries BC. The late 18th dynasty, which included the reigns of pharaohs Akhenaten and Tutankhamun, was an extraordinary time. The identification of a number of royal mummies from this era, the exact relationships between some members of the royal family, and possible illnesses and causes of death have been matters of debate.


To introduce a new approach to molecular and medical Egyptology, to determine familial relationships among 11 royal mummies of the New Kingdom, and to search for pathological features attributable to possible murder, consanguinity, inherited disorders, and infectious diseases.


From September 2007 to October 2009, royal mummies underwent detailed anthropological, radiological, and genetic studies as part of the King Tutankhamun Family Project. Mummies distinct from Tutankhamun's immediate lineage served as the genetic and morphological reference. To authenticate DNA results, analytical steps were repeated and independently replicated in a second ancient DNA laboratory staffed by a separate group of personnel. Eleven royal mummies dating from circa 1410-1324 BC and suspected of being kindred of Tutankhamun and 5 royal mummies dating to an earlier period, circa 1550-1479BC, were examined.

Main Outcome Measures 

Microsatellite-based haplotypes in the mummies, generational segregation of alleles within possible pedigree variants, and correlation of identified diseases with individual age, archeological evidence, and the written historical record.


Genetic fingerprinting allowed the construction of a 5-generation pedigree of Tutankhamun's immediate lineage. The KV55 mummy and KV35YL were identified as the parents of Tutankhamun. No signs of gynecomastia and craniosynostoses (eg, Antley-Bixler syndrome) or Marfan syndrome were found, but an accumulation of malformations in Tutankhamun's family was evident. Several pathologies including Köhler disease II were diagnosed in Tutankhamun; none alone would have caused death. Genetic testing for STEVOR, AMA1, or MSP1genes specific for Plasmodium falciparum revealed indications of malaria tropica in 4 mummies, including Tutankhamun’s. These results suggest avascular bone necrosis in conjunction with the malarial infection as the most likely cause of death in Tutankhamun. Walking impairment and malarial disease sustained by Tutankhamun is supported by the discovery of canes and an afterlife pharmacy in his tomb.


Using a multidisciplinary scientific approach, we showed the feasibility of gathering data on Pharaonic kinship and diseases and speculated about individual causes of death.

KEYWORDS: cause of death, dna, Egypt, feminization, genetic diseases, inborn, gynecomastia, history, ancient, malaria, marfan syndrome, molecular biology, mummies, walking.


Ciência e divulgação

quinta-feira, abril 28, 2011


Agência FAPESP – Qual a relação da ciência com a cultura? O que é cultura científica? Como o bioetanol, a tuberculose e as células-tronco estão sendo abordados pela mídia brasileira? Políticas públicas de comunicação para a ciência? A ciência nas músicas de Gilberto Gil?

Essas são algumas das questões abordadas no livro Diálogos entre Ciência e Divulgação Científica: leituras contemporâneas, que será lançado no dia 29 de abril, às 19 horas, no auditório da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (UFBA), no Vale do Canela.

Livro Diálogos entre Ciência e Divulgação Científica: leituras contemporâneas, com textos de vários especialistas no tema, será lançado no dia 29 na UFBA

O evento contará com a participação de Carlos Vogt, coordenador do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e ex-presidente da FAPESP, que ministrará a palestra “De Ciência, Divulgação, Futebol e Bem-estar Cultural”, tema do prefácio do livro.

A obra, editada pela Edufba, é organizada pelos pesquisadores Cristiane Porto, Antonio Brotas e Simone Bortoliero, membros do Grupo de Pesquisa Ciência e Cultura, do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da UFBA.

O livro aborda a relação da ciência e sua divulgação e estabelece diálogos entre pesquisadores dos mais diversos temas sobre ciência e suas interfaces. Entre os especialistas que participam com textos estão Graça Caldas (diretora acadêmica da Associação Brasileira de Jornalismo Científico), Wilson Bueno (professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo) e as professoras da UFBA Iara Souza e Graciela Natansohn.

Mais informações: (71) 9984-2956 / 3176-2299 / 8852-5301



Os editores e autores consideraram os blogs que noticiam sobre ciência e questionam as teorias queridinhas da Nomeklatura científica destacando artigos questionando aspectos fundamentais dessas teorias? Não??? Gente, por favor alguém escreva algo assim. Nem que seja um estudo de caso.

Forças evolucionárias modelando a maquinaria da glicosilação de Golgi

Evolutionary Forces Shaping the Golgi Glycosylation Machinery: Why Cell Surface Glycans Are Universal to Living Cells

Ajit Varki

Author Affiliations

Glycobiology Research and Training Center, Center for Academic Research and Training in Anthropogeny, University of California at San Diego, La Jolla, California 92093

Correspondence: a1varki@ucsd.edu


Despite more than 3 billion years since the origin of life on earth, the powerful forces of biological evolution seem to have failed to generate any living cell that is devoid of a dense and complex array of cell surface glycans. Thus, cell surface glycans seem to be as essential for life as having a DNA genetic code, diverse RNAs, structural/functional proteins, lipid-based membranes, and metabolites that mediate energy flux and signaling. The likely reasons for this apparently universal law of biology are considered here, and include the fact that glycans have the greatest potential for generating diversity, and thus evading recognition by pathogens. This may also explain why in striking contrast to the genetic code, glycans show widely divergent patterns between taxa. On the other hand, glycans have also been coopted for myriad intrinsic functions, which can vary in their importance for organismal survival. In keeping with these considerations, a significant percentage of the genes in the typical genome are dedicated to the generation and/or turnover of glycans. Among eukaryotes, the Golgi is the subcellular organelle that serves to generate much of the diversity of cell surface glycans, carrying out various glycan modifications of glycoconjugates that transit through the Golgi, en route to the cell surface or extracellular destinations. Here I present an overview of general considerations regarding the selective forces shaping evolution of the Golgi glycosylation machinery, and then briefly discuss the common types of variations seen in each major class of glycans, finally focusing on sialic acids as an extreme example of evolutionary glycan diversity generated by the Golgi. Future studies need to address both the phylogenetic diversity the Golgi and the molecular mechanisms for its rapid responses to intrinsic and environmental stimuli.

Copyright © 2011 Cold Spring Harbor Laboratory Press; all rights reserved


Volta aos primórdios do Universo


Por Maria Guimarães

Revista Pesquisa FAPESP – No início da formação do Universo, estrelas de grande massa (pelo menos dez vezes a massa do Sol) e vida curta eram as principais fábricas de elementos químicos que entravam na composição de novas estrelas.

Além de grandes, esses corpos celestes também giravam depressa, propõe um estudo liderado pela astrônoma brasileira Cristina Chiappini, do Instituto Leibnitz para Astronomia de Potsdam, na Alemanha, publicado na edição desta sexta-feira (28/4) da revista Nature.

“A presença de alguns elementos em estrelas antigas só pode ser explicada se as estrelas massivas da época tivessem rotação rápida”, disse Cristina.

Estrelas responsáveis por produzir elementos há 12 bilhões de anos tinham rotação rápida, indica estudo com participação brasileira publicado na Nature(foto: Athena Stacy/Univ. Texas)

A ideia brotou do trabalho de Beatriz Barbuy, professora titular do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP), que em 2009 publicou um artigo no qual analisou estrelas muito velhas – por volta de 12 bilhões de anos – no centro da Via Láctea.

A pesquisadora examinou imagens captadas pelo Very Large Telescope (VLT), do Observatório Europeu do Sul (ESO), que registram os espectros de elementos que compõem a atmosfera dos corpos celestes. Notou uma abundância excessiva de bário e lantânio, elementos pesados que precisam de um processo lento para se formarem.

Só que essas estrelas nasceram no início da formação do Universo, quando ainda não tinha passado tempo suficiente para que esses elementos se formassem da forma tradicionalmente aceita. “Mas ninguém percebeu essa dica no meu trabalho, até que a Cristina o leu com atenção”, disse Barbuy.

Chiappini, que fez o doutorado no IAG com Bolsa da FAPESP, leu e logo percebeu a ligação com o trabalho do grupo do Observatório de Genebra, a que está associada, com modelos de alta rotação de estrelas.

A rotação poderia explicar a presença desses metais porque funciona como uma batedeira. A rotação da estrela mistura as camadas nas quais o ferro se formou com outras ricas em nêutrons, que são adicionadas ao ferro, dando origem a elementos mais pesados.

Chiappini então entrou em contato com Barbuy e pediu que verificasse por meio dos espectros a quantidade de outros metais, como ítrio e estrôncio, nessas estrelas antigas.

A professora do IAG voltou às imagens e o que viu se encaixou exatamente no modelo de Chiappini: só estrelas de grande massa em rotação vigorosa poderiam gerar aqueles elementos nas quantidades necessárias para compor as anciãs ainda vivas hoje.

Mais tempo de observação

Não é a única explicação possível, mas é a mais plausível. A conclusão é ainda mais forte porque dois pesquisadores do grupo de Genebra, proponentes de outro modelo para explicar a evolução química da galáxia, também assinam o artigo na Nature.

“O modelo deles explica a evolução de algumas estrelas nesse aglomerado, mas o nosso explica todas”, disse Chiappini. Para Barbuy, o trabalho quebra um paradigma aceito pela maior parte dos pesquisadores na área.

“Há 30 anos, um autor falou que as estrelas velhas são compostas por elementos formados por um processo rápido, e mostramos que não é assim”, afirmou.

É um grande passo, mas as duas pesquisadoras brasileiras veem a publicação do artigo como um início de algo maior. Com a repercussão que o trabalho deve ter, elas esperam conseguir mais tempo de observação no VLT e no Hubble, telescópios disputados por pesquisadores do mundo todo e cujo uso é determinado por mérito.

“Precisamos melhorar os modelos. Mas incluir outros metais é um processo muito lento”, disse Chiappini.

Não é para menos. Os elementos que as estrelas criam – e lançam no gás do Universo quando morrem – não só formam outras estrelas como também o Sol, a Terra e os corpos de seus habitantes. Não é uma busca modesta.

O artigo Imprints of fast-rotating massive stars in the Galactic Bulge (doi:10.1038/nature10000), de Cristina Chiappini e outros, pode ser lido por assinantes da Nature em www.nature.com.


Imprints of fast-rotating massive stars in the Galactic Bulge

Cristina Chiappini, Urs Frischknecht, Georges Meynet, Raphael Hirschi, Beatriz Barbuy, Marco Pignatari, Thibaut Decressin & André Maeder

Corresponding author

Nature 472, 454–457 (28 April 2011) doi:10.1038/nature10000Received 17 December 2010 Accepted 10 March 2011 Published online 27 April 2011


The first stars that formed after the Big Bang were probably massive1, and they provided the Universe with the first elements heavier than helium (‘metals’), which were incorporated into low-mass stars that have survived to the present2, 3. Eight stars in the oldest globular cluster in the Galaxy, NGC 6522, were found to have surface abundances consistent with the gas from which they formed being enriched by massive stars4 (that is, with higherα-element/Fe and Eu/Fe ratios than those of the Sun). However, the same stars have anomalously high abundances of Ba and La with respect to Fe4, which usually arises through nucleosynthesis in low-mass stars5 (via the slow-neutron-capture process, or s-process). Recent theory suggests that metal-poor fast-rotating massive stars are able to boost the s-process yields by up to four orders of magnitude6, which might provide a solution to this contradiction. Here we report a reanalysis of the earlier spectra, which reveals that Y and Sr are also overabundant with respect to Fe, showing a large scatter similar to that observed in extremely metal-poor stars7, whereas C abundances are not enhanced. This pattern is best explained as originating in metal-poor fast-rotating massive stars, which might point to a common property of the first stellar generations and even of the ‘first stars’.

Subject terms: Astronomy


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos podem ler gratuitamente este artigo da Nature e de mais 22.440 publicações científicas.

Sintetizando e arquivando dados de calibrações de fósseis: divergência de datação e além

Synthesizing and databasing fossil calibrations: divergence dating and beyond

Daniel T. Ksepka1,3,*, Michael J. Benton4, Matthew T. Carrano5, Maria A. Gandolfo6, Jason J. Head7, Elizabeth J. Hermsen6, Walter G. Joyce8, Kristin S. Lamm2, José S. L. Patané9, Matthew J. Phillips10, P. David Polly11, Marcel Van Tuinen12, Jessica L. Ware13,14, Rachel C. M. Warnock4 and James F. Parham15

Author Affiliations

1Department of Marine, Earth and Atmospheric Sciences, North Carolina State University, Raleigh, NC 27695, USA
2Bioinformatics Research Center, North Carolina State University, Raleigh, NC 27695, USA
3Department of Paleontology, North Carolina Museum of Natural Sciences, Raleigh, NC 27601, USA
4School of Earth Sciences, University of Bristol, Bristol BS8 1RJ, UK
5Department of Paleobiology, National Museum of Natural History, Smithsonian Institution, Washington, DC 20013, USA
6LH Bailey Hortorium, Department of Plant Biology, Cornell University, Ithaca, NY 14853, USA
7Department of Biology, University of Toronto Mississauga, Mississauga, Ontario, Canada L5L 1C6
8Department of Geosciences, University of Tübingen, 72074 Tübingen, Germany
9Laboratorio de Ecologia e Evolucao, Instituto Butantan, Sao Paulo, Brazil
10School of Biological Sciences, University of Queensland, Saint Lucia 4072, Australia
11Department of Geological Sciences, Indiana University, Bloomington, IN 47405, USA
12Department of Biology and Marine Biology, University of North Carolina at Wilmington, Wilmington, NC 28403, USA
13Department of Biology, Rutgers, The State University of New Jersey, Newark, NJ 07102, USA
14Division of Invertebrate Zoology, American Museum of Natural History, New York, NY 10024, USA
15Alabama Museum of Natural History, University of Alabama, Tuscaloosa, AL 3548, USA
*↵Author for correspondence (daniel_ksepka@ncsu.edu).


Divergence dating studies, which combine temporal data from the fossil record with branch length data from molecular phylogenetic trees, represent a rapidly expanding approach to understanding the history of life. National Evolutionary Synthesis Center hosted the first Fossil Calibrations Working Group (3–6 March, 2011, Durham, NC, USA), bringing together palaeontologists, molecular evolutionists and bioinformatics experts to present perspectives from disciplines that generate, model and use fossil calibration data. Presentations and discussions focused on channels for interdisciplinary collaboration, best practices for justifying, reporting and using fossil calibrations and roadblocks to synthesis of palaeontological and molecular data. Bioinformatics solutions were proposed, with the primary objective being a new database for vetted fossil calibrations with linkages to existing resources, targeted for a 2012 launch.

molecular clocks, palaeontology, bioinformatics, database

Received March 28, 2011.
Accepted April 8, 2011.
This Journal is © 2011 The Royal Society


Unicamp lança portal de conteúdos educacionais


Agência FAPESP – A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) lançou no dia 25 o OpenCourseWare (OCW) Unicamp, portal desenvolvido para hospedar conteúdos das disciplinas dos cursos de graduação em formato digital, originários de disciplinas de cursos de graduação da universidade.

O objetivo da iniciativa é disponibilizar para a sociedade, de forma gratuita, materiais como textos, fotos, animações, apostilas e vídeos. O serviço já conta com 12 disciplinas de diferentes áreas do conhecimento.

OpenCourseWare Unicamp facilitará o acesso pelo público geral de textos, fotos, animações, apostilas e vídeos utilizados nas disciplinas de graduação da universidade (Unicamp)

“Para a Unicamp, é muito importante tornar esses conteúdos acessíveis à comunidade acadêmica e à sociedade em geral. Temos convicção de que cada vez mais professores se interessarão pelo uso dessa ferramenta”, disse o reitor Fernando Ferreira Costa.

A Unicamp é a primeira universidade pública do Brasil a contar com o OCW. A criação do portal começou a ser formatada há pouco mais de dois anos, por meio de um acordo com a Universia Brasil. Na oportunidade, o objetivo era lançar a ferramenta com dez disciplinas disponíveis.

“Assim que a atual administração assumiu, demos impulso ao projeto. Não foi uma tarefa trivial criar uma plataforma que contasse com recursos de edição simples e que observasse questões importantes como o respeito ao direito autoral”, disse Marcelo Knobel, pró-reitor de Graduação.

O trabalho de concepção da ferramenta ficou a cargo da Pró-Reitoria de Graduação, em conjunto com o Grupo Gestor de Tecnologias Educacionais (GGTE).

O acesso aos dados disponíveis poderá ser realizado de forma livre e sem custo. Não haverá necessidade de inscrição ou do cumprimento de outras formalidades. Entretanto, o usuário terá que estar de acordo com as condições previstas nos termos de Uso do serviço.

“No momento da publicação, o GGTE confere com o docente se os direitos autorais relativos aos materiais que compõem a aula foram observados. Se houver alguma dúvida, nós adiamos a publicação até que esse ponto seja devidamente esclarecido”, explicou o coordenador do grupo, José Armando Valente.

“Essa ferramenta certamente mexerá com uma série de situações, inclusive com métodos pedagógicos. O desafio que fica aos professores é fazer com que os conteúdos de suas aulas também possam ser aprendidos a distância”, disse Ricardo Fasti, diretor-geral da Universia Brasil.

A estrutura do OpenCourseWare Unicamp segue uma tendência mundial que possibilita ampliar a relação institucional com a comunidade, a exemplo do que ocorre no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, por meio do projeto MIT OpenCourseWare.

OpenCourseWare Unicamp: www.ocw.unicamp.br

Estudo descobre que DNA de bactéria gera ondas de rádio

Electromagnetic Signals from Bacterial DNA

A. Widom, J. Swain, Y. N. Srivastava, S. Sivasubramanian

(Submitted on 15 Apr 2011)


Chemical reactions can be induced at a distance due to the propagation of electromagnetic signals during intermediate chemical stages. Although is is well known at optical frequencies, e.g. photosynthetic reactions, electromagnetic signals hold true for muck lower frequencies. In E. coli bacteria such electromagnetic signals can be generated by electric transitions between energy levels describing electrons moving around DNA loops. The electromagnetic signals between different bacteria within a community is a "wireless" version of intercellular communication found in bacterial communities connected by "nanowires". The wireless broadcasts can in principle be of both the AM and FM variety due to the magnetic flux periodicity in electron energy spectra in bacterial DNA orbital motions.

Comments: four pages and no figures
Subjects: Biological Physics (physics.bio-ph); Soft Condensed Matter (cond-mat.soft)
Cite as: arXiv:1104.3113v1 [physics.bio-ph]

Submission historyFrom: Allan Widom [view email
[v1] Fri, 15 Apr 2011 17:15:55 GMT (6kb)


Raízes africanas


Agência FAPESP – Informações sobre as histórias de africanos transportados à força em navios negreiros – ou tumbeiros, como eram chamadas essas embarcações – pelo Atlântico estão reunidas em um novo site na internet.

Trata-se do projeto African Origins, que utiliza como base informações de 9.453 africanos libertados pelas Comissões Mistas (sistema de tribunais internacionais criado na época para julgar os navios acusados de envolvimento no tráfico de escravos) para fornecer dados sobre quase 70 mil pessoas durante a supressão do comércio transatlântico de escravos no século 19.

Pelo site é possível conferir o resultado de uma série de contribuições linguísticas e culturais do registro de um nome. Durante a busca, o usuário tem acesso a informações como o lugar de origem, o ano de partida e o nome do navio em que estava a pessoa desejada, além de traçar os padrões migratórios de africanos carregados do interior da África para portos no litoral do continente.

Projeto African Origins busca descobrir a origem linguística e étnica de quase 70 mil africanos trazidos durante a colonização das Américas

“Os registros disponíveis até o momento são de escravos libertados em Havana, na capital cubana. Cada registro é analisado detalhadamente antes de ser incluído”, disse Domingos Dellamonica Jr., programador no projeto que conta com o apoio do Fundo Nacional para as Humanidades, da Universidade Emory e do Instituto W.E.B. DuBois (Universidade Harvard), todos dos Estados Unidos.

Formado em Ciências da Computação pela Universidade de São Paulo, Dellamonica teve mestrado apoiado por Bolsa da FAPESP e concluído em 2007 na mesma universidade. Atualmente, cursa o doutorado na Emory.

African Origins: www.african-origins.org

Edward O. Wilson, um evolucionista honesto, seguiu as evidências aonde elas foram dar: minha teoria evolucionária está errada

quarta-feira, abril 27, 2011


Biólogo de Harvard quer alterar a teoria da evolução (de novo)

Edward O. Wilson está tentando derrubar um elemento central do processo evolutivo: a origem do altruísmo


Em uma tarde recente, o ilustre biólogo de Harvard, Edward O. Wilson, estava em casa falando ao telefone sobre os golpes que vêm recebendo da comunidade científica e parafraseando Arthur Schopenhauer para explicar a indignação de seus colegas. “Todas as novas ideias passam por três fases”, dizia Wilson, com um certo tom de menino travesso. “Elas primeiro são ridicularizadas ou ignoradas. Depois, são tratadas com indignação. Finalmente, elas se tornam óbvias desde o princípio.

Wilson tem 81 anos, idade em que poderia ser perdoado por se isolar numa fazenda e escrever livros populares sobre ciência. No ano passado ele tentou escrever ficção, publicando um livro sobre formigas — sua especialidade científica — e até conseguiu emplacar um conto no The New Yorker. Mas ele também tem defendido uma ideia científica perturbadora, que, segundo o próprio Wilson, está na fase dois da progressão de Schopenhauer: a indignação.

Wilson está realizando um ataque frontal às explicações sobre a origem do altruísmo

O que Wilson está tentando fazer no final de uma influente carreira é nada menos que derrubar um elemento central da teoria da evolução: a origem do altruísmo. Sua posição está provocando críticas ferozes de outros cientistas. No mês passado, a revista Nature publicou cinco cartas de renomados cientistas dizendo que Wilson não entendeu a teoria da evolução e não sabe do que está falando. Uma dessas cartas continha as assinaturas de 137 cientistas, incluindo dois colegas de Wilson em Harvard.

O novo argumento de Wilson equivale a um ataque frontal às ideias aceitas há anos sobre um dos grandes mistérios da evolução: por que uma criatura ajudaria outra às próprias custas? A seleção natural significa que os mais aptos passam seus genes para a próxima geração, e cada organismo parece ter um incentivo enorme para sobreviver e se reproduzir. No entanto, estranhamente, o autossacrifício existe no mundo natural, mesmo quando ele parece colocar organismos individuais em uma desvantagem evolutiva: o esquilo que emite um som agudo para alertar outros esquilos sobre a presença de um predador está se colocando em risco. Como poderiam persistir, ao longo dos tempos, genes que levam a tais comportamentos? É uma questão que atormentava até mesmo Charles Darwin, que considerava o altruísmo um sério desafio à sua teoria da evolução.

A natureza do bem

O enigma do altruísmo é mais do que uma simples curiosidade técnica para os teóricos da evolução. Equivale a uma investigação de alto risco sobre a natureza do bem. Ao identificar os mecanismos através dos quais o altruísmo e outros comportamentos sociais avançados evoluíram em todos os tipos de seres vivos — como formigas, vespas, cupins e ratos-toupeira – estamos aumentando a nossa compreensão da raça humana e os processos evolutivos que nos ajudaram a desenvolver a capacidade de colaboração, lealdade, e até mesmo moralidade. Talvez seja esta a razão pela qual o debate um tanto esotérico entre Wilson e seus críticos tenha se tornado tão aquecido.

Seleção por parentesco

A explicação para o altruísmo se fundamenta na “teoria da seleção por parentesco”. De acordo com essa teoria, um organismo que busca passar seus genes para as gerações futuras pode fazê-lo indiretamente, ajudando um parente a sobreviver e procriar. Irmãos, por exemplo, compartilham aproximadamente metade de seus genes. E assim, pela lógica desapaixonada da evolução, ajudando um irmão a reproduzir é quase tão bom quanto reproduzir por si próprio. Assim, atuando de forma altruísta com alguém com quem você compartilha material genético não constitui autossacrifício: é apenas uma maneira diferente de promover seus próprios interesses. Wilson foi um dos pais da teoria da seleção por parentesco, mas agora, 40 anos depois, ele está implorando seus colegas para que a desconsiderem.

“A seleção por parentesco está errada”, declara Wilson. “É isso. Está errada”.

Na década de ’70, Wilson transformou a teoria da seleção por parentesco na base do seu trabalho na área da sociobiologia, um campo em que foi pioneiro e que cimentou o seu status como um dos gênios da ciência moderna. Mas ao longo das décadas, Wilson se deparou com evidências que o fizeram duvidar da relação entre parentesco genético e altruísmo. Os investigadores estavam encontrando espécies de insetos, que compartilhavam um monte de material genético entre si, mas que não se comportavam de forma altruísta, e outras espécies que tinham muito pouco material genético em comum mas que agiam de maneira altruísta. “Nada do que foi observado se encaixava na teoria da seleção por parentesco”, disse Wilson. “Eu sabia que algo estava errado”.

Em 2004, Wilson sugeriu uma teoria alternativa, defendendo que a origem do altruísmo e do trabalho em equipe não tem nada a ver com o grau de parentesco entre indivíduos. A chave, disse Wilson, está no próprio grupo. Em determinadas circunstâncias, os grupos de indivíduos que colaboram podem competir com grupos que não colaboram, garantindo assim que seus genes — incluindo os que predispõem à cooperação – sejam passados para as gerações futuras. Esta seleção por grupo, Wilson insiste, é o que forma a base evolucionária para uma variedade de comportamentos sociais avançados como o altruísmo e o trabalho em equipe.

Wilson não está argumentando que os membros de certas espécies não se sacrificam em benefício de seus parentes. Eles o fazem. Mas ele acredita que parentesco não é essencial para o desenvolvimento de avançados comportamentos sociais como o altruísmo. Para ele, a razão de tais comportamentos é que eles são vantajosos a nível do grupo.

O fato de que organismos socialmente avançados acabam favorecendo seus parentes é um subproduto da participação em um determinado grupo, não a causa, diz Wilson.


Fonte: Opinião e Notícia


Muito corajoso e honesto este cientista evolucionista: seguiu as evidências aonde elas foram dar - o contexto de justificação teórica não corroborou a teoria de Wilson.

A teoria geral da evolução de Darwin (macroevolução) é corroborada no contexto de justificação teórica???

James Shapiro ‘falou e disse’: o darwinismo não tem explicações sobre a evolução de quaisquer sistemas bioquímicos ou celulares

“Não existem explicações darwinianas detalhadas para a evolução de qualquer sistema bioquímico ou celular fundamental, somente uma variedade de especulações do que se deseja fosse realidade. É extraordinário que o darwinismo seja aceito como uma explicação satisfatória de um assunto tão vasto.” James Shapiro – Biólogo Molecular 

“There are no detailed Darwinian accounts for the evolution of any fundamental biochemical or cellular system only a variety of wishful speculations. It is remarkable that Darwinism is accepted as a satisfactory explanation of such a vast subject.” James Shapiro – Molecular Biologist


James Shapiro é evolucionista, mas é um cientista evolucionista HONESTO em reconhecer que a atual teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos de A a Z precisa ser profundamente revisada. Eu sou da opinião que deve ser simplesmente descartada. Darwin KAPUT!!! Pro bono scientia!!!

Por essa e outras razões que a nova teoria geral da evolução - a SÍNTESE EVOLUTIVA AMPLIADA, não pode e nem deve ser selecionista. Assim como a seleção natural é preguiçosa - o problema de estase no registro fóssil, assim é preguiçosa a Nomenklatura científica que irá entregar a nova teoria somente em 2020. E você só fica sabendo aqui neste blog porque a Grande Mídia vive uma relação incestuosa com a Nomenklatura científica: O que Darwin tem de bom, a gente mostra; o que Darwin tem de ruim, a gente esconde. Quando a questão é Darwin é tutti cosa nostra, capice?

O pior de tudo isso é que o MEC/SEMTEC/PNLEM aprova e recomenda livros didáticos de Biologia do ensino médio com a abordagem do fato, Fato, FATO da evolução com uma teoria - a SÍNTESE EVOLUTIVA MODERNA - declarada cientificamente morta por outro evolucionista HONESTO - Stephen Jay Gould, em 1980!!!

O nome disso é DESONESTIDADE ACADÊMICA, traduzindo em miúdos 171 epistêmico!!! E nenhum desses autores de livros didáticos me processa por danos morais. Estranho, não é mesmo? Desde 1998 que eu denuncio a desonestidade acadêmica deles, e nenhum me processa. Sabe a razão maior? Eles sabem que Darwin vai junto comigo para o bancos dos réus.

Ninguém é pequeno demais que não possa desafiar e derrubar a Nomenklatura científica

A Nomenklatura científica parece um edifício alto demais e inexpugnável. Nada mais falso 1. Em ciência o que vale são as evidências e não preferências ideológicas dos atuais mandarins. Preferências ideológicas que passam como se fossem a própria ciência. Nada mais falso 2. Você se acha pequeno demais para desafiar a Nomenklatura científica? Não se intimide, assista ao vídeo e veja que a Nomenklatura científica pode sim ser desafiada e derrubada. Quem viver, verá!!!

Vai ter com as formigas..., oops, pesquisa científica revela divisão de trabalho entre as formigas

Ants in a Labyrinth: A Statistical Mechanics Approach to the Division of Labour

Thomas Owen Richardson1,2*, Kim Christensen3,4, Nigel Rigby Franks2, Henrik Jeldtoft Jensen3,5, Ana Blagovestova Sendova-Franks1

1 Department of Engineering, Design and Mathematics, University of the West of England, Bristol, United Kingdom, 2 School of Biological Sciences, University of Bristol, Bristol, United Kingdom, 3 Institute for Mathematical Sciences, Imperial College London, London, United Kingdom, 4 Department of Physics, Imperial College London, London, United Kingdom, 5 Department of Mathematics, Imperial College London, London, United Kingdom

Image not related to this article/Imagem não relacionada com este artigo


Division of labour (DoL) is a fundamental organisational principle in human societies, within virtual and robotic swarms and at all levels of biological organisation. DoL reaches a pinnacle in the insect societies where the most widely used model is based on variation in response thresholds among individuals, and the assumption that individuals and stimuli are well-mixed. Here, we present a spatially explicit model of DoL. Our model is inspired by Pierre de Gennes' 'Ant in a Labyrinth' which laid the foundations of an entire new field in statistical mechanics. We demonstrate the emergence, even in a simplified one-dimensional model, of a spatial patterning of individuals and a right-skewed activity distribution, both of which are characteristics of division of labour in animal societies. We then show using a two-dimensional model that the work done by an individual within an activity bout is a sigmoidal function of its response threshold. Furthermore, there is an inverse relationship between the overall stimulus level and the skewness of the activity distribution. Therefore, the difference in the amount of work done by two individuals with different thresholds increases as the overall stimulus level decreases. Indeed, spatial fluctuations of task stimuli are minimised at these low stimulus levels. Hence, the more unequally labour is divided amongst individuals, the greater the ability of the colony to maintain homeostasis. Finally, we show that the non-random spatial distribution of individuals within biological and social systems could be caused by indirect (stigmergic) interactions, rather than direct agent-to-agent interactions. Our model links the principle of DoL with principles in the statistical mechanics and provides testable hypotheses for future experiments.

Citation: Richardson TO, Christensen K, Franks NR, Jensen HJ, Sendova-Franks AB (2011) Ants in a Labyrinth: A Statistical Mechanics Approach to the Division of Labour. PLoS ONE 6(4): e18416. doi:10.1371/journal.pone.0018416

Editor: Enrico Scalas, Universita' del Piemonte Orientale, Italy

Received: November 11, 2010; Accepted: March 4, 2011; Published: April 25, 2011

Copyright: © 2011 Richardson et al. This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original author and source are credited.

Funding: TOR and ABS-F acknowledge EPSRC grant EP/E061796/1. KC acknowledges EPSRC grant EP/E061761/1. The funders had no role in study design, data collection and analysis, decision to publish, or preparation of the manuscript.

Competing interests: The authors have declared that no competing interests exist.